Um imbecil e onze tolos

0comentário

Estava com um texto pronto para mandar para o jornal e me vi obrigado a cancelá-lo, pois recebi alguns telefonemas pedindo que abordasse aqui o mesmo assunto que publiquei em minha página no Facebook, na última quarta-feira, 17.

Nele eu comentara sobre a notícia que abalou as estruturas da democracia brasileira durante a semana que se finda, a prisão do dublê de deputado federal pelo Rio de Janeiro, Daniel Silveira, um imbecil que também é detentor de alguns outros adjetivos semelhantes.

Ocorre que esse ogro resolveu insultar e agredir verbalmente, das formas mais deploráveis possíveis, os ministros do Supremo Tribunal Federal, com ênfase para Luiz Edson Fachin, e em meio a uma coletânea de impropérios, em sua vasta maioria claramente tipificados como crimes de calúnia, injúria e difamação, o beócio deputado, fez ameaças à integridade física dos ministros, incentivou a desobediência civil, disparou agressões contra o estado democrático de direito e aventou a interferência das Forças Armadas para conter os abusos que segundo ele, são praticados pelo STF.

Resultado!… O STF expediu um mandado de prisão em flagrante contra o deputado! Foi aí que começou a polêmica sobre o texto em minha página no Face, que recebeu grande número de curtidas e comentários.

Assisti ao vídeo gravado e postado por Silveira, onde além das barbaridades proferidas por ele, não consegui vislumbrar motivo para que fosse expedida uma ordem de prisão em flagrante em seu desfavor. Em que pese ter ele cometido alguns crimes, não vi motivo para prender o deputado. Processá-lo, sim. Prendê-lo, só depois de julgado e condenado!

Abomino e repudio tudo que foi dito por Silveira contra o STF, mas sei por experiência própria que os constituintes originais, ao redigirem nossa Carta Magna, nos anos de 1987 e 1988, jamais imaginaram a utilização de prisão, ainda mais em flagrante, como remédio para ações e atitudes como aquelas perpetradas pelo deputado.

Não argumentei sobre os citados crimes, aos quais não pode ser atribuída prisão em flagrante, nem coloquei em discussão o fato de o dito infrator ter prerrogativas constitucionais de imunidade parlamentar, o que lhe dá o direito à livre manifestação de opiniões e pensamentos no exercício de seu mandato eletivo e não pode ser usada como salvo conduto. Resolvi não bater cabeça, e apenas tentei analisar os fatos, como sempre procuro fazer, sem interesse político, coloração partidária e viés ideológico, calçado no bom senso e respaldado na insofismável coerência.

Em minha modesta opinião, o STF não poderia ter mandado prender o meliante. Fazendo isso extrapolou suas prerrogativas, e agindo assim deu legitimidade ao discurso tóxico e nocivo daquele que até então era o agente dos crimes.

Novamente, em minha modesta opinião, agindo como o fez, o STF, passou do polo de ofendido e atacado para o polo de infrator da Constituição da República Federativa do Brasil, a mesma a qual ele é o guardião e intérprete supremo.

Em meio a toda essa situação, lembrei de um exemplo que um colega meu de turma, do curso de Direito, certa vez deu, sobre impossibilidade material do crime. Ao invés de dar o exemplo clássico de matar um cadáver, ele todo gabola, disse que não poderia ser configurado crime de ameaça de morte, a bravata de um sujeito cego e desprovido de mãos, que vociferava dizendo que iria dar um tiro no meio da testa de um desafeto seu. Ainda assim houve quem discordasse dele!…

Dito isso, fico imaginando o imbecil do deputado Daniel Silveira obrigando o alto comando do Exército brasileiro, formado por homens corretos e de bem, a colocarem os tanques nas ruas e subverter nossa ordem democrática. Existe quem acredita que isso pode acontecer, da mesma forma que há quem acredite em Currupira e Saci Pererê.

sem comentário »

Opinião e Tolerância

2comentários

Ano passado, a convite de Anderson Rocha, consultor da Assembleia Legislativa do Maranhão, participei de uma live, cujo tema era as opiniões e seu reflexo na política.

Naquela ocasião comentei a respeito de uma das mais célebres, profundas e atuais fábulas de Esopo, aquela sobre um velho, um menino e um burro, que faziam diariamente uma viagem entre sua casa e o mercado onde comercializavam seus produtos.

