A importância do voto ideológico

3comentários

Gostaria de inicialmente deixar claro que não simpatizo com a forma do candidato Jair Bolsonaro se expressar, nem com algumas de suas posições perante a vida e a sociedade. Ele é desprovido do verniz necessário para uma boa convivência, no entanto, vejo em alguns outros posicionamentos seus, lato sensu, coerência e objetividade. Jamais cogitaria votar nele se houvesse boas alternativas, que, garantidamente, impedissem a vitória de um candidato de esquerda à Presidência da República. Anteriormente, eu havia declarado que votaria no candidato que fosse o menos pior, uma vez que não via entre os postulantes quem se classificasse na categoria de bom. Na época, disse que o candidato de minha escolha seria o Geraldo Alckmin, que infelizmente não se viabilizou eleitoralmente.

O voto ideológico é aquele que o eleitor dá, baseado nas propostas defendidas pelo candidato que mais se identifica com o seu jeito de pensar. Há, no entanto, outro tipo de voto ideológico, um que se contrapõe diametralmente a este citado anteriormente. É aquele que eu chamo de voto anti-ideológico, praticado por um eleitor que deseja que não se eleja um candidato de uma determinada ideologia da qual ele discorda e não quer vê-la predominando na política de seu país, sendo aplicada pelo gestor de seu Estado, de forma que regule as relações da sociedade. É este o tipo de voto que eu exercerei e é ele que eu defendo para este momento em que o Brasil se encontra, tão fragilizado, há tanto tempo torto e capenga para o lado esquerdo.

Tenho recebido, através de conversas presenciais, ligações telefônicas, mensagens de WhatsApp, comentários nas diversas redes sociais, apelos e manifestações para que eu não vote em Bolsonaro. Pessoas amigas chegam a me dizer que alguém inteligente como eu, um homem de bem e do bem, não pode votar num sujeito como esse. Eu tenho dito a todas essas pessoas que eu não votarei nele! #EleNão! Votarei contra o candidato do partido que defende a ideologia que instalou em nosso país o aparelhamento do Estado, transformando-o em mera ferramenta partidária, patrocinadora de ações que até parecem ter um conteúdo saudável e justo, revestidas de uma capa de correção e honestidade, mas que no seu âmago é só desfaçatez, só desvio de conduta, mentira, corrupção, posicionamentos não republicanos e completamente antidemocráticos.

Recebi um vídeo que mostra uma moça tentando impedir a passagem de um rapaz em um corredor de uma universidade só porque ele vestia uma camisa que o identificava como eleitor do Bolsonaro. Aquela cena, para mim, exemplifica incontestavelmente o que está ocorrendo em nosso país, uso-a como exemplo para não usar aquela outra, da moça que teve seu carro destruído por ter nele uma propaganda do Bolsonaro.

Estamos vivendo tempos tenebrosos, onde a noção de direito de alguns extrapola a sua própria razão de ser, pois não respeita nem o direito de outros, nem obedece à regra básica que prevê que para ter direito, o indivíduo se obriga a se responsabilizar por ele e assumir as obrigações que lhe dão causa e garante a eficácia de seu efeito. Somos hoje uma sociedade cheia de direitos, mas sem a contrapartida referente aos deveres que deles proveem.

Não votarei em Bolsonaro! Votarei num candidato que tenha condição de impedir que a esquerda continue destruindo nosso país e suas instituições.

Façamos o seguinte!… Não votarei em Bolsonaro se conseguirem me provar que os governos do PT não perpetraram o Mensalão; não destruíram a Petrobras, com o Petrolão; não fizeram com que o BNDES, nosso banco de desenvolvimento, injetasse dinheiro que deveria financiar o progresso do Brasil, em alguns países só por causa da ideologia esquerdista vigente neles; que não aparelharam o Estado e disseminaram as ideias gramschistas, que preveem que para dominar a sociedade, é necessário que destruam suas mais importantes instituições, como a família, a igreja, a escola, a academia, desvirtuando-as…

Li um texto que diz como são incoerentes as pessoas que se indignam com as boçalidades que diz o Bolsonaro e não demonstram nenhuma indignação com as atrocidades, com os desvios, com o roubo e a corrupção, cometidos pelo PT e pela esquerda, durante os últimos 24 anos. Resumindo: É mais fácil combater e nos livrarmos de um presidente boçal, do que de um que tenha por trás de si uma gangue de corruptos e aparelhadores safados!

Em que pese o fato de tudo que temos vivido, por tudo aquilo pelo qual nosso país tem passado, tenho uma certeza: vivemos em uma sólida e verdadeira democracia, caso contrário o panorama já teria mudado. O mundo não vive os anos da Guerra Fria, não sofremos uma insuportável pressão geopolítica, somos senhores de nosso destino e no que diz respeito a mim, não quero um destino que passe pela esquerda, quero um destino liberal.

Como disse recentemente o ministro Barroso, quem ganhar essa eleição, vai levá-la; quem a levar, se obrigará a respeitar as regras e os direitos de todos, resguardados pela Constituição. Eu defendo total e ferrenhamente essa ideia e desde já me oponho a quem quer que pense ou aja em sentido contrário.

 

3 comentários »

Um dos absurdos e incoerências da legislação eleitoral brasileira!

2comentários

Passei por uma das maiores e mais congestionadas rotatórias da cidade e ela estava cheia de pessoas carregando e tremulando bandeiras de propaganda de um candidato. Curioso, eu pedi que meu motorista passasse novamente pela rotatória, para que eu pudesse conferir quantas pessoas estavam naquela função. Eram 96! Todos estavam trajando camisas da mesma cor. Nelas não havia nenhuma impressão ou marca, a não ser o boton do candidato que os remunerava.

Pedi que Marcelo passasse novamente pela rotatória, desta vez queria olhar para aquelas pessoas. Eram todos jovens, entre 15 e 25 anos, de diversos sexos, predominantemente pardos. Procurei olhar em seus semblantes o motivo deles estarem ali ao sol de meio dia, balançando aquelas bandeiras.

Havia alguns apascentadores daquelas ovelhas, pessoas que organizavam a turma, davam ritmo ao balançar dos cetins e distribuíam água… Eu tentava ver se aqueles jovens estavam ali por convicção política ou pelo pagamento da diária!… Difícil acreditar que havia ali amor ideológico, partidário ou mesmo pessoal pelo candidato. Aquelas pessoas estavam trabalhando.

Fiz um cálculo rápido! Uma diária de 50 reais que fosse, mais uma bandeira de 25 reais e uma camisa que custe outros 25 reais, somaria 100 reais por pessoa, resultando em 9 mil e 600 reais no primeiro dia, e em 4 mil e 800 reais nos dias subsequentes. Digamos que o candidato operacionalizasse apenas 10 dias desse tipo de propaganda e apenas nesta rotatória, ele teria que gastar para isso, 52 mil e 800 reais, sem contar com os eventuais gastos de alimentação. Mas imaginemos que ele usasse apenas metade de uma equipe dessas, durante a metade do tempo, em cada município do Maranhão, ainda assim ele teria que gastar 2 milhões 864 mil e 400 reais. Ao final ele teria mobilizado 10.416 pessoas, tendo pagado a cada uma, 250 reais por cinco dias de trabalho, o que somaria 2 milhões, 604.000 milhões reais.

Veja que eu sugeri que o candidato usasse apenas a metade das pessoas, durante a metade do tempo, agora imagine se ele usasse o dobro!?…

Você acha que a justiça eleitoral tem como controlar este tipo de ação!?…

Você acha que as prestações de contas dos candidatos espelham a realidade do que acontece em casos como este!?…

Você acha que este tipo de ação acaba se transformando em mera compra de votos, pois o contratado passa a receber dinheiro do candidato!?…

É importante que se diga que isso ocorre com todos os candidatos que usam essa forma de propaganda!

2 comentários »

Os presidenciáveis e os sabores

0comentário

O novo Brasil não deseja idolatrar Lamarca ou Marighella, mas também não quer exaltar Fleury ou Ustra! O novo Brasil deseja ordem e progresso, abomina a corrupção e não aceita mais a falta de saúde, educação e segurança para o povo, mas também não aceita a rispidez e a intolerância. O novo Brasil quer atitude, trabalho, ação…

Dizendo isso parece que vou votar em Amoêdo, mas não defendo o voto útil, em alguém que não tenha a menor condição de vencer a eleição. Defendo que votemos em um candidato de centro, que possa iniciar um grande acordo nacional capaz de realmente mudar a nossa triste realidade!…

Tudo indica que Bolsonaro estará no segundo turno, só espero que com ele vá um adversário que nos dê uma boa opção, porque ter que escolher entre ele e o Haddad ou a Marina ou mesmo o Ciro… Isso vai ser como pular da fervura para o fogo! Ficaremos entre um ruim e um pior.

Digo isso, sabendo que a opção restante é o Alckmin, sabendo que ele não é lá grande coisa, mas que na situação em que nos encontramos, parece ser realmente a nossa opção menos pior. Já que no 2* turno, todos vencerão de Bolsonaro, que seja pelo menos um moderado.

É incontestável que Ciro Gomes é preparado para exercer o cargo de presidente da República, mas se fosse por isso, pelo motivo inverso, Lula jamais deveria ter sido presidente, pois preparo para o cargo ele não tinha nenhum! Para ser presidente é preciso mais que preparo.

O mesmo ocorre em relação a Alckmin! Ele é preparado para o exercício do cargo, mas, faltam-lhe ingredientes indispensáveis para exercê-lo.

Já no caso de Bolsonaro, está claro que preparo é coisa que ele não possui, mas parece que ele tem um ingrediente que encontramos em Lula, sendo que esse ingrediente é diametralmente oposto politicamente falando, ao do ex-presidente, que hoje se encontra preso.

O caso da Marina, se assemelha mais ao de Bolsonaro no que diz respeito ao preparo que ambos não têm, mesmo que a ex-seringueira em nada se identifique com o capitão da reserva do Exército brasileiro.

Álvaro Dias é um bom político! Bom não!… Ele não é um mau político! Meirelles é um bom técnico, mas é só! O Boulos é inominável ideologicamente. Amoêdo é o candidato em quem todos gostariam de votar… Se ele tivesse a mínima chance de pelo menos ir para o 2* turno!…

Resumindo! Fazendo uma analogia em relação aos possíveis sabores que alguns candidatos possam ter: Alckmin é insosso; Marina é amarga; Ciro é azedo; Haddad é picante e Bolsonaro é ácido. Paladares para todos os gostos…

sem comentário »

O que Nagib Haickel faria nesta situação?

0comentário

Neste dia 7 de setembro de 2018, há exatos 25 anos, falecia o então presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Nagib Haickel, que entre outras coisas era meu pai.

Passado tanto tempo ocorre em relação a ele um fato curioso! As pessoas o conservam em suas lembranças e muitas comentam sobre algum fato ao qual ele irremediavelmente é ligado, como ter criado a “Meruoca”, uma loja que jamais fechava as portas, até porque não as tinha; O fato dele ter inventado a planilha Excel e não Bill Gates; como ser ex-presidente do Moto Clube; a respeito dos bombons que ele distribuía durante as campanhas políticas; sobre o fato dele narrar um trecho de uma partida de futebol nos comícios, muito antes do Tom Cavalcante fazer o mesmo; das milhares de nomeações que ele distribuiu entre 1968 e 1988; e de tantas outras coisas que o fizeram ser um personagem ímpar na vida empresarial, esportiva, social e política de nosso estado.

O fato de ser filho de Nagib Haickel não me faz automaticamente seu fã ou seu defensor incondicional. Tenho em relação a ele um posicionamento crítico que considero ser isento e honesto, e vou aqui expô-lo.

Acredito que as maiores qualidades de meu pai eram a autêntica generosidade, a sincera devoção à família e aos amigos, a grande inteligência e a aguda sagacidade para as oportunidades de negócios.

Meu pai não teve oportunidade de aprofundar seus estudos, cursou até o primeiro ano de contabilidade. Se tivesse se dedicado neste setor, se formado, teria ido, em certo sentido, muito mais longe, mas talvez não teria feito as coisas que queria fazer da forma que desejava. Não ser formalmente letrado não o tornava um homem desinformado, ele estava sempre em dia com as notícias e os acontecimentos locais, nacionais e internacionais.

Algumas pessoas o achavam rude, tosco ou mesmo boçal. Ele não era nenhuma dessas coisas, mesmo que tenha criado um personagem para si, do qual se utilizava no intuito de aproximar-se das pessoas comuns e distanciar-se das pessoas que considerava pedantes e chatas: “Nagib, o caboclo do Pindaré, acostumado a comer tapiaca e mandubé”.

Como empresário cultivou grandes amizades e o respeito de quase todos. Como político, vangloriava-se de não ter nenhum inimigo. Dizia ter apenas adversários com quem divergia pontualmente, mas com quem mantinha relações respeitosas e cordiais, mesmo que em duas ou três ocasiões tenha sido preciso a turma do deixa disso intervir. Em dois desses casos que eu presenciei, um com Luís Vila Nova e outro com Domingos Dutra, depois da refrega, ambos passaram a ser mais amigos dele que antes, tamanho era o respeito e a consideração que ele mantinha pelas pessoas, independentemente de suas posições sociais, políticas e ideológicas (no filme que fiz sobre meu pai, os depoimentos de Vila Nova e Dutra, são alguns dos mais vibrantes e emocionantes. Veja o link:https://www.youtube.com/watch?v=iZ1TXXdqw7U&list=PL1CRSF1DLcjwvUpyJAY3ASdVzCjgcex3I&index=9)

Meu pai não era nenhum santo, graças a Deus!… Ele não gostava muito de pagar impostos, pois achava que os cidadãos eram lesados pelos três níveis do estado, que não lhes davam a contrapartida que lhes era devida.

Algumas pessoas localizadas mais à esquerda do espectro político ideológico o consideravam clientelista e fisiológico, predicados e adjetivos que não o incomodavam de forma alguma, até porque ele, em seu modo jocoso, dizia não saber o que significavam essas expressões.

O seu fisiologismo era justificado pelo fato dele dizer abertamente que tinha sempre que estar atrelado ao poder dos governantes, pois apenas os governos poderiam possibilitar os benefícios de infraestrutura que os municípios e as pessoas que o apoiavam precisavam e mereciam. O mesmo dizia a respeito do clientelismo: Ao prestar relevantes serviços às populações e às pessoas, recebia em troca o apoio para se eleger.

Esses 25 anos sem ele me deram certeza de sua importância, não apenas nas vidas das pessoas de nossa família e do seu círculo de amigos, mas no panorama geral de nosso estado.

Ainda hoje me guio por um parâmetro que desenvolvi mesmo antes dele morrer. Sempre que tenho que tomar uma decisão complicada me faço uma pergunta: O que Nagib Haickel faria nesta situação!?…

 

 

sem comentário »

Um chefe contra um líder

4comentários

Algumas pessoas que eu respeito e considero vinham recorrentemente pedindo que eu parasse de fazer críticas ao governador Flávio Dino e a seu governo, e eu até estava disposto a atendê-las.

Minha mãe disse-me que nem todo mundo aceita a opinião de outras pessoas, ainda mais sendo opiniões tão negativas como as que eu expunha. Minha mulher, disse estar preocupada com alguma retaliação que o governador pudesse fazer contra mim. Minha filha disse preferir que eu me omitisse, pois segundo ela nada ganho dizendo o que penso. Meu irmão quer que fique completamente fora da política e não apenas fora das eleições. Por fim, meu bom amigo deputado Rogério Cafeteira diz que eu me excedo ao propagar minhas opiniões… Penso que eles podem até estar certos!…

Sabe, bem que eu até tentei, porém confesso ser um fraco no que diz respeito a controlar minha necessidade de dizer o que penso, ainda mais depois que eu vi os dois primeiros vídeos da propaganda política do governador! Em um deles usa a imagem do leão da Metro, um flagrante crime contra o direito autoral e no outro, ao invés de falar de suas propostas, ataca os adversários!…

Como já disse antes, nestes quase quatro anos, nunca disse que Flávio Dino ou seus secretários são corruptos, nunca os acusei de malversação, de prevaricação ou de peculato. Jamais disse que eles cometeram apropriações indébitas ou desviaram recursos públicos. O que sempre comentei foi sobre a falta de coerência do governador, sobre sua dificuldade em ter um raciocínio e um comportamento dignos de um estadista.  Sempre disse que ele e os seus auxiliares não conseguem até hoje se desvencilhar do palanque eleitoral nem da prática da política universitária. Sempre ressaltei sua hipocrisia, maniqueísmo, sectarismo, arrogância, prepotência e messianismo, defeitos capazes de aleijar qualquer pessoa, ainda mais um político.

Flávio Dino passou quatro anos perdendo um precioso tempo, tentando destruir seus adversários, quando deveria ter destinado tamanha energia e empenho dispendidos no afã de perseguir a quem se opõe a ele e a suas ideias, para trabalhar pelo Maranhão e por seu povo.

Obstinado em eliminar seus opositores, pensando que assim teria um reinado mais duradouro, mas sendo um mau aluno de história, não atentou para a lição que nos ensina que ações de extermínio político, mais que destruição moral através de discursos vazios, insultos ou até mesmo de alguns fatos, requer substituição do poder no mesmo nível do anterior, patamar que nem em dez mandatos ele conseguiria alcançar, pois o seu parâmetro de comparação é o de chefe e a pessoa a ser superada nem está no patamar de chefe, mas sim de líder, que seria, Zé Sarney! Essa inclusive é uma tarefa para a qual um mosquitinho qualquer não estaria preparado, a menos que fosse o Aedes Aegypti, vetor de quatro vírus de doenças graves, o da Febre Amarela, da Dengue, da Zika e da Chikungunya, que acometesse fatalmente um velhinho de oitenta e oito anos que ainda se movimenta no ringue político como um verdadeiro bailarino, mistura de Mohamed Ali, Joe Louis e o nosso Zulu.

Resumindo a ópera: Flávio Dino se constituiu no maior cabo eleitoral de Roseana Sarney, que havia decidido não mais se candidatar! Tanto ele fez que a trouxe de volta! E ela veio com força! Uma força que em sua maioria não é diretamente dela, mas sim de pessoas que abominam Flávio Dino! Abominam até menos ele, mas abominam muito seus indissociáveis predicados e adjetivos: Hipócrita, arrogante, prepotente, sectário, maniqueísta, messiânico, tirânico e perseguidor.

Alguém que seja assim, por mais que faça algumas escolas municipais, asfalte alguns quilômetros de ruas e estradas, e faça muita propaganda, não consegue se impor como um verdadeiro líder, quando muito será reconhecido apenas como chefe. E chefe de uma aldeia de índios em sua maioria, migrantes e sazonais, advindos de outras tribos, para onde tudo indica, terão que voltar!…

Mudando um pouco o rumo da prosa… Haverá segundo turno e assim sendo o governador vai ter que rebolar para vencer a eleição!…

 

PS: Na foto que ilustra essa matéria vemos claramente a expressão de admiração que o chefe tem pelo líder!…

4 comentários »