Melhor que dinheiro

0comentário

Comecei minha jornada na política em 1978, como assessor parlamentar. De lá para cá fui deputado estadual, deputado federal constituinte e secretário de Estado, voltando depois a ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Maranhão, mas desde janeiro de 2011, não sou mais político, pelo menos desses com mandato eletivo. Depois dali ainda exerci funções como secretário de esportes do Estado e de comunicação do Município de São Luís.

Ao todo foram 40 anos de vida pública, cujo saldo, em meu ponto de vista, acredito tenha sido bastante positivo.

Nunca perdi uma eleição; não trago nenhuma mácula moral ou ética no meu currículo; não cultivei inimigos e fiz nesse trajeto uma infinidade de bons companheiros e amigos, e até mesmo os poucos adversários que tive, sempre me trataram de forma respeitosa.

Estou comentando isso aqui hoje, pelo fato de mesmo sem manter nenhum cargo ou laço formal com os poderes constituídos, ainda sou procurado por pessoas, no sentido de ajudá-las a resolver algum assunto de seu interesse. Isso acontece não apenas comigo, mas com qualquer pessoa que tenha sido político, ou que mantenha algum nível de poder, mesmo que só informal ou aparente, como é o meu caso.

Mas a razão pontual e específica de abordar esse assunto, se deve ao fato de eu ter sido procurado por um amigo, no sentido de ajudar uma pessoa que precisava tratamento médico de urgência, pois corria risco de perder a vida se não fosse atendido imediatamente.

Não me lembro da última vez que eu tenha ficado atônito com um caso assim. O fato de não conhecer o secretário de saúde do Estado me deu certa sensação de obsolescência, e essa é uma sensação horrível, posso garantir a vocês.

Imediatamente, meu temperamento irreverente e brincalhão fez troça de mim mesmo e me fez pensar que se não conheço o secretário de saúde, conheço o chefe dele, que foi meu contemporâneo no Colégio Batista, e é um dileto amigo meu, mas resolvi não recorrer a COBF e pedi ajuda à um outro querido amigo, que ainda está na política e tem o instrumento necessário para ajudar as pessoas. Poder.

O senhor que precisava de tratamento urgente foi atendido e passa bem, graças à ajuda daquele meu bom amigo e das pessoas a quem ele deve ter acionado para resolver tal questão.

Quando soube do desfecho satisfatório do caso, vi que a sensação de estar ficando obsoleto é inversamente proporcional a de conseguir ajudar alguém, de fazer o bem para uma pessoa. Essa em minha opinião é a função principal do poder.

Esse acontecimento serviu para reafirmar uma das primeiras lições que aprendi na minha vida, e que já foi até tema de propaganda de um banco, no tempo em que eu ainda era criança. “Melhor um amigo na praça do que muito dinheiro no caixa”.

Muito obrigado, meu amigo ABF!…

sem comentário »

“I have a dream!…”

3comentários

Eu sempre acalentei um sonho. Na verdade, não é um sonho comum, desses que se tem quando está dormindo. Sonho aqui é figura de linguagem, metáfora para exemplificar uma ideia, algo que gostaria que fosse realidade. Meu sonho é viver em uma sociedade minimamente justa, onde o bom senso e a coerência prevaleçam.

Thomas Morus chamava isso de Utopia, eu chamo de Estado Democrático de Direito, onde todos estão sujeitos às mesmas regras, têm os mesmos direitos e os mesmos deveres, onde as regras não podem ser desrespeitadas e onde ninguém pode transgredir quanto a elas.

Eu sempre quis viver num lugar onde as pessoas pudessem valer pelo que elas são, e que aquilo que elas tivessem fossem apenas recursos extras que elas pudessem usar para viver melhor. Eu sempre acreditei que vive melhor quem vive cercado de pessoas que também possam viver bem, não necessariamente de maneira igual, mas minimamente bem.

Durante quase toda a minha vida, acreditei erradamente que meu posicionamento político e ideológico era de centro esquerda, mas já az mais de vinte anos que descobri que na verdade eu e minhas ideias estamos de maneira mais coerente e realista no escaninho exatamente oposto àquele em que eu me via. Sou realmente de centro direita.

Ter consciência de sua real e verdadeira posição no espectro político, é muito importante, principalmente para aqueles que militam na política.

É muito fácil e bonito ser de esquerda, pois quem está nessa posição não tem que fazer muito esforço, uma vez que o ser humano está naturalmente nesta latitude. Os humanos têm suas características mais marcantes, no que diz respeito a antropologia, psicologia, sociologia e filosofia, vinculadas aos pensamentos comuns ao quinhão à esquerda do centro do espectro político e ideológico.

Nosso subconsciente, nossa memória ancestral, nos remete aos tempos primitivos, em que vivíamos em bandos no início das civilizações, e desde lá nós nos acostumamos a gostar dos amparos, dos apoios e dos benefícios que possam nos ser proporcionados. O nosso humanismo inato, por si só é uma ideia e um sentimento poderoso, e tudo isso se enquadra muito mais nas ideias da esquerda, mas este não é o caso da esquerda estremada.

Essas mesmas sensações e sentimentos são comuns àqueles que se posicionam à direita do centro, mesmo que algumas de suas teses políticas e econômicas, deem motivos para que as pessoas possam simpatizar menos com os pensamentos destes.

Os moderados de direita não são completamente contra os amparos, os apoios e os benefícios aos cidadãos, eles apenas estabelecem critérios restritivos e rígidos para esses privilégios. Os de Direita não acreditam na mera doação, eles querem que ela seja proveniente de algo mais, uma troca positiva e honesta entre o indivíduo e a sociedade.

As diferenças fundamentais entre os antagonistas que estão no meio do espectro político, dos de centro esquerda com os de centro direita, são meramente questões semânticas e diplomáticas, coisas que se resolve com um pouco de conversa, bom senso e boa vontade.

