J & S

0comentário

José Sarney completou 90 anos no dia 24 de abril de 2020 e um grupo de seus amigos da Academia Maranhense de Letras, resolveu fazer uma homenagem para ele, que além de decano da entidade, é também decano da Academia Brasileira de Letras e o mais antigo e longevo político brasileiro vivo.

Não vou aqui falar da história de Sarney porque além de ser conhecida de todos, não é este o tema de meu artigo de hoje, pois desejo falar sobre os trabalhos que realizamos para homenagear o nosso amigo.

Havíamos idealizado uma série de eventos que marcasse o ano do nonagenário José de Ribamar Ferreira de Araújo Costa, vulgo José de Sarney e mais tarde conhecido por todos simplesmente como Sarney.

A Assembleia Legislativa do Maranhão, por iniciativa do deputado Roberto Costa, faria uma sessão solene em homenagem ao aniversariante e naquela oportunidade traríamos figuras importantes da literatura e da política brasileira, que falariam sobre ele. No Convento das Mercês, haveria uma exposição sobre suas obras e realizações. Direcionado aos alunos do segundo grau, a AML promoveria um concurso de redação, dando prêmios para os vencedores e suas escolas. Publicaríamos um livro com textos escritos sobre Sarney, por seus amigos, tanto da literatura quanto da política. E faríamos também um filme, onde apresentaríamos, cada um ao seu tempo e ao seu modo, o José e o Sarney, vistos do ponto de vista dele próprio e de outras pessoas, cujos depoimentos nos permitissem montar um quadro com o qual pudéssemos ter a nítida noção do homem, da pessoa, do José, como cidadão, esposo, pai, amigo, escritor, e do Sarney, como político e estadista.

A pandemia de Covid-19 mudou todos os nossos planos e acabamos ficando apenas com o projeto do filme. Mais tarde resolvemos publicar também o livro.

O certo é que a Academia Maranhense de Letras, neste ano do nonagésimo aniversário do nosso mais antigo membro, realizou dois trabalhos em sua homenagem, o livro “José Sarney – o homem e a palavra” e o filme, em dois episódios “José & Sarney”.

Além da AML, outras entidades fizeram homenagens semelhantes a ele. A Câmara dos Deputados fez publicar um belíssimo livro e mandou produzir um programa de TV a respeito desse personagem especial de nossa história contemporânea. Também o Senado Federal, Casa para a qual Sarney se elegeu cinco vezes e a presidiu em quatro oportunidades, mandou produzir uma reportagem que levou ao ar em seu canal de televisão. Além disso, a Academia Brasileira de Letras fez homenagens virtuais ao aniversariante.

Aqui na província ficamos à espera da estiagem dessa pandemia para que pudéssemos fazer o lançamento do livro, enquanto o filme será exibido pela TV Mirante e distribuído para as demais emissoras do Estado que queiram mostrá-lo em sua grade de programação, além de ser veiculado por alguns canais de TV a cabo do sul do país e do exterior.

Fui designado para produzir este filme pelo então presidente da AML, Benedito Buzar, e resolvi chamar para dirigi-lo, Arturo Saboia, um dos nossos melhores cineastas. Como responsáveis pelo roteiro do filme, escalei Eveline Cunha e Shirley Freire. Para captação de imagens, convoquei Joan Santos, Hugo Chaim e Miguel Nery. Na montagem, edição e efeitos visuais, usei Carlos Alberto e Alexandre Ferreira. Para captação de som e na mixagem, escolhi Elinaldo Sousa e André Lucap. Contamos ainda com a inestimável consultoria de Benedito Buzar, Felix Alberto Lima e José Jorge Leite Soares.

Agradeço a todos por seu trabalho incansável e sua incondicional dedicação a ele, e à Academia Maranhense de Letras pela possibilidade de nos permitir produzir este precioso documento de memória para as futuras gerações.

sem comentário »

Quarenta anos depois

1comentário

Depois de quarenta anos eu volto a exercer uma função administrativa nas imediações da Praça Pedro II, Marco Zero de nossa cidade, lugar onde estão instalados os prédios dos Poderes Executivos, estadual e municipal, do Poder Judiciário estadual, além da Igreja da Sé.

Em 1981, fui nomeado oficial de gabinete do governador João Castelo, cargo que ocupei por apenas três meses, quando fui deslocado para ser chefe de gabinete do secretário do Gabinete Civil do Governo, senhor José Ramalho Burnett da Silva. Curiosamente, Burnett havia sido prefeito de São Luís quando minha mãe era diretora da seção de pagamento da Secretaria de Fazenda do município, subordinada ao grande Djar Ramos Martins.

Sobre Burnett, acho importante comentar que a sua deficiência física, ele era praticamente cego, o fazia ter uma vantagem sobre quase todos os políticos de seu tempo. Ele enxergava melhor e mais longe, tendo uma noção clara e verdadeira da cena política e com isso, sabendo contornar os obstáculos que se apresentavam. Talvez mais cego que Burnett era Bento Neves, outro grande político com quem também tive a honra de conviver e aprender.

Durante o tempo em que trabalhei no Palácio dos Leões, além de Castelo e Burnett, convivi com o professor José Maria de Jesus e Silva, um ex-padre que sabia além da missa, de cor e salteado, três terços. Um craque do direito administrativo, que tinha como seu fiel escudeiro outro craque do direito, António José Muniz, que emprestou seus valorosos serviços a diversos outros governos depois do de Castelo.

Costumo dizer que meu primeiro mandato como deputado estadual, foi o meu mestrado, pelos mestres que tive como colegas. Celso Coutinho, Bento Neves, Gervásio Santos, Raimundo Leal… Meu doutorado foi no mandato seguinte, como deputado federal constituinte, convivendo com verdadeiros doutores como Ulisses Guimarães, Artur da Távola, Florestan Fernandes, Afonso Arinos… Mas, na verdade, a base disso tudo, eu consegui desde muito cedo ouvindo as conversas de meu pai e meu tio Zé António, com seus amigos e correligionários do Pindaré, e mais ainda naquele elevado curso médio com Castelo, Burnett, Zé Maria e Muniz.

Olho em volta e daquele tempo, além dos prédios, só vejo apenas o cachorro-quente do Boliviano (agora administrado por seu filho), onde eu, Joãozinho Abreu, Ebertt Schalcher e outros colegas íamos merendar.

Naquela época eu era o mais novo entre todos os funcionários do Palácio do Leões. Hoje, sou o quinto mais velho entre os funcionários do primeiro escalão, do Palácio La Ravardiere.

Agora, 40 anos depois do início da minha jornada, estou de volta ao trabalho, no mesmo lugar, desta vez para assessorar o novo prefeito de São Luís, Eduardo Braide, em sua missão de transformar nossa terra em um lugar melhor para se viver. Para apoiá-lo em seu compromisso de alicerçar as bases necessárias para fazer com que nossa cidade evolua, possibilitando melhorar a vida das pessoas, fazendo com que elas tenham efetivo acesso a oportunidades de manutenção e crescimento.

Braide venceu uma eleição disputadíssima e se habilitou a realizar um trabalho que significará um salto quantitativo e qualitativo no trato da gestão pública no Maranhão, abrindo caminho para mudanças ainda mais importantes para nossa gente.

Os desafios que enfrentaremos são enormes, porque enorme é a responsabilidade de liderar uma cidade e seu povo no caminho do desenvolvimento e do progresso, tendo que conviver com as adversidades naturais da vida, além daquelas decorrentes da política, que precisam ser superadas de forma indefectível, tendo sempre em perspectiva que, o que precisar ser feito para melhorar os processos administrativos, que possibilitem a realização dos projetos elaborados pelo prefeito, no sentido de melhorar a vida do cidadão ludovicense, deve ser feito, tendo sempre como parâmetros inabaláveis, a lei e a justiça.

Nesses 40 anos descobri a mágica de algumas palavras. Quando eu penso nelas e as mentalizo, absorvo seus significados e seus sentidos, que se materializam.

Para iniciar esta jornada, escolhi cinco palavras iniciadas com a letra “E”: Equilíbrio, Eficiência, Eficácia, Efetividade e Excelência.

Que Deus nos ajude a fazer um bom trabalho.

1 comentário »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS