Morfologia e Sintaxe de um Filme

0comentário

Finalmente encontrei um tempinho para assistir ao badalado filme, Democracia em vertigem, de Petra Costa.

A obra é anunciada como um relato documental sobre os acontecimentos que envolveram a cassação da então presidente Dilma Rousseff, mas ao terminar de assisti-la, tive a impressão de ter visto um filme poético e sensorial sobre política. Algo realmente diferente e incomum, e é neste sentido que acredito repouse suas maiores qualidades, aumentadas por belas imagens, uma trilha sonora quase sacra, a narração em primeira pessoa da própria diretora, construída de forma inteligente, feita para cativar o espectador, levando-o a acompanhá-la em um passeio pelos caminhos de sua visão sobre acontecimentos políticos recentes do Brasil.

Embora cite a cassação de Dilma Rousseff, e apresente depoimentos de diversos outros políticos, na verdade Petra usa a si própria e a Lula, como fios condutores narrativos de seu filme.

A voz às vezes doce e até tímida da narradora, que constrói suas frases com engenharia milimétrica, para não demonstrar sentimentos extremados que a fizesse resvalar na raiva, aparenta não desejar estabelecer uma verdade histórica, o que transformaria seu filme num mero instrumento político. Aparenta!…

Petra é muito inteligente em sua forma de abordagem. Seduz o espectador a ouvi-la e ver as imagens que captou ou selecionou. Nos mostra imagens de filmes caseiros de sua família, estabelecendo conosco uma intimidade, e faz com que sintamos que ela não é uma dessas ativistas idiotizadas. Isso ela não é, e é muito mais perigosa exatamente por isso.

A autora assume abertamente o pecado da subjetividade e o tenta transformar em maior ativo de seu filme. As opiniões e os erros históricos que usa na tentativa de construir um cenário favorável para contar sua história, a princípio não me incomodaram. Já esperava isso. Mas foi sua forma narrativa que fez com que eu lhe fosse condescendente, mesmo tendo identificado fatos fora de contexto, distorções, edições maldosas, como nos casos da votação do impeachment de Dilma, do discurso de posse de Temer e do comício de Lula antes de ser preso.

É esperta ao nos contar que é neta de um dos fundadores de uma das maiores construtoras brasileiras, a Andrade Gutierres. Ao reconhecer o envolvimento dessa empresa com crimes de corrupção, usa a “franqueza” como antídoto para a má vontade de alguns, que, discordando de sua visão ideológica e política, peremptoriamente, pudessem descartar sua abordagem.

Conta sobre a posição antagônica de seus avós e de seus pais. Os primeiros colocados confortavelmente na direita, enquanto os segundos, ativistas de esquerda, que acabaram presos por envolvimento com a guerrilha.

Seu filme nos apresenta um magnífico trabalho de pesquisa imagética. Os passeios que sua câmera faz pelos ambientes, às vezes vazios, às vezes abarrotados de gente, os silêncios, a música, as falas de seus entrevistados, escolhidas com argúcia, e principalmente sua voz quase infantil, nos conduzem por onde ela deseja e imagina que nos leva.

Ela usa sua inconformação com os acontecimentos, sua indignação, a melancolia de seu sonho desfeito, como arma para tentar conquistar corações e mentes de quem possa se posicionar contra as forças que ela diz ser antidemocráticas.

Enquanto assistia ao filme de Petra Costa me veio uma ideia! Colocá-lo em uma timeline de edição e fazer com ele o que na hora chamei de “Morfologia e Sintaxe de um Filme”, indicando em cada sequência pontos de concordância ou discordância com aquilo que tenho não como verdade, mas como fato comprovado, possível ou plausível, como faria um documentarista.

Petra consegue levar seu filme de forma mais ou menos poética e ideológica durante os primeiros 80 minutos de seu tempo. Nos últimos 40 minutos do filme, ela perde a mão, e ele se transforma em um produto parcial e panfletário, mera propaganda política e partidária.

As belas imagens do começo dão lugar a discursos de defesa de Lula e do esquema de poder do PT.

Democracia em Vertigem não se aprofunda nos fatos. Sua autora não nos mostra o papel da mídia e do jornalismo como vetor de todo esse processo; não mostra o aparelhamento sofrido pelo estado; apenas cita ou resvala em assuntos densos, como o Mensalão, o Petrolão e nem fala do assalto ao BNDES; não analisa o fato de que Lula poderia ter conduzido o Brasil para um outro rumo, mesmo que usasse o caminho da esquerda; não cita o fato de que Dilma não deixou que Lula fosse candidato em seu lugar em 2014…

Este filme decididamente não é um documentário. Se o fosse não seria tão relevante.

Sem comentário para "Morfologia e Sintaxe de um Filme"


deixe seu comentário