Já no que diz respeito aos que estão nesta posição intermediária, de direita e de esquerda, além de muito mais diplomacia, há uma necessidade bem maior de entendimento semântico e de concessões estratégicas de lado a lado.

Entre estes grupos de direita e esquerda há um outro diferencial. Os de direita privilegiam os deveres do cidadão e os de esquerda, dão mais ênfase aos seus direitos. No caso dos dois grupos antagônicos mais próximos do centro, o equilíbrio entre deveres e direitos está mais presente.

No tocante àqueles que estão nos polos extremos do espectro político, suas diferenças são praticamente irreconciliáveis, pois essas pessoas são irracionais e irascíveis. Eles acreditam tão piamente em suas teses, que muitas vezes elas se transformam em verdadeiras religiões. Eles chegam a eleger verdadeiros profetas, messias salvadores, a quem seguem cegamente, o que normalmente causa grandes problemas, por um lado e pelo outro.

Lembro que quando estava pesquisando para fazer as leis de incentivo à cultura e ao esporte do Maranhão, o que eu tinha em mente era a reclamação daqueles que diziam que o governo de então ajudava muito mais a um determinado grupo de artistas e esportistas, que aos outros.

Fiz essas leis para proporcionar a igualdade e a equidade entre quem desenvolvesse trabalhos naqueles setores. O governo, qualquer que fosse ele, apenas autorizaria que o empresariado escolhesse quais projetos mais se encaixavam no seu perfil. Aquelas leis foram concebidas e criadas para serem ferramentas de política de Estado, uma política equânime e igualitária.

Meu pai gostava de repetir ditados populares. Ele dizia que não se importava em dar peixe àqueles que precisavam comer, mas que mais importante que dar o peixe era ensinar as pessoas a pescar e dar a elas condições para isso.

As Leis de Incentivo à cultura e ao esporte do Maranhão são leis que apoiam, amparam e beneficiam as pessoas dos respectivos setores. Elas não são de esquerda, nem de direita. Elas são Leis. Lei não tem lado.

3 comentários »

Quem tem medo de Virgínia Woolf!?…

0comentário

Explicação necessária 1: Desde logo adianto ao caro leitor que o texto não é curto, ele tem três laudas, mas garanto que não será uma leitura tediosa e acredito que ela seja necessária para quem deseja analisar alguns importantes acontecimentos da política brasileira.

As pessoas que acompanham as minhas publicações, conhecem a minha opinião e os meus posicionamentos em relação aos atos e atitudes do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Para aqueles que não acompanharam os textos que escrevi e publiquei em minhas redes sociais, nos últimos quatro anos, farei nos próximos parágrafos um rápido resumo sobre o que disse e o que eu penso sobre ele.

Disse e acredito piamente que Bolsonaro seja um homem deselegante, tosco, mal educado, grosseiro, sem a devida polidez, não talhado para um convívio social. Um verdadeiro boçal. Mas não o incluo na lista dos criminosos, golpistas, antidemocráticos e terroristas, como fazem aqueles que, mais que seus adversários, são inimigos dele e de certa forma, são os verdadeiros golpistas dessa história.

Bolsonaro é despreparado para o exercício do poder, uma vez que não consegue entender nem aceitar o funcionamento dos mecanismos que regem a política. Ele desconhece a lógica do debate, da boa e sadia controvérsia. Ele não consegue entender e se posicionar quanto as ações corrosivas da imprensa canalha, como ela se posiciona e como ela define as “verdades” que ela impõe a sociedade. Ele não sabe como neutralizar ou minorar esses efeitos.

Ninguém acredita que Bolsonaro seja ingênuo ou mesmo burro. Quando se aventa essas possibilidades, as pessoas que o defendem, argumentam que ele, durante 34 anos exerceu mandatos parlamentares e se elegeu presidente da república, logo, alguém que tem esse currículo não pode ser nem ingênuo, nem burro. Eu discordo peremptoriamente disso. Eu o acho ingênuo e burro!

Nos primeiros meses de mandato de Bolsonaro, eu fiquei aguardando algum indício que indicasse o bom rumo que ele pudesse dar para o Brasil. Aguardei ações concretas que ele viesse a realizar no sentido de estabelecer um governo profícuo e saudável, que resultasse no fortalecimento dos princípios conservadores e das posições liberais, que ele defendia e que nós precisávamos que ocorressem, ações que colocassem definitivamente partidos e políticos de esquerda em total descrédito ou em pelo menos duradoura inutilidade, em nosso país.

Passados seis meses, e não vendo nada de concreto, nem mesmo indícios de um bom caminho para a política brasileira, eu entendi que ele não seria capaz de realmente liderar o nosso país nessa jornada, nas ações que pudesse nos garantir o não retorno da esquerda ao poder no Brasil.

Durante o tempo de governo de Bolsonaro, o Brasil  obteve vitórias expressivas e importantes no que diz respeito especificamente ao agronegócio, e de modo mais geral e amplo, no que diz respeito a economia, além de ter conseguido realizar algumas pequenas reformas. Nestes casos o mérito de Bolsonaro foi tão somente o de não se meter nas ações desenvolvidas pelo ministro Paulo Guedes e seu grupo.

Um dos maiores erros ou pecados de Bolsonaro foi ter se deixado envolver em narrativas negativas em relação a suas ações pessoais, as quais quase sempre ele tinha culpa, no que dissesse respeito a pandemia de Covid-19, a comportamentos inconvenientes e deselegantes, como acusações de preconceito de diversas formas e tipos, além de sua total incapacidade de se relacionar habilmente com a imprensa.

Bolsonaro foi envolvido num turbilhão de narrativas jornalísticas, capazes de desestabilizar qualquer um, por mais experiente e competente que ele fosse. Mas sendo ele um teimoso irascível e um idiota previsível, que se deixa envolver por familiares e pessoas próximas, de maneiras completamente absurdas e inaceitáveis, alguém que tem tanto poder e que visivelmente não tem capacidade de discernimento, foi fácil que fosse envolvido negativamente pela máquina midiática.

