João sem braço

0comentário

Penso que o governador Flávio Dino, que não nutre nenhuma simpatia por minha pessoa, não vai ficar muito satisfeito quando souber que, sem querer, acabou por me dar um presente.

O fato é que eu estava sem um assunto interessante para abordar em meu texto desta semana, e FD me proporcionou um.

Vou começar provando pra você, que me prestigia com a leitura dessas minhas mal traçadas linhas, como e quanto nosso governador tem um temperamento refratário a pensamentos e opiniões diferentes das suas.

Quando eu criei e a Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, por unanimidade, as leis de incentivo à cultura e ao esporte, foi estabelecido, em cada uma delas, um organismo consultivo formado por representantes do governo e da sociedade civil. Ocorre que, por não querer que esta mesma sociedade civil, que ele diz ter em alta conta, zelar por ela e protegê-la, participasse e acompanhasse a execução dessas leis, o governador mandou que o Legislativo maranhense, que aprovara anos antes essas duas inclusivas e democráticas leis, as desfigurassem, eliminando delas a participação da sociedade, para em seu lugar colocar funcionários comissionados das respectivas secretarias que gerenciam tais leis, ou seja, seus tutelados. Um verdadeiro absurdo, um imenso desrespeito para com o povo do Maranhão.

Na última segunda-feira, dia 19 de outubro, nosso paquidérmico governador, adjetivo que alude não apenas a seu corpanzil, mas também à sua invejável memória, tido por todos como um homem inteligente, culto, bem preparado, coisas que ele realmente é, resolveu dar uma de joão sem braço, pra cima das pessoas de São Luís, se auto aplicando o golpe da fake news.

Ele foi para as redes sociais choramingar. Disse que recebera no domingo, uma mensagem de whatsapp onde o deputado Eduardo Braide, candidato a prefeito da preferência da maioria dos ludovicenses, o atacava violentamente, o que não era verdade: nem Flávio recebera tal mensagem; nem o material no qual o governador se baseava era de agora (era de maio de 2019); nem nele havia ataque ao governador; nem o que havia sido dito há mais de 18 meses tinha conteúdo violento. Ou seja, era tudo mentira, tudo desculpa para arrumar um jeito de entrar na campanha eleitoral de São Luís no melhor estilo esquerdista canalha, se vitimizando, dando uma de coitadinho, quando todo mundo sabe que de coitadinho nosso governador não tem nem o formato de ovo!

Flávio cometeu pouquíssimos erros em sua carreira política e um dos maiores, foi não cooptar para seu lado, o deputado Eduardo Braide. Outro erro cometido pelo ditador do Maranhão, erro comum a outros de nossos mandatários, foi se cercar de pessoas que o temem mais que o respeitam ou amam, como alude Nicolau, no capítulo XVII de seu famoso compêndio sobre o poder e os poderosos. São poucos os bons secretários e auxiliares do morubixaba guajajara.

Se Braide fosse candidato de Flávio nosso egocêntrico mandatário estaria muito melhor na fita, e não correria o risco de uma desmoralização retumbante.

Imagine só um cabra que deseja ser candidato a presidente dos brasileiros, não conseguir eleger nem o candidato a prefeito da capital de seu estado! Ainda mais tendo ele estabelecido um consórcio de candidatos, num quadro eleitoral onde apenas 2 dos 12 postulantes ao cargo de prefeito não são de alguma forma ligados a ele!?

A arrogância e a prepotência de Flávio não permitem que ninguém mais na “sala” onde ele estiver, se destaque, tenha luz e brilho próprio.

Sua capacidade política, seu arcabouço intelectual, sua retórica, são incontestáveis, mas a sua falta de carisma, de simpatia, de charme, rivalizam com a daquele que ele escolheu para saco de pancada, o presidente Jair Bolsonaro, sendo que este não deseja ser nem aparentar o que não é.

Flávio Dino nunca me enganou. Eu sempre soube quais eram suas qualidades e seus defeitos, mas infelizmente ele tem cultivado mais os segundos, e isso ficou claro quando tentou armar para cima de Eduardo Braide, que com calma, tranquilidade, serenidade e sabedoria, simplesmente tirou o corpo e deixou o governador dar com os burros n’água!