Segundo Esopo, iam por uma estrada, um homem bem idoso, seu neto, de uns cinco anos, e seu alquebrado burro, quando passou alguém por eles e disse que aquela cena era uma grande tolice, que o homem velho deveria ir montado no animal, uma vez que já trabalhara o bastante e precisava descansar. Mais adiante, uma outra pessoa os abordou ao vê-los caminhando pela estrada e disse que era a criança quem deveria viajar montada no animal, enquanto o velho senhor, mais vivido e experiente, deveria os conduzir pelo caminho. Um pouco mais adiante, uma outra pessoa deu uma terceira opinião. Disse que o jovem poderia também ir montado no burro, pois seu diminuto peso pouco influenciaria no esforço que o animal já fazia. O burro, com o velho e o menino, montado em seu dorso, foi parado um pouco mais adiante, por uma outra pessoa que se dizia indignada com tamanha insensibilidade por parte do velho e do menino que sacrificavam tanto aquele velho animal, que eram eles, quem deveriam carregar o burro, pois ele já dera tudo de si em muitos e muitos anos de trabalho em prol daquela família. Assim o fizeram. Mais adiante uma quinta pessoa os chamou e disse do despautério que era eles carregarem o animal, que os três deveriam caminhar juntos, com suas próprias pernas até em casa. E eles voltaram a agir como faziam antes das pessoas darem suas opiniões.

Foram cinco opiniões diferentes sobre o mesmo assunto, sobre o mesmo fato, e nenhuma delas pode ser considerada mais ou menos errada, pois eram apenas manifestação do ponto de vista de quem as omitia.

Com esse exemplo tentei mostrar ao Anderson e a todos aqueles que me prestigiavam com sua audiência, que cada pessoa, mesmo quando não tem nenhuma, tem pelo menos uma opinião sobre qualquer coisa, isso quando não tem duas, três ou até mesmo quatro.

Opinião PODE ser uma coisa boa, quando ela vem bem embasada, tem um pressuposto sólido, mas quando ela se baseia em mero achismo, quando é desprovida de conhecimento de causa e efeito, ela na verdade é prejudicial.

Imaginem a situação de um gestor público que se vê diante do enfrentamento de um gigantesco problema como o combate a pandemia de Covid-19. Imagine quantas opiniões ele ouve sobre como e qual deve ser a melhor forma de atacar esse problema, quantos critérios de ação são lhe postos na mesa, e ele tem que, lançando mão das melhores e mais confiáveis informações decidir qual é a melhor forma de agir e qual o melhor caminho a seguir.

Imaginem agora quantas pessoas vão discordar da decisão dele, pensando que a opção que elas imaginaram para o caso é melhor que a escolhida pelo gestor!

Centralizar ou descentralizar a vacinação. Chamar primeiro os mais vulneráveis e os mais idosos, ou os que precisam estar com boa saúde para tratar destes?!

No final das contas, certamente haverá quem fique insatisfeito e critique o gestor, mas ele precisa se cercar de todas as garantias de que o que ele está fazendo é o que de melhor possa ser feito.

Não importa se quem vai montado no burro é o velho ou o menino, ou mesmo se os dois juntos vão carregar o burro. O que importa é que todos possam chegar ao seu destino, da melhor maneira e na melhor condição possível.

Não critique quem quer que seja baseado apenas em mera opinião, procure saber os reais motivos das pessoas agirem como o fazem. Este é o primeiro passo para a prática de uma das coisas mais importantes da vida na atualidade: Tolerância.

2 comentários »

Birgitte e eu

0comentário

Tenho a mais absoluta certeza que a minha amada esposa, Jacira, não sentirá nenhum pingo de ciúmes quando souber que estou perdidamente apaixonado por esta maravilhosa mulher, a Birgitte Nyborg!

Calma!… Eu explico!… Jacira não sentirá ciúmes pelo fato de Birgitte efetivamente não existir. Ela é um personagem fictício, interpretado pela competente e simpática Sidse Knudsen na série dinamarquesa “Borgen”. É verdade que um sorriso da Sidse escancara um sol de felicidade para quem o vê, mas é só!… O objeto de minha paixão não é efetivamente a Birgitte, mas sim todos os sentimentos que envolvem a história idealizada por Adam Price e escrita por ele, Jeppe Gram e Tobias Lindholm.

A série nos mostra os jogos de interesse que se desenvolvem na política dinamarquesa, através da personagem de Birgitte, uma líder partidária que se converte na primeira mulher a alcançar o cargo de primeira-ministra da Dinamarca.

Borgen“, que em dinamarquês significa Castelo, é o termo coloquial utilizado para se referir ao belíssimo Palácio de Christianborg, onde estão sediados os três poderes do governo dinamarquês: o Parlamento, o Gabinete do Primeiro-Ministro e o Supremo Tribunal.

O fato é que Birgitte me fez companhia nas madrugadas de minha convalescência da Covid-19. Passei muitas noites acordado com ela, em meu quarto, enquanto minha linda esposa dormia na cama, ao meu lado.

Esta série que se desenrola em três temporadas de 10 episódios, traz em si ingredientes que me são muito caros e importantes, como noções de coerência, honra, e valores familiares, sem contar o choque de realidade que é indispensável em um drama político, o pragmatismo e o cinismo que são comuns nessa atividade, resvalando em assuntos que tornam uma história universal, como intriga, diversidade, guerra e sexo.

Todos os episódios se iniciam com uma frase de algum pensador importante, com ênfase ao meu mestre e guru, Maquiavel, mas há também frases de Buda, Confúcio, Jesus, Dante, Lincoln, Churchill e até do iconoclasta James Joyce. As frases são uma espécie de mote para o episódio.

A utilização de ambientes reais para apresentação de tramas políticas não é uma coisa nova. Shakespeare fez isso em diversas ocasiões, e as que eu mais gosto são suas versões de Júlio Cesar, Henrique V e Ricardo III. Os americanos produziram diversas temporadas de The West Wing e mais recentemente House of Cards, que até parecia ter sido fortemente inspirada na política brasileira.

O que há de novo em Borgen não é a política, mas a Dinamarca, um país que pouco conhecemos. Eu particularmente sabia muito pouco sobre ela. Sabia que é a terra dos danêses, um dos povos que deram origem aos vikings. Sabia que ali nasceram dois de meus ídolos, o escritor Hans Christian Andersen e o cientista/filósofo Niels Bohr. Admirava a seleção de futebol dinamarquesa de 1986, conhecida como Dinamáquina. E só!…

“Borgen” me apresentou uma outra Dinamarca. Viajei sem sair do meu quarto. Admirei seus roteiristas, seus diretores, seus atores e principalmente pude aprender muito sobre como construir uma série, aprendizado importante para quem está trabalhando simultaneamente na criação e no desenvolvimento de quatro delas: “Arcanos”, sobre uma adorável taróloga trambiqueira que recebe uma herança e volta para morar em sua cidade natal, São Luís do Maranhão (quero que quem assistir a “Arcanos” tenha a mesma vontade de conhecer São Luís e o Maranhão, como eu tive de conhecer Copenhagen e a Dinamarca); “Senta a Púa – acerte-os com força”, sobre os heróis da primeira esquadrilha de caça brasileira na Segunda Guerra Mundial, com ênfase para o maranhense Ruy Moreira Lima; “As aventuras de Tracajaré”, uma animação sobre um tracajázinho encantado que o avô dá de presente para seu neto; e “O grande salto”, sobre a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, realizada em 1923 pelos aviadores portugueses Sacadura Cabral e Gago Coutinho.

Uma coisa ficou muito clara para mim, assistindo a “Borgen”. Fernando Pessoa estava certíssimo: “Tudo vale a pena, se a alma não é pequena”.

sem comentário »

Um spoiler necessário

0comentário

Estiveram esta semana em São Luís a produtora de cinema Elisa Tolomelli e a diretora de assuntos institucionais dos canais Box Brasil, Jal Guerreiro. Elas vieram ver possíveis locações para realização do Projeto Arcanos, composto de um longa-metragem e uma série para TV que a princípio, deverá ser estrelada por Lília Cabral, Sidney Magal, Duh Moraes, além do ator português Ricardo Trepa e diversos atores maranhenses.

Elisa foi produtora de “Central do Brasil”, “Cidade de Deus”, “Berenice Procura” e “Maria do Caritó”, entre muitos outros sucessos do cinema nacional, e Jal é responsável pela prospecção de novos projetos e abertura de novos mercados para a Box, segunda maior empacotadora brasileira de produtos audiovisuais.

Elas souberam da existência do Projeto Arcanos quando estiveram em São Luís para participar do Festival Maranhão na Tela em 2019 e desde então acalentam a ideia de realizá-lo.

Elisa e jal, além de pesquisar locações e pessoal para o projeto, estiveram com secretários municipais e estaduais de Cultura e Turismo e com o prefeito e o governador, com quem falaram sobre o projeto.

Arcanos se baseia em um argumento e um roteiro original de minha autoria e conta a história de Fátima (Lília Cabral), uma jovem ludovicense que foge de casa para o Rio de Janeiro, onde vai tentar ser cantora, como fez sua musa, Alcione. Mas a vida nem sempre acontece como se deseja ou imagina, e Fátima acaba cantando em boates e churrascarias, onde encontra o amor de sua vida, o Lindoval, que sobrevive graças à sua semelhança com Sidney Magal, de quem é cover.

Com o passar do tempo, ao ver que não alcançaria o sucesso pela música e precisando se manter, Fátima começa a jogar tarô para complementar a renda familiar, enquanto Lindo faz bicos. Fátima tem tanto talento para o tarô quanto para o canto e engana descaradamente seus consulentes.

Certo dia ela recebe um telefonema de sua meia irmã, Nazaré, dizendo que elas ganharam um sobrado de herança de um tio avô português. É aí que começa realmente a história, pois Fátima terá que voltar para São Luís, reformar e morar no casarão, pois é o que exige o testamento.

Toda a história é contada e amarrada através das cartas dos jogos de tarô que Fátima coloca para quem a consulta.

O tarô é uma espécie de oráculo. Ele possui 78 cartas, sendo 22 arcanos maiores e 56 arcanos menores, e é na simbologia dos arquétipos dos arcanos do tarô que vislumbraremos a vida de personagens universais, que serão retratadas tendo como pano de fundo um velho casarão que outrora fora um cabaré famoso, em uma São Luís que insiste em mostrar seu charme e a arte de sua gente.

Fátima e Nazaré reformam o sobrado e instalam nele uma pousada e um restaurante, além do consultório de tarô de Fátima.

Ricos personagens se juntarão a elas e formarão o núcleo dramatúrgico da história, além de personagens que aparecerão como consulentes e convidados especiais como cantores que darão palhinhas no restaurante “Maroca”, nome dado em homenagem ao antigo cabaré que havia naquele prédio.

Nossa ideia com a realização de “Arcanos”, é implantar definitivamente um polo de cinema em nossa cidade, que conta com excelentes cineastas como Arturo Saboia, Fred Machado, Breno Ferreira, Francisco Colombo e Beto Matuck, além de grandes atores, como Romulo Estrela, Cesar Boaes, Deo Garcês, Claudiana Cotrim e Áurea Maranhão, apenas para citar cinco de cada.

A realização de “Arcanos” mostrará que em São Luís se tem capacidade para criar e produzir conteúdos audiovisuais viáveis economicamente, o que nos ajudará na criação de um sindicato do setor, fortalecendo nossa posição como indústria.

O simples fato de pessoas como Elisa e Jal virem a São Luís e mostrarem interesse de realizar aqui, com pessoas daqui, um projeto feito para mostrar nossa terra, nossa gente, nossa arte e nossa cultura, demonstra que estamos no caminho certo.

sem comentário »

Mesmo ausente, estou presente!…

0comentário

Já se vai longe o final de semana que eu não publiquei um artigo no Jornal O Estado Maranhão e não o repliquei em minhas páginas nas redes sociais, mas esta semana foi tão atarefada que não tive tempo, nem tranquilidade para escrever meu artigo.

Apesar de não publicar na página de opinião do JOEM, não passarei o fim de semana em branco no meu Blog nem no meu Facebook. Porém, não poderia deixar de comentar o fato de políticos e jornalistas, midiáticos e inescrupulosos, tentarem diminuir e difamar o trabalho maravilhoso realizado pela força tarefa instituída pelo prefeito Eduardo Braide para instalar o Centro Municipal de Vacinação, no Multicenter Sebrae.

Comandados pelo secretário de saúde, Dr. Joel Nunes, os secretários de obras, Davi Col Debela, de informação e tecnologia, Diego Rodrigues, de trânsito, Cláudio Ribeiro, de segurança, Marcos Afonso, e de comunicação, este humilde locutor que vos fala, além de todo o corpo técnico da SEMUS, cheio de pessoas completamente dedicadas ao sucesso desta tarefa, nos movimentamos no sentido de, em apenas 48 horas, implantar o gigantesco centro de vacinação de nossa cidade, façanha que estava prevista para ser realizada no dobro deste tempo.

Quem se der ao trabalho de visitar as instalações onde montamos o centro de vacinação, verá como ele funciona de forma ordenada e correta, obedecendo todos os protocolos sanitários e dando vazão segura e ordenada a todas as etapas previstas em nosso plano de vacinação que já foi inclusive copiado por algumas outras cidades.

Passei quatro dias inteiramente dedicados a dar suporte e resolver as demandas que me eram destinadas, e cada dia que chegava em casa, exausto, depois de tomar um bom banho, me olhava no espelho e via um homem feliz e orgulhoso do trabalho que estava realizando.

Me peguei emocionado com algumas coisas que vi ali. Algumas vezes cheguei até a chorar miudinho, pois mesmo que não parecesse para alguns, a importância de tudo aquilo era muito grande para nós.

Outra coisa que tenho visto e comprovado nestes primeiros dias dessa gestão, é que não vi da parte de ninguém, atos de vaidade, arrogância ou prepotência. O que tenho visto e sentido por onde quer que eu vá e com quer que eu me relacione dentro deste grupo, seja entre o primeiro escalão ou o escalão intermediário, é que todos estão imbuídos em dar o melhor de si na execução da tarefa que lhe foi confiada.

sem comentário »

J & S

0comentário

José Sarney completou 90 anos no dia 24 de abril de 2020 e um grupo de seus amigos da Academia Maranhense de Letras, resolveu fazer uma homenagem para ele, que além de decano da entidade, é também decano da Academia Brasileira de Letras e o mais antigo e longevo político brasileiro vivo.

Não vou aqui falar da história de Sarney porque além de ser conhecida de todos, não é este o tema de meu artigo de hoje, pois desejo falar sobre os trabalhos que realizamos para homenagear o nosso amigo.

Havíamos idealizado uma série de eventos que marcasse o ano do nonagenário José de Ribamar Ferreira de Araújo Costa, vulgo José de Sarney e mais tarde conhecido por todos simplesmente como Sarney.

A Assembleia Legislativa do Maranhão, por iniciativa do deputado Roberto Costa, faria uma sessão solene em homenagem ao aniversariante e naquela oportunidade traríamos figuras importantes da literatura e da política brasileira, que falariam sobre ele. No Convento das Mercês, haveria uma exposição sobre suas obras e realizações. Direcionado aos alunos do segundo grau, a AML promoveria um concurso de redação, dando prêmios para os vencedores e suas escolas. Publicaríamos um livro com textos escritos sobre Sarney, por seus amigos, tanto da literatura quanto da política. E faríamos também um filme, onde apresentaríamos, cada um ao seu tempo e ao seu modo, o José e o Sarney, vistos do ponto de vista dele próprio e de outras pessoas, cujos depoimentos nos permitissem montar um quadro com o qual pudéssemos ter a nítida noção do homem, da pessoa, do José, como cidadão, esposo, pai, amigo, escritor, e do Sarney, como político e estadista.

A pandemia de Covid-19 mudou todos os nossos planos e acabamos ficando apenas com o projeto do filme. Mais tarde resolvemos publicar também o livro.

O certo é que a Academia Maranhense de Letras, neste ano do nonagésimo aniversário do nosso mais antigo membro, realizou dois trabalhos em sua homenagem, o livro “José Sarney – o homem e a palavra” e o filme, em dois episódios “José & Sarney”.

Além da AML, outras entidades fizeram homenagens semelhantes a ele. A Câmara dos Deputados fez publicar um belíssimo livro e mandou produzir um programa de TV a respeito desse personagem especial de nossa história contemporânea. Também o Senado Federal, Casa para a qual Sarney se elegeu cinco vezes e a presidiu em quatro oportunidades, mandou produzir uma reportagem que levou ao ar em seu canal de televisão. Além disso, a Academia Brasileira de Letras fez homenagens virtuais ao aniversariante.

Aqui na província ficamos à espera da estiagem dessa pandemia para que pudéssemos fazer o lançamento do livro, enquanto o filme será exibido pela TV Mirante e distribuído para as demais emissoras do Estado que queiram mostrá-lo em sua grade de programação, além de ser veiculado por alguns canais de TV a cabo do sul do país e do exterior.

Fui designado para produzir este filme pelo então presidente da AML, Benedito Buzar, e resolvi chamar para dirigi-lo, Arturo Saboia, um dos nossos melhores cineastas. Como responsáveis pelo roteiro do filme, escalei Eveline Cunha e Shirley Freire. Para captação de imagens, convoquei Joan Santos, Hugo Chaim e Miguel Nery. Na montagem, edição e efeitos visuais, usei Carlos Alberto e Alexandre Ferreira. Para captação de som e na mixagem, escolhi Elinaldo Sousa e André Lucap. Contamos ainda com a inestimável consultoria de Benedito Buzar, Felix Alberto Lima e José Jorge Leite Soares.

Agradeço a todos por seu trabalho incansável e sua incondicional dedicação a ele, e à Academia Maranhense de Letras pela possibilidade de nos permitir produzir este precioso documento de memória para as futuras gerações.

sem comentário »

Quarenta anos depois

2comentários

Depois de quarenta anos eu volto a exercer uma função administrativa nas imediações da Praça Pedro II, Marco Zero de nossa cidade, lugar onde estão instalados os prédios dos Poderes Executivos, estadual e municipal, do Poder Judiciário estadual, além da Igreja da Sé.

Em 1981, fui nomeado oficial de gabinete do governador João Castelo, cargo que ocupei por apenas três meses, quando fui deslocado para ser chefe de gabinete do secretário do Gabinete Civil do Governo, senhor José Ramalho Burnett da Silva. Curiosamente, Burnett havia sido prefeito de São Luís quando minha mãe era diretora da seção de pagamento da Secretaria de Fazenda do município, subordinada ao grande Djar Ramos Martins.

Sobre Burnett, acho importante comentar que a sua deficiência física, ele era praticamente cego, o fazia ter uma vantagem sobre quase todos os políticos de seu tempo. Ele enxergava melhor e mais longe, tendo uma noção clara e verdadeira da cena política e com isso, sabendo contornar os obstáculos que se apresentavam. Talvez mais cego que Burnett era Bento Neves, outro grande político com quem também tive a honra de conviver e aprender.

Durante o tempo em que trabalhei no Palácio dos Leões, além de Castelo e Burnett, convivi com o professor José Maria de Jesus e Silva, um ex-padre que sabia além da missa, de cor e salteado, três terços. Um craque do direito administrativo, que tinha como seu fiel escudeiro outro craque do direito, António José Muniz, que emprestou seus valorosos serviços a diversos outros governos depois do de Castelo.

Costumo dizer que meu primeiro mandato como deputado estadual, foi o meu mestrado, pelos mestres que tive como colegas. Celso Coutinho, Bento Neves, Gervásio Santos, Raimundo Leal… Meu doutorado foi no mandato seguinte, como deputado federal constituinte, convivendo com verdadeiros doutores como Ulisses Guimarães, Artur da Távola, Florestan Fernandes, Afonso Arinos… Mas, na verdade, a base disso tudo, eu consegui desde muito cedo ouvindo as conversas de meu pai e meu tio Zé António, com seus amigos e correligionários do Pindaré, e mais ainda naquele elevado curso médio com Castelo, Burnett, Zé Maria e Muniz.

Olho em volta e daquele tempo, além dos prédios, só vejo apenas o cachorro-quente do Boliviano (agora administrado por seu filho), onde eu, Joãozinho Abreu, Ebertt Schalcher e outros colegas íamos merendar.

Naquela época eu era o mais novo entre todos os funcionários do Palácio do Leões. Hoje, sou o quinto mais velho entre os funcionários do primeiro escalão, do Palácio La Ravardiere.

Agora, 40 anos depois do início da minha jornada, estou de volta ao trabalho, no mesmo lugar, desta vez para assessorar o novo prefeito de São Luís, Eduardo Braide, em sua missão de transformar nossa terra em um lugar melhor para se viver. Para apoiá-lo em seu compromisso de alicerçar as bases necessárias para fazer com que nossa cidade evolua, possibilitando melhorar a vida das pessoas, fazendo com que elas tenham efetivo acesso a oportunidades de manutenção e crescimento.

Braide venceu uma eleição disputadíssima e se habilitou a realizar um trabalho que significará um salto quantitativo e qualitativo no trato da gestão pública no Maranhão, abrindo caminho para mudanças ainda mais importantes para nossa gente.

Os desafios que enfrentaremos são enormes, porque enorme é a responsabilidade de liderar uma cidade e seu povo no caminho do desenvolvimento e do progresso, tendo que conviver com as adversidades naturais da vida, além daquelas decorrentes da política, que precisam ser superadas de forma indefectível, tendo sempre em perspectiva que, o que precisar ser feito para melhorar os processos administrativos, que possibilitem a realização dos projetos elaborados pelo prefeito, no sentido de melhorar a vida do cidadão ludovicense, deve ser feito, tendo sempre como parâmetros inabaláveis, a lei e a justiça.

Nesses 40 anos descobri a mágica de algumas palavras. Quando eu penso nelas e as mentalizo, absorvo seus significados e seus sentidos, que se materializam.

Para iniciar esta jornada, escolhi cinco palavras iniciadas com a letra “E”: Equilíbrio, Eficiência, Eficácia, Efetividade e Excelência.

Que Deus nos ajude a fazer um bom trabalho.

2 comentários »

Por bons motivos

0comentário

Faz alguns dias, Eduardo Braide, me pediu que fosse ao escritório que ele montou para desenvolver as ações concernentes à transição administrativa do município de São Luís.

Imaginei que pretendia conversar comigo sobre nomes de pessoas que ele desejava indicar para os cargos de secretário de assuntos políticos, educação ou esporte, funções que eu havia exercido nos governos de Lobão, Fiquene e Roseana, ou mesmo para a pasta da cultura, uma vez que trabalho neste setor, como escritor e cineasta.

Ele foi direto. Sem fazer rodeios, disse que sabia que eu não desejava voltar a exercer nenhum cargo ou função no âmbito político, mas que precisava de mim para desempenhar uma determinada função. Que ele acreditava ser eu a pessoa mais indicada para a missão, uma vez que em sua opinião, conheço bem esta área e tenho boa capacidade de diálogo com os mais diversos protagonistas deste setor. Tendo dito isso, ele me convidou para ser seu secretário de comunicação social.

Na hora fiquei surpreso e atônito. Minha primeira reação foi sorrir, meio sem jeito. Elegantemente agradeci o convite e o recusei, mas ele insistiu, dizendo precisar de mim para aquela função e explicou seus motivos. Foram bons motivos.

Fui conversar com Eduardo, preparado para falar sobre outras pessoas, jamais sobre mim mesmo, até porque desde 2015, havia decidido que não mais iria participar de forma efetiva da política, ocupando cargos ou exercendo mandatos.

O inesperado convite, a forma como ele foi feito, e os argumentos que foram usados, me fizeram baixar a guarda.

Perguntei-lhe se aquele convite era apenas uma manifestação de gratidão pelo apoio que eu sempre dei a ele, desde antes de sua candidatura e mesmo durante a campanha eleitoral. Ele foi taxativo e convincente ao dizer que não. Conhecendo-o bem, sei que ele não é mesmo de ter esse tipo de atitude. Ele é tímido, mas direto e positivo e às vezes por isso, aparenta distância e até frieza.

Disse-lhe que se fosse o caso, eu já estaria muito mais que satisfeito, contemplado apenas com o convite para fazer parte de um projeto que acredito, mudará o rumo da política maranhense nos próximos anos.

Ele reafirmou que não se tratava de mera gratidão, mas de um pedido de sacrifício pessoal, uma vez que ele acredita que eu, com o tato e a paciência cultivados e desenvolvidos em mais de 32 anos na lide política, pudesse realizar a importante missão de gerenciar esse segmento bastante sensível em qualquer governo: A comunicação do prefeito e de seu governo com o público interno, estabelecendo métodos e formas com que a administração municipal possa atuar e se apresentar, e da mesma maneira com o público externo, com quem o prefeito, seus assessores e a municipalidade, de modo geral, possa manter diálogos, comunicando seus projetos e apresentando suas ações, bem como ouvindo as demandas da sociedade, através das instituições representativas, dos políticos e diretamente da população.

Confesso que se Eduardo tivesse me convidado para ocupar alguma outra secretaria, com ênfase para aquelas as quais já ocupei nos governos em que participei, sem pestanejar, mas com grande gratidão e elegância, eu recusaria. Porém, como ele disse precisar especificamente de mim para desempenhar esse papel, resolvi aceitar seu pedido, mesmo tendo que romper um acordo que tinha comigo mesmo, perante minha mãe, meu irmão e minha esposa, a quem havia prometido me manter fora da política formal.

Aceitei o convite para compor a equipe de Eduardo Braide por três bons motivos: Para atender ao apelo que ele me fez; Para poder estar próximo a ele neste momento tão importante, e quem sabe ajuda-lo de alguma forma, na difícil tarefa que terá pela frente; e pela possibilidade de participar de um evento único, que acredito, mudará o rumo e o destino político do Maranhão, coisa para quando eu já for um septuagenário.

sem comentário »

Ebenezer Scrooge

0comentário

Charles Dickens é considerado um dos maiores escritores de todos os tempos, pois contribuiu decisivamente para a introdução da crítica social na literatura inglesa, durante a era vitoriana.

Graças a minha inconveniente dislexia, não conheci este extraordinário narrador nas páginas dos livros, mas através das telas dos cinemas e da televisão.

Recentemente assisti a uma nova versão de “Oliver Twist”, realizada pela BBC, e motivado por ela, fui rever um dos filmes que marcaram a minha infância: “Um conto de natal”.

Essa obra marcou decisivamente a minha vida, tanto que escolhi seu personagem principal, Ebenezer Scrooge, como modelo de como não ser.

Sobre ele, a primeira coisa que posso dizer é que é tão importante que serviu de inspiração para Carl Barks criar o célebre “Tio Patinhas”, imortalizado nas histórias em quadrinhos e nos desenhos animados da Disney.

Logo no início da história, Scrooge demonstra uma frieza desmedida no coração, além de ser ganancioso e avarento. Indiferente ao espírito do Natal e tudo que se relaciona com alegria e felicidade, Ebenezer é descrito por Dickens como tendo lábios azuis e nariz pontiagudo, perfeitamente retratado em “Os fantasmas de Scrooge”filme de 2009, em que Jim Carrey interpreta o personagem.

Após a morte do seu sócio, Jacob Marley, ele jamais alterou a razão social da empresa “Scrooge & Marley”, só para não ter que mudar o letreiro na fachada do prédio.

Sete anos mais tarde, na véspera do Natal, enquanto trabalha em seu escritório, Scrooge despacha grosseiramente seu sobrinho, que veio convidá-lo para a ceia.

Ele é um homem muito rico, mas insensível, rude e autoritário, diz ao seu assistente que não contribui para as doações dos voluntários que lhe solicitam dinheiro para os pobres e indigentes, e como sempre não é gentil com ele.

Ao voltar para casa naquela noite, Ebenezer observa algo insólito – o seu falecido sócio, Jacob Marley, surge no meio do quarto, aprisionado sob portentosas correntes. O fantasma fala-lhe sobre o castigo que agora o aflige pela avareza que apresentou em vida e adverte Scrooge de que lhe está reservado um destino ainda mais terrível, caso não mude seu comportamento avarento, grosseiro e indigno. O defunto avisa Scrooge que naquela noite ele será visitado por mais três fantasmas que tentarão modificar seu espírito ranheta.

Uma hora mais tarde surge o primeiro. É o fantasma do passado que lhe fornece lembranças da pacata cidade da sua infância. Mostra-lhe a noite de Natal gloriosa com a sua irmã, bons tempos com amigos, e finalmente a separação da sua noiva, que o deixou por causa do seu amor desmedido pelo dinheiro.

O segundo fantasma proporciona-lhe uma visão da noite de Natal presente: pobres, mas felizes, ele vê a casa de seus empregados. Lá Scrooge observa o jovem Tim, o filho doente daquele assistente que ele havia maltratado. O fantasma informa-o de que em breve Tim morrerá.

O último fantasma é o do futuro, que lhe mostra a casa do empregado depois do enterro do pequeno Tim. Mais adiante ele observa a sua própria morte, muito humilhante, sozinho e detestado por todos.

Por fim, Scrooge desperta e decide não desperdiçar aquele Natal. Dali por diante ele vai modificar toda sua vida e tornar-se uma pessoa amável, sensível e generosa.

Se por um lado eu sempre busquei ser diferente de Scrooge, por outro, gostaria muito que a história de algumas figuras, que teimam em imitar esse personagem, tivesse pelo menos o mesmo final, repleto de redenção e felicidade. Esse é o presente que eu desejo neste Natal.

sem comentário »

O Novo Coronavírus

0comentário

Depois de nove meses fugindo deste microscópico flagelo, fui alcançado por ele.

É impossível dizer ao certo como fui contaminado, pois muitas são as portas de acesso que essa peste pode usar para invadir nossos indefesos corpos, sempre abertos a esses indesejados convidados “pra esta festa pobre”.

Durante todo este tempo, quase um ano, falei pouco sobre esta pandemia. Não que ela não fosse importante, mas pelo fato de sabemos quase nada dela, não gostaria de ser mais um a repercutir achismos como a maioria das pessoas tem feito.

Dizer que esta doença foi premeditadamente criada e espalhada por um determinado país, como forma de guerra avassaladora, supera muito a minha capacidade de ficcionista e muito mais ainda a minha fé na humanidade.

Usar essa catástrofe como aríete para demonizar ou endeusar líderes políticos pelo mundo afora, é outra coisa que não cabe em minha cabeça.

Não saber se comportar devidamente como pessoa, ser humano, cidadão, governante ou cientista, é coisa que não tem tipificação nos códigos legais, a menos que esses comportamentos ultrapassem o limite das palavras, do discurso, da narrativa, e deságue no campo da ação criminosa, causando prejuízos e vítimas fatais.

Quanto a mim, descobri que estava infectado um dia antes de meu aniversário de 61 anos. De março até aquela data eu havia ficado gripado diversas vezes, e em cada uma delas fiz exames para saber se aquela gripezinha era Covid-19. Nunca foi até aquele dia. Cheguei até a engordar, pois fazia ludicamente, um teste particular, comendo guloseimas para saber se meu paladar havia sido afetado pela doença, o que seria um sinal de contágio.

Após sair de um almoço da confraria que carinhosamente chamamos de Senado, senti uma leve dor na garganta e comecei a tossir. Preocupado, pois no dia seguinte iria almoçar com minha família comandada por minha mãe e minhas tias, todas com idades entre 86 e 91 anos, resolvi fazer mais um exame. Liguei para minha amiga, dra. Raquel, do Laboratório Cedro que providenciou tudo e em menos de duas horas soube do resultado. Nunca fiquei tão feliz por perder um almoço de aniversário na casa de minha mãe, pois o mais importante era preservar minhas velhinhas.

Os sintomas que estou sentindo são unicamente uma leve dor na garganta e um pouco de tosse, que nem é seca, como consta na lista dos sintomas.

Exatamente na véspera do dia do meu aniversário descubro que estou infectado, o que foi um presente de grego, mas não me fiz de rogado. Fiquei preocupado com as pessoas com as quais convivi mais de perto naquele dia e comuniquei a elas o ocorrido. Espero do fundo de minha alma que ninguém tenha sido contaminado.

Quanto a mim, não tenho medo da doença em si, mas sim das complicações que podem resultar dela.

Sempre achei que o maior problema dessa doença era, em primeiro lugar, a falta de conhecimento sobre ela. Em segundo lugar, a incapacidade do sistema de saúde, e não estou falando do SUS, mas do sistema médico nacional, em tratar as complicações clínicas decorrentes dela. Em terceiro lugar, mas tão grave quanto os demais problemas, é a politização dessa pandemia, uma coisa absurda contra a qual devemos nos indignar e combater.

Já entrei na segunda semana do contágio e os sintomas continuam leves, fato que indica que meu organismo está reagindo bem ao ataque do vírus.

A minha postura como infectado foi dizer ao médico que está me tratando, meu querido e bom amigo Ibrahim Assub Júnior, que ele poderia receitar qualquer tipo de remédio que ele como médico acreditasse que poderia ajudar em minha recuperação, até porque o médico é ele, eu sou o paciente, que depositei minha saúde e a minha esperança de recuperação, nas mãos dele.

Quanto à vacina, penso que ela, como instrumento de saúde pública deva ser obrigatória, uma vez que a não vacinação de um indivíduo pode causar a contaminação de diversos outros. Se a vacina fosse destinada a uma doença cujo contágio e a letalidade não fossem fatores de altíssimo risco, penso que ela não deveria ser obrigatória.

Acabadas as polêmicas, só me resta passar por essa fase, para retornar ao meu ritmo normal de vida e voltar a conviver com outros tipos de vírus aos quais estamos comumente expostos, sejam eles microscópicos ou grandes mamíferos bípedes e de cérebros complexos.

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS