O prefeito que eu quero

0comentário

Resolvi fazer, antes mesmo que se inicie a campanha eleitoral para prefeito, minha declaração de voto. Não vou apenas designar o nome do candidato no qual votarei, mas estabelecer parâmetros que devem ser minimamente cumpridos por ele.

O voto é uma aposta, e ninguém aposta para perder. O voto é antes de qualquer coisa um ato emocional. Votamos movidos por alguma emoção, seja ela a esperança, a confiança, o respeito, a amizade, a gratidão e até mesmo a dúvida, o desespero, o medo e o interesse. O só voto não deve, nem pode jamais, ser motivado por algum sentimento de venalidade, pois se assim o for ele vai custar muito caro para o eleitor, para o eleito e para toda a gente.

É indispensável que o candidato que escolhermos para prefeito de nossa amada São Luís tenha uma agenda que coincida com as nossas necessidades, não apenas as pessoais e individuais, mas também as coletivas e abrangentes.

Em que pese eu já ter escolhido em quem vou votar e trabalhar para eleger, ele precisa demonstrar atitudes e disposição que me permita pedir para minha mãe, minha mulher e minha filha também votarem nele. Ele precisa fazer com que eu e as pessoas que o apoiam, sintamos orgulho em fazer isso.

O prefeito que eu quero, precisa ser corajoso e enfrentar com altruísmo e pragmatismo as dificuldades que certamente se apresentarão à sua frente, não apenas na campanha eleitoral, mas, se vitorioso nela, aja assim durante todo o tempo que desempenhar seu mandato. Ele precisa ser coerente, não sendo jamais nem de forma alguma hipócrita. Deverá cercar-se de pessoas competentes, dinâmicas e honestas.

Ele precisa dar o dobro de valor aos seus ouvidos e metade à sua língua. Ele deve ouvir as pessoas, mesmo que não possa atender às suas reinvindicações, e deve dizer isso a elas clara e diretamente, com carinho, respeito e elegância.

Ele precisa ser inteligente e sábio, leal e nobre. Não pode ser arrogante ou prepotente, nem agir de forma sectária e maniqueísta. Sua campanha eleitoral deve acabar no dia do anúncio do resultado da eleição.

Eu quero um prefeito que faça coisas simples, mas importantes, como por exemplo, enfrentar a Procuradoria do Meio Ambiente e retirar o excesso de areia acumulada na Avenida Litorânea. Areia que só está ali pelo fato de administrações anteriores não terem agido corretamente quanto à limpeza de nossas praias.

Quero um prefeito que enfrente os vândalos que depredam o patrimônio público e particular, que regularize a situação dos ambulantes e dos flanelinhas, que estabeleça regras factíveis, efetivas, eficientes e eficazes para o melhor uso das diversas áreas da cidade.

Quero um prefeito que enfrente os políticos, adversários e correligionários, que não estejam alinhados com os melhores interesses de nossa cidade e de seu povo, e que se junte a quem o possa ajudá-lo a bem gerir o município.

Precisamos de um prefeito que não aja pensando na próxima eleição, mas consciente de que se ele fizer uma boa administração, coisa que não é uma tarefa fácil, ele não precisará fazer muito para ter sucesso na próxima disputa eleitoral.

Eu votarei em Eduardo Braide e tenho fé que ele possa fazer tudo isso e ser um bom prefeito.

sem comentário »

O Gabinete Maranhense de Leitura

0comentário

Em agosto de 2012, publiquei um artigo no qual falava de uma ideia antiga que eu tinha. Vou retornar àquele assunto, ainda muito atual.

Naquela época estive em uma reunião, na qual fui apresentado pelo então secretário de Indústria e Comércio, Maurício Macedo, aos dirigentes da Algar Agro, empresa mineira que se estabeleceu no município de Porto Franco, onde se dedica à industrialização de derivados de soja, plantada, em grande parte, no sul de nosso Estado.

Na ocasião, me foi dito que a então governadora, Roseana Sarney, havia sugerido que a Algar, em parceria com uma instituição local, como por exemplo, a Academia Maranhense de Letras, desenvolvesse um projeto onde fosse possível preservar não apenas as nossas tradições artísticas e culturais, mas principalmente o nosso patrimônio arquitetônico.

Imediatamente vibrei com a genial ideia. Na hora, pensei só comigo: são ações como essa que diferenciam um simples governante de um estadista.

Fiquei também muito satisfeito por estar ali, na pequena área, de frente pro gol, com a bola no pé e o goleiro amarrado… Tinha que fazer aquele gol!

Mauricio Macedo ajudaria a sacramentar o que aparentemente ficou ali acertado: a Algar iria adquirir um prédio indicado pela Academia Maranhense de Letras, e o doaria à instituição. Esta, por sua vez, respaldada nas leis de incentivo, tanto do Governo Federal quanto do Governo Estadual, providenciaria os recursos para a reforma do imóvel e para a implantação, nele, do projeto que se chamaria Gabinete Maranhense de Leitura.

Passado algum tempo, a ideia foi discutida e aprimorada, tendo sido apresentada em uma reunião da Academia Maranhense de Letras, onde comuniquei que dois de nossos maiores colecionadores de livros, raros e importantes, se comprometeram em doar seus preciosos acervos para a Casa, se o projeto do Gabinete Maranhense de Leitura saísse do âmbito dos planos e passasse ao da realidade.

Os acadêmicos Jomar Moraes e Sebastião Moreira Duarte seriam os primeiros a doarem as suas bibliotecas a esse projeto de grande interesse público. Hoje, outros acervos já foram colocados para servir ao mesmo propósito, como os de Carlos Gaspar, atual presidente da AML, os de Eliézer Moreira, nosso vice-presidente, e o meu próprio, ainda que pequeno e pouco significante perto dos citados.

Mas deixe-me passar aos detalhes. Assim, você poderá entender melhor como funcionaria, na prática, tal ideia.

A empresa adquiriria um prédio; faria a doação dele para a AML; a instituição mandaria elaborar um projeto para obter os benéficos das leis de incentivo, incluindo nele o projeto de reforma do imóvel; aprovar-se-iam os projetos; conseguir-se-ia os patrocinadores, empresas ou mesmo os governos federal, estadual e municipal, através diretamente de seus orçamentos, de emendas parlamentares ou de recursos especiais; feito isso, reformar-se-ia e adequar-se-ia o prédio para o fim pretendido.

Por essa forma, estaríamos garantindo e preservando dois patrimônios de valores incalculáveis, um prédio histórico e livros preciosos.

É importante que se ressalte que o Gabinete Maranhense de Leitura da AML estaria aberto a receber o acervo não só de seus membros, mas de toda pessoa que desejasse doar seus livros, filmes, quadros, obras de arte em geral para esse projeto, que terá visitação aberta e gratuita a todo o público, e será administrado de forma moderna e competente. Para isso, faríamos parcerias com as universidades aqui instaladas, que queiram desse projeto participar.

O projeto não se transformou em realidade… Ainda! Mas eu não desisti de tentar fazer com que ele acontecesse, tanto que recentemente, conversando com meu querido amigo e confrade Ney Belo voltamos a esse assunto e ele sugeriu que tentássemos conseguir que o governo federal doasse a Academia Maranhense de Letras o prédio onde funcionou a superintendência regional da Caixa Econômica, na Praça João Lisboa, o antigo Solar São Luís, na esquina das ruas do Egito com Nazaré & Odylo, para que ali se implantasse o Gabinete Maranhense de Leitura. Vibrei com a ideia!

Vamos tentar! Não custa nada… E se conseguirmos, será de grande valia para vida cultural de São Luís.

sem comentário »

Eu, Othon e Vieira

0comentário

Vejam um pedacinho da gravação que fizemos com o grande ator Othon Bastos, lendo trechos de sermões do Padre António Vieira, para a nossa série que em breve será lançada e exibida pela Prime Box.

sem comentário »

Meu texto de hoje, no aniversário de minha amada São Luís.

0comentário

U

sem comentário »

Meu mundo no Face

3comentários

As redes sociais vieram para ficar e para mudar as nossas vidas e o mundo. Sabendo disso resolvi que esta semana, de segunda a sexta-feira, eu iria postar em minha página no Facebook, matérias com as quais eu pudesse conferir, medir e sentir a reação das pessoas quanto a elas, e com isso tentar mensurar a importância de minhas postagens no panorama da vida da cidade e das pessoas.

Na segunda-feira comentei sobre algo muito pessoal. Falei sobre o que havia acontecido comigo naquela manhã. O fato de ter sido reconhecido na rua, por três pessoas diferentes em lugares e circunstâncias bem distintas.

Aquilo para mim foi ao mesmo tempo chocante e gratificante, pois não imaginava que depois de 14 anos distante da política, as pessoas ainda se lembrariam do “deputado Joaquim Nagib Haickel.”

Mais interessante ainda foram os comentários de muitos amigos que imaginaram e até sugeriram que eu deveria voltar a concorrer a um cargo eletivo, fato que está fora de qualquer cogitação, mas fiquei orgulhoso e comovido com tamanho carinho e respeito, além da repercussão ter sido enorme.

Na terça-feira, postei uma foto minha com o grande Haroldo Tavares, o melhor prefeito que nossa cidade já teve, e a reação das pessoas foi maravilhosa.

Comentei que Haroldo foi um excelente gestor público e que rezo para que o próximo prefeito seja minimamente parecido com ele, que tinha os pés fincados naquele que era o seu presente, lá na Areinha, no Centro Histórico, no sistema viário, mas a cabeça voltada para o futuro, no Maracanã, na Cidade Operária, no Itaqui, e na Ponta D’Areia…

Realizamos em 2015 um filme sobre Haroldo Tavares cujo subtítulo é “Aquele que ousou sonhar”. Haroldo era realmente um sonhador, mas em seus sonhos acabou por realizar coisas importantes para nossa cidade e para nós. Coisas que 50 anos depois continuam a surtir grandes e bons efeitos.

Quarta-feira publiquei um trechinho de um filme de Lindberg Leite, onde aparecia meu querido amigo Maia Ramos, conhecido de muito pouca gente. Maia Ramos era um artista plástico naife, naturalista e autodidata. Pintava paisagens e esculpia em galhos de madeira de mangue.

Numa daquelas noites de terça ou quinta, depois dos nossos jogos de tênis no saudoso Clube Recreativo Jaguarema, Maia me convidou para ir a sua casa, pois queria me dar um presente.

Cheguei lá e ele me apresentou um belo quadro com faunos e fogo. Agradeci a ele, mas observei que havia entre suas telas uma paisagem que me era muito familiar, um lugar que eu ia quando criança. Era a velha cidade de São José de Ribamar. Quis comprar o quadro, mas ele não me vendeu e acabei saindo de lá com dois presentes, quadros que tenho expostos nas paredes de minha casa.

Maia Ramos será um dos artistas que pretendemos retratar em uma nova temporada sobre os artistas plásticos do Maranhão. A reação com aquela postagem teve infelizmente pouquíssima repercussão.

Na quinta-feira falei sobre o comissário de bordo da Gol e a polêmica da hidroxicloroquina.

Foi uma espécie de piada sobre um assunto batido, que chega às raias da chatice, e envolve intolerância de quem é contra, a favor e até aqueles que são muito pelo contrário. A reação das pessoas foi mediana.

Sexta-feira comentei sobre a eleição para prefeito de São Luís. Fui sucinto, mas direto. Fui objetivo, mas didático. Fui enfático, mas prudente. A repercussão foi menor que eu esperava, mas maior do que eu merecia. Este é um assunto ao qual voltarei mais adiante.

PS: Sugiro que vocês leiam o texto que escrevi especialmente para o caderno em homenagem aos 408 anos de São Luís, que este jornal fará circular no próximo dia 8 de setembro.

3 comentários »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS