Pensamentos nefrológicos

0comentário

Como faço quase todos os dias, naquele acordei por volta das cinco da manhã. Não que eu precise acordar a essa hora, não que eu seja um operário que precise madrugar para chegar no horário certo à obra, é que minha bexiga que não funciona normalmente durante o dia pede para ser esvaziada invariavelmente nessa hora. Ela é como um relógio cuco suíço que expulsa o passarinho pontualmente no horário previsto.

Depois desse ritual nefrológico e muitas vezes também gastroenterológico, eu estou pronto para exercitar um de meus passatempos favoritos: Escrever. Antigamente diria que era a árdua tarefa de desenvolver pensamentos em papel e tinta, hoje é um exaustivo exercício de “catar milho” nas letrinhas do teclado.
Naquela madrugada me peguei analisando friamente os aspectos do voto facultativo. Fui rever minhas opiniões e minhas convicções, ver se elas poderiam ser abaladas, levando-se em consideração uma analogia absurda que me veio à mente quando pingava a última gotinha de urina no vaso.

Imaginei-me sendo obrigado a analisar a possibilidade de aceitação do voto facultativo no Brasil, levando em consideração alguns dos meus passatempos ou esportes favoritos.

Imediatamente raciocinei que numa sociedade evoluída a obrigatoriedade não precisa existir, pois as pessoas evoluídas não precisam de normas coercitivas, tais como o voto obrigatório, ou o quinto mandamento de Moisés, que diz “Não matarás” para fazer ou deixar de fazer alguma coisa.

Dito isso, conclui que o que deveria ser obrigatório, nas sociedades menos evoluídas, eram aulas curriculares de xadrez, modalidade que dá às pessoas que o praticam uma ampla e objetiva visão de rumo, de estratégia para conseguir um determinado objetivo.

Que o judô deveria ser ensinado a todos, pois ele desenvolve o corpo em conjunto com a mente e o espirito, no sentido de extravasar energia física sem uso de violência. Que todos deveriam conhecer o basquete, modalidade que irreversivelmente nos faz descobrir a importância de agirmos em conjunto, em equipe, de forma fraternal e unida.

Que o desenvolvimento do vocabulário e da linguística poderia ser muito melhorado, eliminando grande parte das dificuldades de entendimento e comunicação, se todos praticassem as simplórias palavras cruzadas, e por fim, imaginei que se todos pudessem conhecer o jogo da paciência, que desenvolve nas pessoas a humildade do reconhecimento de seus erros e faz com que seus praticantes busquem a correção dos mesmos, os fazendo mais tolerantes, fazendo com que consequentemente se tornassem mais evoluídos.

Ao terminar de formular essa teoria no mínimo “estrambólica”, descobri que coisa semelhante poderia ser dita e justificada, quem sabe até com muito mais brilhantismo, sobre muitas outras modalidades esportivas e disciplinas curriculares, do que como eu fiz com as armas escolhidas por mim para evoluir a sociedade.

Ao pensar nisso cheguei a uma constatação e a uma conclusão fulminante: a única coisa que verdadeiramente pode fazer com que uma sociedade realmente evolua é o conhecimento, o ensinamento aos membros dessa sociedade, da educação formal e da educação complementar que se possa dar a eles. Sem isso ninguém, nenhuma pessoa individualmente e nenhuma sociedade coletivamente será evoluída. Sem instrução, sem ensino, sem educação, não se chega a lugar algum!

Ao final acabei por me deparar com um sério dilema: é preciso que o cidadão, primeiro tenha a educação necessária para que, só depois disso ele possa, conscientemente, escolher se usa ou não o seu direito de eleger seus representantes ou ao cidadão sem educação e consequentemente sem a formação necessária, deve deixar nas mãos de outras pessoas a decisão de escolher aqueles indivíduos que irão lhes representar?

Pensamentos assim não saem na urina…

sem comentário »

Um ano de governo *

5comentários

Tenho sido cobrado quanto a uma análise que prometi fazer sobre a nova administração implantada no Maranhão, assim que o governo completasse 180 dias, porém achei melhor estender esse prazo para quando ele completasse um ano, por entender que seis meses seria pouco tempo para se fazer uma apreciação mais embasada e justa.

Confesso que nem estava com muita vontade de fazer essa análise, pois não tenho tido a paciência necessária para assuntos ligados à política em sua forma partidária, onde uma apreciação como essa, se for encarada como positiva para a nova administração será criticada ferozmente pela oposição e se for tida como negativa, será encarada pelo governo como um mero ataque, de modo que por um prisma ou por outro, não será vista como um estudo criterioso.

Estou cansado dos maniqueísmos e dos sectarismos da política, coisa que não é de hoje que abomino e rejeito de forma peremptória, portanto, alerto de antemão que o que direi a seguir é resultado de minhas observações, isentas, sobre o funcionamento da nova gestão política e administrativa do Maranhão.
Em primeiro lugar devo falar ainda sobre a eleição. Ela transcorreu de forma normal e refletiu claramente a vontade popular, mesmo que os atores políticos, alguns por ações e outros por omissões, tenham contribuído para que o jogo eleitoral não tivesse transcorrido em melhores climas.

Dito isso, devo tratar da indicação dos nomes escolhidos para gestores das diversas secretarias e autarquias do governo do Maranhão, dizendo desde logo que eles foram o que de melhor havia a disposição do governador. No entanto, havia antes, continua havendo ainda hoje e pelo visto vai continuar existindo, uma discrepância muito acentuada entre o calibre do governador e o de seus auxiliares, causando um efeito nocivo à estrutura de autoridade do governo. Sinto que o governador se impõe mais pelo medo que ele causa nas pessoas que pelo respeito e a admiração que na verdade ele gostaria de imprimir com suas atitudes.

Podemos comprovar essa discrepância no fato do governador ter passado mais tempo que o necessário para trocar o comando da SECMA, já que era sua autoridade discricionária que estava em jogo e não apenas o desastroso desempenho da citada pasta antes da indicação do excelente Felipe Camarão. O mesmo fato não foi sentido quanto à recusa de aceitação do deputado Zé Reinaldo à pasta de Minas e Energia, uma vez que essa pasta efetivamente não existe mesmo. O governador simplesmente tentou com essa manobra acomodar o prefeito de Santa Inês, cuja esposa assumiria a Câmara no lugar de Zé Reinaldo.

Secretariado indicado e empossado, os desempenhos foram ficando visíveis conforme as peculiaridades de cada pasta e as capacidades de cada gestor, coisa que já era de se esperar.

Aqui cabe um parêntese: O governo cometeu um equívoco grave ao não cooptar para si funcionários de segundo e terceiro escalão, temendo que eles fossem partidariamente comprometidos com o grupo outrora dominante, com isso perdeu agilidade e certa continuidade das ações normais da máquina administrativa. O uso dessa forma de tentativa de aniquilação, ao contrário do resultado imaginado, só perpetua a rixa e preserva os possíveis laços de lealdade e gratidão que porventura possam existir, e não existindo, os cria.

Lembro que uma coisa deixou o então candidato Flávio Dino um tanto chateado comigo. Foi quando escrevi que a diferença que haveria numa mudança de grupo dominante na política do Maranhão seria meramente de nomes e conceitos ideológicos, e que a política, que tem poder e força própria, independentemente de nomes e ideologias, seguiria seu caminho igualmente como antes. Dito e feito.

Este continua a ser o cerne de minha análise, tanto que a secretaria que mais trabalhou neste primeiro ano de governo foi a de Transparência e Fiscalização, voltada a levantar tudo que possa ter sido feito de errado na administração anterior.

Concordo que esse trabalho seja importante, mas em minha opinião, um governo que prioriza essa ação em detrimento de outras, está focado tão somente no lado policial e eleitoral da gestão. Mas não estaria sendo justo se afirmasse que o atual governo só faz isso. Não, não é bem assim. Ele faz outras coisas também.

Por falar em policial, este foi um setor que teve desempenho semelhante ao dos anos anteriores, onde a incorporação de novos quadros para a Polícia Militar se deu apenas no final do ano, mas a notícia sobre ela palmilhou cada instante do tempo midiático do governo. Inclusive, sobre este assunto, parece que apenas 455 novos policiais foram realmente incorporados, enquanto as notícias fazem com que, erroneamente, acreditemos que já foram acrescidos aos quadros da PM do Maranhão 1500 novos praças. Simples detalhes midiáticos, com os quais governos desta ou daquela coloração estão afeitos.

Da extensa lista de compromissos de campanha, o novo governo cumpriu nove, operacionalizou oito e não deu conta de cumprir quatorze, mas ninguém vai exigir que tanto o atual governo quanto o seu governante sejam mágicos, que de uma hora para outra solucionem problemas antigos e de grande complexidade, mesmo que tenhamos na campanha eleitoral ouvido promessas que nos faziam acreditar que seria muito fácil solucionar problemas como, por exemplo, o do IDH, que requer investimentos constantes e sistemáticos em melhoria de infraestrutura, saneamento básico, saúde, educação e cidadania.

Neste ponto poderia fazer uma clara e direta comparação entre as gestões de antes e de agora, quanto a SEDEL. Posso falar desta pasta com propriedade, pois estive em seu comando entre 2011 e 2014. O que se vê hoje, em termos gerais, não é muito diferente do que acontecia anteriormente na maior parte dos setores. Os JEM’s continuam sendo o grande trabalho desta pasta, o Castelão continua sendo uma das prioridades, a lei de incentivo continua ativa, as praças esportivas continuam sendo mantidas, as piscinas, depois de um ano, continuam estagnadas, no mesmo estado, uma vez que a solução para o caso delas é bem complicada…

Há, no entanto, dois fatores que fazem a atual administração da SEDEL ser bem diferente da anterior. Primeiramente o grande prestígio pessoal que o atual secretário desfruta por parte do governo, coisa que na minha época não acontecia. Segundamente o esforço que a nova administração está fazendo para elevar o IDH de alguns de nossos mais carentes municípios, o que levou a iniciarem a construção de pequenos complexos esportivos e de lazer nestas localidades.

Em campanha o atual governador fez parecer que resolveria estes problemas de IDH com facilidade, pelo simples fato de querer fazê-lo e é aí que reside minha discordância.

O grupo que dominava a política do Maranhão, do qual eu fazia parte, não resolvia este problema porque não tinha capacidade para fazê-lo, porque tentava fazê-lo da maneira incorreta, pode até quem quiser dizer, que ele não tentava fazer tais mudanças, mas a verdade é que as dificuldades que o grupo anterior tinha em melhorar o IDH do Maranhão continuam existindo sob o comando do atual grupo dominante e isso ninguém pode negar.

O que se pode argumentar é que muito tempo se passou e pouco foi efetivamente conseguido nesse sentido. Infelizmente o que constato é que as mesmas dificuldades estão sendo e continuarão sendo enfrentadas pelos novos governantes.

Um programa implantado pela nova administração deve ser citado e elogiado. Trata-se de um adendo ao Bolsa Família que destina recurso uma vez ao ano para compra do material escolar das famílias de baixa renda de nosso estado. Uma maravilhosa iniciativa. Simples como as boas coisas devem ser.

No que diz respeito ao grupo que dominava a política do Maranhão, já era mesmo tempo de dar oportunidade a outros decidirem os destinos de nosso povo e se responsabilizarem pelos sucessos e pelos insucessos dessa façanha.

Setores como Saúde e Educação sofrem dos mesmos problemas. Eles não foram melhorados em absolutamente nada pelo simples fato de ter havido uma mudança nos nomes dos gestores ou no direcionamento ideológico do novo governo. O sistema funciona da mesma maneira, as carências são as mesmas, as dificuldades são idênticas.

No setor de infraestrutura o que se viu foi a finalização de muitas obras começadas na gestão anterior e o início de novas obras. Esse setor não para, é um passo após outro.

Setores como o fazendário e o portuário são dois dos que tiveram melhores performances nesse primeiro ano do novo governo que foi marcado por uma total inação da mídia governamental, menos por responsabilidade dos profissionais do setor e mais por consequência de uma diretriz de governo. Foi dada preferencia às mídias alternativas e sociais em desfavor da mídia convencional, uma vez que esta, está em sua maioria, em poder de grupos de oposição ao governo. No final do ano o governo começou a usar a mídia convencional e sua visibilidade se sobressaiu.

Poderia dizer que esse primeiro ano tenha sido um ano de preparação e que este segundo ano será de afirmação, tanto que a coisa mais importante que o governo fez nesse primeiro ano de gestão foi resgatar a imagem desgastada de seu aliado de primeira hora, o prefeito de São Luís.

O governador disse recentemente em uma entrevista que a máquina do governo não participará das campanhas eleitorais de 2016 para as prefeituras municipais. No caso de São Luís, graças a Deus, isso já não é verdade, pois sem a injeção de recursos e a execução de obras na cidade, seu candidato continuaria fragilizado e nossa cidade não estaria recebendo benefícios tão importantes.

Segundo o governador ele participará das campanhas de seus candidatos, mas seu governo, os recursos dele, não serão usados como suporte de campanha eleitoral. É nessa hora que reafirmo o que disse antes. Mudamos de governante, de grupo hegemônico, mas a política não muda, nem mesmo na retórica.
Nenhum candidato a prefeito apoiado pelo governo ficará satisfeito apenas com a presença do governador e de seus auxiliares em seu palanque, o que eles irão querer é o suporte do governo com a realização de obras ou pelo menos com as promessas delas, o que acaba dando no mesmo.

Se isso acontecer desta forma como estou descrevendo, qual será a diferença para tempos pretéritos? Os nomes dos atores e as ideologias professadas por eles!?

No que diz respeito ao relacionamento do governo com a classe política há uma diferença que deve ser citada e analisada. Se anteriormente a classe política era desprestigiada porque o governante não os levava em consideração por desleixo e inapetência, o que se sente hoje é que o atual governante e seus assessores mais diretos não prestigiam a classe política por simples desprezo, por não acreditarem ser a classe política necessária no processo de mudanças que querem implantar no Maranhão.

Se antes se cometia o pecado do desleixo e da falta de reconhecimento, agora se acredita piamente que a classe política maranhense não está preparada para agir como vetor de mudança de nosso panorama social.

Quando digo que se mudam os nomes e as ideologias e não se mudam os fatos e os acontecimentos da política, posso provar. Lembram-se do incidente que aconteceu em Lago da Pedra quando a prefeita Maura Jorge foi impedida de falar numa solenidade que fora convidada pelo governo? Pois é! Coisa muito parecida acontecia antes, quando o grupo Sarney detinha a hegemonia política de nosso Estado e algum correligionário, cabeça de bagre, emprenhava o ouvido do governante fazendo com que ele cometesse erro como aquele que foi cometido naquela ocasião.

Para finalizar essa rápida análise que já se estende por quase quatro laudas, gostaria de dizer que se fosse dar uma nota para o governo neste seu primeiro ano, daria um oito, pois se excetuando a visão fixa no retrovisor, ele cometeu poucos erros quando olhou para frente e focou no que era realmente importante.

Como muitos eu não vislumbro um ano de 2016 fácil para ninguém, muito menos para o governo em qualquer uma de suas esferas. O que se pode fazer em momentos como esse é o básico, o simples feijão com arroz, quando muito, alguma inovação que não seja muito onerosa e que tenha boa e grande repercussão.

* Por problema de espaço físico está matéria não será também publicada na página de opinião de O Estado do Maranhão.

5 comentários »

Visita forçada ao meu Twitter

0comentário

Para começar o ano, convido você para conhecer alguns de meus pensamentos, postados no Twitter:

Invisto meu tempo planejando as grandes coisas que pretendo fazer, enquanto isso, me eximo de fazer as pequenas coisas que não planejei.

Hitler disse que a sorte dos ditadores é que os homens não pensam. Conclamo todos os seres humanos a pensar e acabar com a sorte dos ditadores.

A arrogância é sempre má conselheira.

Um bom sentimento exclama? Então uma boa ideia interroga!

Arte e extinção são duas palavras que não combinam. Só há duas formas de se fazer arte: a replicação da natureza e a reinvenção dela.

A verdadeira sabedoria consiste em sabermos nossos limites, em sabermos até onde podemos e devemos ir para conseguir o que queremos…

Depois de se conseguir superar a suprema dúvida, o que restar só poderá ser a suprema verdade. Será que alguém consegue suprimir toda dúvida?

Tudo já foi dito, mas é bom que sempre se repita para que não se esqueça.

Alguém comentou o fato de eu estar mais esbelto, ao que outro comentarista sacramentou: “Isso é claro sinal da decadência!” Um terceiro comentarista aproveitou a deixa e arrematou: “Melhor estar esbelto por decadência que obeso por deselegância e prepotência”.

Mundinho devagar! A relatividade só tem 100 anos!! Mundinho fugaz! A relatividade já tem 100 anos!!

Para que saibam quem somos, basta que se diga o que fizemos e fazemos.

O maior de todos os poderes é o tempo. Nele o que tem de secar seca, o que tem para florescer floresce.

Quem usa muito as redes sociais fica mais conhecido, mas muito mais distante, muito menos íntimo das pessoas. Whatsapp, Instagram, Faceboock, Twitter… Tudo isso só distancia as pessoas, as torna mais superficiais. Nos dias atuais, a maior demonstração de intimidade, graças às novas tecnologias, é falar com alguém ao telefone.

Há uma enorme batalha sendo travada dentro de minha mente. De um lado, minha inteligência, e, de outro, minha capacidade de exprimi-la.

O excesso na prática de uma qualidade pode facilmente transformar-se em um defeito.

Uma dura conclusão: a verdade varia de pessoa para pessoa, de um ponto de vista para o outro, logo não existe uma única verdade, mas opiniões…

Tudo na vida passa: se deixa de ser criança; o basquete juvenil; a revista Guarnicê; deputado; Nagibão; casamentos… O que importa é o hoje! Dona Clarice, Laila, Jacira e as pessoas que amo; O MAVAM da FNH; os filmes que faço e aqueles que sublimo. O amanhã? Este é uma mera sequência de hojes, com fortes influências de ontens… O caminho? Nós fazemos parte dele e ele nos faz em parte.

Quanto mais me afasto da política partidária, mais claro fica para mim o quanto esse é um jogo baixo e viciado, onde não há inocentes, nele existem aqueles que se elegem com um discurso e praticam outro; Hipócritas que cobram aquilo que não oferecem; “Sabidos” demais!…

Existem pessoas que só tem um assunto! Monos… Monofônicos, monocromáticos…

Na política nunca se deve usar luvas, o tato é a melhor saída sempre.

Em tempos difíceis, aos políticos não é permitida a possibilidade de errar. O menor erro pode custar muito caro.

Um grupo político pode resistir aos ataques de adversários muito poderosos, mas não consegue resistir a seus próprios desacertos internos.

É uma pena que tudo que aprendemos nos primeiros anos de nossas vidas só venhamos a compreender realmente em nossos últimos anos nela.

 

sem comentário »