Feliz Natal uma pinóia!

3comentários

Na semana passada assisti Feliz Natal, filme com o qual o já consagrado ator Selton Mello estréia na direção de um longa-metragem.

Confesso que entrei no cinema preocupado, primeiro porque assisti ao filme ao lado do diretor, segundo porque quem já havia visto o filme, ou o amava ou o odiava. O fato de as pessoas terem essa relação de amor ou ódio com um filme no mínimo era uma garantia de que só pela polêmica, valeria a pena vê-lo. Se tivesse sorte, estaria presenciando em primeira mão, ao vivo e a cores, o surgimento e a consagração de um artista e de sua obra. Tanta polêmica também me dizia que estava diante de um filme de arte, um produto conceitual. Algo diferente, incomum, que suscita surpresa e admiração. Guardadas as devidas proporções, seria como se Velásquez fosse colocado diante de quadros de Dali, isso para ficar apenas em um dos maiores revolucionários das artes plásticas, nascido na Espanha. A mesma Espanha onde tive o privilegio de ver meu filme, Pelo Ouvido, único curta-metragem brasileiro selecionado para a mostra competitiva do Festival de Cinema Íbero-Americano de Huelva, em sua 34ª edição, ombreado com o longa de Selton, ambos representando o Brasil em suas respectivas categorias.

Com toda certeza Feliz Natal não causará a mesma polêmica que causou a música de Alexander Mossolov, ou de Karlheinz Stockhausen ou de John Cage, repletas de ruídos e barulhos ou simplesmente do mais sublime dos sons, o silêncio. Assim como a música daqueles audaciosos malucos, o filme de Selton tem apenas uma intenção, chocar, chamar atenção, de uma forma bruta, eu concordo, de uma forma incomum e pouco convencional, isso é verdade, mas com os ingredientes indispensáveis quando se quer chamar atenção de maneira definitiva: Objetividade, força, coragem e poesia.

Feliz Natal realmente não é um filme fácil, mesmo porque não é essa a proposta do diretor desde a concepção do argumento, passando pela elaboração do roteiro, onde conta com o apoio de Marcelo Vindicatto, e culminando com a clara opção de chocar as pessoas com um enquadramento de câmera tão fechado, tão próximo dos atores que causa náusea. Ele consegue com a ajuda do excelente Lula Carvalho uma não-luz, um escuro silencioso e melancólico, capaz de iluminar a cena com lampadinhas de natal ou com qualquer luz existente. O uso extremado de planos-seqüência ajuda na sensação de mal-estar, mas principalmente nos faz estar presente em cena, bem atrás do extraordinário ator Leonardo Medeiros ou coladinho no rosto da impagável Darlene Glória em seus momentos Dercy ou Coringa.

Já que falei no Leonardo e na Darlene, cabe aqui um registro. O elenco é perfeito, não apenas no que diz respeito às interpretações, mas principalmente quanto à escolha e a tipificação dos personagens e dos atores. Os irmãos realmente se parecem, Paulo Guarnieri com o Léo e Graziella Moretto assemelha-se bastante a Rose Abdalah que por sua vez lembra sua filha. Lúcio Mauro e Emiliano Queiroz interpretam a eles mesmos, ou pelo menos aquilo que temos deles em nosso inconsciente. Já Nathalia Dill, essa é talvez a maior crueldade de Selton, pelo menos para comigo. Ele, só de sacanagem, mata aquela linda mulher, fazendo com que ela apareça muito pouco em cena, mas o suficiente para deixar sua marca, principalmente em mim.

Em relação à estrutura da história, uma coisa é marcante. A forma de contar não contando. A forma de nos trazer para dentro do contexto sem nem sequer termos sido convidados e o que é pior, da maneira mais irritante para um sujeito como eu, usando o silêncio, a mudez dos personagens. Esse é um dos vários momentos em que fica clara a mão do diretor, que sendo um exímio ator, prova que não fez um filme para agradar ninguém. Acredito até que ele o tenha feito mesmo foi para desagradar!

Em Feliz Natal Selton prova a todos que o ator, o cavalo que incorpora Johnny, Chicó, o André de Lavoura Arcaica, o Lourenço de O Cheiro o Ralo, o Leléu de Lisbela e o Prisioneiro, pode fazer seu trabalho e ainda ter dentro de si um poeta Bukowskiano. Desbocado, sujo, maltrapilho, que se utiliza de uma cenografia de paredes descascadas, azulejos quebrados, folhas mortas em volta da piscina, moscas na comida, coisas existentes na vida real. Um poeta que lança mão de uma montagem audaciosa, porém precisa, transformando em uma viagem lisérgica boa parte dos conflitos de seus personagens e de nossa vida, retratada de forma simbolista, iconoclasta e pictórica, isso para apenas usar três adjetivos para descrever o seu denso e difícil poema audiovisual de 100 minutos.

Se eu gostei de Feliz Natal!? Eu não sou parâmetro para auferirmos isso. Seria melhor eu lhes dizer que um filme pode ser bom ou ruim dependendo do espectador, mas para seu realizador ele será bom se tiver conseguido alcançar seu objetivo, qualquer que seja ele. O objetivo de Selton Mello com esse seu primeiro filme, é claramente dar um soco na cara do espectador e mostrar-lhe outra forma de ver a mesma realidade, e isso com toda certeza ele consegue.

3 comentários »

O sucesso consiste em não fazer inimigos!

3comentários

Tenho um bom amigo que me manda pelo menos 50 mensagens eletrônicas por dia, então resolvi compartilhar com vocês, sempre que for possível, algumas delas (apenas algumas…rsrsrsrs). Espero que apreciem.

Regra número 1
 
Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano.

Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1997 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2007.
 
Regra número 2
 
A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.
 
Regra número 3
 
Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa.

Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender. Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo, mas não é. A “Lei da Perversidade Profissional” diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos. Portanto, profissionalmente falando, e pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos. Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm boa memória.
 
Max Gehringer
 

PS: Em que pese eu estar publicando este texto em meu blog, isso não quer dizer que eu concorde com ele plenamente. Ele tem lógica, isso é verdade, vai no rumo! Mas eu ainda prefiro continuar fazendo amigos incondicionalmente. Se um favor ou uma ajuda que eu fiz ou dei a alguém, for esquecido, isso não será problema para mim, pois eu não o esquecerei jamais e também não o cobrarei, mas eu sabendo posso me perdoar por não ter feito mais ainda.

3 comentários »

Tertuliano ?

1comentário
                                   Livre, porém honesta adaptação de um discurso com aparte.
                                   Nomes e cargos foram omitidos e/ou trocados, para que uma obra política possa ser
                                   transformada em obra literária.   


Um deputado destilava o seu comprovado talento para a critica… 
 

“… Por mais que se discutam outros assuntos importantes e relevantes o assunto do momento na realidade é esse troca-troca de partidos. São deputados que estão se acomodando em outras legendas e de quinta-feira até ontem muita coisa ocorreu e parece que muita coisa ainda vai ocorrer. Fui informado que o próprio primeiro mandatário, ele próprio telefonava, ou procurava deputados para se filiarem ao seu partido, então me lembrei do barão de Itararé que dizia que há alguma coisa no ar além dos aviões de carreira”, e havia. Tanto havia, que na convenção desse partido – presente estava o Presidente do de uma outra agremiação partidária e Líder maior, do maior Bloco Parlamentar desta casa – filiaram-se cinco deputados, inclusive três do próprio Bloco. Mas esse deputado, Presidente desta outra agremiação partidária, talvez tenha pensado consigo mesmo e dito que o” bom cabrito não berra”, foi à tribuna dizer que procuraria fazer do seu partido um grande partido ou talvez o maior partido do Estado.Mas logo em seguida um senador que tinha vindo a essa Casa antes da eleição para a Mesa Diretora prestar o seu apoio ao Presidente vai à tribuna e assumindo os ares de pitonisa diz que os pequenos partidos, inclusive o do anfitrião iria acabar. Aí eu me lembrei de Shakespeare: “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia”.Mas o deputado não passou recibo, homem católico foi para casa, se recolheu e consultou as escrituras e viu lá no evangelho segundo São Mateus que Jesus disse: “quem não é por mim é contra mim”. E tratou naturalmente de cair em campo para reforçar o seu partido.  Filiou quatro deputados e ele com certeza deve ter dito a si mesmo, aquele provérbio árabe, “Nada melhor que um dia depois do outro”.

Isso naturalmente deve ter causado algum comentário no almoço lá no palácio, é possível que alguém tenha dito ao Governador “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”. E o Governador deve ter comentado, “Quem tem com que me pague não me deve nada”. Lembrando de um ditado muito conhecido “Quando a gente vê a barba do vizinho pegar fogo trata de colocar a nossa de molho”. Como “para bom entendedor meia palavra basta”, e como dizia um grande deputado do passado “Quem viver verá”.

Admirado com a verve do colega e sabendo de que o maior interesse do tribuno era fazer “o mar pegar fogo para comer peixe frito, um novato resolve aparteá-lo e citando Shakespeare,, para colocá-lo em cheque…

O nobre colega me lembra muito um Senador famoso, que faz discursos através de versos e rimas. Mas eu tenho certeza que V.Exa não decorou essa grande pérola da oratória maranhense, tenho certeza que isso tudo é feito de improviso. É por isso que eu gostaria apenas de citar Shakespeare em sua frase mais conhecida e talvez a mais forte: “Ser ou não ser eis a questão”.
 
E o macaco velho, astuto e matreiro, talvez o único que realmente tenha entendido o sentido do aparte, talvez o único que realmente saiba o endereço certo daquela profética frase, não se fez de rogado…

Eis a questão, deputado. Eis a questão. V.Exa certamente não vai se zangar comigo. É que V.Exa, atabalhoado, sempre com a melhor das boas intenções, às vezes me faz lembrar um velho poeta português, Guerra Junqueiro, que até foi excomungado porque era ateu.  Ele é autor de um poema chamado a velhice do padre eterno, mas ele é autor também de uma pequena sátira que em parte, deputado, encaixa-se perfeitamente com o que V.Exa tem feito aqui e eu vou pedir mais uma vez perdão não é para ofender V. Exa, mas eu sou daqueles que “perde o amigo mais não perde a piada” e V.Exa vai me permitir dizer esse pequeno verso cujo título é Tertuliano, e o poema dizia o seguinte: Tertuliano, frívolo e peralta que foi um paspalhão desde fedelho, tipo incapaz de ouvir um bom conselho, vivo ou morto não faria falta, um belo dia deixando de andar a malta foi ter a casa do pai honrado velho e na sala, diante ao espelho a admirar-se perguntou: Tertuliano, és jovem, és rico, és formoso, que mais no mundo se te faz preciso? E o pai que atrás de uma cortina ouvia tudo, respondeu: Juízo. É isso que falta para V.Exa, muito obrigado.”                    
 
Ao outro, nada restou, a não ser levantar-se e aplaudir.  Na saída, ao pé da escada, comentava com um terceiro colega: ainda bem que ele recitou Tertuliano, e não Morte e vida Severina, pois naquele poema há muita dor, miséria e seca.

“Não adianta chorar pelo leite derramado”, ou pela água.                                   “Alea jacta est,” Resmungou.

1 comentário »

Filme Maranhense em Huelva

3comentários

Joaquim,

Como você não mandou nenhum material para eu colocar hoje, estou publicando esta matéria enviada por Euclides que chegou no seu e-mail.

Beijos

Adriana Marão

Acontece na Espanha a 34a edição do Festival de Cinema Ibero-Americano de Huelva, sendo apenas um brasileiro entre os 12 concorrentes: o longa Feliz Natal, dirigido pelo ator Selton Mello.

Já na categoria curta-metragem, uma boa surpresa vem da minha querida São Luís :

O deputado, escritor e cineasta maranhense Joaquim Haickel concorre na categoria com o premiado Pelo Ouvido,instigante curta que deu prêmio de Atriz a Amanda Costa no GUARNICÊ deste ano  e já recebeu prêmios em festivais de cinema americanos.

 amanda_costa.jpg
A bela Amanda Acosta, protagonista do premiado filme de Haickel

Blog da Boreal

3 comentários »

Num piscar de olhos.

0comentário

Não sei se vocês se lembram, mas tempos atrás, aqui mesmo, reconheci publicamente que sofria de um determinado tipo de dislexia. Olha vocês não podem nem imaginar como ter escrito e publicado aquilo foi importante para que eu pudesse aceitar algumas coisas a respeito de mim mesmo. Sobre minha forma de aprender, sobre as diversas maneiras de ver, ouvir e ler o mundo, de entender as pessoas e como elas se relacionam. Aprendi isso e outras coisas mais a respeito de gente que mesmo não sofrendo de nenhuma forma de dislexia, dificulta incrivelmente a sua comunicação e o seu entendimento do e com o mundo.   

Hoje quero contar-lhes uma pequenina historia. Quero falar-lhe de dois presentes que ganhei de meu novíssimo e querido amigo José Belluzzo, mais conhecido no mundo cultural de São Paulo, pela alcunha de “Coi”.

Depois de algum tempo de convivência, as pessoas passam a se conhecer mais profundamente e consequentemente, de um jeito ou de outro, se identificar com seu interlocutor. Principalmente quando os dois sofrem de uma “doença” chamada de “cinemite aguda”, cuja única forma de tratamento é o uso constante e ininterrupto de filmes, seguidos de maravilhosas sessões bate papos regados a uma boa bebida e entremeados por petiscos fenomenais. Ainda mais se você vai se “tratar” em São Paulo! Tomara que meu médico não me leia!

Pois bem, dentre os meus mais novos amigos de infância estão esse rapaz de seus 30 anos e Ariana, sua bela namorada, um ano mais nova que ele. Ele é dono de uma produtora de áudio visuais, chamada Mutante Filmes, incrustada no surpreendente bairro paulistano de Pinheiros.

Depois de uma de nossas conversas, numa em que estava presente uma amiga comum, a  fotografa e cineasta, Eliane Coster, Coi disse que me daria dois presentes, o livro “Num Piscar de Olhos”. A editoração gráfica de uma palestra proferida por Walter Murch, vencedor de dois Oscars de melhor edição, com os filmes “Apocalipse Now “ e “O Paciente Inglês”. No livro, aquele monstro sagrado do cinema fala sobre a arte da edição de filmes, o que para mim um dos quatro momentos em que cria e dirigi um filme. Os outros três momentos são quando se faz o roteiro; quando se planeja e executa a produção;  e quando se orienta os atores, executa roteiro e produção e grava. Quando se diz “ação” e “corta”.

O outro presente era o filme “O Show Não Pode Parar”, um documentário sobre Robert Evans, o homem que seduziu Hollywood, produtor de grandes filmes, entre eles “O Poderoso Chefão”, “O Bebê de Rosemary e Chinatown”.

Quem gostar de cinema não pode deixar de ler este livro nem de ver esse DVD. Se você tem um amigo que gosta de cinema, dê a ele um desses presentes, ou os dois,  não custam caro e valem muito mais que uma jóia.

Para alguém que sofra de dislexia como eu, assistir ao filme seria imensamente mais agradável que ler o livro, e geralmente é mesmo, mas no caso deste livro, escrito por um filosofo do cinema, ele transformou-se num maravilhoso áudio visual que não pude largar ate acabar de ler. Era como se estivesse vendo e ouvindo WM explicando didaticamente todo o seu processo criativo. Ele diz coisas profundamente simples, mas incrivelmente profundas. Coisas aplicáveis ao seu trabalho e a vida de modo geral, e é isso que é mais apaixonante, ele diz coisas que nós conseguimos entender e sentir, mas que nunca antes tínhamos pensado esquematicamente nem sequer verbalizado.

Pude confirmar o prazer que é conhecer novas pessoas. O prazer que é saber que mesmo vivendo em outra cidade, numa realidade bem diferente da nossa, num ritmo de vida e numa freqüência muito diferente, tenham os mesmos referenciais, as mesmas visões e a mesma forma de ver e apreciar o mundo e a vida.

Isso é incrivelmente fantástico. Fez-me sentir mais vivo que nunca.     

