Celso Antônio, brasileiro.

3comentários

Nada sabia sobre Celso Antônio de Menezes. Muito pouca gente sabe sobre ele. Desde que tomei conhecimento de sua incrível história, tive vontade de realizar um documentário que possibilitasse às pessoas conhecerem esse gênio da arte brasileira, que nasceu na cidade de Caxias, no Maranhão.

Realizar este filme passou a ser uma de minhas metas. Comecei a procurar por Celso Antônio, a pesquisar tudo o que dissesse respeito a ele e o livro de Eliezer Moreira sobre Celso foi o estopim. Joaquim Itapary, sabendo de meu interesse, passou-me o endereço de um site de leilões de obras de arte e lá arrematei todas as peças do escultor que estavam disponíveis. Saí comprando tudo que pude encontrar, feito por ele.

Era minha intenção doar o acervo que adquiri, inclusive, parte dele da família de Celso, para o governo do Maranhão, para que ele colocasse em exposição permanente em um espaço dedicado às artes de nossa terra, mas o governo não se mostrou sensível a essa ideia.

As pessoas costumam valoriza pouco as funções de produtor executivo, de produtor, de diretor de produção… Isso é um grande erro. Nenhum diretor pode fazer bem o seu trabalho se não tiver por trás de si bons produtores. Sabendo disso resolvi escalar meu parceiro Joan Carlos Santos, da produtora Play Vídeo, para produzir comigo este filme que resgatará a história deste gênio esquecido de nossa arte.

Precisávamos de um diretor detalhista, minucioso, que beirasse a chatice no esmero da narrativa da história. Precisava de um poeta do cinema. Alguém que soubesse intercalar silêncio e som, longas sequências imagéticas com os necessários depoimentos que compusessem a tela que retrataria a nossa história. Afortunadamente eu tinha esse diretor. Beto Matuck, da Matuck & Yamaji Filmes, meu parceiro de muitos, grandes e bons projetos foi a escolha perfeita.

Essas três empresas integrantes do Polo de Cinema do Maranhão, a Play, enquanto proponente do projeto, a M&Y, se responsabilizando pela direção artística e a Guarnicê, na produção executiva, se valeram do indispensável apoio do MAVAM para realização deste filme, que temos certeza será um marco na história do cinema e das artes do Maranhão.

O filme Celso Antônio, brasileiro, é um sobrevoo sobre a trajetória do escultor maranhense Celso Antônio de Menezes, que viveu entre 1896 e 1984 e participou intensamente do movimento modernista, juntamente com Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Manuel Bandeira, entre outros, mas apesar de aclamado como um importante artista de vanguarda, sua obra é hoje refém do desconhecimento.

Nosso documentário refaz o caminho do escultor, investigando o que teria provocado o seu declínio e impedido que sua obra ficasse registrada mais profundamente no cenário das artes brasileiras.

Duas passagens são as mais controversas na vida do nosso personagem. A primeira, no governo Vargas, quando o renomado arquiteto francês Le Corbusier, que era amigo de Celso Antonio desde quando este morava em Paris, o convidou para fazer uma estátua que deveria ficar em frente ao prédio sede do Ministério da Educação… A obra se chamaria O homem brasileiro. Assistam ao filme e descubram o que aconteceu.

A outra grande polêmica foi quando, no governo do presidente Dutra, o escultor foi convidado para fazer uma escultura que simbolizasse o nosso trabalhador. Ela seria colocada em frente ao Ministério do Trabalho, no Rio de Janeiro.

Nesta imensa escultura em granito Celso Antônio usou como referência a figura de um homem mulato, atarracado, de feições fortes, com as mãos para trás, o que por si só fez da obra objeto de polêmica em torno de como deveria ser representado o tipo racial brasileiro. Dias após e inauguração a escultura foi retirada de seu local, sendo transferida para um parque em Niterói e caiu no esquecimento.

Um dos objetivos deste filme é sensibilizar o governo do Maranhão para que faça tratativas no sentido de trazer essa obra para São Luís e colocá-la em um local onde possa ser admirada por todos.

O lançamento de Celso Antônio, brasileiro será neste sábado, 27 de julho, às 10 horas da manhã, no Cinépolis, no São Luís Shopping. A entrada é franca.

3 comentários »

Insônia Produtiva

0comentário


Quando se fala em insônia normalmente se imagina logo que ela é proveniente de preocupações e dificuldades pelas quais o insone deve estar atravessando, mas em algumas oportunidades, ela pode acabar nos dando alegrias.

Normalmente durmo por volta das 11 da noite e acordo em torno das cinco da madrugada, o que me garante seis horas diárias de bom sono.

Esta semana tive dias muito atarefados, mas também muito produtivos. Trabalhei uma média de 16 horas diárias de segunda e sexta e deverei ainda trabalhar umas 8 horas no sábado e no domingo, o que totalizará umas 96 horas de trabalho, nas diversas atividades às quais me dedico.

Estou realizando várias produções cinematográficas. Acabei de produzir dois longa metragens documentais, um sobre o genial escultor maranhense, Celso António, dirigido por meu amigo e parceiro Beto Matuck, e o outro, baseado em imagens do grande fotógrafo Lindberg Leite, no qual divido a pesquisa, a produção e a direção com Cinaldo Oliveira, Joan Carlos Santos e Fernando Baima, respectivamente.

A Guarnicê Produções está desenvolvendo outros projetos. Para a TV Difusora, uma série em parceria com a Freela Conteúdos, espécie de Reality-Road Movie-Musical-Adventure, onde apresentaremos a banda de reggae Raja, em turnê pela Rota das Emoções e em parceria com a Objetiva Filmes, um telefilme baseado no material que Lindberg Leite produziu para esta emissora nos anos de 1960 e 1970.

Estou também produzindo duas séries e dirigindo uma delas, para canais de repercussão nacional e internacional, a Prime Box Brasil e a Fashion TV. O primeiro sobre a vida e a obra do padre António Vieira e o segundo sobre moda produzida de forma artesanal e sustentável. Ufa!… Só relatar isso tudo já cansa, imagina só fazer!?

A Guarnicê Produções está também participando, como coprodutora, do filme Trópico que será realizado no Maranhão e contará com direção de Giada Colagrande e a participação de Willem Dafoe e grande elenco, além de atores e técnicos de nossa terra.

Tem mais! Depois de muito tempo trabalhando como voluntário na Fundação Nagib Haickel, pois antes, pelo fato de ser deputado, não quis assumir nenhuma função de direção naquela instituição, agora sou seu presidente e justo em minhas mãos, ela está atravessando tempos difíceis, como de resto todo mundo está.

Outra tarefa que assumi foi ajudar a Academia Maranhense de Letras a levar em frente seu plano editorial. Eu, Sebastião Moreira Duarte, Félix Alberto Lima e José Neres, presididos por Lourival Serejo, fazemos parte da comissão editorial da AML, que está editando e publicando alguns livros.

Só para vocês terem uma pequena ideia deste trabalho: Eu lhes garanto que editar um livro hoje é infinitamente mais fácil do que em meados dos anos 1980, mas está um milhão de vezes mais difícil convencer alguns escritores que as capas de seus livros não podem ser feitas por eles, mas por artistas gráficos capacitados!

A semana também foi recheada de compromissos empresariais, setor em que graças ao bom Deus de Moisés e Maomé, conto com a indispensável ajuda de meu irmão Nagib e de minha esposa Jacira, sem os quais eu estaria quebrado.

Pois bem! A insônia! Adormeci às 11 horas da noite, com o controle remoto da TV na mão, e do nada despertei uma hora da madrugada.

Fui até a cozinha, tomei água para enganar o estômago e não ter que comer nada. Não funcionou. Assaltei a geladeira, mas fui moderado. Comi apenas frutas.

Como vi que não iria mesmo conseguir dormir fui para o computador. Passeei pela internet. Dei parabéns para os aniversariantes do dia no Facebook, li as últimas notícias e fui ver a página do MAVAM no Youtube… Agora que começa o texto de hoje. Quase no final!

Deparei-me com 60 filmes sobre os radialistas e o rádio maranhense. Um trabalho de registro e preservação de memória que não pode ser mensurado em preço financeiro. Emocionei-me com o Xeleléu de Rui Dourado, com o grande Zé Branco e senti saudade do amigo Edmilson.

Mas vi também outros conteúdos que realizamos: Os 27 filmes sobre os artistas plásticos do nosso estado, os 24 filmes sobre escritores maranhenses, os 19 sobre personagens e fatos importantes de nossa história, os 120 recortes de memória histórica, além de muitos outros filmes ficcionais e documentais nos quais participamos como realizadores ou apoiadores.

Fiz uma continha rápida e cheguei ao número extraordinário de 250 títulos de diversas durações e formas, realizados de 2009 para cá. Aprofundei a conta e cheguei à casa de 3.600 minutos de material finalizado e mais de nove mil minutos de material bruto.

Naquela madrugada fui dormir às seis da manhã e acordei as oito pra pegar no batente. Dormi feliz e acordei realizado.

PS: Quando lerem este meu texto, meu irmão Nagib e minha mulher Jacira, que em última análise, financiam tudo isso, dirão: “Muito bem! Parabéns! Isso é muito importante e até muito bonito, mas esse negócio não consegue se sustentar sozinho!?” Ao que eu responderei: “Claro que sim! Ele sustenta parte de minha felicidade!”

