É possível derrotar Flávio Dino em 2018!?

7comentários

O jornalista Robert Lobato me fez um desafio! Conclamou-me a desenhar um quadro em que fosse possível a oposição a Flávio Dino vencer a eleição do ano que vem. Resolvi aceitar a missão, como um mero exercício de análise política conjuntural, sem me deixar levar por minhas opiniões pessoais, fato que poderia contaminar um minucioso trabalho situacional como o proposto.

Para que se alcance um determinado objetivo, seja no campo político, empresarial, ou mesmo pessoal, é necessário que nossas ações sejam coordenadas e planejadas neste sentido! E não apenas isso, é necessário que todos os atores em ação neste cenário ajam de acordo com o previsto, pois assim não sendo, o resultado certamente seria diferente do desejado.

Só vejo possibilidade do governador deixar de se reeleger, se Roseana Sarney for candidata. Além disso, seria necessário que Roberto Rocha, Eduardo Braide, Maura Jorge, e todos aqueles candidatos da extrema esquerda também apresentassem suas candidaturas.

Assim acontecendo é bem possível que a eleição seja decidida no segundo turno. Não apenas isso, esses candidatos precisariam agir de maneira coordenada para fragilizar a candidatura situacionista. Essas ações teriam de ser no sentido de mostrar durante a campanha, nas palestras, nos palanques, no rádio e na TV, as incoerências, os erros, desmandos e mentiras do atual governo.

Para que esse objetivo seja atingido seria providencial que, por seu lado, Flávio Dino não conseguisse realizar ações relevantes ou cometesse erros estratégicos, como por exemplo, não prestigiar os políticos de seu grupo, fato que tem acontecido usualmente em seu governo. Além disso, se ele não conseguir montar uma chapa competitiva, chamando para seu lado parceiros que lhe emprestem credibilidade junto à sociedade, à classe média, ao empresariado, será difícil que ele vença! Se ele se cercar apenas do pessoal palaciano, como é seu costume, facilitará imensamente a vida de seus adversários.

Um claro exemplo de um desses erros é o nome que está sendo cogitado pelo PCdoB para figurar como candidato a primeiro suplente de senador na chapa encabeçada por Weverton Rocha. Comentam que a vaga seria da esposa do secretário Marcio Jerry! Alguém sem os atributos necessários para fortalecer uma chapa. Ela não tem voto pessoal, não agrega poder político ou apoio financeiro que justifique vir a ser candidata a suplente de senador. Seu handcap é apenas ser esposa do presidente do PCdoB, homem forte do atual governo, além de ser uma pessoa idônea, é claro. (E depois dizem que estão agindo de forma diferente, que estão mudando a política do Maranhão).

Outro fator importante no desenho do quadro político que se avizinha são os nomes dos vices e dos senadores das chapas postulantes ao comando do Estado do Maranhão.

Se Flávio não conseguir um vice, igual ou melhor que Brandão, vai sentir dificuldade neste pleito. O mesmo vai acontecer com os demais candidatos. Quem serão os vices de Roseana, Roberto, Braide, e Maura!?

Quem serão os candidatos ao Senado apresentados por cada um dos grupos que disputarão o comando do nosso estado!? Weverton e Zé Reinaldo com Dino, Sarney Filho e Lobão com Roseana! E os demais!? Eles vão apresentar nomes que ajudem na disputa!? Se quiserem derrotar Flávio, os candidatos não podem ser apenas cumpridores de tabela!

Por fim, um dos fatores que poderá fazer com que Flávio Dino não vença a eleição de 2018 é a oposição ficar com a maior quantidade de partidos que puder arregimentar a seu favor, ou seja, não permitir principalmente que o PSDB, o DEM e o PP enfileirem-se na coluna dinista. O mesmo deve ser feito em relação a outros partidos como PTB, PRB, PEN, PHS, PSL PRP, PRTB, PSDC…

Tudo isso é possível de ser feito, em que pese ser difícil!

 

PS: Se por um lado há muita coisa que precisa ser feita para derrotar Flávio Dino em 2018, para que ele vença a eleição do ano que vem, bastará que ele inclua Sarney Filho como um dos dois de seus candidatos ao Senado. Fazendo isso ele sacramentará sua reeleição de forma segura e barata. Mas falta-lhe coragem para tanto e é por lhe faltar esse desprendimento, que ele jamais chegará aos pés de Zé Sarney!… No máximo aos de Victorino!…

7 comentários »

Programa de domingo

0comentário

Num desses domingos ensolarados, depois que parou de chover em São Luís, coisa que este ano foi muito frequente, eu e meu irmão Nagib, acompanhados de nossas mulheres, resolvemos levar nossa mãe para mais um passeio pela cidade que ela tanto ama.

O local escolhido para nosso passeio dominical foi a feirinha que a Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento, Semapa, comandada pelo secretário e também vereador Ivaldo Rodrigues, tem realizado desde junho na Praça Benedito Leite.

Ao chegarmos lá, Dona Clarice, com os olhinhos brilhando, disse a frase que ela mais costuma proferir em nossos passeios pela cidade: “Minha cidade é linda!”

Passeamos pela praça cheia de barraquinhas que vendiam produtos produzidos de forma sustentável por pequenos agricultores familiares, por artesãos, quituteiras, gastrônomos e até por algumas dedicadas à venda de livros como é o caso do stand da Academia Maranhense de Letras. Há também na feira uma bandinha cativa e a apresentação de grupos musicais e de cultura popular no palco armado na praça.

Ao percorrermos as alamedas da praça, mamãe ia comentando fatos de sua vida, entre eles nos disse que passava por ali todos os dias, para ir trabalhar na prefeitura. Comentou que muitas vezes, ao sair do trabalho, parava na sorveteria do Hotel Central e saboreava aquele famoso e delicioso sorvete de ameixa, que nós ainda meninos chegamos a experimentar.

Andando pela feirinha encontramos muitas pessoas conhecidas, entre elas, senhores e senhoras, que regulavam a idade de mamãe e que também estavam sendo trazidos por seus familiares para resgatar um pouquinho de suas lembranças, não que ali houvesse antes uma feirinha, mas por ser aquela praça, cenário de dias felizes de suas vidas.

Paramos em uma tenda comunitária, sentamos em torno de uma mesa e providenciamos um delicioso café, com direito a bolos, tapiocas, café e até caldo de cana, para ela se lembrar do seu tempo de menina, quando ia passar férias em São José de Ribamar.

Quando já íamos saindo, avistei Ivaldo Rodrigues que comandava um grupo de pessoas responsáveis pela limpeza da praça e fui até lá agradecer pela iniciativa, uma coisa muito simples e barata, mas que consegue movimentar a cidade.

Ivaldo me disse que participam do evento 11 polos agrícolas que comercializam produtos a preços competitivos e que estão distribuídos em 30 barracas, além de outras 25 barracas destinadas à venda de artesanato, 15 barracas para alimentação, e 11 food trucks, que estacionam na via lateral à praça.

Ele comentou todo empolgado sobre um dos pontos altos da gastronomia que é a Barraca do Chef, com a proposta de trazer a cada domingo um convidado diferente para apresentar um cardápio com a marca do profissional. Nomes de peso da culinária maranhense já passaram pelo espaço, como Célia Rossetti, Melquíades Dantas, Luciano Rosa, Cila Brandão, Ana Lula, Danilo Dias, Thiago Ogro, Felipe Marques, Giuseppe Rocha, Paulo Coimbra, e Murylo Luna. No final me convidou para participar. Eu fiz que não entendi o convite, pois estou numa fase de gostar mais de comer do que de cozinhar…

Antes de voltarmos para casa naquele domingo, levamos mamãe para visitar o Museu de Arte Sacra, instalado no Palácio Episcopal da Diocese. Lá, fomos recebidos por uma simpática guia, a Kátia, aluna do curso de Turismo da Facam, que nos mostrou o acervo do museu e nos contou algumas histórias sobre as peças em exibição.

Depois voltamos para casa e no trajeto fomos conversando sobre fatos da vida de nossa família, coisa que muito nos apraz, principalmente ao ouvir nossa mãe dizer seu bordão favorito: “Nasci pra ser feliz!”

 

sem comentário »

Enfim, nosso polo de cinema!

1comentário

Em 1995, eu e Zé Louzeiro, representante maior do cinema maranhense, roteirista de filmes como “Lúcio Flavio, o passageiro da agonia”, “Pixote, a lei do mais fraco” e “O homem da capa preta”, pra citar apenas três de seus trabalhos, conversamos pela primeira vez sobre a possibilidade de implantarmos em São Luís um polo de produção cinematográfica, tendo em vista nossa cidade ser um cenário vivo, uma vez que o Projeto Reviver possibilitou isso. Treze anos depois, em 2008, quando eu realizei o filme “Pelo Ouvido” nós continuávamos falando nessa possibilidade, mas nada ainda havia sido feito nesse sentido.

O movimento audiovisual de nosso estado, nesses últimos 20 anos, tomou vulto, e os fatores que muito contribuíram para isso foram a consolidação dos Festivais, Guarnicê e Maranhão na Tela; a existência do Grupo Lume de Frederico Machado, que reúne um videoclube, uma sala de exibição, uma produtora e uma distribuidora de cinema; a implantação de uma Unidade Vocacional do IEMA destinada a oferecer cursos na área audiovisual; e a instalação do MAVAM.

Passaram-se 20 anos para que tivéssemos por aqui um polo, mesmo que informal, de cinema, que reúne em torno do MAVAM, Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, algumas produtoras independentes como a Guarnicê Produções, a Dupla Criação, a Play Vídeo, a Objetiva Filmes, a Freela, a Mago, cineastas como Arturo Saboia, Beto Matuck, Francisco Colombo, Marcos Ponts, Rafaelle Petrini, Mavi Simão e Fernando Baima, só para citar alguns.

Já tendo tudo isso, estávamos a um passo de termos o nosso polo de cinema efetivado. Faltava apenas a implantação de um Núcleo de Produção Digital que pudesse fornecer equipamentos de última geração para que realizássemos nossos projetos, se não em pé de igualdade com os grandes centros nacionais, pelo menos possibilitando termos os insumos materiais para realizarmos, sem maiores dificuldades, nossos trabalhos mais simples.

Foi pensando nisso que procurei meu amigo, o atual ministro da Cultura, Sergio Sá Leitão, e pleiteei junto a ele a destinação de um dos 16 NDPs que a Secretaria do Audiovisual (SAV) do MinC iria distribuir. Mostrei a ele o nosso potencial, falei de nossos projetos, de nossos filmes, dos prêmios que eles têm conquistado em festivais nacionais e internacionais. Disse da necessidade de termos o apoio de um organismo fomentador como este em nosso estado.

Depois disso o ministro destinou, por nossa indicação, para o IFMA, os equipamentos necessários para instalarmos, ainda este ano, o nosso NPD, e já na semana passada o reitor daquela instituição, professor Roberto Brandão, cujo dinamismo vem revolucionando o trabalho realizado naquela importante instituição assinou o termo de cessão de uso e o acordo de cooperação técnica referente a um conjunto desses equipamentos da SAV- CTAV.

Como já disse os referidos equipamentos servirão para implantar no Maranhão um NPD, Núcleo de Produção Digital, ponto de apoio e fomento às nossas produções audiovisuais, com as mesmas características do que ocorre no CTAV, o Centro Tecnológico Audiovisual do MinC, localizado no Rio de Janeiro.

O convênio assinado com o MinC prevê a criação de um comitê gestor do NPD-MA que se responsabilizará pela organização das demandas deste núcleo, além de se incumbir pela criação de um acervo audiovisual resultante dos trabalhos realizados em torno de si, e será composto por representantes do IFMA, do MAVAM e do Sebrae.

Ver mais esse projeto ser realizado me dá a certeza de que estamos no caminho certo, e de que é possível, em um curto prazo, termos em nosso estado uma promissora indústria audiovisual consolidada, o que nos levará ao passo seguinte, a criação junto a FIEMA, de um Sindicato da Indústria Audiovisual do Maranhão.

 

1 comentário »

Na Tela, o cinema do Maranhão!

0comentário

Durante dez dias, desde o dia 16 deste mês de agosto, está acontecendo em São Luís a 10ª edição do Festival Maranhão na Tela, uma iniciativa da efervescente produtora cultural Mavi Simão, através da empresa Mil Ciclos.

Nestes dez anos o Maranhão na Tela se tornou um dos maiores responsáveis pelo avanço e pelo fortalecimento do cinema maranhense. Fato que se deve também a outros fatores que precisam ser citados e igualmente louvados, como o novo fôlego que passou a ter de um tempo pra cá o Festival Guarnicê, promovido já faz 40 anos, pela Universidade Federal do Maranhão; o espírito visionário e perseverante de Frederico Machado, criador do grupo Lume, composto de uma das mais importantes distribuidoras de filmes independentes do Brasil, uma produtora de audiovisuais, além de promover uma série de cursos sobre cinema em São Luís e manter um cinema voltado a filmes de arte; outra e importante iniciativa vem do governo do estado que incensado por pessoas como Marcos Ponts, implantou através do IEMA a primeira escola de cinema do Maranhão, que por enquanto apenas realiza cursos de nível técnico, mas que acreditamos logo se transformará em curso de graduação superior.

Não quero parecer cabotino ou cometer a deselegância de tecer loas ao trabalho que estamos desenvolvendo desde 2009 no MAVAM, o Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, que além de realizar o trabalho de pesquisa, resgate, catalogação, adequação, digitalização e disponibilização de acervos fotográficos, de áudio e de vídeo, criou em torno de si um polo de cinema que congrega diversas empresas e pessoas interessadas em desenvolver projetos ligados ao audiovisual, como é o caso da Dupla Criação, responsável pelas melhores animações realizadas por nós.

Não devemos, nem podemos esquecer também o trabalho dos pioneiros do cinema maranhense, pessoas como Murilo Santos, Euclides Moreira, João Ubaldo, Nerine Lobão, Medeiros, Cintra e tantos outros que a partir da década de 1970 começaram a fazer filmes por aqui.

Todos estes “atores”, suas entidades e obras são responsáveis pela existência de um núcleo de produção cinematográfica em nosso estado, coisa que tem sido vista e tida por todos como o nascimento de um cinema desenvolvido de forma profissional no Maranhão.

Mas voltemos ao Festival Maranhão na Tela!

Nesta edição de dez anos, Mavi resolveu homenagear dez cineastas brasileiros, e resolveu me incluir entre eles, fato que muito me honrou e que aceitei apenas como representante dos cineastas de nossa terra, gente como Arturo Saboia, Breno Ferreira, Francisco Colombo, Beto Matuck, Cícero Filho, Ramusyo Brasil, Breno Nina, Âurea Maranhão, além dos já citados Fred Machado, Murilo Santos, Marcos Ponts, e tantos outros velhos e novos e bons talentos locais.

A lista de homenageados escolhida por Mavi foi para mim uma espécie de presente, pois fez com que eu reencontrasse queridos amigos que não via fazia algum tempo, como Lírio Ferreira, Daniel de Oliveira, Bruno Safadi, Cavi Borges e Flavio Tambellini, além de me permitir conhecer pessoas que tinha muita vontade, como Marcelo Gomes e José Joffily.

Estes e outros cineastas de renome nacional e internacional, proferiram palestras sobre suas obras durante todos esses dias, o que foi maravilhoso!

O festival deste ano apresentou 60 filmes realizados no Maranhão, por maranhenses e por pessoas que escolheram a nossa terra como sua. Esse número é apenas uma fração da quantidade de trabalhos que estão sendo realizados aqui, fato que nos honra também pela qualidade de grande parte dessas obras.

O trabalho que pessoas como Mavi realizam é muito importante, não apenas para a difusão de nosso cinema, mas também para o fortalecimento dele como indústria e segmento importante de negócio.

O nosso próximo passo será criarmos junto a FIEMA, um sindicato que represente nosso setor no panorama cinematográfico local e nacional.

 

sem comentário »

A polêmica da semana

0comentário

É impossível fugir do assunto mais importante da semana, o aluguel, pelo governo do estado, do prédio da Clínica Eldorado!

De pronto devo dizer que não vejo nenhum problema com a contratação do aluguel do imóvel onde funcionava a referida clínica. O fato dela ter sido realizada através de uma dispensa de licitação, não caracteriza, em casos como este, vício processual dada a especificidade das necessidades do interesse do contratante pelo serviço ou objeto do referido contrato. Se o contratante precisa, no caso de imóveis, de um que tenha específicas características e localização, não podendo ou havendo outro que satisfaça sua necessidade, justifica-se plenamente a dispensa do processo licitatório.

O outro ponto levantado para atacar tal contrato é o de estar sendo feita uma reforma no imóvel para adequá-lo às necessidades dos trabalhos que ali serão desenvolvidos, o que por si só é coisa normal. Mas foi levantado que o imóvel vem passando por essa reforma já faz um ano! Ora, mas esse deve ser o tempo necessário para implementá-la e seria completamente impossível que um inquilino fizesse uma reforma em um imóvel que ele alugasse, sem que tivesse um contrato de aluguel válido para que pudesse efetuar tal reforma.

Até aqui não vejo nenhum problema legal ou jurídico.

Vejo, no entanto, um problema de ordem moral, mas isso é uma questão subjetiva! O fato de o imóvel ser de propriedade de uma pessoa ligada ao órgão contratante! Em compensação há uma forte atenuante para esse caso, é que o referido imóvel já havia sido alugado em administrações anteriores, o que pode demonstrar a falta de nexo na alegação de estar havendo privilégio em relação ao proprietário do imóvel, por ser ele funcionário do órgão contratante.

Mas, de tudo o que foi dito a esse respeito, há uma coisa da qual não resta a menor dúvida! É o fato do senhor governador do estado do Maranhão demonstrar toda a sua hipocrisia e incoerência quando acha correto o processo referente a esse aluguel e sobre um outro de igual teor, ter sido radical e violentamente contrário, quando da campanha eleitoral de 2014.

Naquela ocasião, a mesma secretaria estava alugando um imóvel para instalação de consultórios médicos. O imóvel pertencia da mesma forma que hoje a alguém ligado, só que indiretamente, ao órgão contratante e localizava-se na mesma região da cidade do imóvel ora em foco, além de também estar passando por uma reforma para ajustá-lo ao uso que a contratante pretendia. Tudo igualzinho!

Naquela ocasião o atual governador, do alto de suas tamancas de arrogância e prepotência vaticinou que ali estava sendo cometida uma grande irregularidade e prevaricação, que havia o objetivo claro de beneficiar o proprietário do imóvel, etc, etc, etc… Tudo igual a atual oposição faz agora!

Ora, a conclusão a qual somos obrigados a tomar, só pode ser uma! Ou o senhor governador estava errado quando denunciou aquele aluguel em 2014, ou está errado agora, quando faz um contrato idêntico. E não adianta dizer que não é idêntico, porque é igualzinho!

A minha sentença, como juiz de meu próprio juízo, é que esse cidadão sobre quem não recai nenhuma acusação de improbidade, mas que é desprovido da mínima capacidade de sequer ouvir a ponderação de alguém, esse homem incrivelmente bem preparado e culto, que, no entanto não aceita ser contrariado e age com grande arrogância e prepotência, é incapaz de reconhecer que em duas situações totalmente iguais, posiciona-se de forma completamente diferente, demonstrando assim, em minha modesta opinião, ser detentor de alguns dos mais graves defeitos que um político pode ter: a falta de coerência, a falta de humildade, a falta de capacidade de ouvir, respeitar e levar em consideração as opiniões de outras pessoas.

No final das contas, é só esse todo o problema desse tal aluguel!

 

sem comentário »

Antecipando o trabalho de alguns…

4comentários

Muito se tem falado sobre a eleição governamental de 2018 e vou entrar hoje nessa conversa, aqui com você, que me lê agora.

Uma matéria publicada em alguns blogs faz alguns dias, nos dá conta de que são pelo menos cinco os candidatos propensos a disputar o direito de residir no Palácio dos Leões entre 2019 e 2022: Flávio Dino, Roseana Sarney, Roberto Rocha, Eduardo Braide e Maura Jorge. Certamente haverá também um, dois ou até quem sabe três candidatos daqueles tediosos partidos de extrema esquerda.

Nem vou me aprofundar no fato de eu não acreditar que Roseana e Braide, no frigir dos ovos, serão candidatos, por isso analisarei o quadro como apresentado na citada matéria dos blogs.

Vejamos! Aprendi bem cedo que a boa política se faz com grupo e sendo assim quais partidos formarão os respectivos grupos dos candidatos postos?

Flávio Dino parece ter vantagem neste quesito. Vou usar uma analogia matrimonial para exemplificar! Ele é casado com o PC do B, mas tem como amantes fixas, em ordem de importância, o PDT, o PT, o PSB e o PPS. Está noivo do DEM, do PP e do PRB. Ele namora firme com o PTB, o PEN, o PHS e outros semelhantes… E não quer perder o amor do PSDB, rompimento que acredito, será inevitável. Vendo este quadro, chego à conclusão que nosso atual governador tornou-se um verdadeiro Barba Azul, personagem que seduzia muitas mulheres com seu charme e seu poder. Flávio havia prometido fazer política de forma diferente de seus antecessores, mas também neste quesito faz tudo igual, como antigamente.

Roseana Sarney tem garantidamente consigo o amor do PMDB e deve contar com a volúpia de partidos como o PSC, o PSDC… No passado, ela era cheia de amores partidários, agora, só conta com os amores de casa mesmo.

Roberto Rocha deve se divorciar do PSB e casar com o PSDB. Fazer isso é uma questão de sobrevivência para ele, mas precisa ser hábil para fazê-lo.

Braide tem o PMN e não sei mais quem!

Da mesma forma, Maura parece estar casada com o jovem partido PODEMOS, cujo nome nem sei se devo escrever todo em letras maiúsculas!

Fico imaginando a dificuldade que terá cada um desses grupos em montar as chapas para as disputas eleitorais.

Aparentemente Dino não terá dificuldade alguma. Terá é que rejeitar candidatos. Roseana também não terá problemas quanto a isso, mas com os demais isso não acontecerá, pois além de um candidato ao governo e seu vice, será necessário que tenham dois candidatos ao senado e seus quatro suplentes. Arrumar nomes para compor as chapas é fácil, mas arrumar nomes capazes de fazerem essas chapas conquistarem efetivamente votos, isso já é bem mais difícil e até impossível para alguns.

Resumindo: Candidatos em condição de apresentar chapas que possam realmente disputar a eleição de governador e senadores em 2018, só Flávio e Roseana.

Dito isso, fica a questão específica dos partidos nas composições das chapas. Como já comentei, Maura, Braide e Roberto vão ter que arrumar soluções caseiras para montar seus times. O mesmo vai acontecer com Roseana, com uma diferença importante, que o seu grupo e o seu partido tem quadros suficientemente fortes para compor sua chapa.

Caso realmente Roseana seja candidata, coisa que repito, não acredito, seu vice deverá ser um grande agregador de votos da região tocantina ou da região dos cocais, mas quem quiser fazer uma boa aposta, jogue no nome de João Alberto para vice, ele também é uma boa escolha.

Para o senado, uma vaga é de Sarney Filho e a outra será de Lobão, se ele assim desejar, coisa que acredito não acontecerá, ficando a opção para Lobão Filho, já que Gastão já avisou que será candidato a deputado federal.

Os primeiros suplentes de cada candidato ao senado, a meu ver estão claros! O de Zequinha deve ser Clovis Fecury e do outro candidato, alguém da importância política e eleitoral de um Ildon Marques ou de um Paulo Marinho, resta saber em que partidos estão, se eles podem ser candidatos ou se preferem concorrer a deputado federal. Os segundos suplentes sempre foram nomes de composição e acomodação, o que deverá ocorrer novamente.

Enquanto isso no Palácio dos Leões as coisas estão mais difíceis. Lá tem muito cacique e pouco índio, e dos caciques que existem, tirando o atual morubixaba, só vejo Weverton Rocha com mais desenvoltura, sendo que os jovens caciques Jucelino e Fufuquinha, respaldados na importância de suas legendas podem sentar em volta da fogueira com algum crédito. Talvez isso possa acontecer também no que diz respeito a Luciano Leitoa e Cleber Verde. Mais do que estes, nenhum outro chefe político dessa tribo vai apitar. Lógico que não incluí aqui o nome do pajé da tribo, que será ouvido em qualquer situação. Marcio Jerry.

Nessa taba haverá um problema muito grave a ser resolvido. Que destino será dado ao atual vice-governador, Carlos Brandão, caso ele perca o controle do PSDB!? Algum dos partidos do grupo deve acolhê-lo e talvez, quem sabe, indicá-lo novamente a disputar o cargo de vice-governador. Outra possibilidade é ele concorrer para uma das vagas de senador, mas isso é menos provável!

Resta saber quais partidos estariam dispostos a fazer isso. Os mais fortes, que poderiam bancá-lo para continuar na chapa de Dino, em ordem de importância são: DEM, PP, PSB e PT. Veja, não incluí nesta lista o PDT, pois ele quer a primeira vaga de senador nesta chapa para seu presidente, Weverton Rocha e sendo assim não deve pleitear a vice. O mesmo deve ocorrer com o DEM, já que o presidente da Câmara dos Deputados está em campanha para atrair para sua legenda os descontentes de alguns partidos, entre eles o PSB de Zé Reinaldo que poderá ser candidato ao senado pela legenda democrata.

Será que algum destes partidos desejará fazer isso!? Lanço essa pergunta por que se Flávio Dino for reeleito governador, seu vice será o próximo governador do estado do Maranhão! Já pensaram nisso!?

Alguém mais obtuso poderia pensar!… Se é que pessoas obtusas pensam!… Por que não colocam então o Marcio Jerry de vice!? Respondo! Porque até para os maiores construtores, um edifício precisa de um alicerce sólido, que não esteja integralmente apoiado em outro!

Voltemos. Primeiro eles tem que resolver o destino de Brandão, que também poderá vir a disputar uma vaga de deputado federal, e nesse caso Flávio tem obrigação moral de garantir a eleição dele, em retribuição ao seu apoio, garantindo o PSDB na eleição de 2014.

Fica uma pergunta! Não sendo Brandão, quem deverá ser o candidato à vice de Flávio?

Há o eterno candidato a vice-governador, representando Imperatriz e a região tocantina, meu amigo e confrade, o Pastor Porto! Há o empresário Francisco Oliveira, grande industrial de Codó! Há o ex-prefeito de Caxias, ligado ao presidente da Assembleia Legislativa, Humberto Coutinho!…

Já declarei no Twitter que a única possibilidade de eu cogitar votar em Flávio Dino seria se Felipe Camarão fosse o seu vice, o que indicaria que quatro anos depois, ele seria governador do Maranhão, cargo para o qual eu acredito que ele estará totalmente preparado na ocasião.

Mas isso é um desejo meu. Uma ideia de minha mente inquieta que às vezes penso que seja também fértil e produtiva. O que essa tribo vai fazer não se sabe, mas se Felipe fosse o candidato à vice de Flávio e este vencesse a eleição, no futuro, o Maranhão teria um jovem, bom e sábio governador.

Quanto a Felipe, existem pessoas que imaginam para ele destinos diferentes. Uns querem que ele seja em 2020 o candidato a enfrentar Eduardo Braide na disputa pela prefeitura da capital e outros imaginam que ele possa vir a ser candidato a senador já em 2018. As duas ideias o subaproveitam!

Quanto às duas vagas ao senado, existem neste grupo palaciano pelo menos quatro candidatos. Weverton, Zé Reinaldo, Waldir e Eliziane. Os dois últimos, em minha modesta opinião, estão jogando, barganhando para tentarem se reeleger deputados federais ou até mesmo estaduais. Suas candidaturas ao senado são mais fracas que água de lima! Jamais ganhariam de qualquer um dos candidatos da tribo adversária! Esqueçam!…

Acredito piamente que os candidatos do grupo de Flávio serão mesmo Weverton e Zé Reinaldo!

Estabelecido que os candidatos deste grupo são os citados, a indicação de seus suplentes é uma questão de acordos internos, onde muitos fatores irão atuar e influenciar, como de resto acontece em casos como este. Aparecem aqui nomes fortes como o do empresário Francisco Oliveira, já aventado para vice, do pastor Porto, idem, e outros que possam agregar força eleitoral e política aos candidatos.

Outras coisas devem ser analisadas. Maura não perde nada sendo candidata. Deputada ela se elegeria sem dificuldade, mas se perder, que é o que deve acontecer, ela facilmente se elegerá novamente prefeita de Lago da Pedra.

Braide tem que decidir se é candidato! Se aceita correr o risco de perder e ficar sem mandato por dois anos para em 2020 candidatar-se a prefeito de São Luís. Há quem diga que ele será candidato a deputado federal.

Roberto Rocha não perde nada em se candidatar. Como senador terá ainda quatro anos de mandato para tentar recompor-se, caso perca a eleição. Voltar ao senado em 2022 será mais difícil, uma vez que é bem possível que enfrente Flávio Dino nessa disputa, que estará saindo do governo, caso ganhe em 2018.

Existe uma última coisa que precisa ser dita. O fator mais preponderante desta eleição é a candidatura ou não de Roseana Sarney. Se ela for candidata o bicho vai pegar. Se não for, Flávio vencerá sem muita dificuldade.

Roseana sendo candidata e perdendo, sepultará sua perspectiva de poder. Mas devo reconhecer que se não for agora, daqui a quatro anos ela terá muito menos chance de ganhar.

Sendo ou não candidata, Roseana vai eleger uma grande bancada de deputados estaduais, um bom número de deputados federais e uma das vagas de senador em disputa.

A eleição de 2018 será uma com Roseana nela, e outra, totalmente diferente, sem Roseana. A palavra está com ela.

Incrivelmente, por mais que os atuais governistas não aceitem essa ideia, ainda em 2018 será de Sarney a decisão sobre o destino do Maranhão.

4 comentários »

Um Filme das Nossas Vidas

0comentário

Em 2008, logo após realizar o filme “Pelo Ouvido”, tratei de inscrevê-lo nos mais importantes festivais de cinema do Brasil e do mundo.

O filme foi um verdadeiro sucesso, tanto de público quanto de crítica e agregou a mim o privilégio de comparecer a alguns desses festivais e neles receber alguns prêmios. Mas o maior de todos os prêmios que se pode ganhar em eventos como esses é a rede de contatos que você estabelece neles.

Entre 2008 e 2009, graças ao “Pelo Ouvido” conheci muita gente importante e boa do setor cinematográfico. Di Moretti, que se tornou meu parceiro em alguns roteiros, Jal Guerreiro, hoje uma querida amiga e um grande apoio na indústria, a cineasta Lúcia Murat, o mestre Orlando Sena, Alfredo Bertine, do Cine-PE, o cineasta Lírio Ferreira e sua alegria contagiante, isso pra falar rapidamente só de alguns…

Mas hoje quero falar com você que me lê agora, sobre o encontro que tive com três figuras fantásticas do cinema nacional. Em Huelva, na Espanha, conheci Marcelo Vindicatto e Selton Mello, com quem viria a reencontrar em Havana, desta vez na companhia de Vania Catani.

Trata-se de uma trinca de ases que costuma trabalhar juntos e já escreveram, produziram, atuaram e dirigiram três filmes. “Feliz Natal”, “O Palhaço” e “O Filme da Minha Vida”.

Recentemente fui assistir este último que acabou de ser lançado, e saí da sala de exibição com algumas sensações que não experimentava fazia muito tempo. Fiquei emocionado, comovido e feliz ao ver que em meio a tudo isso que está acontecendo pelo Brasil e pelo mundo, ainda há espaço para seres humanos especiais criarem uma obra tão sublime como esta.

Costumo dizer que há muitas maneiras de você gostar de um filme, mas dentre elas há uma que é a mais importante. É quando você sente uma mistura de felicidade e tristeza. Felicidade por ter visto um filme que o emocionou e o engrandeceu, e tristeza por não ter sido você quem o realizou, mesmo que o que está retratado nele pareça que saiu do lugar mais profundo de sua alma.

O filme é contado de forma simples e generosa. Seus realizadores narram uma história onde o tempo quase que se solidifica na tela, nos permitindo tirar lascas dele e saboreá-lo como a um delicioso bolo familiar, recheado de afeto, carinho, repleto das maravilhosas sensações de uma infância alegre e feliz.

Não vou entrar em detalhes sobre o filme. Vou comentar sobre o roteiro, que é irretocável, que nos conta uma história sólida e maciça através de pequenos pedaços, como se desfolhássemos uma tangerina antes de comê-la. O mesmo deve ser dito da inigualável fotografia de Walter Carvalho, sobre a luz e as cores das quais ele se apropria para nos dar uma genuína sensação bucólica. Das locações, da cenografia, do figurino, da maquiagem, dos cabelos e da direção de arte de Cláudio Amaral Peixoto, trabalhos que se igualam aos dos melhores filmes realizados nos Estados Unidos ou na Europa.

Há num entanto dois pontos mais altos neste filme, mais altos que os demais. As performances dos atores é um deles. Que se ressalte a atuação de todos os atores, pois ela é maravilhosa. Belíssima direção de atores! Certamente vai ganhar muitos prêmios de elenco! A outra coisa é a trilha sonora que nos leva a passear em tempos memoráveis registrados tanto em nosso consciente quanto em nosso inconsciente coletivo e individual. Entendeu!?… Se não entendeu não tem importância. Vá assistir ao filme!

Os chavões e os clichês presentes nessa obra, ao invés de diminuí-la, só a engrandecem, pois estão colocados onde se encontram, não por recurso estilístico ou esperteza, mas por necessidade imperativa de retratar a vida real que existe dentro daquela história ficcional.

Falar com porcos, apreciar as meninas se exercitando, flutuar, aprender a andar de bicicleta, o amigo mais velho que leva um menino a um bordel… Ainda agora parece que estou lá na sala, assistindo ao filme…

O final… Eu não posso contar!…

sem comentário »

O sujo falando do mal lavado!

1comentário

A tônica principal das ações e da propaganda do atual governo é apontar os equívocos políticos e os erros administrativos das gestões anteriores, fato que temos visto que não passa de peça de retórica eivada de preconceito e messianismo, uma vez que os mesmos equívocos e muitos dos erros apontados são cometidos de forma recorrente pelo chefe e pelos membros do atual governo.

A mais recente demonstração disso é a rusga pública de dois secretários de governo se “engalfinhando” na busca e na disputa por espaços político-eleitorais para o pleito a deputado federal no ano que vem. Isso sem contar com os diversos membros do governo, que de posse das canetas de suas pastas não se cansam de fazer ações com o objetivo de se credenciar à disputa de mandatos eletivos na eleição de 2018.

As mesmas coisas eram comuns em governos passados.

O governador Flávio Dino elegeu a antiga casa de veraneio do estado como símbolo da “malvadeza” de governos anteriores e resolveu que assim que assumisse iria vendê-la. Desconhecedor da realidade do governo que iria administrar, ele descobriu que a casa não possui nenhum documento que comprove que ela pertence ao estado, logo não pôde se desfazer dela. Durante mais de dois anos de sua gestão não soube o que fazer com a casa até que descobriu que o melhor que tinha a fazer era usá-la como produto midiático, fazendo com que nela fosse implantada uma clínica para atendimento de crianças. Algo contra o qual ninguém poderia levantar a voz. Dito e feito! Só resta uma coisa a ser dita. Se o governo quisesse realmente atender e beneficiar as crianças hoje atendidas naquele local, ele teria feito isso dois anos antes, assim que assumiu o governo e instalado a Casa Ninar em um verdadeiro hospital, local destinado a esse fim.

No trato da política esse governo já provou e comprovou que conseguiu superar os anteriores em termos de arrogância e incapacidade de ouvir, digerir, interpretar e responder a ponderações e criticas. Trata muito mal os políticos que se antes não tinham acesso ao governo e ao governador, hoje tem uma coisa que antes não tinham em relação a eles. Medo!

Este é um governo para o qual todos são suspeitos de estarem fazendo alguma coisa errada e passível de punição. Somente depois de semear esse medo, o atual governo angaria os apoios que ostenta.

Não se pode negar o grande preparo intelectual do atual governador. Ele é dentre os de sua geração o mais preparado culturalmente, mas não consegue agregar a isso a simpatia necessária e indispensável para transformá-lo em um verdadeiro líder. Ele não possui o charme e a simpatia de Roseana, a dureza tenaz e autêntica de João Alberto, a sensibilidade política de Lobão e muito menos a capacidade de entendimento das conjunturas e a imensa rede de relacionamentos de Zé Sarney.

No auge de sua capacidade intelectual e cultural, Flávio Dino, ao ler o capítulo XVII de “O Príncipe” de Maquiavel, quando o sábio florentino nos oferece de bandeja a opção de escolhermos entre o amor ou o medo, opta diretamente pelo medo, sem saber que o medo pode vir a gerar o ódio, oposto ao amor. Em que pese o seu preparo, ele desconhece que em termos de poder, o amor pode acabar por gerar também o medo, só que um medo menos ofensivo e cruel. O medo gerado pelo amor, aludido por Maquiavel nesta quadra de sua obra, é um medo profilático, necessário para nos manter sadios e operantes, não é o medo do terror que os poderosos podem exercer em seus vassalos ou opositores.

Olho para esse governo de forma totalmente isenta e vejo algumas coisas realmente boas que estão sendo realizadas! Vejo uma grande perda de oportunidade de realizar mudanças verdadeiramente boas por limitação de espírito. Vejo, pelo lado bom e pelo lado ruim, algumas coisas iguais as de antes. E o que é pior, vejo outras muito piores que as praticadas anteriormente.

 

1 comentário »

Uma análise política espacial

1comentário

De um tempo pra cá notei que eu perdi qualquer vergonha que pudesse ter em assumir meus pensamentos filosóficos e meus posicionamentos políticos considerados de direita.

Durante toda minha vida sofri imensa pressão, dos outros e até mesmo de mim, para que me travestisse de esquerdista, como aquelas pessoas que estão sempre insatisfeitas com tudo, sempre preparadas para reformar algumas coisas. Coisas que, na maioria das vezes, elas nem realmente conhecem ou entendem.

Se durante quase toda a história da humanidade a sociedade foi regida por regimes fortes, absolutistas, conservadores de sua situação original, desde o século XVIII as ideias iluministas e libertárias passaram a nos trazer, não só novas formas de pensar, mas novas formas de agir através desses pensamentos.

Se analisarmos os 200 anos dos séculos XIX e XX, veremos que dois terços deles foram dominados ainda por ideologias conservadoras ou de direita e que em apenas em um terço desse tempo, o predomínio foi das ideologias reformadoras ou de esquerda. Ocorre que é inegável que o charme e o apelo do segundo grupo são muito maiores que o do primeiro.

Nem vou tentar justificar o motivo de ser mais charmoso e sedutor o fato de alguém professar uma ideologia ou pertencer a um partido de esquerda. Para exemplificar bem esse fato vou apenas citar os dois grandes, para não dizer os dois únicos partidos dos Estados Unidos, o republicano, de direita e o democrata, de esquerda, se é que eles possam ser analizados por essas perspectivas!

Ocorre que em uma democracia consolidada como a americana, a distância entre essas duas posições ideológicas são tão tênues, são tão finas, tão imperceptíveis, que só as identificamos através de ações específicas de gestão e administração da economia, de projetos sociais específicos, da forma como encaram os conflitos diplomáticos ou bélicos…

Para o povo brasileiro em geral, ou para qualquer outro povo que não tenha um conhecimento ou uma convivência maior no sistema democrático, como hoje é o caso do povo venezuelano, não há diferenças visíveis ou importantes entre os republicanos e os democratas americanos.

A visível e palpável diferença entre o democrata Obama e o republicano Trump, no comando dos Estados Unidos, mostra bem a simpatia de um e a antipatia do outro. A forma cordial de um agir e a arrogância do outro tratar as pessoas. Vendo isso até nos faz pensar que os democratas são os bons e os republicanos são os maus nessa história, o que não é verdade. Não é o partido ou a ideologia que faz com que alguém seja bom ou mau

Para comprovar que isso não é verdade, basta dizer que um dos melhores presidentes americanos, Abraham Lincoln, era republicano, partido tido como de direita, e que mesmo assim ele foi o responsável pela libertação dos escravos daquele país, coisa que diversos presidentes democratas, ou seja, de esquerda, que vieram antes dele, não fizeram.

Herry Truman, presidente democrata e em tese de esquerda, não afeito a atos violentos ou maus, ordenou o único ataque nuclear da história da humanidade contra uma população civil. Ele nem por isso ele é considerado um sujeito “mau”.

No outro polo, o presidente comunista da União Soviética, Joseph Stalin, tido como de esquerda, é o responsável pela morte de milhões de pessoas que estavam em desacordo com a sua ideologia.

No caso do Brasil, podemos exemplificar em nossa história recente, o caso do presidente Itamar Franco que estaria bem à direita de Dilma, e guiou o Brasil para fora da crise que o afligia naquele momento, enquanto a citada esquerdista jogou-nos num abismo.

Hoje, liberto das pressões abjetas dos anos 70 e 80, onde se dizia que só sendo de esquerda você poderia estar do lado certo, do lado do bem, posso declarar que tenho pensamentos e ações de direita e não tenho vergonha disso, pois tanto meus pensamentos quanto minhas ações são verdadeiras, legítimas e honestas, tão ou mais que a de qualquer um que professe pensamentos ou realize ações de esquerda.

Aproveito a oportunidade para reafirmar que no Maranhão sempre militei no grupo político liderado por José Sarney, a quem muito respeito e admiro, mas que nunca deixei de cultivar um agudo senso crítico em relação não apenas ao grupo, mas também a tudo que diz respeito às ações políticas das quais eu viesse a participar.

 

PS: Semana passada, fui informado que uma pessoa do alto escalão do grupo do qual faço parte, declarou-me fora dele. Não me sinto fora, mas se eu por acaso for “gentilmente convidado” a me retirar, eles perdem muito mais do que eu!

O pensamento livre e independente de um membro nunca é bem aceito em um grupo, que imagina que somente a subserviência e a obediência canina de todos, interessam para a manutenção e a continuidade do poder político.

1 comentário »

Escrever exorciza!

5comentários

Não existem muitas pessoas de quem eu não goste. Sou um homem de muitos amigos e raríssimos inimigos. Meus amigos provêm das mais diversas camadas sociais e dos mais diversos campos ideológicos. Tenho até grandes amigos flamenguistas!… Já as pessoas de quem não gosto, estão inclusas exclusivamente no rol dos maus-caracteres.

São pouquíssimas as pessoas de quem eu não goste ou que não gostem de mim. Digo isso para ressaltar que há em nossa cidade dois sujeitos de quem realmente não gosto e faço questão de externar esse sentimento. São eles, um ex advogado que teve sua inscrição na OAB cassada por falta de ética e que agora vende notícias travestindo-se de blogueiro e um mítico empresário sem empresa e falido, porém muito poderoso e rico, cuja principal função é ser marido. Não gosto deles e faço questão de dizer isso aos próprios, e a quem mais interessar possa.

Já escrevi anteriormente um texto sobre o primeiro citado e hoje quero falar só um pouquinho sobre o segundo.

Penso ser importante ressaltar que existem diferenças fundamentais entre esses dois sujeitos. O primeiro é um verme! Um doente mental e social que talvez mereça até pena. Já o outro é uma pessoa extremamente poderosa, sofisticada, de hábitos finos, fumador de charutos cubanos e bebedor dos mais raros e caros vinhos que o nosso dinheiro possa comprar.

Não gosto dele por ser obtuso, arrogante, prepotente, grosso, mal educado, desagradável… Esses podem parecer motivos pouco relevantes para nos fazer desgostar de alguém, mas lhe garanto que não são.

Imagino ser importante que em defesa do indigitado eu não deixe de reconhecer que ele andou fazendo um bom trabalho no âmbito da promoção da literatura maranhense, mas isso não o absolve dos graves pecados sociais e de caráter que carrega consigo, impregnados em sua deformada e carcomida carcaça.

Faz algum tempo fiquei pensando que eu até poderia estar sendo injusto em meu julgamento para com ele, afinal de contas algumas pessoas de quem gosto e respeito convivem bem com ele e até o admiram! Foi então que pensei em reformular minha opinião a seu respeito, mas logo em seguida os acontecimentos da vida me mostraram que não deveria fazer isso. Vejam se eu não tenho razão!?

Quando do falecimento da mãe dele, pessoa pela qual eu tinha imenso carinho, entrei na fila das condolências e prestei a todos da família a minha solidariedade. Inclusive a ele.

Recentemente, quando do falecimento de uma tia minha, quando eu estava no velório dela, o dito passou por mim, e ao contrário daquilo que eu havia feito com ele, quando do falecimento da sua mãe, ele virou-me as costas.

Certamente você que me lê agora não pode imaginar a felicidade que eu senti naquele momento. Uma felicidade incontida motivada pela certeza da diferença de caráter que o separa de mim. Foi como se um facho de luz, vindo do céu, representando o Deus, o qual tantas vezes questiono, dissesse: “Bem aventurados os humildes e mansos, pois eles serão recompensados com respeito e honra”.

Ao constatar naquele momento a total falta de caráter daquele traste, resolvi ficar com o conceito que já fazia dele: Um canalha! Um crápula!

 

PS: A proporção em que escrevia esse texto, os sentimentos amargos e travosos que sentia por essa pessoa foram se dissipando e todas as sensações ruins que eu sentia foram desaparecendo.

Nota importante: No velório de minha tia, citado acima, a esposa desse sujeito, elegante e carismática, se solidarizou com todos os presentes.

5 comentários »