Seus adversários na imprensa e na política sabiam onde apertar para que ele reagisse como eles esperavam que ele fizesse, para em seguida darem outra cutucada nele para que reagisse mais uma vez de maneira absurdamente previsível, para que mais uma vez fizessem algo que o fizesse reagir de modo ainda mais atabalhoado, causando cada vez mais estragos a si e àquilo que ele pretendia realizar.

Algumas vezes pensei em Bolsonaro como uma Penélope sonâmbula e inconsequente. Alguém que tece um manto de dia e pela noite o desfia, fazendo com que todo o trabalho que fizera a luz do sol fosse desperdiçado à luz da lua. A diferença, é que Penélope fazia isso com essa intenção, mas Bolsonaro não tinha noção do que fazia.

Em vários de meus textos comentei que “amigos” meus de direita me acusaram de ser esquerdista e meus “amigos” de esquerda diziam que mais que um liberal de direita, eu era bolsonarista. Uns escrotos.

Uns não aceitavam que as ações e atitudes do tal mito eram completamente desastrosas e os outros não desejavam que eu alertasse seus opositores para o desastre ao qual estavam sendo arrastados.

Eu sempre soube e sempre disse que a eleição teria um resultado contrário a direita, não a Bolsonaro, pois ele nunca foi uma opção real. Ele era apenas a opção possível, que na verdade era impossível.

Não discuto se houve ou não fraude eleitoral, pois não posso, e ninguém pode provar isso sem ter acesso aos documentos necessários para esse fim, mas posso garantir, com base no que vimos acontecer, que houve o uso descarado e criminoso da justiça eleitoral no sentido de beneficiar um candidato em detrimento do outro.

É importante que se ressalte que não interessa se um candidato era um ex-presidiário, descondenado apenas para concorrer nas eleições e o outro era o protótipo de um ditador, esperando a oportunidade para dar um golpe, como dizem os adversários de cada um deles. As narrativas construídas sobre os contendores nunca foram aceitas por mim, pois se as aceitasse, eu seria contaminado em minhas conclusões, nas análises dos fatos.

O resultado eleitoral, para mim pouco importa, até mesmo porque a diferença de dois milhões de votos me diz que a divisão política e eleitoral de nosso país é incontestável e definitiva. Ela não vai mudar.

O problema do Brasil não é quem ganhou a eleição, nem mesmo, por pior que possa parecer, o que vai fazer com o nosso país quem a ganhou, mas sim a insegurança jurídica na qual vivemos, a ditadura judicial na qual nossas instituições estão submetidas. Isso sim é gravíssimo.

A metade dos brasileiros, como pudemos auferir pelo resultado da eleição presidencial, viveu nos últimos quatro anos a ilusão de que um sujeito tosco poderia levá-los a atravessar um mar e a guiá-los por um deserto até uma terra prometida, onde haveria leite e mel para todos. Eu sempre soube que esse tal Messias não era um Moisés!

O que se viu foi uma legião de pessoas, em uma quantidade maior que a da maioria dos países do mundo, que se depara com a volta ao cativeiro no Egito, onde terão que enfrentar seu Ramsés II, o faraó careca, o Deus vivo na terra e toda sua legião de eunucos.

Explicação necessária 2: Para o título desse texto eu me apropriei do título da peça, “Quem Tem Medo de Virginia Woolf?” que na verdade é um trocadilho com o sobrenome da escritora britânica e a palavra inglesa “wolf”, que significa lobo, e a pergunta que perpassa é, na prática, “quem tem medo do lobo mau?” Cada leitor que escolha onde encaixar melhor a metáfora!…

PS: Este texto foi escrito no dia 31 de dezembro de 2022 e revisado no dia 9 de janeiro de 2023, um dia depois dos deploráveis acontecimentos ocorridos em Brasília no domingo, 8 de janeiro. Atos criminosos de vandalismo e depredação do patrimônio público, devem ser repudiados por todos, e estes selaram o destino das manifestações, até então pacíficas que aconteceram durante 70 dias em frente a quarteis do exército, em diversas cidades. Tais atos eliminaram totalmente a legitimidade de qualquer manifestação que este grupo pudesse realizar.

sem comentário »

DESABAFOS ABAFADOS

0comentário

Todo mundo, em algum momento da vida já foi insultado. Comigo não foi diferente. Já me chamaram de gordo, de careca, de feio, de vascaíno, de malufista, de sarneyzista e de direitista, entre outras coisas. Em nenhuma dessas oportunidades eu me ofendi, pois eu era ou fui ou sou tudo isso mesmo. Ninguém pode ou deve se ofender com a verdade.
Hoje um grande amigo meu, só para me provocar, me chamou de bolsonarista e com isso eu fiquei muito zangado, pois isso eu nunca fui, não sou, e de forma alguma jamais serei. Sou muita coisa, mas não sou burro!

***

Melhor coisa que poderia acontecer para o Brasil seria a prisão de Bolsonaro.
Caso ele seja preso, duas coisas maravilhosas iriam acontecer: Ele teria a punição que merece, por nos devolver aos braços de Lula e da esquerda e também ficaria claro que hoje nosso país vive em um regime de exceção.

***

Para tudo há um preço, e isso é normal e correto. Anormal e incorreto é você fixar um preço baixo demais para a sua coerência e para o seu caráter. Depois você não poderá reclamar de quem resolver pagar por eles.

***

A história está cheia de exemplos de erros graves cometidos por pessoas celebres. Quem não os conhece, acaba por repeti-los! Aqueles que primeiro defenderam o uso da guilhotina durante a Revolução Francesa, mais tarde se tornaram vítimas dela, viu meu camarada!…

***

Um amigo meu me mandou uma mensagem fazendo algumas perguntas interessantes.
Por que será que nossas mães, quando tentavam nos orientar em relação a alguma coisa errada que fazíamos, sempre diziam: “Te endireita!…” E não, “Te esquerda!…”
Por que será que o semáforo vermelho obriga o motorista a parar e o verde permite que ele siga?
Por que será que no plano cartesiano, os valores a direita da linha vertical são positivos, e os da esquerda dela, são negativos?
Por que em italiano a palavra esquerda é “sinistra”?

***

A língua nos oferece o privilégio de dar nome as coisas. Um boi é um boi, um lápis é um lápis, um infame é um infame. Quando se chama um manifestante de golpista e um vândalo de terrorista, do que vamos chamar um juiz parcial e um homem bomba?

***

Para investigar, basta que haja dúvida. Para condenar é indispensável que se tenha certeza.

sem comentário »

A falta de legitimidade

1comentário

É impossível não comentar os acontecimentos de ontem, em Brasília. 

Sobre eles eu me manifestei nesta madrugada, hora em que pude terminar de me informar sobre tudo que aconteceu com mais detalhes.

Em minha postagem disse que “O Estado Democrático de Direito deve ser defendido. Nada justifica o uso da violência e a depredação do patrimônio público. A liberdade não pode ser usada como escudo para o crime. Atos como os que aconteceram ontem em Brasília devem ser repudiados por todos.”

Os manifestantes que estavam acampados durante os últimos 70 dias na frende das unidades do Exército, em diversas cidades, não haviam até ontem, cometido nenhum crime previsto em nenhuma lei vigente em nosso país, mesmo que as narrativas de muitos meios de comunicação e órgãos governamentais e jurídicos afirmassem o contrário. Ontem, no entanto, eles ultrapassaram a barreira da legalidade, cometendo diversas arbitrariedades e crimes, claramente tipificados em nossos códigos legais.

Não interessa que digam que houve agentes infiltrados nas manifestações que cometeram tais crimes, pois se eles não tivessem feito as tais ações, daquela forma, estes “infiltrados”, não poderiam ter se juntado e se misturado a eles, que segundo dizem, pretendiam fazer manifestações pacíficas.

As perguntas que ficam para essa gente são muito simples e diretas: Vocês são burros, idiotas ou apenas completamente despreparados? Vocês não imaginaram que aquilo que aconteceu iria acabar acontecendo, de uma forma ou de outra? Qual vocês acham que é a diferença do que aconteceu ontem, em Brasília, para aquilo que acontece nas invasões de terras e de propriedades, realizadas pelo MST, que vocês enchem a boca para condenar? Vocês acreditam que algum político vai defender aquilo que aconteceu ontem? Vocês não são capazes de entender que Bolsonaro não é líder de nada e de ninguém? Que merda é que vocês têm na cabeça para jogar fora a bela trajetória de 70 dias de manifestações pacíficas, numa ação criminosa como a de ontem?

Nenhuma das respostas que essas pessoas possam dar será capaz de justificar minimamente o que aconteceu no dia 8 de janeiro de 2023 na capital brasileira.

Outras perguntas precisam ser respondidas pelas autoridades do Distrito e do Governo Federal: Como não prever e se precaver quanto aos eventos ocorridos ontem? Os prédios depredados, não possuem seguranças? Por que tudo aconteceu sem que ninguém fizesse nada? Um roteirista de filmes sobre conspiração diria que parecia que o acontecido era na verdade o desejado pelas autoridades. Que o criminoso é também a vítima.

A luta de quase a totalidade daqueles que estavam nos acampamentos em frente aos quartéis, sempre foi inglória, nunca houve,  e continua não havendo como mudar o resultado da eleição, sem que se comprove que houve fraude, e para isso é necessário ter acesso aos códigos fontes das urnas, coisa que não iria e não vai acontecer.

O que havia de bom naquelas manifestações eram tão somente elas, as pessoas pacificamente demonstrando sua insatisfação. Quando essas manifestações deixaram de ser pacíficas, elas perderam toda e qualquer justificativa defensável.

Ninguém, em sã consciência pode concordar com vandalismo, com a depredação do patrimônio público, com uma série de crimes cometidos neste dia triste e desastroso, de uma história que mesmo não tendo sucesso, não se realizando da maneira que seus agentes esperavam, era a demonstração dos anseios de uma parte significativa da população brasileira.

Vão para casa, vão.

Mas vão para casa, não por causa do “Perdeu Mané”. Esta frase deve ser encarada por vocês como uma espécie de símbolo, como a prova de que sua luta era justa, mas nem sempre o que é justo é viável.

Vão para casa porque aquilo que vocês tinham a favor de vocês, a legitimidade, não existe mais.

1 comentário »

A história de um sonho (agora realizado)

0comentário

Depois de passar os últimos cinco dias falando de nossas produções audiovisuais, falarei hoje sobre o embrião de todas essas ações, e para isso peço licença a você que me lê agora, para postar o texto no qual o meu mestre, José Louzeiro, comentou sobre uma conversa que tivemos, ele, eu e Ivan Sarney, há quase 40 anos, a respeito da necessidade de criarmos um polo de produção cinematográfica em São Luís do Maranhão.

“Lá pelos idos de 1985 eu estive nesta nossa cidade, em estreito contato com os amigos Ivan Sarney e Joaquim Haickel. Conversávamos sobre muitas coisas e, em especial, sobre cinema.

Joaquim via todos os filmes e falava com entusiasmo daqueles que mais gostava, citava nomes de diretores, muitos deles que eu nem conhecia. Ivan, por sua vez, tinha feito alguns trabalhos na bitola do Super-8 e pelo que depreendi, só não foi em frente, até alcançar o 35 mm, por falta de estímulo, pois produzir um curta que seja é coisa complicada, envolve muita gente, os custos eram elevados.

Minha conversa com esses amigos tinha um objetivo: criarmos em São Luís, onde já havia o Festival Guarnicê de Cine e Vídeo, um Polo de Cinema. Na época havia festivais em Fortaleza, no Rio de Janeiro, em São Paulo, Curitiba e Gramado, no Rio Grande do Sul. Botar as mãos num “Kikito” (troféu gaúcho) era a glória para muitos realizadores.

O polo cinematográfico funcionaria amparado pelas leis de incentivo e São Luís, já conhecida por aqui como terra de escritores, poetas, pintores e intelectuais, se tornaria ainda mais importante com seus cineastas em atividade.

O tempo passou, os festivais entraram em crise, junto com o cinema nacional, mas Joaquim Haickel seguiu cinéfilo e com muita garra para viabilizar suas invenções e vencer desafios.

Nessa época em que estivemos juntos Haickel marcava-se pela inquietação, extrema curiosidade e a mania de tudo querer renovar, virar pelo avesso, na condição de poeta rebelde e contista insatisfeito. Nunca desejou escrever conforme a cartilha oficial, sempre se inclinou pelas técnicas mais ousadas

No conto “Pelo Ouvido, número 12 da coletânea intitulada “A Ponte” (São Paulo, 1991) ele chega ao atrevimento de brincar com a lógica gramatical, debocha de pensamentos tidos e havidos como normais, aprofunda-se nessa coisa humana, porém misteriosa, que é a sensualidade, o desejo de um corpo.

Os anos se passaram, o polo de cinema não aconteceu, Haickel e Ivan transitaram e transitam pelos caminhos da política, sem deixar o que para eles é básico: o amor pela arte de escrever. Com isso Ivan colhe poesia e Haickel inebria-se com a sensualidade.

Seu conto “Pelo Ouvido”, o mais breve da coletânea, é aquele que nos leva ao universo da felicidade plena, essa coisa tão simples da mulher e do homem que têm afinidade e que se amam.

Em “São Luís – Uma Cidade no Tempo” Ivan compôs, através da junção de crônicas, um poema difícil de algum dia ser igualado. Com “A Ponte, o poeta Joaquim Haickel (O Quinto Cavalheiro”) firma-se na literatura como contista de grandes méritos e, agora, pelo que estou informado, como diretor cinematográfico premiado, inclusive no exterior.

Curiosamente, sua obra no cinema tem o mesmo título do conto número 12. E pelo que consta na sinopse do curta, imagino que foi a partir dessa história (década de 90), que saiu o roteiro para a produção que vem fazendo sucesso e mostrando que Haickel é maranhense de múltiplos talentos!

Se o polo de cinema, sobre o qual tanto conversamos, não aconteceu, é para mim, motivo de alegria saber que Haickel, é hoje, além de poeta e ficcionista, um diretor premiado e tem tudo para ir em frente, pois seu curta-metragem, tema desta nossa crônica, funciona como verdadeiro teste para quem ingressa, com a cara e a coragem, no mundo mágico das imagens”.

Este texto foi originalmente publicado na coluna semanal que Louzeiro mantinha no Jornal O Estado do Maranhão.

JOSÉ LOUZEIRO faleceu em 2017. Ele era jornalista, escritor, roteirista e membro da Academia Maranhense de Letras.

Hoje o Polo de Cinema do Maranhão é uma realidade e São Luís tem uma rica e extensa produção audiovisual, graças a ideia cultivada com a ajuda de José Louzeiro, o patrono do cinema maranhense.

Nosso próximo passo é a criação do SIAMA, Sindicato da Industria do Audiovisual do Maranhão. Louzeiro teria ficado muito feliz com essa notícia.

sem comentário »

O Edson era antes do Nascimento

0comentário

FILE – In this Thursday March 4, 2004 file photo Brazilian soccer legend Pele, right, presents former England goalkeeper Gordon Banks with a photograph showing Banks saving a header from Pele in the 1970 World Cup, at a press conference in London, to mark FIFA’s 100 year anniversary. English soccer club Stoke said Tuesday Feb. 12, 2019 that World Cup-winning England goalkeeper Gordon Banks has died at 81. (AP Photo/Max Nash, File)

O título deste singelo texto, era uma das brincadeiras que eu fazia quando tinha apenas 10 anos de idade, em 1970, ao assistir os jogos do Brasil na Copa do México, e presenciar as mágicas feitas pelo maior encantador da bola nos verdes gramados astecas.

Edson era antes do nascimento! Edson era REI mesmo antes de ter nascido. Seu pai, Dondinho, abriu as portas dos campos de futebol para o menino Edson, e ensinou a ele o cabeceio de beija-flor, a maleabilidade nos dribles, o uso da ação negativa nas gingadas de corpo e no corta luz, a matada de bola que parecia colar em seu corpo.

Enquanto eu me postava em frente a tela branca do Word em meu computador, e lembrava das imagens que guardo em minha memória, lagrimas saltavam de meus olhos, escorriam por minha face e espocavam sobre a mesa, e me assustavam ao lembrar que meu pai torcia pelo Santos só por causa desse tal Edson.

Lembro dos golaços; das gingas que geraram dribles desconcertantes; das cabeçadas de olho aberto, pra saber para onde direcionar a pelota; dos passes geniais, colocando a bola naquilo que se convencionou chamar de ponto futuro; das matadas de bola nos pés e no peito, usando intuitivamente a física pura.

Aquele Edson, que já havia se tornado o Rei Pelé, foi tão genial em 1970, que três lances de não gols dele são mais importantes que muitos gols de outros jogadores.

Um foi o desconcertante drible de corpo que ele deu em Mazurkiewicz naquele 3 X 1, sobre, o Uruguai, vingando, em parte, Barbosa, no Maracanaço de 1950. Outro foi aquele o chute do meio do campo que tirou a tinta do travessão superior da Tchecoslováquia, e que gerou uma das mais belas crônicas esportivas feitas por outro Rei, o do Teatro, Nelson Rodrigues. E o último foi aquela cabeçada espetacular, no 1 X 0 contra a Inglaterra, defendida no susto por Banks.