Veja você mesmo: https://www.youtube.com/channel/UCEWQytLxhKZ2gLs-wGn55FQ/videos

sem comentário »

Morfologia e Sintaxe de um Filme

0comentário

Finalmente encontrei um tempinho para assistir ao badalado filme, Democracia em vertigem, de Petra Costa.

A obra é anunciada como um relato documental sobre os acontecimentos que envolveram a cassação da então presidente Dilma Rousseff, mas ao terminar de assisti-la, tive a impressão de ter visto um filme poético e sensorial sobre política. Algo realmente diferente e incomum, e é neste sentido que acredito repouse suas maiores qualidades, aumentadas por belas imagens, uma trilha sonora quase sacra, a narração em primeira pessoa da própria diretora, construída de forma inteligente, feita para cativar o espectador, levando-o a acompanhá-la em um passeio pelos caminhos de sua visão sobre acontecimentos políticos recentes do Brasil.

Embora cite a cassação de Dilma Rousseff, e apresente depoimentos de diversos outros políticos, na verdade Petra usa a si própria e a Lula, como fios condutores narrativos de seu filme.

A voz às vezes doce e até tímida da narradora, que constrói suas frases com engenharia milimétrica, para não demonstrar sentimentos extremados que a fizesse resvalar na raiva, aparenta não desejar estabelecer uma verdade histórica, o que transformaria seu filme num mero instrumento político. Aparenta!…

Petra é muito inteligente em sua forma de abordagem. Seduz o espectador a ouvi-la e ver as imagens que captou ou selecionou. Nos mostra imagens de filmes caseiros de sua família, estabelecendo conosco uma intimidade, e faz com que sintamos que ela não é uma dessas ativistas idiotizadas. Isso ela não é, e é muito mais perigosa exatamente por isso.

A autora assume abertamente o pecado da subjetividade e o tenta transformar em maior ativo de seu filme. As opiniões e os erros históricos que usa na tentativa de construir um cenário favorável para contar sua história, a princípio não me incomodaram. Já esperava isso. Mas foi sua forma narrativa que fez com que eu lhe fosse condescendente, mesmo tendo identificado fatos fora de contexto, distorções, edições maldosas, como nos casos da votação do impeachment de Dilma, do discurso de posse de Temer e do comício de Lula antes de ser preso.

É esperta ao nos contar que é neta de um dos fundadores de uma das maiores construtoras brasileiras, a Andrade Gutierres. Ao reconhecer o envolvimento dessa empresa com crimes de corrupção, usa a “franqueza” como antídoto para a má vontade de alguns, que, discordando de sua visão ideológica e política, peremptoriamente, pudessem descartar sua abordagem.

Conta sobre a posição antagônica de seus avós e de seus pais. Os primeiros colocados confortavelmente na direita, enquanto os segundos, ativistas de esquerda, que acabaram presos por envolvimento com a guerrilha.

Seu filme nos apresenta um magnífico trabalho de pesquisa imagética. Os passeios que sua câmera faz pelos ambientes, às vezes vazios, às vezes abarrotados de gente, os silêncios, a música, as falas de seus entrevistados, escolhidas com argúcia, e principalmente sua voz quase infantil, nos conduzem por onde ela deseja e imagina que nos leva.

Ela usa sua inconformação com os acontecimentos, sua indignação, a melancolia de seu sonho desfeito, como arma para tentar conquistar corações e mentes de quem possa se posicionar contra as forças que ela diz ser antidemocráticas.

Enquanto assistia ao filme de Petra Costa me veio uma ideia! Colocá-lo em uma timeline de edição e fazer com ele o que na hora chamei de “Morfologia e Sintaxe de um Filme”, indicando em cada sequência pontos de concordância ou discordância com aquilo que tenho não como verdade, mas como fato comprovado, possível ou plausível, como faria um documentarista.

Petra consegue levar seu filme de forma mais ou menos poética e ideológica durante os primeiros 80 minutos de seu tempo. Nos últimos 40 minutos do filme, ela perde a mão, e ele se transforma em um produto parcial e panfletário, mera propaganda política e partidária.

As belas imagens do começo dão lugar a discursos de defesa de Lula e do esquema de poder do PT.

Democracia em Vertigem não se aprofunda nos fatos. Sua autora não nos mostra o papel da mídia e do jornalismo como vetor de todo esse processo; não mostra o aparelhamento sofrido pelo estado; apenas cita ou resvala em assuntos densos, como o Mensalão, o Petrolão e nem fala do assalto ao BNDES; não analisa o fato de que Lula poderia ter conduzido o Brasil para um outro rumo, mesmo que usasse o caminho da esquerda; não cita o fato de que Dilma não deixou que Lula fosse candidato em seu lugar em 2014…

Este filme decididamente não é um documentário. Se o fosse não seria tão relevante.

sem comentário »