PS: Republico hoje essa crônica porque um amigo comentou comigo que este era um dos melhores textos que ele já havia lido. Voltei a lê-lo e não pude ver nele toda essa qualidade alegada por ele, a única coisa que consegui perceber, é que mesmo passado quase um ano de publicado ele ainda continuava extremamente verdadeiro, quente, como se houvesse acabado de ser produzido, foi ai que eu entendi sobre o que aquele amigo falava. É que esse texto fala de sentimentos maravilhosos como alegria e amizade, alguns dos ingredientes indispensáveis na elaboração da felicidade.

sem comentário »

Carta-Poema 3: Correspondência PB

10comentários

(era o que ela diria se pudesse) 

Ombros largos,
peito aconchegante,
braços fortes,
cabeça no lugar…
Mas sem lá muito juízo.
Vê se pode!
Morre de medo de mim.
Não posso nem me aproximar.
Olhos expressivos,
marcantes…
Penetrantes.
Nariz impostado,
de personalidade
grande,
saliente…
Não só ele.
Voz grave,
barba macia,
clara,
pensamentos também,
translucidos.
Envolvente,
mas sem envolvimento.
O casual lhe cai melhor,
combina mais com a idéia que faço dele.
O vejo assim,
enquanto ele permitir
enquanto a vida permitir
vou estar por perto.

10 comentários »

Sobre eleição da mesa da ALM

7comentários

Vamos fazer hoje um rápido retrospecto das últimas cinco eleições internas no Poder Legislativo.

Em 1999 seria o quarto mandato consecutivo do deputado Manuel Ribeiro, coisa que já achávamos demasiado, porém como era o início de outra legislatura, resolvemos dar-lhe o benefício da analogia em relação ao Congresso Nacional e votamos todos nele. Até a oposição da época votou sem muitas restrições.

Em 2001 já havia outro ânimo. Os deputados Arnaldo Melo, João Evangelista e eu, encabeçamos uma discordância aberta e clara e lideramos um movimento contra o que acreditávamos que era uma grave inconstitucionalidade. Tanto que eu entrei com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal para impedir que um presidente de Assembléia Legislativa estadual pudesse se eleger ad eternum para aquele cargo, já que o mesmo não era possível em relação às duas casas do Poder Legislativo federal. Não consegui meu intento. A liminar que pedi não foi concedida e até hoje o mérito da ação não foi apreciado por nossa corte constitucional.

Resolvemos marcar posição e candidatarmos alguém que sabíamos que iria sofrer uma derrota fragorosa. Eu fui o escalado para perder e obtive apenas sete preciosos votos dos 42 deputados com direito para tal naquele pleito. Se não me falha a memória, Manuel teve 33 e dois deputados não compareceram à sessão.

Continuaria havendo até hoje reeleições em nosso Legislativo se em 2003 os mesmos rebeldes mais uma vez liderados por Arnaldo, João e por este humilde escrevinhador que vos fala não se manifestassem. Acrescidos então de um excelente grupo de deputados recentemente eleitos como César Pires, Chico Gomes, Carlos Filho e Max Barros e por um grupo de velhas raposas, entre elas, Tatá Milhomem, Aderson Lago, Julião Amim, Luis Pedro e o eterno Mauro Bezerra, que ajudaram a começar a mudar a face de nosso Legislativo.

Uma coisa pela qual sempre lutei foi pela independência do Poder Legislativo. Não que fôssemos ser tão independentes que nos afastaríamos dos demais poderes. Isso nunca, nem do Judiciário e muito menos do Executivo. Isso seria impossível. Queríamos ouvir as orientações de nossos grupos, mas que não gostaríamos de obedecê-las cegamente, caso elas fossem visivelmente prejudiciais ao equilíbrio e à harmonia que deve sempre haver entre os poderes.

Em 2003 elegemos Milhomem em uma eleição difícil, mas que acabou sendo quase consensual e a partir daí começamos a utilizar um processo eletivo quase normal, sofrendo sim, dentro dos limites normais, a influência não só do Executivo, mas também de todas as forças da sociedade.

Em 2005, com a ruptura do então governador Zé Reinaldo com o grupo político que o gerou, preferi apoiar a candidatura de Mauro Bezerra ao invés de me curvar às exigências de leões tão mal governados. Fiz isso, mesmo que o candidato apoiado pelo palácio fosse meu querido amigo João Evangelista, por quem sempre tive o maior respeito e consideração, mas não poderia ir contra tudo aquilo que sempre defendi. Perdi com Mauro, mas João fez uma administração tão boa, democrática e igualitária que logo estávamos todos juntos na defesa do Poder Legislativo, ainda que em campos opostos, política e eleitoralmente falando.

Em 2007, depois de outra grande renovação na composição da casa, houve uma pequena tentativa de sublevação que logo foi sufocada, pois seus motivos não eram libertários nem de interesse comum, visavam unicamente posições personalísticas e individuais e movimentos assim se desintegram por si só.

Para mim pouco importa quem esteja tentando puxar os cordões, não sou marionete nem fantoche. Sou títere de mim mesmo e se puder sou também de outros, foi para isso que sempre procurei estudar os bonecos, os mamulengos e suas idiossincrasias.

Agora, para a próxima eleição, que deve ser casuisticamente antecipada, temos um quadro extremamente complexo, sujeito a uma infinidade de variáveis. O governo amealhou uma confortável maioria no plenário da ALM, mas mesmo assim tinha, até muito recentemente, dois candidatos à presidência da casa, os deputados Marcelo Tavares e Edivaldo Holanda. Todos dois meus amigos, parlamentares honrados, homens confiáveis, pessoas de boa índole. Seria muito difícil escolher entre um deles em CNTP.

Era preciso buscar critérios fortes e rígidos para nos posicionarmos, e só havia um diferencial que visivelmente distinguia Marcelo de Edivaldo. A proximidade inevitável de Marcelo ao ex-governador Zé Reinaldo, seu tio, fato que poderia fazer com que nossa bancada não acompanhasse sua candidatura. Isso eu sempre disse, tanto para Marcelo, como para todas as pessoas que me perguntaram sobre a situação da eleição. Foi aí que o líder de nossa bancada, deputado Ricardo Murad, em boa hora, nos repassou uma orientação no sentido de que deveríamos esperar a decisão do bloco governista. Deveríamos esperar que eles indicassem e apoiassem efetivamente alguém. Este seria também o nosso candidato, desde que o acordo de proporcionalidade dos cargos da Mesa Diretora fosse mantido.

Quanto à escolha dos nomes para cada cargo, isso é de competência interna das respectivas bancadas, que deverão se reunir e escolher democraticamente quem lhes representarão na Mesa Diretora.

7 comentários »

Carta-Poema 2: Correspondência em PB

9comentários

(era o que ela diria se fosse outra) 

Não se nasce mulher,
torna-se.
Torna-se mulher
quando as bonecas
são esquecidas.
Torna-se mulher
no momento em que os gibis
dão lugar aos romances.
Torna-se mulher quando
sair de casa
vira um ritual de beleza,
quando o sorriso jovial,
transforma-se em fonte de desejo,
quando o cheiro de nosso homem
não sai
nem do nariz nem da alma.
Torna-se mulher quando a idade não rotula
mas confunde.
Torna-se mulher quando
mais do que amar
se deixa ser amada,
livremente,
sem barreiras.
Mulher não tem idade para se tornar,
não precisa de aniversários para ser completa,
só precisa ser segura,
saber o que quer
mas principalmente
o que não quer.

9 comentários »

A águia e o rato

5comentários

Passei boa parte de 2008 querendo escrever algo sobre a eleição para presidente dos Estados Unidos e só agora faltando apenas um dia para o momento decisivo, consigo comentar sobre essa escolha tão importante para o mundo, para toda a humanidade, que acredito até que deveríamos todos nós também poder escolher aquele que governará os Estados Unidos, e que de quebra será nosso roteirista e muitas vezes diretor, pois de certa forma o ocupante desse cargo acaba invariavelmente influindo de forma decisiva nas vidas de todos nós.

Em que pese eu ser político, vivendo no meio de leis e procedimentos eleitorais, mesmo assim as eleições presidenciais dos Estados Unidos da América me parecem bem confusas. Na verdade elas são além de muito confusas, bastante diferentes das nossas. Entre eleger um presidente no Brasil onde o voto direto do povo é que manda, nos EUA, o voto popular não conta tanto assim. Parece absurdo, mas é verdade, veja só: Para se candidatar à Presidência nos Estados Unidos é preciso ter no mínimo 35 anos de idade, ser nascido no país e viver lá por pelo menos 14 anos. Além disso, o voto nos Estados Unidos é feito por meio de cartões perfurados, e o principal, não é obrigatório. Para se ter uma idéia da participação política e eleitoral dos norte-americanos, na última eleição para Presidente, dos cerca de 300 milhões de americanos, apenas algo em torno de 142 milhões de eleitores se registraram para votar.

Como em muitos lugares, primeiramente os norte-americanos escolhem seus candidatos à candidato à Presidência de dentro de cada partido. Existem vários partidos nos EUA, porém, apenas os dois maiores, o Democrata e o Republicano, têm chance de eleger o Presidente.

Para decidir quem representará o partido nas eleições, são feitas eleições primárias (ou prévias) em todos os Estados, para que o povo escolha quem será o candidato de cada partido. Quem escolhe os candidatos à indicação do partido são os delegados partidários. Cada Estado, então, decide como serão as primárias, abertas, fechadas, livres ou do tipo “cáucus”. Dessa forma, decidem se os votantes devem ser filiados aos partidos, se podem participar das prévias dos dois partidos, e etc.

As prévias começam bem antes das eleições à Presidência e o candidato escolhido é confirmado nas Convenções Partidárias. O candidato nomeado como candidato à Presidente escolhe quem será o seu vice.

É aqui que as coisas começam a se complicar, no quesito entendimento. Como disse anteriormente, nos EUA o povo não vota diretamente em seu candidato à Presidência da República. A população escolhe quem vai escolher o seu líder governamental, os chamados de delegados. Cada estado tem um número de delegados, que é relativo ao número de habitantes. Quanto mais populoso o Estado, maior o número de delegados. Assim, é constituído o Colégio Eleitoral estadual, que deve ter, no mínimo, 03 delegados. Como a Constituição, em 1787, instituiu a autonomia dos Estados, cada um dos 50 existentes nos EUA decide como escolherá seus delegados.

Ao todo, há um número de 540 delegados que fazem parte do Colégio Eleitoral nos Estados Unidos. Para ser eleito, o candidato deve ter o voto de 50% mais um dos delegados (271). Por mais votos populares que o candidato tenha, o mais importante é ter votos do Colégio Eleitoral, pois é ele que escolhe o novo Presidente.

Na maioria das vezes, o Colégio Eleitoral segue a tendência dos votos populares, elegendo o mesmo candidato votado pelo povo. Porém, por quatro vezes os delegados escolheram um candidato não escolhido pelo voto popular. Em 2000, por exemplo, o candidato democrata Al Gore teve mais votos populares que o republicano George W. Bush, um total de 51.003.926, contra 50.460.110. Porém, Bush teve mais votos no Colégio Eleitoral (271 a 266) e acabou elegendo-se Presidente dos Estados Unidos.

Bem, a minha intenção era falar da parte teórica e filosófica da política e acabei por falar da parte eleitoral dela, mas sem esse entendimento, acredito que é impossível se ter uma visão real de como agem e pensam os gringos.

No mais, fica a certeza de que o Obama vencerá as eleições, que terá muito trabalho para liderar um povo conservador, que vive em uma sociedade hipócrita, mas que em compensação terá a seu favor as solidas instituições democráticas, capazes de transformar cenários negativos em panorama favorável.

Rezo para que Obama não se torne rapidamente um herói, um mártir e que consiga guiar de maneira satisfatória, não só os americanos, mas também ao mundo, nessa grave crise na qual nos encontramos.

PS: 1) Bush é tão ruim que McCain me parece até bom!

        2) Não creio que Obama seja assim tão bom, mas o acho indispensável para o momento, e o fato dele ser negro e filho de imigrante, ao invés de ser um ponto negativo, para o mundo, isso é o fato primordial.

5 comentários »