O desespero de Dino em atacar Braide, é a prova cabal de que a eleição de São Luís será decidida no primeiro turno, e o grande derrotado será o governador.

sem comentário »

Braide enfrenta seis candidatos em debate e sai vitorioso

0comentário

Ontem aconteceu mais um debate entre candidatos a prefeito de São Luís, onde deveríamos ouvir as propostas de sete candidatos presentes, para que pudéssemos compará-las e julga-las. Mas como acontece sempre em eventos como este, o que se ouviu foi muito bla-bla-bla, promessas vazias e conversa pra boi dormir, coisas que a população não aguenta mais.

O mais curioso é que estavam no debate seis daqueles candidatos que fazem parte de um consórcio montado pelo governo do estado, exclusivamente para tentar derrotar o sétimo candidato. Foi uma verdadeira armação, uma arapuca!

O que se viu foi um verdadeiro bate bola, um joguinho canalha de seis contra um. Acredito que a população de nossa cidade viu o que aconteceu e o que está acontecendo: uma cooperativa entre seis candidatos, na intenção de massacrar o sétimo candidato, coisa repudiada por toda a população.

Ninguém aguenta mais essa excrescência, e a resposta me parece que está sendo dada claramente pela população, quando se constata que a soma dos percentuais de Duarte, Neto, Bira, Rubens, Yglésio, e Jeisael, nas pesquisas de opinião, é menor que o percentual atingido por Braide.

A tentativa covarde de massacre a Braide, causa asco na população, que apoia cada vez mais esse candidato, fazendo com que ele só suba nas pesquisas.

sem comentário »

A importância do diagnóstico

0comentário

A evolução da ciência e da tecnologia fez com que uma das grandes aptidões dos médicos rareasse e chegasse ao ponto de quase desaparecer. Falo da fenomenal capacidade dos médicos antigos, aqueles que praticavam a medicina até os anos 1970, em diagnosticar as doenças de seus pacientes, baseados nos relatos deles quanto aos sintomas que apresentavam.

Usando apenas a anamnese e o exame físico, os bons médicos, eram capazes de dizer exatamente de quais males sofriam seus pacientes.

Tenho um exemplo disso em minha família. O grande pediatra Odorico Amaral de Matos, era capaz de, observando seus pacientes, conversando com eles e com seus pais, diagnosticar as doenças que eles tinham, fato que aconteceu com Nagib, meu irmão, acometido de febre de 42 graus, fortes dores na cabeça e rigidez no pescoço, foi peremptoriamente diagnosticado com meningite meningocócica.

O velho Amaral que era conhecido por sua natural rudeza, o que não significava de forma alguma mera grosseria, ordenou que meus pais levassem meu irmão para São Paulo, pois era o único lugar em que ele poderia ser tratado com possibilidade de sucesso. Isso era 1972.

Já fazia quase 70 anos que os Curie haviam estabelecido os estudos que possibilitariam o avanço científico e tecnológico que temos hoje, capazes de dizer em minutos quais doenças nos afligem, apenas entrando em alguma gerigonça radioativa.

Faço todo esse preâmbulo para dizer que se a ciência e a tecnologia ajudaram muito a evolução do estudo da medicina, da física, da química e outros campos da vida moderna, os setores ligados às ciências humanas continuam pouco favorecidos por essas evoluções, notadamente a ciência pela qual eu me interesso muito particularmente. A ciência política.

Em que pese a estatística, o marketing, as pesquisas quantitativas e qualitativas terem fornecido grandes instrumentos para a prática da política, ela continua uma ciência muito afeita aos humores e às reações naturais, às vezes, inconsequentes e até um tanto irracionais das pessoas que a praticam.

A ciência política permanece em sua característica básica e fundamental alinhada com suas coirmãs, ciências humanas, como a filosofia, a sociologia, a antropologia, a psicologia, a história, a geografia, mesmo que todas estas tenham sido muito influenciadas pelos avanços científicos.

A datação por carbono possibilita sabermos a idade dos ossos de um hominídeo, por exemplo. O uso do GPS e dos satélites nos permitem saber a localização exata de pontos geográficos ou dos eventos acontecidos neles. A evolução da química nos ajuda a filtrar e analisar ações e atitudes psicológicas das pessoas.

Mas na política, todas essas evoluções, dependem primordialmente de um operador ou de um analista. Uma espécie de perfumista, um “nariz”, que possa decifrar as nuances e as fragrâncias dos acontecimentos.

O cientista político, aquele camarada que se atreve a analisar, aclarar e desvendar os caminhos escolhidos e percorridos por aqueles que se dedicam a tratar dos interesses comuns da sociedade, precisa respeitar algumas regras, se não quiser ser tachado de charlatão, sectário e maniqueísta.

Ele precisa fazer suas observações da maneira mais imparcial e isenta que puder. É imperativo que ele não faça seus estudos motivado por qualquer tipo de interesse ou ideologia. Suas abordagens precisam ser bem fundamentadas, fugindo dos sofismas e dos falsetes. Mesmo assim deve reconhecer que ainda que ele aja desta maneira, haverá em sua observação algum componente humano que pode contaminar sua amostragem.

Digo tudo isso no intuito de responder ao questionamento de um sujeito um tanto indelicado que comentou um de meus textos.

Sabe camarada, eu resolvi não mais me candidatar por acreditar que já havia prestado minha contribuição a meu estado e meu país. Se ela foi importante, é uma questão de opinião, e opinião é coisa que não se discute. Fim de papo!

PS 1: Sobre a eleição de prefeito de São Luís, meu diagnóstico e de uma boa quantidade de analistas da cena política de nossa terra, é que a eleição de Eduardo Braide é o que de mais importante e positivo pode acontecer para todos, uma vez que até os perdedores ficarão em posições mais confortáveis.

PS 2: Essa afirmação não é uma mera manifestação de minha vontade pessoal. É resultado de observação apurada e análise detalhada dos acontecimentos e previsão dos quadros futuros da política maranhense.

sem comentário »

Assunto de conversas

2comentários

Não há uma única ocasião em que eu me encontre com pessoas, seja no supermercado, no posto de gasolina, num almoço, jantar ou reunião de qualquer natureza, que alguém não me pergunte algo que envolva política e eleições.

Uma coisa sempre deixo bem clara aos meus interlocutores. Em que pese eu me posicionar dentro do cenário, ter lado, procuro analisar sempre com a maior isenção possível, de modo mais racional e imparcial que eu puder, até porque de nada serviria para mim ou para quem quer que seja, uma análise ou visão passional de alguma situação ou conjuntura política.

No caso mais premente, a eleição para prefeito de São Luís, a mim parece muito claro que só existem três candidaturas com reais chances de vitória. Tanto isso é verdade que nem bem a campanha começou, dois candidatos já desistiram. Os motivos reais das desistências é a impossibilidade de uma candidatura minimamente viável.

Eduardo Braide tem claramente a preferência da maioria do eleitorado. Está com intenção de voto consolidada bem próxima dos 50%. Duarte Júnior tem algo em torno de 15% e Neto Evangelista chega fácil a 10%, deixando 25% para todos os outros candidatos, além dos indecisos.

Não são favas contadas, mas imagino que Braide possa vencer a eleição no primeiro turno. Caso o quadro se mantenha sem grandes alterações, Braide estará garantido no segundo turno, tendo Duarte e Neto que disputam quem vai ter o privilégio de enfrentá-lo.

Em minha modesta opinião, Neto tem grande possibilidade de ultrapassar Duarte, uma vez que tem mais estrutura política e partidária que seu oponente.

Nesta peleja, intestina, do grupo do governador Flávio Dino, teremos uma prévia da disputa pela cadeira de governador, que acontecerá mais adiante. Duarte é o candidato do vice-governador Carlos Brandão, e Neto é patrocinado pelo senador Weverton Rocha. É bem aqui começa aquilo que pode vir a ser o início da ruptura do grupo do governador ou o início de um acordo de acomodação onde os dois lados possam manter-se unidos, coisa que não creio, pois como não sofrem nenhuma ameaça externa, vão ter mesmo que se engalfinhar para decidir quem será o próximo governador do Maranhão,

A disputa em São Luís, bem como nos demais municípios, será o termômetro disso. Mas deixemos para depois as conversas sobre a sucessão do governador e voltemos à eleição municipal.

Dos três contendores, Neto é aquele que tem a maior e melhor estrutura política e partidária, Duarte tem o frescor da novidade e Braide representa o grande anseio de mudança, que é uma das maiores características do eleitorado daquela que é conhecida como ilha rebelde, que faz tempo sofre de certa letargia e parece querer estabelecer novos rumos para si, apostar que alguém fora dos esquemas da prefeitura, do governo do estado e dos grandes grupos hegemônicos possa melhorar seu destino.

Está mais do que claro que Braide pode vencer a eleição no primeiro turno. Caso isso não ocorra, ele ficará comodamente esperando para saber qual representante do consórcio de candidatos do governo do estado irá enfrentar.

A pergunta que fica é: caso Neto vá para o segundo turno, Brandão vai querer fortalecer Weverton e perder espaço na disputa do governo em 2022? Caso Duarte vá para o segundo turno, Weverton vai fortalecer Brandão e perder espaço em sua tentativa de ser governador do Maranhão?

Quanto mais eu penso, mais tenho certeza que o melhor para todo mundo é que essa eleição seja decidida logo no primeiro turno.

2 comentários »

Amizade

0comentário

Quando eu não tenho nada pra fazer, eu penso, e olha que eu quase nunca deixo de ter alguma coisa pra fazer.

Pensando nas palavras mais importantes de minha vida, descobri que, em que pese todas serem importantes, existem algumas que superam as outras. Amizade é uma delas.

Amigo é aquela pessoa que não tendo com você laços de consanguinidade, é como um irmão ou uma irmã. Alguém que você ama e respeita.

Nós não temos como escolher quem são nossos pais, irmãos ou parentes em qualquer grau, mas os amigos, somos nós quem elegemos, pelos motivos mais distintos e diversos.

Quando eu digo amigo, quero dizer AMIGO, não colega. Quando digo amizade, quero dizer AMIZADE, não é colegagem!…

Logo após a morte de meu pai, descobri que ele não era tão rico de bens materiais como todos imaginavam, mas que era muito mais rico de amizades do que qualquer um pudesse supor, tanto que até hoje nós ainda vivemos deste patrimônio incomensurável que ele nos legou, cultivando e mantendo as antigas amizades e tentando fazer novas, tão boas quanto as antigas, ofício e arte que como bons talibãs, ou seja, alunos, eu e meu irmão, tratamos de aprender com nossos pais.

Logo que meu pai morreu fiz um documentário sobre ele para passar em nossa emissora de TV, na região do Pindaré, e a trilha sonora escolhida para pontuar todo o vídeo foi “Canção da América”, dos geniais Fernando Brant e Milton Nascimento, que diz que “amigo é coisa pra se guardar…”

Apenas para ilustrar, vou relacionar algumas outras palavras importantes em meu vocabulário e em minha vida, palavras que exprimem sentimentos que procuro conjugar e exercitar diariamente: respeito, generosidade, humildade, sabedoria, honra, lealdade, tolerância, flexibilidade… Muito recentemente aprendi a importância da palavra paciência, coisa que não aprendi com meu pai, mas que a vida me ensinou ser extremamente necessária para que se tenha, outras duas palavras importantes. Paz e sucesso.

Amizade é uma das 12 palavras que citei como sendo importantes. Existem outras, mas com essas conseguimos uma 13ª, meu número cabalístico: Felicidade.

Existem aqueles amigos com os quais convivemos diariamente e aqueles que quase nunca vemos ou falamos, mas que estão lá, latentes, em nossos corações e em nossas mentes.

Existem amigos com os quais dividimos nossos problemas e que nos ajudam a resolvê-los e aqueles aos quais ajudamos com mais frequência e em contrapartida nos dão a certeza de estarmos fazendo a coisa certa.

Existem pessoas com as quais, a princípio, não conhecemos ou simpatizamos, mas que se tornam pessoas importantes, algumas até que podemos chamar de amigos.

Existem também alguns casos raros. Pessoas que começam como adversários, desafetos ou mesmo inimigos, mas que os acontecimentos da vida, unem como o caso do inglês, prisioneiro de guerra, Eric Lomax e do japonês, seu carcereiro e torturador, Nagase Takashi. O filme “Uma longa viagem” conta essa história verdadeira.

Existe também o caso dos tenores Plácido Domingo e José Carreiras, aula de amizade.

Estou falando sobre isso hoje pelo fato de constatar que com o avanço do radicalismo e da intolerância, social e política, e ainda por cima com o distanciamento por causa da pandemia de Covid-19, algumas amizades ficaram distantes, congeladas, fato que me deixa verdadeiramente triste. Quanto a isso me resta o consolo de saber que as amizades verdadeiras não sucumbirão a palavras ou sentimentos tão desimportantes quanto radicalismo, intolerância… Sectarismo, maniqueísmo… kkkkkkk

PS: Eu perco o amigo, mas não perco a piada, pois amigo mesmo deve conhecer a nossa alma e saber quando se fala sério e quando se faz troça.

sem comentário »

Agenda para o próximo prefeito

0comentário

Com a campanha eleitoral se aproximando e as eleições batendo a porta, resolvi fazer uma lista de problemas que no meu entendimento o próximo prefeito de São Luís deve dedicar especial atenção para seu equacionamento e imediata solução.

Não vou falar do óbvio! A preocupação com saúde, educação, transporte, segurança e infraestrutura deve ser uma constante. O próximo prefeito deve dedicar especial atenção a esses assuntos, mantendo constante e incansável vigilância na busca de maior e melhor eficiência, eficácia e efetividade das ações administrativas nesses setores primordiais da vida da cidade.

Quero listar coisas aparentemente não tão cruciais, mas também importantes para que se tenha uma cidade melhor, para que as pessoas possam ter uma vida e uma convivência mais saudável, cidadã, produtiva e engrandecedora.

A preservação do maior patrimônio de nossa cidade, o seu casario colonial, motivo dela ser considerada Patrimônio da Humanidade, deve ser prioritário. Deve haver campanhas de conscientização e de apoio a ações de preservação, além do incentivo à implantação de empreendimentos comercias e residenciais nessa área.

A prefeitura deve ter uma postura de convívio democrático e republicano com os órgãos de fiscalização e controle, como IPHAN e Ministério Público, no sentido de diminuir os empecilhos, que impeçam que essas ações aconteçam e quando for necessário os enfrente, dentro do limite da lei, no sentido de defender os interesses maiores da cidade e de seus cidadãos, que muitas vezes são atropelados pela burocracia destes órgãos.

Vejam o caso da falta de estacionamento no Centro Histórico! Ela deve ser enfrentada com determinação e coragem. Não podemos destruir prédios históricos para em seus lugares construirmos estacionamentos, mas prédios já completamente desfigurados, ou ruínas inaproveitáveis devem ser convertidos em estacionamento, pois isso irá ajudar a preservar e manter os demais prédios que fazem nossa cidade conhecida no mundo todo.

Acredito que será muito bom que o poder público municipal abra consulta pública para prospectar empresas que tenham o interesse de implantar estacionamentos subterrâneos na área do centro histórico de nossa cidade.

Antes que apareça alguém colocando gosto ruim nessa ideia, lembro que algumas das mais antigas cidades históricas do mundo, possuem estacionamentos subterrâneos que as viabilizam para o turismo cultural.

Outro assunto importante é que o futuro prefeito interceda de forma contundente e enérgica, na retirada dos entulhos de areia acumulada na encosta da Avenida Litorânea.

Quando essa avenida foi construída, e mesmo depois, durante algum tempo, não sei se o governo do estado ou a prefeitura municipal retiravam a areia que se acumulava no muro de contenção da avenida. Fazendo isso, a vista das praias a partir da avenida era preservada, a segurança das pessoas era mais garantida, o acesso era muito mais fácil. Depois pararam de limpar as praias e o que temos hoje são montes de areia trazidos pelo vento, dificultando o acesso, a segurança e a vista da paisagem, prejudicando de forma violenta o turismo numa área muito importante para essa indústria em nossa cidade.

Outra coisa que deve ser vista é a reestruturação do zoneamento urbanístico da cidade. Precisamos estabelecer o que pode ser construído, além de onde e como.

Os setores imobiliário e da construção civil são grandes alavancas de desenvolvimento de qualquer cidade e não podem ser menosprezados. A postura do poder público para com esses setores deve ser de apoio, mas também de fiscalização e cobrança. Eles podem ser responsáveis por importantes empreendimentos em nossa cidade, mas devem dar as necessárias contrapartidas no sentido de melhorar nossa cidade.

sem comentário »

O prefeito que eu quero

0comentário

Resolvi fazer, antes mesmo que se inicie a campanha eleitoral para prefeito, minha declaração de voto. Não vou apenas designar o nome do candidato no qual votarei, mas estabelecer parâmetros que devem ser minimamente cumpridos por ele.

O voto é uma aposta, e ninguém aposta para perder. O voto é antes de qualquer coisa um ato emocional. Votamos movidos por alguma emoção, seja ela a esperança, a confiança, o respeito, a amizade, a gratidão e até mesmo a dúvida, o desespero, o medo e o interesse. O só voto não deve, nem pode jamais, ser motivado por algum sentimento de venalidade, pois se assim o for ele vai custar muito caro para o eleitor, para o eleito e para toda a gente.

É indispensável que o candidato que escolhermos para prefeito de nossa amada São Luís tenha uma agenda que coincida com as nossas necessidades, não apenas as pessoais e individuais, mas também as coletivas e abrangentes.

Em que pese eu já ter escolhido em quem vou votar e trabalhar para eleger, ele precisa demonstrar atitudes e disposição que me permita pedir para minha mãe, minha mulher e minha filha também votarem nele. Ele precisa fazer com que eu e as pessoas que o apoiam, sintamos orgulho em fazer isso.

O prefeito que eu quero, precisa ser corajoso e enfrentar com altruísmo e pragmatismo as dificuldades que certamente se apresentarão à sua frente, não apenas na campanha eleitoral, mas, se vitorioso nela, aja assim durante todo o tempo que desempenhar seu mandato. Ele precisa ser coerente, não sendo jamais nem de forma alguma hipócrita. Deverá cercar-se de pessoas competentes, dinâmicas e honestas.

Ele precisa dar o dobro de valor aos seus ouvidos e metade à sua língua. Ele deve ouvir as pessoas, mesmo que não possa atender às suas reinvindicações, e deve dizer isso a elas clara e diretamente, com carinho, respeito e elegância.

Ele precisa ser inteligente e sábio, leal e nobre. Não pode ser arrogante ou prepotente, nem agir de forma sectária e maniqueísta. Sua campanha eleitoral deve acabar no dia do anúncio do resultado da eleição.

Eu quero um prefeito que faça coisas simples, mas importantes, como por exemplo, enfrentar a Procuradoria do Meio Ambiente e retirar o excesso de areia acumulada na Avenida Litorânea. Areia que só está ali pelo fato de administrações anteriores não terem agido corretamente quanto à limpeza de nossas praias.

Quero um prefeito que enfrente os vândalos que depredam o patrimônio público e particular, que regularize a situação dos ambulantes e dos flanelinhas, que estabeleça regras factíveis, efetivas, eficientes e eficazes para o melhor uso das diversas áreas da cidade.

Quero um prefeito que enfrente os políticos, adversários e correligionários, que não estejam alinhados com os melhores interesses de nossa cidade e de seu povo, e que se junte a quem o possa ajudá-lo a bem gerir o município.

Precisamos de um prefeito que não aja pensando na próxima eleição, mas consciente de que se ele fizer uma boa administração, coisa que não é uma tarefa fácil, ele não precisará fazer muito para ter sucesso na próxima disputa eleitoral.

Eu votarei em Eduardo Braide e tenho fé que ele possa fazer tudo isso e ser um bom prefeito.

sem comentário »

O Gabinete Maranhense de Leitura

0comentário

Em agosto de 2012, publiquei um artigo no qual falava de uma ideia antiga que eu tinha. Vou retornar àquele assunto, ainda muito atual.

Naquela época estive em uma reunião, na qual fui apresentado pelo então secretário de Indústria e Comércio, Maurício Macedo, aos dirigentes da Algar Agro, empresa mineira que se estabeleceu no município de Porto Franco, onde se dedica à industrialização de derivados de soja, plantada, em grande parte, no sul de nosso Estado.

Na ocasião, me foi dito que a então governadora, Roseana Sarney, havia sugerido que a Algar, em parceria com uma instituição local, como por exemplo, a Academia Maranhense de Letras, desenvolvesse um projeto onde fosse possível preservar não apenas as nossas tradições artísticas e culturais, mas principalmente o nosso patrimônio arquitetônico.

Imediatamente vibrei com a genial ideia. Na hora, pensei só comigo: são ações como essa que diferenciam um simples governante de um estadista.

Fiquei também muito satisfeito por estar ali, na pequena área, de frente pro gol, com a bola no pé e o goleiro amarrado… Tinha que fazer aquele gol!

Mauricio Macedo ajudaria a sacramentar o que aparentemente ficou ali acertado: a Algar iria adquirir um prédio indicado pela Academia Maranhense de Letras, e o doaria à instituição. Esta, por sua vez, respaldada nas leis de incentivo, tanto do Governo Federal quanto do Governo Estadual, providenciaria os recursos para a reforma do imóvel e para a implantação, nele, do projeto que se chamaria Gabinete Maranhense de Leitura.

Passado algum tempo, a ideia foi discutida e aprimorada, tendo sido apresentada em uma reunião da Academia Maranhense de Letras, onde comuniquei que dois de nossos maiores colecionadores de livros, raros e importantes, se comprometeram em doar seus preciosos acervos para a Casa, se o projeto do Gabinete Maranhense de Leitura saísse do âmbito dos planos e passasse ao da realidade.

Os acadêmicos Jomar Moraes e Sebastião Moreira Duarte seriam os primeiros a doarem as suas bibliotecas a esse projeto de grande interesse público. Hoje, outros acervos já foram colocados para servir ao mesmo propósito, como os de Carlos Gaspar, atual presidente da AML, os de Eliézer Moreira, nosso vice-presidente, e o meu próprio, ainda que pequeno e pouco significante perto dos citados.

Mas deixe-me passar aos detalhes. Assim, você poderá entender melhor como funcionaria, na prática, tal ideia.

A empresa adquiriria um prédio; faria a doação dele para a AML; a instituição mandaria elaborar um projeto para obter os benéficos das leis de incentivo, incluindo nele o projeto de reforma do imóvel; aprovar-se-iam os projetos; conseguir-se-ia os patrocinadores, empresas ou mesmo os governos federal, estadual e municipal, através diretamente de seus orçamentos, de emendas parlamentares ou de recursos especiais; feito isso, reformar-se-ia e adequar-se-ia o prédio para o fim pretendido.

Por essa forma, estaríamos garantindo e preservando dois patrimônios de valores incalculáveis, um prédio histórico e livros preciosos.

É importante que se ressalte que o Gabinete Maranhense de Leitura da AML estaria aberto a receber o acervo não só de seus membros, mas de toda pessoa que desejasse doar seus livros, filmes, quadros, obras de arte em geral para esse projeto, que terá visitação aberta e gratuita a todo o público, e será administrado de forma moderna e competente. Para isso, faríamos parcerias com as universidades aqui instaladas, que queiram desse projeto participar.

O projeto não se transformou em realidade… Ainda! Mas eu não desisti de tentar fazer com que ele acontecesse, tanto que recentemente, conversando com meu querido amigo e confrade Ney Belo voltamos a esse assunto e ele sugeriu que tentássemos conseguir que o governo federal doasse a Academia Maranhense de Letras o prédio onde funcionou a superintendência regional da Caixa Econômica, na Praça João Lisboa, o antigo Solar São Luís, na esquina das ruas do Egito com Nazaré & Odylo, para que ali se implantasse o Gabinete Maranhense de Leitura. Vibrei com a ideia!

Vamos tentar! Não custa nada… E se conseguirmos, será de grande valia para vida cultural de São Luís.

sem comentário »

Eu, Othon e Vieira

0comentário

Vejam um pedacinho da gravação que fizemos com o grande ator Othon Bastos, lendo trechos de sermões do Padre António Vieira, para a nossa série que em breve será lançada e exibida pela Prime Box.

sem comentário »

Meu texto de hoje, no aniversário de minha amada São Luís.

0comentário

U

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS