6 Pautas em 15 dias

2comentários

As duas últimas semanas foram muito agitadas, como de resto têm sido quase todas deste ano complicado, e como não consegui me decidir sobre qual assunto tratar em meu texto de hoje, fiz um resumo de algumas pautas.

1 – O Deputado Federal mais votado da história do Brasil, Eduardo Bolsonaro, que por acaso é filho do atual Presidente da República, verborragiou desatinos sobre um possível retrocesso democrático, movido principalmente por mera falta de tato, de tino, de capacidade de entender o enredo desta tragicomédia, que ele, sua turma e seus adversários, são os protagonistas, enquanto nós e o Brasil, as vítimas.

2 – A Rede Globo, exibiu uma matéria especulativa e facciosa, onde ela mesmo colocava em dúvida suas próprias declarações e notícias. Fez isso na tentativa de envolver o presidente e seus filhos no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco, e para isso usa milenar tática da fofoca e não as técnicas do bom jornalismo.

Uma matéria tão asquerosa que conseguiu o repúdio até de pessoas que se opõem a Bolsonaro, deixando claro que parte da imprensa está realmente orquestrando uma campanha contra o presidente e seu governo, não que ele não lhes dê bastante motivo para isso!

3 – Enquanto isso, Cazuza não me deixou esquecer que O Tempo Não Para! Continuamos trabalhando na produção da série A Pedra e a Palavra, que enfoca a vida e a obra do Padre António Vieira. Nessa etapa, entrevistamos em São Paulo, Adma Muhana, João Adolfo Hansen e Alcír Pécora, professores geniais, que são alguns dos maiores especialistas em assuntos relacionados àquele que segundo o poeta Fernando Pessoa é o Imperador da Língua Portuguesa.

Mas foi a quinta-feira, 7, o dia mais intenso desta quinzena!

4 – O presidente Jair Bolsonaro resolveu retirar as atribuições do antigo Ministério da Cultura, do Ministério da Cidadania, mas incoerentemente, ao invés de vinculá-las ao Ministério da Educação, as transferiu para o Ministério do Turismo. E aqui outra coisa causa estranheza! Por que ele não fez o mesmo em relação às atribuições do antigo Ministério do Esporte, que figurava em similaridade com a cultura, no Ministério comandado pelo Deputado Osmar Terra?

Ainda sobre esse fato, vale lembrar que Bolsonaro comete o mesmo erro perpetrado por seu desafeto, Flávio Dino em seu primeiro mandato como Governador do Maranhão, quando juntou Cultura e Turismo, imaginando que apenas os calendário de eventos culturais e turísticos seria justificativa suficiente para juntar na mesma pasta atividades tão distintas. Dino demorou, mas reviu seu erro!

Acredito que Turismo estaria melhor junto com Industria, Comércio e Economia, enquanto Cultura e Esporte deveriam ser geridos juntos com Educação. Uma coisa tão simples quanto somar um mais um!

5 – Em outro acontecimento marcante, o jornalista Glenn Greenwald, chamou o também jornalista Augusto Nunes de covarde, ao vivo, no Programa Pânico, da Jovem Pan. Descontrolado, o insultado, depois de advertir seu ofendedor, para que não o insultasse, deu-lhe um bofete, e os dois protagonizaram uma daquelas briguinhas características do programa Os Trapalhões.

Esse seria um outro assunto que eu poderia abordar aqui hoje. A dosimetria e a hierarquia dos direitos ou o que é mais grave, um insulto moral ou um tapa na cara!? Polêmica garantida!

6 – Por fim, o Supremo Tribunal Federal se desdisse pela terceira vez. Estabeleceu que aquilo que havia dito antes, sobre a prisão de réus condenados em segunda instância, à partir de agora, seria novamente diferente, permitindo que fiquem livres os condenados por um juiz e um tribunal revisor.

Eu, que fui Deputado Federal Constituinte, tive a honra de assinar, no dia 5 de outubro de 1988, a Constituição da República Federativa do Brasil, (ao contrário de Lula e alguns de seus colegas petistas, que não a assinaram) e acredito que o que aconteceu de mais importante com aquela Constituição, foi o apoio popular que ela teve, a vontade dos políticos de então, em estabelecer de forma pacífica e ordeira, um regime verdadeiramente democrático em nosso país, depois de vivermos durante vinte e um anos em um regime de exceção.

Continuo acreditando que naquele momento, colocarmos no texto constitucional uma série imensa de direitos, era o mais correto e sensato a ser feito, pois primeiro precisávamos que a democracia que nós estávamos ali plantando, germinasse, crescesse, florescesse e frutificasse.

Agora, trinta anos depois, tendo nossa democracia já sido testada diversas vezes, de diversas formas, em diversas crises, e tendo ela alicerces e fundações, profundas e sólidas, é hora de repensarmos alguns parâmetros que estabelecemos naquela ocasião, sob pena de ao invés de fortalecermos nossa democracia, nós a fragilizarmos, por interesses meramente políticos partidários, que visam a defesa de projetos de poder de alguém ou de alguns.

2 comentários »

Pilares e Vigas

0comentário

A arte não pode ter seus pilares fundados em ideologias políticas. O mesmo ocorre no que diz respeito ao vigamento dessa que é a suprema manifestação do espírito humano.

Isso não pode acontecer, sob pena da arte perder a sua mais importante função, que é a de representar o espírito humano em sua plenitude, livre de qualquer amarra, padrão ou de qualquer coisa que possa segregar, não só pessoas, mas também ideias e pensamentos.

Em contrapartida ao fato da arte não poder ter seus pilares e suas vigas corrompidas por ideologias, a sustentação transversal dela, ou seja, suas lajes, aquilo que seria em alguns casos o piso, ou de outro ponto de vista, o teto dessa intrincada construção, estas sim, podem ser amalgamadas por ideologias, quaisquer que sejam elas.

Resumindo, enfatizando e usando ainda o sistema pilar-viga-laje, como metáfora, repito: a arte não pode nunca, jamais ou de qualquer forma, ter seus elementos estruturais, verticais e horizontais, contaminados por ideologias, mas seu terceiro elemento, este transversal, pode e até deve, ter aspectos e ingredientes filosóficos e ideológicos.

Lajes não se sustentam sem pilares e vigas.

O problema é que no intuito de conquista, dominação e hegemonia da sociedade, a arte sempre foi usada como vetor, como arma, às vezes de forma sutil, às vezes de forma descarada, às vezes de forma aceitável, e algumas vezes de forma inadmissível.

São as pessoas para as quais a arte é apresentada, que podem ou não gostar dela, podem assimilá-la ou não, podem classificá-la de forma positiva ou negativa. Mas a arte não pode trazer em si alguns ingredientes comuns a outros setores da vida humana, tais como a propaganda, o marketing, a hipnose, o aparelhamento, sob pena dela deixar de habitar o nobre espaço que lhe é reservado, e passar a habitar uma outra dimensão, nada nobre.

Quando na antiguidade, os escultores clássicos entalharam em pedra seus deuses, heróis, governantes, filósofos e personagens, eles nos legaram a sua visão, com pouquíssima influência ideológica.

Quando no século XV, durante o renascimento, os artistas tentaram continuar a tradição artística grega e romana, a igreja católica, poder hegemônico daquela época, interferiu em muitos casos, inclusive obrigando os artistas a encobrirem os órgãos genitais, expostos em seus quadros, afrescos ou esculturas, com panos ou folhagens, incidindo assim de forma política sobre a criação artística.

No século XVII, pintores como Caravaggio, Rubens, Rembrandt, Velásquez e Vermeer, pintaram o que lhes era comum. Em sua obra há ingredientes políticos? Há, mas eles não são os pilares e as vigas mestras de sua arte. São ingredientes de suas lajes.

Nos anos de 1800, a humanidade começava a atingir um certo nível de maturidade e sofisticação. Foi nessa época que começaram a aparecer as mais diversas escolas artísticas.

O Romantismo, o Realismo, o Impressionismo e o Expressionismo revolucionaram as artes plásticas, e como um rastilho de pólvora incendiaram todas as expressões artísticas. Nessa mesma época aconteceu um grande ressurgimento filosófico no mundo, impulsionado de forma favorável ou contrária, pela revolução industrial.

De um lado, o que temos nessa época, são figuras como Goya, Delacroix, Manet, Coubert, Renoir, Monet, Van Gogh, Lautrec, Munch e Modigliani e do outro, Nietzsche, Freud, Camte, Darwin, Emerson, Marx, Engels e Weber. Artistas que estabeleceram e firmaram suas escolas, e filósofos que em seu campo de atuação, fizeram a mesma coisa, mas não necessariamente se influenciaram mutuamente.

Já o que aconteceu no século XX, em relação ao Cubismo, ao Dadaísmo, ao Surrealismo e à Pop Arte, foi uma total interferência filosófica e ideológica, principalmente pelo fato dos artistas terem passado a personificar sua arte, como foi o caso de Picasso, Duchamp, Dali e Warhol. Ainda assim era aceitável.

A partir daquele momento, os artistas passaram definitivamente a ser partes integrantes de suas artes, confundindo as pessoas que começaram a ser influenciadas pelos ingredientes ideológicos impregnados nelas, muitas vezes inconscientemente, pelas teorias hegemônicas e controladoras da sociedade de António Gramsci.

Hoje, quando se vê um artista que constrói sua arte com pilares e vigas ideológicas, não se vê na verdade um artista, nem se aprecia uma arte. O que se vê é um militante e o que se admira, ou não, é a sua bandeira.

sem comentário »

Simplesmente Coringa!

0comentário

Finalmente consegui um tempinho para assistir ao tão esperado filme “Coringa”, e sem mais delongas, posso lhes garantir que ele vai ganhar pelo menos os prêmios de melhor roteiro e melhor ator em todos os festivais de cinema em que participar!

Postei a afirmação acima em minha página no Facebook, e quase que imediatamente meu querido primo Bruno Tomé Fonseca saiu, muito pertinentemente, em defesa, da impecável direção de arte e da cenografia do filme, fato do qual ninguém pode discordar.

Realmente, os trabalhos de ambientação, cenários e figurinos que colocam “Coringa” nos tempestuosos anos 80, numa Gothan City, irmã gêmea de Nova York, estão muito bem executados neste filme. Porém, os trabalhos mais técnicos no caso desta obra são menos importantes, se comparados à riqueza multifacetada do enredo, à escolha da abordagem, que, diga-se de passagem, é apenas uma entre diversas que o autor poderia ter escolhido, e principalmente do trabalho de interpretação deste pedaço de argila em forma de homem, chamado Joaquin Phoenix.

O fato é que não vi este ano nenhum filme mais instigante que este!… Na verdade, faz muito tempo que não vejo nada parecido. Pensando bem, nem sei se já vi algo semelhante, uma vez que se trata de um personagem secundário, de uma franquia que tem mais tempo de vida que mais de 90% da população mundial!

Quando eu era criança, o Batman era Adam West, ator fraquinho que cumpria à risca o que seus diretores mandavam. Já naquele tempo o Homem-Morcego era menos importante do que os vilões que infernizavam a vida das pessoas na cidade do Chefe Gordon, uma vez que o Pinguim era interpretado pelo genial ator Burgess Meredith, o Charada era o elétrico Frank Gorshin, o Cabeça de Ovo era simplesmente o estupendo Vincent Price, a Mulher Gato era a bela Julie Newmar e o Coringa, ninguém menos que o já então grisalho latin lover, César Romero.

De lá para cá tivemos alguns bons Batmans, mas como que, por uma sina, os vilões, notadamente o Coringa, sempre foi interpretado por atores acima da média, como Jack Nicholson e Heath Ledger, sendo que este último parecia que entraria para a história do cinema como o ator que melhor interpretou esse personagem. Esse fato agora provou-se superado, não sei se feliz ou infelizmente.

Digo isso porque o que Joaquin Pheonix faz com o seu corpo na interpretação desse Coringa, é algo surpreendente e extraordinário, comparado apenas com as interpretações fisiológicas de Robert de Niro, em O Touro Indomável, Matthew McConaughey em Clube de Compras Dallas e Crinstian Bale em O Lutador. Saliento que quando digo “comparado”, me refiro ao mero trabalho físico, fisiológico… Bengala que os atores usam para apoiar suas interpretações.

Mas neste caso meu homônimo vai mais longe que os atores que citei, todos ganhadores de Oscars, por aqueles filmes. Ele desenha como poucos o personagem que interpreta, dando a ele uma profundidade extraordinária. O esculpe em camadas, fazendo com que o espectador veja e sinta em detalhes o que se passa com ele, mesmo que a história, pela sua própria natureza, se anuncie momentos antes para nós, atentos a tudo, na sala escura.

O trabalho do diretor é extraordinário, principalmente pelo fato dele não se permitir ser a estrela do filme e deixar a história e o ator brilharem em seus lugares. O diretor se coloca na função de mero condutor do trem… Melhor seria eu dizer, condutor de uma sinfonia, que mesmo estando, como maestro, postado na frente da orquestra, com a batuta em punho, a usa como um simples lápis, para apenas sugerir e esboçar os tons e os sentimentos de cada nota que devem lançar mão seu extraordinário grupo de músicos.

O diretor Todd Phillips, que também assina o roteiro, com Scott Silver, tem na simplicidade e na discrição suas maiores e mais relevantes qualidades.

Resumindo, Coringa se anuncia como o melhor filme do ano!

sem comentário »

Moura e Tarantino. Carlos e Charles.

0comentário

Passado algum tempo e já tendo se dissipado o calor em torno do assunto, resolvi entrar na polêmica do filme “Marighella”, dirigido por Wagner Moura, a quem reputo um de nossos mais completos atores.

O fato de discordar ideologicamente de Moura e muito mais ainda do guerrilheiro Carlos Marighella, retratado por ele em seu filme, em nada invalida o talento do ator-diretor nem a qualidade artística de sua obra.

Acho importante que todos possam assistir a este filme, até porque o obscurantismo nunca ajudou ninguém em nenhuma época e nem em qualquer situação. Vejam o que aconteceu com o fechamento da União Soviética para o mundo! Essa tática é a dos comunistas, não a dos liberais.

Isso não quer dizer que iremos aceitar a verdade deles só porque eles são quem o são.

Na verdade, o grande ator Wagner Moura tem agido de forma asquerosa, maculando a imagem de nosso país, na tentativa de atingir objetivos políticos, ideológicos e partidários, o que é deplorável.

O filme de Wagner Moura sobre Marighella é na verdade uma obra de propaganda ideológica e, como tal, traz em si uma série de erros grosseiros e propositais, tanto de contexto quanto de historicidade, como o fato de um ator negro, Seu Jorge, encarnar um personagem que no máximo poderia se dizer moreno. Marighella era filho de pai italiano e mãe mulata!

Resumindo a opereta: sou contra a tentativa de restringirem e boicotarem o lançamento e a exibição do filme “Marighella”. Penso que todos devam ter o direito de assistir a todos os filmes que porventura sejam produzidos. No entanto, é importante que fique muito claro que existem filmes históricos que são feitos seguindo critérios respeitáveis e confiáveis, outros que são feitos como alegorias de algum fato ou personagem histórico, onde o autor insere alguns detalhes e ingredientes ficcionais para melhor construir a dramaticidade da obra, e outros que são meramente filmes de propaganda ideológica, de doutrinação e aparelhamento social, como é o caso deste.

Enquanto escrevia este texto, recebi de um amigo uma montagem onde aparecem, lado a lado, o guerrilheiro Marighella e o quadrilheiro Marcola. Percebe-se bem a semelhança física entre eles. Seus modus operandi são bem semelhantes e conhecidos, pois os quadrilheiros aprenderam com os guerrilheiros todas as suas táticas.

Por outro lado, assisti recentemente ao mais novo filme de Quentin Tarantino, “Era uma vez em Hollywood”, onde o diretor se baseia em um fato real, para contar uma história ficcional, que na verdade é o retrato da realidade sobre um aspecto da indústria cinematográfica americana.

Tarantino cria dois personagens ficcionais encarnados por dois atores ícones de nosso tempo, Leonardo Di Caprio e Brad Pitt, para contar uma história, velha conhecida nossa: a montanha-russa que é a vida dos astros de cinema. Nessa aventura, ele conta alguns fatos da história de astros do cinema, que aparecem de soslaio, como Steve McQueen, Roman Polanski e Sharon Tate.

Incrivelmente, a criação alucinada desse controverso diretor distorce propositalmente a realidade e impede que a “família” de Charles Manson, mate Sharon e seus amigos, em uma noite sombria, de loucura, violência desmedida e magia negra.

Ao fazer isso, descaradamente, Tarantino é honesto, pois claramente nos oferece um filme de ficção sobre uma realidade conhecida, enquanto Moura, em seu “Marighella”, pretensiosamente construído na intenção de nos apresentar sua versão sobre esse personagem como sendo a verdadeira, tenta estabelecer com este filme uma verdade histórica que passe a ser aceita por todos.

Enquanto o diretor americano usa da ficção para ressaltar a verdade sombria do fato na cabeça das pessoas, o diretor brasileiro usa sua concepção ideológica para impingir ao espectador a verdade que ele deseja estabelecer.

É bem aí que consiste a diferença básica entre o sucesso do bom (mas intrincado, para quem não conhece a história) filme de Tarantino e o fracasso da tentativa panfletária de Moura ao contar a sua versão da história de Marighella.

sem comentário »

Sobre política e políticos

1comentário

Estou ficando cansado!… Cansado de ver, de ouvir e de saber de tanta idiotice e barbaridade cometidas em nome do direito e da democracia, quando na verdade esses atos torpes são perpetrados simplesmente em nome de uma “política” que na verdade deveria ser chamada de politicalha, que serve tão somente para levar uma pessoa, e o grupo em que ela se apoia, ao poder.

O caso envolvendo os moradores do Cajueiro demonstrou isso de forma repugnante! Quem antes, na oposição, defendia panfletariamente os moradores e ocupantes daquela área, hoje, no governo, defende o direito de propriedade da empresa que ali irá construir um porto! Quem antes, no governo, defendia os interesses da empresa proprietária, hoje defende os ocupantes das terras! Todos uns canalhas!…

A palavra política, “politiké” em grego, abrange tudo o que é relacionado a grupos específicos que integram a pólis, a Cidade-Estado, que no apogeu da civilização grega clássica, era o que hoje se entende comumente como nação, como país.
Um político, “politikós” na língua de meus amados tios Samuel e Giovane, deveria ser algo maior que isso que temos hoje. Deveria ser na prática o que prevê o sentido grego de sua concepção: “Cidadão hábil na administração de negócios públicos”. E esta habilidade não deve ser entendida como a artimanha capaz de simplesmente levar o tal cidadão ao poder, mas antes de qualquer coisa, precisa ser a capacidade desse cidadão saber o que deve ser feito para proporcionar segurança, crescimento, emancipação e progresso para as pessoas e para o Estado, como fizeram grandes homens a exemplo de Clístenes, Temístocles e Péricles.

O termo política é derivado do grego antigo, politeía, que indicava todos os procedimentos relativos à pólis, que por extensão poderíamos entender como comunidade, coletividade ou sociedade.
Politeía é, curiosamente, o título original do livro A República do grande filósofo grego Platão, do qual só tivemos conhecimento graças à luz que seu discípulo, Sócrates, aquele filósofo humilde que reconhecia que pouco ou nada sabia, colocou sobre suas ideias. Já Aristóteles, o mais importante dos alunos de Sócrates, acabaria por gravar em pele de carneiro e pedra, a frase que estabeleceria o nosso entendimento comum e banal sobre políticos: “O homem é, naturalmente, um animal político”.

Ao dizer isso, Aristóteles estabeleceu duas verdades soberanas em nossos dias: Todo homem QUER SER POLÍTICO e todo homem É ANIMAL, infelizmente em suas concepções menos sofisticadas.

Nos dias de hoje e no sentido comum, vago e às vezes um tanto impreciso, política, como substantivo ou adjetivo, compreende a arte de guiar ou influenciar o modo de governar e organizar um grupo ideológico ou partido político, pela influência da população, normalmente através de eleições.

Na conceituação erudita, lato sensu, política, segundo Hobbes, é a utilização dos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem, ou “o conjunto de meios que permitem alcançar os efeitos desejados”. Já para Russell, política é “a arte de conquistar, manter e exercer o poder”, tese que se baseia na noção dada, mas jamais dita explicitamente, por Maquiavel, em O Príncipe.

Numa conceituação moderna, política é a ciência moral, normativa do governo e da sociedade.

Depois de queimar as pestanas estudando, tenho que me contentar com a realidade que esfrega em minha cara que a política, como forma de atividade ou de práxis humana, está estreitamente ligada ao poder. E que o poder político é, em primeira e em última análise, o poder de um homem sobre outro homem, ou pior que isso, de um homem à frente de um grupo ideológico, sobre todos os homens de uma nação, de um país, de um Estado.

Estou cansado! Principalmente por intuir que é muito difícil que se mude a realidade em que vivemos, pois aqueles que exercem a política hoje em dia, além de não saberem nada disso, não estão nem um pouco interessados em saber como transformar os enunciados do que é política e do que são os políticos, em algo bom para a sociedade, pois eles visam somente chegar e se manterem no poder. O poder para eles é o fim e não o meio para que façam como fizeram Clístenes, Temístocles e Péricles… O que de melhor puderam fazer para protegerem e servirem os seus pares.

PS: Se esses caras não sabem quem foram Clístenes, Temístocles e Péricles, sem recorrer ao Google, como vão saber votar ou estabelecer metas governamentais, sobre qualquer assunto, em defesa dos cidadãos!?

1 comentário »

Um tradutor para o presidente, please!

0comentário

De tudo que vi e ouvi nas últimas semanas, o que mais me chamou a atenção foi o comentário que o presidente Jair Bolsonaro fez a um de seus ministros.

Aparentemente, Bolsonaro usou o termo “paraíba” para se referir aos governadores do Nordeste. Em minha opinião essa expressão traz em si o mesmo sentido de chamarmos militares de “milicos”, palmeirenses de “porcos” ou um cearense de “cabeça chata”! Nada mais!…

É bem verdade que isso não é coisa que um presidente da República deva dizer, mas para isso não acontecer nós deveríamos ter elegido no lugar do Bolsonaro o Sergio Vieira de Melo, mas infelizmente ele já morreu. Na verdade, mesmo eu adoraria ter o Sergio Vieira de Melo como nosso presidente, mas temos que nos contentar com Bolsonaro, por enquanto.

Sobre o presidente, preciso dizer a você que me homenageia com sua leitura, que eu consigo entender perfeitamente o que ele fala. Entendo sem nenhuma das distorções causadas por sua falta de tato e de polidez. Consigo entender a sua intenção, o texto por trás do subtexto e do contexto dos quais ele não consegue se desenredar, pelo contrário, ele se enrola cada vez mais. Eu o entendo pelo fato de que meu pai era um homem muito direto e às vezes até pouco polido. Reconheço que as pessoas que não estão acostumadas a esse tipo de gente terão muita dificuldade de entender as suas colocações, e o que é pior, ele não faz nenhum esforço para fazer-se compreender.

Pouco diplomático, o presidente Jair Bolsonaro, não deseja ser diferente, no que está completamente equivocado, pois seu estilo direto e pontiagudo, ao contrário de só ser uma vantagem, está se mostrando ser aquilo que seus adversários precisam para desacreditá-lo e desqualificá-lo. Em última análise, ele é o seu maior e pior adversário. O pior é que ele não vê isso!

Outro grave erro do presidente é acreditar que não é importante qualquer coisa que possam dizer seus adversários, sejam eles dos partidos políticos de esquerda, da imprensa, ou mesmo pessoas comuns que não sendo destas facções, discordem pontualmente de sua forma de agir. É importante sim! É muito importante, pois o que seus adversários dizem pode acabar se tornando mais decisivo que qualquer coisa que o presidente e seu governo possam vir a fazer de bom para o Brasil e para nossa gente.

Sobre ele ter se referido a governadores como “de Paraíba”, confesso que ele fala tão mal que a princípio nem entendi. Depois aceitei que ele estivesse falando dos governadores do Nordeste, menos por serem nordestinos, mas por serem todos de esquerda, todos seus adversários, que lhes chamam de nazista. Não identifiquei nisso nenhuma forma ou intenção de racismo.

Sobre ele citar o governador do Maranhão como sendo o pior de todos, não consegui entender em sua fala uma discriminação específica contra o Estado do Maranhão ou a nossa gente.

O presidente tem o direito de achar Flávio Dino o “pior de todos”, da mesma maneira que Flávio Dino não se cansa de proclamar suas opiniões, sempre demeritórias sobre o presidente do Brasil.

“Não tem que ter nada para esse cara” é uma frase política, que em minha interpretação significa simplesmente o seguinte: Não faremos nada no Maranhão através do governo do Estado. Tudo que tivermos que fazer lá, deve ser feito diretamente pelo governo federal, como a duplicação da BR-135, as obras de melhoria da cidade de São Luís, que já estão sendo realizadas pelo IPHAN, o apoio direto aos municípios e às instituições, como o Hospital Aldenora Bello e nossas ações na Ferrovia Norte-Sul, o que levará as riquezas do Maranhão para o sul, por preços mais competitivos!

Ao dizer isso, Bolsonaro imita o próprio Flávio Dino, quando o governador do Maranhão se refere a um ou outro produtor cultural que busca apoio para um projeto por meio da lei de incentivo a cultura do Estado: “Não tem que ter nada para esse cara”. É triste, mas é do jogo!…

Eu não me arrependo de ter votado em Bolsonaro! Se alguém deveria se arrepender de alguma coisa é ele! Não só se arrepender, mas também parar de dizer e fazer tanta bobagem, correndo o grave risco de desperdiçar a grande oportunidade de soerguimento do Brasil que ele mesmo está propiciando!

sem comentário »

Celso Antônio, brasileiro.

3comentários

Nada sabia sobre Celso Antônio de Menezes. Muito pouca gente sabe sobre ele. Desde que tomei conhecimento de sua incrível história, tive vontade de realizar um documentário que possibilitasse às pessoas conhecerem esse gênio da arte brasileira, que nasceu na cidade de Caxias, no Maranhão.

Realizar este filme passou a ser uma de minhas metas. Comecei a procurar por Celso Antônio, a pesquisar tudo o que dissesse respeito a ele e o livro de Eliezer Moreira sobre Celso foi o estopim. Joaquim Itapary, sabendo de meu interesse, passou-me o endereço de um site de leilões de obras de arte e lá arrematei todas as peças do escultor que estavam disponíveis. Saí comprando tudo que pude encontrar, feito por ele.

Era minha intenção doar o acervo que adquiri, inclusive, parte dele da família de Celso, para o governo do Maranhão, para que ele colocasse em exposição permanente em um espaço dedicado às artes de nossa terra, mas o governo não se mostrou sensível a essa ideia.

As pessoas costumam valoriza pouco as funções de produtor executivo, de produtor, de diretor de produção… Isso é um grande erro. Nenhum diretor pode fazer bem o seu trabalho se não tiver por trás de si bons produtores. Sabendo disso resolvi escalar meu parceiro Joan Carlos Santos, da produtora Play Vídeo, para produzir comigo este filme que resgatará a história deste gênio esquecido de nossa arte.

Precisávamos de um diretor detalhista, minucioso, que beirasse a chatice no esmero da narrativa da história. Precisava de um poeta do cinema. Alguém que soubesse intercalar silêncio e som, longas sequências imagéticas com os necessários depoimentos que compusessem a tela que retrataria a nossa história. Afortunadamente eu tinha esse diretor. Beto Matuck, da Matuck & Yamaji Filmes, meu parceiro de muitos, grandes e bons projetos foi a escolha perfeita.

Essas três empresas integrantes do Polo de Cinema do Maranhão, a Play, enquanto proponente do projeto, a M&Y, se responsabilizando pela direção artística e a Guarnicê, na produção executiva, se valeram do indispensável apoio do MAVAM para realização deste filme, que temos certeza será um marco na história do cinema e das artes do Maranhão.

O filme Celso Antônio, brasileiro, é um sobrevoo sobre a trajetória do escultor maranhense Celso Antônio de Menezes, que viveu entre 1896 e 1984 e participou intensamente do movimento modernista, juntamente com Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Manuel Bandeira, entre outros, mas apesar de aclamado como um importante artista de vanguarda, sua obra é hoje refém do desconhecimento.

Nosso documentário refaz o caminho do escultor, investigando o que teria provocado o seu declínio e impedido que sua obra ficasse registrada mais profundamente no cenário das artes brasileiras.

Duas passagens são as mais controversas na vida do nosso personagem. A primeira, no governo Vargas, quando o renomado arquiteto francês Le Corbusier, que era amigo de Celso Antonio desde quando este morava em Paris, o convidou para fazer uma estátua que deveria ficar em frente ao prédio sede do Ministério da Educação… A obra se chamaria O homem brasileiro. Assistam ao filme e descubram o que aconteceu.

A outra grande polêmica foi quando, no governo do presidente Dutra, o escultor foi convidado para fazer uma escultura que simbolizasse o nosso trabalhador. Ela seria colocada em frente ao Ministério do Trabalho, no Rio de Janeiro.

Nesta imensa escultura em granito Celso Antônio usou como referência a figura de um homem mulato, atarracado, de feições fortes, com as mãos para trás, o que por si só fez da obra objeto de polêmica em torno de como deveria ser representado o tipo racial brasileiro. Dias após e inauguração a escultura foi retirada de seu local, sendo transferida para um parque em Niterói e caiu no esquecimento.

Um dos objetivos deste filme é sensibilizar o governo do Maranhão para que faça tratativas no sentido de trazer essa obra para São Luís e colocá-la em um local onde possa ser admirada por todos.

O lançamento de Celso Antônio, brasileiro será neste sábado, 27 de julho, às 10 horas da manhã, no Cinépolis, no São Luís Shopping. A entrada é franca.

3 comentários »

Insônia Produtiva

0comentário


Quando se fala em insônia normalmente se imagina logo que ela é proveniente de preocupações e dificuldades pelas quais o insone deve estar atravessando, mas em algumas oportunidades, ela pode acabar nos dando alegrias.

Normalmente durmo por volta das 11 da noite e acordo em torno das cinco da madrugada, o que me garante seis horas diárias de bom sono.

Esta semana tive dias muito atarefados, mas também muito produtivos. Trabalhei uma média de 16 horas diárias de segunda e sexta e deverei ainda trabalhar umas 8 horas no sábado e no domingo, o que totalizará umas 96 horas de trabalho, nas diversas atividades às quais me dedico.

Estou realizando várias produções cinematográficas. Acabei de produzir dois longa metragens documentais, um sobre o genial escultor maranhense, Celso António, dirigido por meu amigo e parceiro Beto Matuck, e o outro, baseado em imagens do grande fotógrafo Lindberg Leite, no qual divido a pesquisa, a produção e a direção com Cinaldo Oliveira, Joan Carlos Santos e Fernando Baima, respectivamente.

A Guarnicê Produções está desenvolvendo outros projetos. Para a TV Difusora, uma série em parceria com a Freela Conteúdos, espécie de Reality-Road Movie-Musical-Adventure, onde apresentaremos a banda de reggae Raja, em turnê pela Rota das Emoções e em parceria com a Objetiva Filmes, um telefilme baseado no material que Lindberg Leite produziu para esta emissora nos anos de 1960 e 1970.

Estou também produzindo duas séries e dirigindo uma delas, para canais de repercussão nacional e internacional, a Prime Box Brasil e a Fashion TV. O primeiro sobre a vida e a obra do padre António Vieira e o segundo sobre moda produzida de forma artesanal e sustentável. Ufa!… Só relatar isso tudo já cansa, imagina só fazer!?

A Guarnicê Produções está também participando, como coprodutora, do filme Trópico que será realizado no Maranhão e contará com direção de Giada Colagrande e a participação de Willem Dafoe e grande elenco, além de atores e técnicos de nossa terra.

Tem mais! Depois de muito tempo trabalhando como voluntário na Fundação Nagib Haickel, pois antes, pelo fato de ser deputado, não quis assumir nenhuma função de direção naquela instituição, agora sou seu presidente e justo em minhas mãos, ela está atravessando tempos difíceis, como de resto todo mundo está.

Outra tarefa que assumi foi ajudar a Academia Maranhense de Letras a levar em frente seu plano editorial. Eu, Sebastião Moreira Duarte, Félix Alberto Lima e José Neres, presididos por Lourival Serejo, fazemos parte da comissão editorial da AML, que está editando e publicando alguns livros.

Só para vocês terem uma pequena ideia deste trabalho: Eu lhes garanto que editar um livro hoje é infinitamente mais fácil do que em meados dos anos 1980, mas está um milhão de vezes mais difícil convencer alguns escritores que as capas de seus livros não podem ser feitas por eles, mas por artistas gráficos capacitados!

A semana também foi recheada de compromissos empresariais, setor em que graças ao bom Deus de Moisés e Maomé, conto com a indispensável ajuda de meu irmão Nagib e de minha esposa Jacira, sem os quais eu estaria quebrado.

Pois bem! A insônia! Adormeci às 11 horas da noite, com o controle remoto da TV na mão, e do nada despertei uma hora da madrugada.

Fui até a cozinha, tomei água para enganar o estômago e não ter que comer nada. Não funcionou. Assaltei a geladeira, mas fui moderado. Comi apenas frutas.

Como vi que não iria mesmo conseguir dormir fui para o computador. Passeei pela internet. Dei parabéns para os aniversariantes do dia no Facebook, li as últimas notícias e fui ver a página do MAVAM no Youtube… Agora que começa o texto de hoje. Quase no final!

Deparei-me com 60 filmes sobre os radialistas e o rádio maranhense. Um trabalho de registro e preservação de memória que não pode ser mensurado em preço financeiro. Emocionei-me com o Xeleléu de Rui Dourado, com o grande Zé Branco e senti saudade do amigo Edmilson.

Mas vi também outros conteúdos que realizamos: Os 27 filmes sobre os artistas plásticos do nosso estado, os 24 filmes sobre escritores maranhenses, os 19 sobre personagens e fatos importantes de nossa história, os 120 recortes de memória histórica, além de muitos outros filmes ficcionais e documentais nos quais participamos como realizadores ou apoiadores.

Fiz uma continha rápida e cheguei ao número extraordinário de 250 títulos de diversas durações e formas, realizados de 2009 para cá. Aprofundei a conta e cheguei à casa de 3.600 minutos de material finalizado e mais de nove mil minutos de material bruto.

Naquela madrugada fui dormir às seis da manhã e acordei as oito pra pegar no batente. Dormi feliz e acordei realizado.

PS: Quando lerem este meu texto, meu irmão Nagib e minha mulher Jacira, que em última análise, financiam tudo isso, dirão: “Muito bem! Parabéns! Isso é muito importante e até muito bonito, mas esse negócio não consegue se sustentar sozinho!?” Ao que eu responderei: “Claro que sim! Ele sustenta parte de minha felicidade!”

Veja você mesmo: https://www.youtube.com/channel/UCEWQytLxhKZ2gLs-wGn55FQ/videos

sem comentário »

Morfologia e Sintaxe de um Filme

0comentário

Finalmente encontrei um tempinho para assistir ao badalado filme, Democracia em vertigem, de Petra Costa.

A obra é anunciada como um relato documental sobre os acontecimentos que envolveram a cassação da então presidente Dilma Rousseff, mas ao terminar de assisti-la, tive a impressão de ter visto um filme poético e sensorial sobre política. Algo realmente diferente e incomum, e é neste sentido que acredito repouse suas maiores qualidades, aumentadas por belas imagens, uma trilha sonora quase sacra, a narração em primeira pessoa da própria diretora, construída de forma inteligente, feita para cativar o espectador, levando-o a acompanhá-la em um passeio pelos caminhos de sua visão sobre acontecimentos políticos recentes do Brasil.

Embora cite a cassação de Dilma Rousseff, e apresente depoimentos de diversos outros políticos, na verdade Petra usa a si própria e a Lula, como fios condutores narrativos de seu filme.

A voz às vezes doce e até tímida da narradora, que constrói suas frases com engenharia milimétrica, para não demonstrar sentimentos extremados que a fizesse resvalar na raiva, aparenta não desejar estabelecer uma verdade histórica, o que transformaria seu filme num mero instrumento político. Aparenta!…

Petra é muito inteligente em sua forma de abordagem. Seduz o espectador a ouvi-la e ver as imagens que captou ou selecionou. Nos mostra imagens de filmes caseiros de sua família, estabelecendo conosco uma intimidade, e faz com que sintamos que ela não é uma dessas ativistas idiotizadas. Isso ela não é, e é muito mais perigosa exatamente por isso.

A autora assume abertamente o pecado da subjetividade e o tenta transformar em maior ativo de seu filme. As opiniões e os erros históricos que usa na tentativa de construir um cenário favorável para contar sua história, a princípio não me incomodaram. Já esperava isso. Mas foi sua forma narrativa que fez com que eu lhe fosse condescendente, mesmo tendo identificado fatos fora de contexto, distorções, edições maldosas, como nos casos da votação do impeachment de Dilma, do discurso de posse de Temer e do comício de Lula antes de ser preso.

É esperta ao nos contar que é neta de um dos fundadores de uma das maiores construtoras brasileiras, a Andrade Gutierres. Ao reconhecer o envolvimento dessa empresa com crimes de corrupção, usa a “franqueza” como antídoto para a má vontade de alguns, que, discordando de sua visão ideológica e política, peremptoriamente, pudessem descartar sua abordagem.

Conta sobre a posição antagônica de seus avós e de seus pais. Os primeiros colocados confortavelmente na direita, enquanto os segundos, ativistas de esquerda, que acabaram presos por envolvimento com a guerrilha.

Seu filme nos apresenta um magnífico trabalho de pesquisa imagética. Os passeios que sua câmera faz pelos ambientes, às vezes vazios, às vezes abarrotados de gente, os silêncios, a música, as falas de seus entrevistados, escolhidas com argúcia, e principalmente sua voz quase infantil, nos conduzem por onde ela deseja e imagina que nos leva.

Ela usa sua inconformação com os acontecimentos, sua indignação, a melancolia de seu sonho desfeito, como arma para tentar conquistar corações e mentes de quem possa se posicionar contra as forças que ela diz ser antidemocráticas.

Enquanto assistia ao filme de Petra Costa me veio uma ideia! Colocá-lo em uma timeline de edição e fazer com ele o que na hora chamei de “Morfologia e Sintaxe de um Filme”, indicando em cada sequência pontos de concordância ou discordância com aquilo que tenho não como verdade, mas como fato comprovado, possível ou plausível, como faria um documentarista.

Petra consegue levar seu filme de forma mais ou menos poética e ideológica durante os primeiros 80 minutos de seu tempo. Nos últimos 40 minutos do filme, ela perde a mão, e ele se transforma em um produto parcial e panfletário, mera propaganda política e partidária.

As belas imagens do começo dão lugar a discursos de defesa de Lula e do esquema de poder do PT.

Democracia em Vertigem não se aprofunda nos fatos. Sua autora não nos mostra o papel da mídia e do jornalismo como vetor de todo esse processo; não mostra o aparelhamento sofrido pelo estado; apenas cita ou resvala em assuntos densos, como o Mensalão, o Petrolão e nem fala do assalto ao BNDES; não analisa o fato de que Lula poderia ter conduzido o Brasil para um outro rumo, mesmo que usasse o caminho da esquerda; não cita o fato de que Dilma não deixou que Lula fosse candidato em seu lugar em 2014…

Este filme decididamente não é um documentário. Se o fosse não seria tão relevante.

sem comentário »

Referências!…

0comentário


Referências, para mim, são como bebida e comida, água e pasto… Cabe aqui uma pergunta para confrontar o poeta: “A gente tem sede de quê!? A gente tem fome de quê!?…”

Toda vez que assisto à série Billions, tenho mais certeza de como é importante sermos bem informados sobre tudo o que aconteceu e acontece no mundo. O conhecimento, a informação, o acesso sobre diversos pontos de vistas dos fatos históricos é, em minha opinião, uma das coisas mais importantes, enquanto somos passageiros desta nave chamada erradamente de vida.

A quantidade de informações salpicadas no decorrer de cada episódio de Billionsconstantemente nos confronta com essa necessidade!…

Imaginem estar em uma conversa sobre a atual situação e a importância dos índios americanos no contexto daquela nação, e falarem que os descendentes das tribos nativas da América do Norte não representariam tanto problema hoje em dia, se os administradores dos assuntos indígenas, nos idos do século XIX, tivessem distribuído a eles mais alguns cobertores contaminados! Só quem conhece um pouco da história e das versões sobre ela, comprovadas ou não, é capaz de entender esse texto e seu contexto.

Outro detalhe importante ocorreu quando personagens de Billions comentaram sobre basquetebol, referindo-se à importância que teve Larry Bird naquele maravilhoso time verde de Boston da década de 1970, os Celtics. Só os verdadeiros conhecedores de basquete saberiam sobre o que falavam!…

Nem vou comentar aqui a infinidade de referências sobre negócios, mercados financeiros ou termos legais de advogados e procuradores, assuntos e objetos principais da série. São tantas referências sobre esses temas que, se os quisermos acompanhar, só pausando o filme e recorrendo ao Pai Google, pois sobre a maioria delas, nós pobres mortais, nunca nem ouvimos falar.

Num episódio da quarta temporada, uma das referências chamou a minha atenção imediatamente, pois eu conseguia entender completamente o sentido do que estava sendo dito, mas não tinha a menor ideia sobre quem o Taylor e a Wendy estavam falando… Um tal de Kahn!…

Parei o vídeo e fui direto para o Google, pois não tenho mais nem a Delta-Larrouse, nem a Britânica, ou a Barsa ou a Mirador para recorrer… E se as tivesse, passaria horas até descobrir quem era o tal sujeito.

Só havia entendido a palavra Khan, e que o filho dele havia feito um filme a seu respeito, mas sabia também que o assunto envolvia urbanismo e arquitetura. Fui logo digitando o nomee apareceu: “Louis Isadore Kahn foi um dos grandes nomes da arquitetura mundial. Louis Kahn nasceu na Estônia, mas sua família mudou-se para os Estados Unidos, quando Kahn tinha apenas 5 anos. Foi naturalizado americano em 15 de maio de 1914”.

Mas isso não acontece só desta forma! Você, em uma conversa despretensiosa, se depara com assuntos de que jamais ouviu falar e para não ficar com cara de bobo, assim que pode, saca o smartphone, acessa algum espaço virtual que o coloque up-to-date sobre o papo, e de repente você está de volta, ligado e sincronizado!…

Outro dia dei uma carona para meu eterno mestre, Sebastião Moreira Duarte, que dos homens com quem convivo, é o mais culto, e estávamos conversando sobre a série que estou produzindo e dirigindo a respeito do padre jesuíta Antônio Vieira. No meio da conversa e inspirado por ela, comecei a viajar numa possível abordagem do tema jesuitismo… Repentinamente, Marcelo, meu motorista, deu uma freada. Olhei para ele e vi que ele ficou distraído com nossa conversa e se descuidou do volante, bem na hora em que eu e Sebastião comentávamos sobre as personalidades fortes tanto de Vieira quanto de Savonarola…

Savonarola!… Quem seria capaz de dizer quem foi Savonarola, mas sem recorrer ao Google!?…

Como comecei esse texto confrontando um poeta, quero encerrá-lo confrontando outro: “Ideologia! Eu quero uma pra viver!” Ao que respondo: Neste momento só a ideia pode nos livrar das ideologias, desgastadas e carcomidas por seu mau uso, meu caro amigo poeta, amigo do beija-flor.

sem comentário »