Uma daquelas lágrimas que escorreram por minha face foi motivada pela lembrança de meu pai me dizendo que Pelé havia feito a coisa mais correta que uma pessoa deve fazer na vida: Saber a hora de parar.

Para meu pai, saber a hora de sair de cena é a coisa mais importante que uma pessoa deve fazer, e Pelé deixou os gramados no auge de sua forma e de seu prestígio.

Entre sua despedida dos gramados e a sua elevação a eternidade, foram quarenta e quatro anos de trabalho em favor da difusão do futebol e da cidadania que o esporte leva com ele.

Se meu pai fosse vivo, diria que se Pelé deixou o futebol no momento certo, ele jamais deixará a vida e a história do Brasil e do povo brasileiro, diria aquilo que todos nós pensamos: Pelé é eterno.

sem comentário »

Um alerta como presente de Natal

0comentário

Fico imaginando a quem poderia interessar o estremecimento entre os dois políticos mais poderosos do Maranhão, na atualidade, Flávio Dino e Carlos Brandão.

Para analisarmos o que pode causar essa fissura, é preciso que se faça, de maneira correta, justa e consciente, um retrospecto dos acontecimentos.

Ninguém duvidava de que Flávio Dino seria governador do Maranhão. Eu mesmo disse durante a campanha eleitoral de 2010 que era apenas uma questão de tempo para Flávio se tornar governador, pois nenhum outro político no campo oposto ao grupo Sarney teria a capacidade dele para isso.

A eleição de Flávio Dino em 2014 foi fruto da união de diversas forças políticas, que se juntaram para derrotar o alquebrado grupo que outrora havia sido comandado, com sabedoria, pelo ex-presidente José Sarney.

A primeira eleição de Flávio portanto, não foi uma façanha pessoal. Ele teve mérito nela, mas, sua vitória não teria acontecido sem o decisivo apoio do ex-governador José Reinaldo Tavares e do grupo do ex-governador Jackson Lago, além de outras lideranças, inclusive algumas oriundas do próprio grupo Sarney.

Para compor a chapa encabeçada por Flavio, como candidato a vice-governador, Zé Reinaldo, indicou o então deputado federal Carlos Brandão, enquanto o candidato ao senado seria o também deputado Roberto Rocha.

A primeira eleição de Flávio portanto, não foi uma façanha pessoal. Ele teve mérito nela, mas, sua vitória não teria acontecido sem o decisivo apoio do ex-governador José Reinaldo Tavares e do grupo do ex-governador Jackson Lago, além de outras lideranças, inclusive algumas oriundas do próprio grupo Sarney.

Para compor a chapa encabeçada por Flavio, como candidato a vice-governador, Zé Reinaldo,, indicou o então deputado federal Carlos Brandão, enquanto o candidato ao senado seria o também deputado Roberto Rocha.

deputado federal Carlos Brandão, enquanto o candidato ao senado seria o também deputado Roberto Rocha.

Dino venceu a eleição e tratou seu vice com atenção e deferência, mesmo que nunca tenha dado a este, verdadeiro poder, fosse político ou administrativo. Brandão era o que era. Vice. E como tal funcionava muito bem.

Formado na velha e boa escola de tradicionais políticos maranhenses, Brandão é daqueles que sabem, entre outras coisas, que bom cabrito não berra.

Prepostos de Dino não davam a Brandão a importância que deveria ser dada a alguém que em uma eventualidade ou mesmo em uma fatalidade, seria governador. Se isso era verdade em relação àqueles que gravitavam o primeiro mandatário, não era em relação ao próprio, que tratava Carlos com consideração e respeito.

Todos sabem que não tenho afinidade política com Flávio Dino, mas isso nunca me impediu de reconhecer suas qualidades e seus méritos, nem de analisar os fatos que o envolvem de maneira isenta e objetiva.

Na sua segunda eleição, Flávio dependeu única e exclusivamente de si mesmo. Ele se elegeu sozinho, fruto de seu trabalho político, independentemente do fato de eu não achar esse trabalho assim tão excepcional.

Não sei se é verdade, mas dizem que para esse segundo mandato, pessoas próximas a Flávio quiseram mudar o vice, mas o comportamento ilibado, a correção e a lealdade de Carlos para com Flávio, prevaleceu.

Todos sabem que Dino usa o poder com bastante autoridade e competência. Todo mundo conhece sua verve fácil, sua grande cultura e seu imenso conhecimento jurídico, mas apenas certas pessoas têm coragem de reconhecer que em algumas ocasiões ele comete erros políticos elementares, como no caso do desnecessário descarte do ex-governador José Reinaldo e da construção eleitoral equivocada que culminou com a eleição de adversários seus para as prefeituras de São Luís e Imperatriz, as duas maiores cidades do Maranhão.

Os destinos de Brandão e de Dino já estavam traçados, porém mesmo assim Brandão foi submetido a meses de provação, pelo fato do adiamento da escolha do candidato a governador de seu grupo político. Aventaram até a possibilidade de ele ser nomeado para o Tribunal de Contas do Estado. Enquanto isso Brandão fazia tudo como manda a regra: bom cabrito não berra, e ele jamais berrou.

A alternativa a Brandão seria o senador Weverton Rocha, que nunca foi uma alternativa verdadeira, pois Flávio realmente nunca aceitou Weverton, por ver nele um lobo e não um cabrito.

Uma pessoa ligada a Flávio me perguntou se Carlos venceria a eleição sem apoio do ex-governador e em cima da bucha respondi que não, mas aproveitei a deixa e fiz uma pergunta ao meu interlocutor. Perguntei-lhe quem poderia facilitar bastante a vitória do grupo de Flávio, além de dar a ele tranquilidade e segurança. Eu mesmo respondi! – Só Brandão!

Depois de Carlos ter sido eleito governador no primeiro turno, de Flávio eleger-se senador (ele elegeu a si e aos outros últimos três senadores do Maranhão), e deles juntos elegerem quase a totalidade das bancadas estadual e federal do estado, é um absurdo que alguns pequenos detalhes possam ameaçar a paz, a harmonia e a tranquilidade deste grupo, que hoje não tem opositor no Maranhão, e que se continuar unido, tão cedo não terá!

Dizem que a eleição para presidente da Assembleia Legislativa e a indicação de nomes para o secretariado são os motivos do estremecimento entre Dino e Brandão, mas estes fatos não devem e não podem ser motivos capazes de gerar uma ruptura.

Nenhum governador até hoje, deixou de influir na escolha do presidente do poder legislativo estadual! Acordos podem ser repactuados, desde que isso seja feito com clareza, honestidade e coerência.

Nenhum governador pode ter em seu secretariado alguém em quem ele não confie, ou quem não o respeite, ou quem não lhe seja leal em primeiro lugar. Os cargos e os poderes inerentes a eles devem permanecer como acertado, mesmo que os nomes de seus ocupantes possam mudar.

Nada, eu repito e grito: NADA, deve fazer com que seja perdida a oportunidade de alavancar boas realizações para o Maranhão, através do grande prestígio que terá o ministro da justiça no futuro governo federal. Nada pode causar tal cisão. Nem a busca de espaço e de poder no governo estadual, por membros do grupo mais próximo a Flávio, nem a vontade do pessoal mais ligado a Carlos, de tentar pagar com a mesma moeda o que sofreram durante quase oito anos.

Quanto mais poder, mais responsabilidade. Flávio e Carlos precisam ser sábios, cautelosos e tolerantes, precisam ser verdadeiros estadistas, para não permitirem que seu grupo político se esfacele. Mais que isso, eles devem se entender pelo bem do Maranhão e de seu povo.

PS: Há um ditado popular que diz que “um mau acordo é melhor que uma boa briga”. Se não acreditam em mim, procurem em nossa história recente momentos semelhantes a estes. A história é bastante didática e esclarecedora.

sem comentário »

Um maravilhoso presente de aniversário

0comentário

Meu querido confrade e mestre Sebastião Moreira Duarte, a quem devoto verdadeira amizade, fundada em respeito, confiança e admiração, por ocasião de meu aniversário, me presenteou com o texto que, com genuína humildade e indisfarçável orgulho, transcrevo abaixo.

A César o que é de César

Por Sebastião Moreira Duarte

Eu amo a justiça: por instinto, temperamento, caráter e personalidade, eu amo a justiça.  Nada demais: é dever meu, de pessoa, de animal político.  E, outra vez, nada demais: é dever de todo cidadão amar a justiça, buscar a justiça, praticar a justiça.

Recorro a um exemplo antiquíssimo, para fazer atual o meu caso: está na biografia do poeta latino Virgílio.  Por ocasião de uns jogos cerimoniais mandados celebrar pelo imperador Augusto, o poeta, ainda jovem e desconhecido em Roma, escreveu uns versinhos simples e os pregou, sem assiná-los, em uma parede pública.  Chegou um fanfarrão – conhecido pelo nome muito adequado de Cornifício – e tendo sabido que aquelas palavrinhas haviam agradado ao então Senhor do Mundo, pôs o próprio nome como dono da obra alheia.   Virgílio viu, mas não se aborreceu.  Acrescentou apenas, abaixo do que ele havia escrito: “Hos ego versiculos feci. Tulit alter honores.”

“Ah, vocês vão dizer, é latim!”  Claro, é Virgílio, um dos pais da literatura ocidental.  Virgílio falava a língua-mãe da “última flor do Lácio”.  Mas não se amedrontem.  Eu traduzo em cima da bucha: “Esses versinhos quem fez fui eu, viu?  Mas apareceu um espertinho e me furtou o mérito de havê-los escrito.”

O imperador percebeu a malandragem, e  premiou o verdadeiro autor com o privilégio de sua amizade.

Eu respondo, antes que me perguntem, por que estou contando esta história.  Por causa de outra, de uma injustiça que eu teria grande satisfação se visse reparada: há mais de dez anos, o Maranhão conta com duas importantes leis de incentivo, a Lei de Incentivo à Cultura, e a Lei de Incentivo ao Esporte.

É normal que leis levem o nome de seus proponentes.  A Lei Afonso Arinos é a lei contra o racismo, antes de este crime ser condenado, com toda clareza, na Constituição de 1988.  A Lei Nelson Carneiro pôs ordem na vida matrimonial, trocando o desquite pelo divórcio.  A Lei Darcy Ribeiro, todo mundo sabe que é a LDB de 1996.  Lei Rouanet é lei que um ex-secretário de Cultura, notoriamente a mandado, modificou do que deveria chamar-se Lei Sarney, concebida por José Sarney, quando senador, e por ele implementada na condição de presidente. Já nem falo das Leis Eusébio de Queiroz e Saraiva Cotegipe, que são das eras do Império.

Admito exceções, para que a regra sofra a devida desmoralização, nesta terra em que leis se multiplicam com o mesmo açodamento com que não são levadas a efeito.  As exceções ditas homenagens: Lei Aldir Blanc, Lei Paulo Gustavo e, se quiserem, Lei Xuxa (que país incrível, este Brasil!)

O que honesta, simples, sincera e abertamente não entendo é por que às Leis de Incentivo à Cultura e ao Esporte do Maranhão, não se dá o nome de seu autor. 

Talvez porque o seu autor não tem o tempo que outros têm, de catar papéis no chão e achar que são currículo. 

Pois as Leis de que falo têm autor e este deveria ser nominado.  As Leis de Incentivo à Cultura e ao Esporte existem graças ao trabalho de Joaquim Elias Nagib Pinto Haickel – assim mesmo: muitos nomes juntos, porque ele não é apenas um ativista, um animador, mas, na verdade, um agitador cultural e esportivo, que se movimenta em raios de ações variadas e simultâneas, entre as letras, as imagens e os esportes. 

Joaquim Haickel foi deputado por diversas legislaturas, inclusive Constituinte. Foi secretário dos Esportes, e teria sido um dos melhores secretários de Cultura com quem poderíamos contar.  Mas, nesta província, ser bom não é garantia de nada.  Ser melhor é garantia, sim: de tiro na testa.  Certeiro, sem que se saiba nem de onde disparado.

As Leis Joaquim Haickel existem e beneficiam a muita gente há mais de uma década.  Elas foram criadas para trazer justiça e equidade ao processo de apoio e patrocínio estatal. Elas não nasceram de capricho, vaidade ou veneta, ou porque o seu autor tenha querido se mostrar e fazer bravata.  Foi redigida e apresentada depois de estudo sério, confrontado com o que já existia ou se propunha em outros estados da Federação, e até no exterior.  Significativamente, o projeto original não foi alvo de emenda e, mais, recebeu aprovação unânime nas Comissões Temáticas e no Plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Lembrei-me desses fatos, porque fui procurado por alguém a quem eu dava a impressão de ainda ser membro da comissão avaliadora de projetos submetidos a referida lei, na esfera cultural, na condição de representante da Academia Maranhense de Letras.  Trabalhei naquele grupo por anos, e pude calcular, de perto, os milhões de reais, aproximadamente 800 milhões, desembolsados até hoje para descobrir, revelar e promover talentos culturais e esportivos, que, por esta forma e só por esta forma, encontraram meios de surgir à luz do sol, no Estado do Maranhão.

É justo, assim, o apelo à imprensa convencional e à mídia eletrônica – blogueiros, influenciadores digitais: façam alarde, convoquem um mutirão, clamem e reclamem, trombeteiem e reivindiquem, por sobre todos os telhados, que se chame Lei Joaquim Haickel as Leis de Incentivo à Cultura e ao Esporte no Maranhão.

Por uma questão de justiça.  A César o que é de César.  Mesmo porque Joaquim Haickel não vai repetir o gesto de Virgílio diante de Cornifício.

sem comentário »

O falastrão e o tirano

0comentário

Na última terça-feira, dia 6, fiz uma postagem em minhas redes sociais intitulada “O falastrão e o tirano”, que reproduzo aqui, a seguir:

“Nas antigas histórias de heróis, do tempo em que eu era bem jovem e via nas atitudes justas, nobres e honradas as qualidades mais importantes, sempre havia um personagem falastrão e ignóbil, mas havia também um herói que parava o tirano e dava fim a injustiça e a usurpação do poder.


Acredito que o personagem falastrão e ignóbil, Jair Bolsonaro, já tenha sido confrontado com sua triste realidade, através do resultado absurdo e desastroso de suas próprias atitudes, só não tenho certeza se ele entendeu clara e realmente o que aconteceu.


Mas resta uma dúvida! Ainda não está claro para mim quem vai parar o tirano, usurpador do poder, Alexandre de Moraes!? Quem vai fazer com que o canalha respeite a Constituição do Brasil, que ele jurou defender quando assumiu o cargo de ministro de nossa Suprema Corte?”.

Houve três tipos de reações diferentes a minha postagem. Para minha satisfação, a maioria foi de pessoas que concordavam integralmente comigo, mas também houve quem se ofendesse por eu qualificar Bolsonaro como o fiz, e quem dissesse que eu estava errado ao dizer o que disse sobre Alexandre de Moraes.

Uma prima minha, revoltada pelo fato de eu ter chamado Bolsonaro de Ignóbil, disse que não admitia que ele fosse desrespeitado, logo por mim. Ela disse que ele é um líder popular que defende a liberdade, a pátria e a família, e como tal deve ser respeitado.

Eu respondi a ela que um verdadeiro líder deve se comportar de acordo com o decoro, deve ter uma conduta inatacável, deve ser imune a construção de narrativas que o fragilize e que consequentemente coloque em risco o destino de seus liderados. Que não agindo destas formas Bolsonaro estava claramente tipificado como o ignóbil que descrevi em minha postagem.

Uma senhora fez um comentário nesta minha postagem, dizendo que ela não conseguia entender como eu, uma pessoa tão inteligente, culta, consciente e coerente, um artista, poderia achar que Bolsonaro fosse apenas um ignóbil falastrão e ainda por cima taxar Alexandre de Moraes de canalha, pois ele na verdade seria o herói dessa história!

Eu respondi a ela que desde sempre deixei clara minha opinião contrária a postura temerária do presidente da república. Sempre o vi como o remédio amargo e ineficiente contra a grave doença que atacava e ainda ataca o nosso organismo nacional, ou seja, Lula, o PT e as ideias esquerdizantes de modo amplo e geral.

Disse-lhe que ela estava fazendo a mesma coisa que eu, só que da forma inversa. O que para mim era um remédio travoso e duvidoso, para ela era a própria doença. O que para mim era uma gravíssima enfermidade, para ela era a cura messiânica.

Reconheço que usei uma metáfora um pouco forte na tentativa de explicar àquela senhora o que estava acontecendo. Disse a ela que eu entendia e respeitava o fato dela lutar para não ser “estuprada” por Bolsonaro, mas que ficava perplexo e não conseguia entender o fato de que para se livrar de um “estuprador”, ela aceitava ser “estuprada” por outro, Alexandre de Moraes, ainda achava isso bom e correto, além dela não ser capaz de entender a gravidade das ações dele e de seus colegas do STF e do TSE, cometem contra o devido processo legal, o estado de direito e a Constituição Federal!

Ao final de tudo isso, mais uma vez me ficou a certeza de que estamos trilhando por caminhos muito difíceis e estamos atravessando tempos muito conturbados, que precisamos ser muito sábios para superarmos tudo isso de maneira satisfatória.

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS