Arcanos

6comentários

Olá Passal!… Passando só para mostrar para vocês como o trabalho de “Arcanos“ vai de vento em popa!…

Nas fotos,  a primeira leitura do roteiro do filme, com a parte do elenco sediada no Rio de Janeiro, realizada ontem, dia 1* de julho, na Casa de Lilia Cabral.

Na self tirada por Giulia Bertolli, da esquerda para a direita, ela, Giulia, roteirista e atriz; eu, Joaquim Haickel, roteirista, produtor e diretor; Claudia Moura, atriz; Elisa Tolomelli, Produtora; Lilia Cabral, atriz e produtora; Stepan Nercessian, ator; Guilherme Piva, ator; e Diego Freitas, diretor.

Na outra foto do grupo, tirada por Elisa, vemos Lilia, Stepan, Piva, Diego, Giulia, eu e Cláudia.

Depois, eu entre Lilia Cabral e Stepan Nercessian e entre Guilherme Piva e Diego Freitas.

Nós estamos ansiosos para fazermos a leitura com todo o elenco, do qual devem fazer parte alguns dos mais importantes atores maranhenses, entre eles, Romulo Estrela, Cesar Boaes, Breno Nina, António Saboia, Aurea Maranhão, Deo Garcês, Dionísio Neto, Al Danúsio, Claudiana Cotrim, Rosa Everton, Tácito Borralho, Urias Oliveira, Adeilson Santos, Erlanes Duarte, Thiago Almeida, Gisele Vasconcelos, Luna Gandra, Chico Pedrosa, Maria Ethel, Aziz Junior, José Inácio, Gilson Cesar, entre outros…

Vou contrariar minha querida amiga e parceira Elisa Tolomelli e  vou fazer um spoiler!… Nós desejamos que façam participações especiais em “Aracanos”, que tem São Luís como um de seus personagens principais, alguns dos mais importantes artistas maranhenses, como Alcione, Pablo Vitar, Thaynara OG, Mathy Lemos, Sobrevivente 13, Zeca Baleiro,  Turíbio Santos e Salgado Maranhão.

É muito importante que se diga também que este projeto está sendo realizado graças ao apoio da Lei de Incentivo a Cultura do Governo do Estado do Maranhão, através do patrocínio da Equatorial, da Prefeitura Municipal de São Luís, Supermercado Mateus, Psiu, Laboratório Cedro, Atlântica Serviços Gerais, Hotel Blue Tree, Pousada Portas da Amazônia, Ricardo Pororoca Eventos, Raízen, Cosan, Toyolex, Locadora São Luís, Centro Elétrico, Potiguar, Eneva,  Suzano Papeis, Dimensão Engenharia, Canopus Construções, Franere, Citelum, Alumar, Vale, SINDUSCON, ALM, TJ-MA, Câmara Municipal de São Luís, ACM, FIEMA, SET, SEBRAE, SENAC, CEUMA, Fundação Nagib Haickel, UNDB, Restaurante Vinagreira, Cabana do Sol, Pousada Porto Preguiça, Pousada Charm Atins, entre outros.

Além disso contamos com o incondicional apoio dos maiores e mais importantes veículos de comunicação do nosso Estado: Sistema Mirante, Sistema Difusora, TV Cidade, TV Bandeirantes, TV São Luís, TV Guará, TV Assembleia, TV UFMA, TV Educativa, dos Jornais O Estado do Maranhão, O Imparcial e Pequeno, além de 19 emissoras de rádios AM e FM nas cidades de São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Imperatriz, Timon, Caxias, Santa Inês e Bacabal, que farão matérias sobre o filme e exibirão um plano de mídia com propagandas dos patrocinadores deste primeiro grande projeto cinematográfico realizado pelo Polo de Cinema do Maranhão, que conta com mais de trinta produtoras de audiovisual de nosso Estado.

Pronto, falei!… Se bem que para isso ficar bem divulgado mesmo, deveria ser postado no Instagran da Thaynara OG, publicado na Revista do PH, no Colunaço do Pêta, e exibido no programada da Jecieny Dias…

Mas sabe, eu preciso dizer uma coisa pra vocês, meus queridos amigos. Eu estou muito feliz, realizado mesmo, pois formamos um grupo maravilhoso, com pessoas sensacionais, e estamos construindo um belíssimo projeto, cuja intenção é mostrar as belezas de nossa amada São Luís do Maranhão e de sua gente, através de uma história engraçada, carregada de emoção e otimismo.

Desde já agradeço a todos.

Que venha “Arcanos”, o filme… Pois a série já está em fase de gestação!… Mas sobre isso eu falo depois…

6 comentários »

Uma terceira via

2comentários

Algumas pessoas têm me pedido que eu faça uma análise sobre o panorama eleitoral para a presidência da República, em 2022. Pois bem, procurarei ao máximo, não manifestar juízo de valor pessoal sobre qualquer aspecto desta análise. Tentarei ser, como sempre faço, o mais imparcial que me for possível, mostrando os aspectos positivos e negativos de cada fato, ato, cenário ou pessoa.

Está mais que claro que as pessoas de bom senso de nosso país estão buscando uma terceira via política para fugir da triste sina de serem obrigadas a escolher entre um presidente boçal, desqualificado e incorrigível e um ex-presidente quadrilheiro, manipulador de massas e fingido.

Nenhum desses adjetivos são levianos ou despropositados. Algumas pessoas, de um lado e de outro, certamente discordarão de mim, mas essa é a minha visão.

A delimitação dos espaços está clara e facilita muito o entendimento de qualquer pessoa, por menos experiência e conhecimento que tenha sobre política. Temos os antagonistas posicionados dos dois lados do espectro político nacional, ou se preferirem, do ringue, do campo de batalha.

A direita aposta suas fichas na reeleição de um homem despreparado para o convívio social civilizado, incapaz de minimamente entender as regas básicas de urbanidade e civilidade, um asno que desqualifica o cargo que ocupa por não saber se portar dentro de regras sociais mínimas.

Por sua vez, a esquerda é representada por um sujeito que já foi tido como o maior líder popular que o Brasil já teve, mas que sucumbiu ao lado negro da força, desceu à mansão dos mortos e tal qual Jesus, ressuscitou, não no terceiro dia, mas no quingentésimo octogésimo dia, depois de amargar quase 2 anos, uns 20 meses na cadeia.

Gostaria de dizer que o meio do tabuleiro desse jogo, o centro desse campo de batalha, não está ocupado por ninguém, pelo menos, não por alguém relevante, que possa ter peso numa possível despolarização deste conflito. Mas não é exatamente bem assim. Existe um candidato que está se colocando como terceira via, disparando sua artilharia verborrágica nas duas direções. Vomitando de volta o refluxo nojento de Bolsonaro sobre o atual presidente e seus fanáticos apoiadores, e atirando as fedidas fezes produzidas por Lula e sua quadrilha de volta na cara da esquerdalha nacional, que não vê a hora de aportar novamente no poder.

Ciro Gomes, que prosaicamente tem o sobrenome do personagem icônico e progenitor da Família Adams, é aquilo que eu chamo de reles adjetivador. Um sujeito que fala bonito e não bem, que constrói suas sentenças empilhando adjetivos no sentido de impressionar a audiência, sendo que essas sentenças são totalmente desprovidas da necessária profundidade que sustente o que ele deseja expressar.

Se fosse um confeiteiro, um pâtissier, Gomes seria incapaz de fazer a massa ou o recheio do bolo, mas seria um exímio fazedor de coberturas, a parte decorativa da deliciosa e suculenta iguaria.

Ciro Gomes é o único nome relevante que se apresenta como possível terceira via, tendo em vista todos os demais não aguentarem um traque. Não possuem partidos fortes que os apoiem, não possuem apoio popular suficiente para encher uma Kombi, não se sustentam por mais de 30 segundos em um comercial de TV, não aguentam uma investigação minuciosa da PF, ou da Pastoral da Família, como de resto ocorre igualmente com os demais.

Moral da história: os cidadãos brasileiros de bom senso, aqueles que não desejam continuar na barbárie da incapacidade de diálogo amplo, com todas as tendências ideológicas, políticas e sociais, e não admitem voltar para o caos social, político e econômico, causado pela endêmica corrupção e pela falta de confiança, não possuem opção viável como saída para essa polarização, uma vez que em última análise, Ciro Gomes é tido como linha auxiliar de Lula. Já Bolsonaro é tão cáustico que nem linha auxiliar ele tem, o que enfraquece a posição das pessoas que se colocam com toda legitimidade na posição conservadora, numa direita moderada e não fanática.

Resumo da ópera: vamos rezar, e muito, para ver se aparece alguém em quem possamos depositar minimamente nossas esperanças. Até agora não vejo luz no final do túnel. Na verdade, não vejo nem o túnel!…

2 comentários »

O pior cego é aquele que não deseja ver

1comentário

O fato de eu ser um daqueles sujeitos que dão uma boiada para entrar em uma polêmica, seja ela filosófica ou política, e duas boiadas para não sair dela sem que tenha sido declarado vencedor, e ainda por cima, estar ocupando a Secretaria de Comunicação do município de São Luís, tem feito com que eu tenha me manifestado muito pouco através de meus artigos no jornal, repercutidos em meu Blog e Facebook, pois acredito que toda a visibilidade deve ser dada às ações da prefeitura como um todo e às ações, atitudes, gestos e manifestações do prefeito Eduardo Braide.

Mas para tudo há um limite e esta semana cheguei ao meu.

Fico abismado com a incapacidade de algumas pessoas em entenderem, ou melhor, em aceitarem o funcionamento dos mecanismos políticos, e olha que essas pessoas a quem me refiro são o que se poderia chamar de “caciques”.

Pois bem, esses “caciques” não conseguem admitir nem aceitar o protagonismo da Prefeitura de São Luís e o maravilhoso trabalho que vem realizando o prefeito Eduardo Braide e seus abnegados colaboradores, principalmente, neste caso específico, os da saúde, dirigida pelo jovem humilde e trabalhador, dr. Joel Nunes.

Por não admitir e não aceitar o sucesso decorrente de um trabalho sério, planejado minuciosamente e executado, tendo em mente aquelas quatro palavras iniciadas com a letra E – efetividade, eficiência, eficácia e excelência – é que muita gente resolveu inventar panaceias para tentar remediar seus insucessos no combate à pandemia de Covid-19.

Até gente da mais alta qualidade, pessoas a quem respeito, demonstram não entender que numa hora como essa, não interessa quem é que está realizando o trabalho, mas que ele está sendo feito, e bem, e que é isso deve ser apoiado e louvado.

Essa falta de humildade, essa incapacidade de enfrentar a realidade dos fatos, tem embaçado a visão dessas pessoas, transformando alguns em míopes e outros em cegos funcionais. Essa incapacidade de ver, ou melhor dizendo, essa falta de vontade de enxergar, de abrir os olhos para as coisas verdadeiras e boas que estamos realizando, pode custar caro para essas pessoas, como ocorreu na eleição do ano passado.

Mas o pior de tudo neste contexto apocalíptico, que em primeiro lugar é causado pela peste, e em segundo, pela “ignorância” ou mesmo pela má fé, é saber que a Defensoria Pública aventa a possibilidade de a vacina estar sendo ministrada preferencialmente para pessoas mais ricas, enquanto as mais pobres estariam sendo preteridas, fato que por si só seria um absurdo, se não fosse uma infâmia, uma aleivosia, uma canalhice mesmo.

Será que alguém, em sã consciência, acredita que o prefeito Braide, o secretário Joel e todo o pessoal envolvido com a vacinação em nossa cidade poderiam priorizar a vacinação para os ricos, deixando os pobres no esquecimento. Só sendo muito imbecil e canalha para pensar uma coisa dessas.

Pior é assistirmos uma reportagem na televisão de maior audiência da cidade, onde a repórter afirma que isso está acontecendo e como exemplo, coloca no ar uma mocinha de bem menos de 18 anos, que não é alvo da campanha de vacinação, dizendo que estava com medo de contaminar sua avó, pelo fato de ter ido visitá-la sem usar máscara!… Ora bolas, me comprem um bode!… Nós temos feito campanhas sistemáticas no sentido de conscientizar a população sobre a importância das medidas preventivas e sanitárias, e a mocinha não usa máscara, e isso é culpa da prefeitura!?…

Bem, acho melhor eu realmente me manter afastado de polêmicas, pois o trabalho que temos realizado é muito mais importante, tanto que São Luís tem sido notícia e notícia boa, em âmbito nacional e mundial, pelo trabalho no combate à pandemia e no sucesso da campanha de vacinação, tanto que nossa cidade ganhou o título de Capital Brasileira da Vacinação contra Covid-19. 

1 comentário »

Intimidade indesejada

0comentário

Intimidade pode ser uma coisa boa, quando ela aproxima as pessoas, quando ela serve para derrubar as barreiras que normalmente se apresentam em nossa convivência diária, seja entre parentes próximos como pais, filhos, irmãos, cônjuges ou até mesmo entre amigos.

A excessiva intimidade propicia inclusive dividirmos coisas pessoais como roupas íntimas ou escova de dentes. Mais que isso, intimidade é sinal de confiança, ela nos dá a sensação de que o outro é parte remota de nós mesmos e isso faz com que compartilhemos segredos inconfessáveis ao padre, ao analista ou ao espelho, na hora do balanço diário de nossas próprias vidas, mas abre uma janela ou uma porta que nos liga a um outro cômodo dessa casa que somos nós.

Infelizmente temos tido ultimamente intimidade com alguém que não é de nossa família, não é nosso amigo, nem de nossa confiança. Alguém a quem não desejamos a menor aproximação. A morte.

Essa figura tem convivido diariamente conosco. Às vezes ela passa ao longe, outras vezes ela nos ronda e algumas vezes ela chega mais perto de nós.

Antes, ela se apresentava de tempos em tempos, não era tão frequente e intensa a sua presença. Agora ela é presença constante em nosso dia a dia.

Se antes ela era mais seletiva, visitava quem mais fosse acessível, agora ela vem sem nenhum critério, aleatoriamente.

A mim parece que a presença dela é decidida em um desses jogos de azar bem simples e elementares, onde a probabilidade de perda ou ganho varia sempre em torno de 50%. Algo como par ou ímpar, como cara ou coroa… Torço para que este jogo se transforme logo em um jogo mais viável para nós, como o jogo da velha, palitinho ou mesmo jogo de dados.

Além de tudo que nos acarreta, a intimidade com a morte nos faz cada dia mais reclusos, individualistas, afastados das pessoas, não só pela precaução das medidas sanitárias de segurança e proteção, mas pelo medo mesmo.

Essa onda de intimidade com a morte tem uma causa maior, a pandemia de Covid-19, como no caso de meus tios afetivos Estelmo e Maria da Graça, mas a morte continua a comparecer usando outros convites, como foi o caso de tio Stenio, que foi atropelado e meu cunhado Antônio, que não resistiu a um câncer.

Não vamos extirpar a morte. Isso é impossível. Mas precisamos acabar com essa abjeta intimidade que ela tem imposto a nós. Precisamos contê-la, fazer com que ela volte a aparecer menos frequentemente. Essa senhora tem nos dado muito trabalho e não quero intimidade com ela.

Abaixo, relaciono algumas pessoas queridas que perdemos nos últimos tempos, com as quais a falta de intimidade tem nos feito menos felizes e mais tristes.

Meu cunhado Antônio Rocha; meus tios Stenio, Estelmo e Maria da Graça Barros; minha alegre sogra, dona Jacira; a tenaz Domingas; Seu Zé Maria Quariguasi; meu querido primo Fred; nossa querida prima, Olguinha Maluf; a jovem Natália Murad; Dona Eusuíta Costa Rodrigues; nosso amigo Rafael Lobão, atlético e saudável; o bom Henry Duailibe; minha comadre Alda, Verde, Vitorinha e Luiz Pedro, amigos da ALM; dr. Alexandre Dames; os confrades da AML, Cabral, Valdemiro, Milson e Sálvio; os queridos Aldionor Salgado, dona Maria Lucia e Reginaldo Teles; a vibrante Juja; o bom padre Bráulio; o titânico Morart Baldez; Zeca, o Belo, e seu irmão Totó; a bela e amável Cyntia Itapary; meu confrade, o padre João Resende, os amigos Pires e Clorisval; o espirituoso Saint Clair; Seu Eusamar, amigo de meu pai; o fotógrafo Meireles, lá de Pindaré… Devo ter esquecido de alguém… Me perdoem por isso… é que têm sido muitos… Estou cansado de relacionar e comunicar perdas, mas não me cansarei jamais de louvar os bons sentimentos que essas pessoas emanavam e que suas lembranças continuarão emanando.

Depois que este texto já havia sido publicado no Jornal O Estado do Maranhão, mais uma grande perda, soube do falecimento do meu amigo, locutor da Mirante FM, Rubinho Jones…

sem comentário »

Sarney 2022

0comentário

Até mesmo nas sociedades mais avançadas da terra, nos países mais desenvolvidos do mundo, uma pessoa com 90 anos de idade, é considerada idosa, isso para ser politicamente correto e não se dizer que ela é uma pessoa velha.

Nessa idade a maioria das pessoas já está senil, muitos sofrem de doenças degenerativas, a memória funciona mal ou já nem funciona mais. Nessa fase da vida as pessoas tem dificuldade de locomoção, e já não mantém a mesma capacidade cognitiva.

Mas em nosso país há um homem que já passou dos 91 anos e que se mantém, dentro de seus limites, ativo e capaz de discorrer sobre os assuntos mais importantes da atualidade.

Estou me referindo a José Sarney, personagem cuja trajetória registrei recentemente em uma produção audiovisual realizada em dois capítulos, um dedicado ao escritor, José, e o outro tendo como objeto o político, Sarney.

Na série feita para ser exibida nas televisões do Maranhão, do Brasil e do mundo, falamos do autor de poemas, contos, crônicas e romances, sobre os quais não desejo comentar aqui.

Hoje quero falar sobre o Sarney político, homem de 91 anos, que pensa melhor que qualquer um com menos idade e mais agilidade que ele.

Na série José & Sarney, procurei deixar bem distintas as causas, as circunstâncias, seus desdobramentos e suas consequências, no que diz respeito ao escritor e ao político. Mas, em que pese ele se declarar preferencialmente escritor por vocação e político por destino, eu prefiro vê-lo como um político por natureza, que para não afundar no lodaçal de seu ofício, se banha diariamente na fonte da literatura e da cultura, até para manter a sanidade e a paz de espírito.

Por conhecê-lo de perto, posso afirmar categoricamente que Sarney não é nenhum santo, mas também com a mesma exatidão da afirmação anterior, garanto que entre todos os políticos brasileiros, não há nenhum mais capacitado para o correto e sábio exercício do poder.

Esta semana, Sarney, a quem muita gente ousou taxar de ultrapassado e até mesmo de gagá, deu mais uma demonstração de genialidade e lucidez, ao dizer em entrevista ao jornal Correio Brasiliense, que aquilo que nosso país mais precisa é de uma reforma política e eleitoral que possa fazer com que voltemos ao eixo, que nos leve de volta a um roteiro verdadeiramente democrático e desenvolvimentista, que nos afaste desta crescente radicalização, que nos leva a quase um estado de guerra, que se não é efetivamente beligerante, é uma guerra tácita, feita de bombardeios de corrupção, disparos de desrespeito, explosões de intolerância e rajadas de incapacidade de diálogo.

Ao defender a adoção do parlamentarismo, regime muito parecido com o que na prática já temos hoje em dia, pois o poder do Congresso Nacional em nosso regime presidencialista, claramente não condiz com ele, Sarney dá a senha para abrir a cela na qual nos encontramos trancafiados.

Além disso, defende uma radical reforma eleitoral, acabando com o famigerado voto proporcional, causador de deformações e desequilíbrios profundos em nossa representatividade política, e a adoção de voto distrital misto, que coloque o parlamentar realmente mais próximo de seus representados.

Aos 91 anos de idade, o nosso mais longevo político, foi deputado federal, governador de Estado, senador durante 40 anos, quatro vezes presidente do Congresso Nacional e presidente da República, se dá ao luxo de receber o presidente atual, os outros ex-presidentes da República, para longas conversas, as quais ele faz questão de não comentar, por respeito à liturgia do cargo, mas de quebra, em entrevistas como a citada, dá aula de bom senso, equilíbrio, sabedoria política e inteligência emocional.

Enquanto Sarney dá demonstração de lucidez e conhecimento de toda a situação nacional, apontando as melhores soluções e caminhos para atravessarmos essa complicada conjuntura, assistimos vários políticos, alguns até de peso, se perderem em contradições e em incoerências.

Sarney já foi tido como um político antigo, velho, ultrapassado, mas ele tem provado categoricamente que continua agora como estava no apogeu de seu poder.

Se perguntarem pra mim em quem eu votarei para presidente em 2022, eu direi sem titubear: Em José & Sarney, pois a existência do primeiro, torna possível o segundo ser quem é.

Veja a foto da ilustração deste texto, pense um pouco e analise qual dos últimos oito presidentes da república poderia ser a melhor solução para os problemas que enfrentamos hoje em nosso país.

sem comentário »

Mateus 6:28-30

3comentários

Quem me conhece sabe que não sou religioso, até porque acredito que em muitos aspectos, alguns dos grandes problemas da humanidade são causados pela forma abusiva e manipuladora com que as religiões são usadas. Ocorre que dar esse título ao meu texto de hoje, significa reconhecer que também há nelas instrumentos, quase sempre esquecidos, capazes de resolver tais problemas.

Fico olhando o que está acontecendo em Israel e na Palestina e me pergunto se os políticos brasileiros se dão conta das merdas que eles estão fazendo com nosso país, e aí me volto para um texto de dois mil anos, conhecido de todos, e vejo que apesar de o conhecerem, ninguém dá a menor importância a ele.

Mas não custa relembrar. “Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais a vocês, homens de pequena fé?”

Ligo a televisão e vejo os mísseis disparados da Palestina contra Israel e os aviões de Israel atacando os territórios palestinos. Meu coração se contrai, minha garganta trava, minha boca fica seca e minha mente turva, ao ver a barbaridade que estes primos fazem uns com os outros já há tantos anos.

Entendo que a religião é um componente forte naquele conflito, mas acredito que já há algum tempo ela tenha passado a ser um fator de menor importância na tragédia que ali se desenrola.

Porém, o que mais me dói nisso tudo é saber que aquela gente, espremida em um pedaço de terra infértil, entre montanhas, desertos e desafetos, por três dos lados e pelo mar, salgado e inóspito do outro, daria qualquer coisa para estar em nossa situação, para serem brasileiros, em um país continental, de terras férteis, mesmo que governado por um presidente “genocida”, cujos adversários em sua maioria são “ladrões”, manipulados por uma imprensa “vendida”. Um país que tem uma Suprema Corte “canalha”, um Poder Legislativo “corrupto”, onde o crime organizado loteia as cidades e onde há um povo que aceita tudo isso “passivamente”.

Tanto palestinos quanto judeus estariam muito mais felizes vivendo no Brasil do que naquele inferno onde vivem.

Tenho certeza de que o Jacarezinho é um lugar melhor que Sderot, em Israel ou Rafah em Gaza!… Não que o Jacarezinho seja uma maravilha, mas por lá, os bandidos e a polícia não estão matando a população abertamente. Pelo menos abertamente ainda não!…

Enquanto no Brasil nós temos um presidente boçal, uma Suprema Corte política e não judicial, uma CPI no Senado cujo presidente e relator são réus em dezenas de processos na justiça, na Terra Santa, o primeiro-ministro de Israel, é um sujeito radical e violento, e o presidente da Autoridade Palestina é envolvido em atos de terrorismo, mas estes últimos facínoras, devido a todas as circunstâncias que os envolvem, são, a meu ver, bem mais razoáveis que os nossos.

Fico olhando pro mundo e me pergunto! Quando teremos um governante que possa fazer a diferença, que mude os rumos de nosso país, que nos dê esperanças verdadeiras? Alguém que não seja um marginal analfabeto que tendo se tornado um alento para o povo que via nele um igual, o traiu barbaramente, aparelhando sua quadrilha em todos os compartimentos administrativos de nosso país e roubando dele não só suas riquezas materiais, mas principalmente as espirituais, sua fé e sua esperança. Alguém que não seja um outro imbecil, que na falta de um melhor ou mais capacitado não nos deixou chance de escolha. Um que não seja um completo desperdício da mesma fé e da mesma esperança nele depositadas.

Quando será que poderemos sonhar com um Legislativo preparado, um Judiciário apolítico e uma imprensa honrada!?

As vezes tenho vontade de me alistar na Cruz Vermelha e me arriscar em alguma guerra ou em um campo de refugiados. Lá há mais futuro!…

Mateus 5: 9 – “Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus!”

3 comentários »

Ética argumentativa ou barbárie

0comentário

Partido do pressuposto que um argumento pode ser verdadeiro, indeterminado ou falso, se você afirmar qualquer coisa a respeito dele, mesmo que seja pra dizer que ele é falso, você o reconhecerá como verdadeiro, pelo fato de estar usando um outro argumento, mesmo que seja no sentido de contestar a outra afirmação argumentativa.

Parece complicado, não!?… Nem tanto! Veja!…

Não há como considerar inexistente uma coisa da qual você discorda, pois se você discorda dela, é porque ela existe. É impossível discordar de alguma coisa que não exista!

Mas vamos por partes. Vejamos o que é ética!  Ética é o conjunto de regras perenes, no tempo e no espaço, necessárias para a convivência pacífica entre as pessoas.

Sendo perenes, ou seja, constantes, estáveis, que não mudam em relação ao tempo e ao espaço, mesmo que não saibamos quais sejam estas tais regras, fica claro que elas só poderiam surgir provenientes de argumentações. Qualquer outra forma de tentarmos chegar a esse conjunto de regras, será através de métodos contraditórios, que é o mesmo que não perenes, o que acarretaria que não seria ético.

Todos os argumentos que não forem éticos não são perenes no tempo ou no espaço, como por exemplo o uso discricionário da violência ou da opressão, ou do preconceito, ou do cerceamento da liberdade ou da negação de direitos fundamentais, seja no Brasil de hoje ou de ontem, seja na África do Sul ou na Arábia Saudita ou na Venezuela, ou nos Estados Unidos.

Por outro lado, argumentação é o processo no qual duas ou mais pessoas tentam provar ou refutar determinadas afirmações. Neste caso é necessária a existência de pelo menos duas pessoas com posições divergentes, pois quando há concordância, não há contra-argumento, e sem ele não há debate, o que é fundamental para um ambiente ético.

Não há nenhuma possibilidade de haver argumentação ética ou ética argumentativa se não existir liberdade que lhe permita ser o proprietário de sua ideia e a posse de sua opinião, capazes de fazer você propagar e defender seu pensamento e o argumento que o define e sustente, como também da mesma forma, isso lhe obriga a reconhecer e respeitar o pensamento e o argumento daqueles que possuem posições contrárias à sua. Isso é a base fundamental da civilidade e do avanço civilizatório.

No momento que você assume a defesa de um argumento seu, perene no tempo e no espaço, você se obriga a respeitar e reconhecer como verdadeiro o argumento de outrem, da mesma forma perene e antagônico ao seu, mesmo que isso não lhe obrigue a aceitá-lo ou a defendê-lo

Essa interação entre argumento e contra-argumento em um ambiente ético e perene, cria a ética argumentativa que por sua vez estabelece um sistema de convivência harmônico, ou pelo menos é assim que deveria acontecer.

O que vemos, principalmente nos últimos tempos, de forma praticamente epidêmica, é que os argumentos não seguem uma linha de coerência. Eles mudam ao bel prazer do argumentador, que não usa critérios perenes, que não se mantêm constantes no tempo e no espaço, e mudam de caso a caso, de lugar a lugar, de pessoa a pessoa, segundo a conveniência de quem o propaga.

Assim fica impossível que se mantenha uma discussão saudável, que possa criar o ambiente indispensável para a evolução das pessoas e das sociedades, o que nos leva a conclusão de que sem ética argumentativa, não há humanidade e sem ela, só nos resta a barbárie.

PS: Escrevi este texto por dois motivos. Para que eu não me esqueça que um dia já desejei ser um grande e respeitado filósofo, e como forma de insultar os idiotas, que não tendo capacidade de entender nada do que foi dito antes, estão destruindo o mundo, politizando tudo, colocando cor ideológica e aromas partidários em tudo, fazendo com que não haja nada perene ou ético, o que desqualifica suas argumentações, acaba com o debate e coloca em risco a civilização.

sem comentário »

Arlete Nogueira da Cruz Machado

0comentário

Eu ainda era criança quando pela primeira vez ouvi alguém falar este nome. A pessoa que falava sobre ela, dizia que também era escritora, e das boas, a esposa do poeta Nauro Machado.

Anos mais tarde, jovem e inquieto escritor, fiz um poema usando os títulos dos poemas de Nauro. Durante aquela pesquisa, me vi intrigado ao constatar o fato de que todos os nomes daquela mulher, de quem ouvira falar quando criança, e a quem eu havia conhecido mais proximamente, pessoa tão aparentemente frágil, mas verdadeiramente muito tenaz, terem, mais ou menos, estreita relação com árvores.

Vejam só:

Arlete diz respeito a indivíduo proveniente de “floresta de amieiros”, nome vulgar de alnus glutinosa, árvore de médio porte, muito comum em Portugal.

Nogueira é outra árvore, esta bem mais conhecida, inclusive por suas propriedades medicinais, além de produzir um fruto conhecido como noz inglesa ou noz persa.

Da Cruz, faz uma poderosa ligação causal com o mundo vegetal, uma vez que a mais importante das cruzes, a de Cristo, era obviamente feita de madeira.

Machado, é um instrumento mundialmente usado para derrubar árvores.

Mas aquela análise sobre a poeta e seus nomes fortes ficou pra trás. Eu não tinha nem petulância nem intimidade suficientes para escrever sobre isso naquele tempo.

Dali por diante, passei a ser mais próximo de Nauro, Arlete e Frederico. Depois que meu pai morreu, todas as vezes em que me encontrava com Nauro, ele fazia questão de me dizer, um tanto sem jeito: “Seu pai era meu amigo, e mesmo não tendo sido um homem de letras, tinha grande sensibilidade!”

Em 2009 aconteceu um fato que marcou a minha vida. Eu fui eleito para a Academia Maranhense de Letras. Ocorre que naquela ocasião haviam duas vagas abertas na AML e os candidatos a elas eram eu e meu amigo Ney Bello Filho. Conversei com Ney e decidimos que o nosso ingresso na Academia poderia ser em outra oportunidade, então resolvemos ir até a casa de Nauro e Arlete para dizer a eles que nós estávamos abrindo mão de nossas candidaturas em nome deles, pois sabíamos que um dizia que só entraria para a Academia se o outro também entrasse, e aquela era uma oportunidade perfeita para isso.

Eu e Ney fomos muito bem recebidos pelo casal e por seu filho, tomamos um delicioso cafezinho com bolachinhas da Padaria Chaves e manteiga real, mas Nauro e Arlete não aceitaram ser candidatos. Os motivos exatos até hoje eu não sei ao certo.

O tempo se passou e tempos depois, Nauro veio a falecer e eu já acadêmico, voltei à casa de Arlete, desta vez com outra comitiva, mas para fazer-lhe o mesmo convite, e a resposta dela foi uma das maiores declarações de respeito e amor que que já ouvi em minha vida: “Não tem sentido nenhum eu entrar para a Academia. Nauro era quem deveria ter estado lá!”

Em seu filme “Litania da Velha”, Fred Machado dá som e imagem à maravilhosa poesia de Arlete. Este filme é uma bela homenagem do filho para a mãe e desta, para nossa mãe-cidade.

sem comentário »

Kátia Bogéa representa São Luís, o Maranhão e o Brasil em prêmio internacional sobre patrimônio histórico

0comentário

O amor pela história e a defesa da herança cultural brasileira resultaram na indicação da historiadora e atual presidente da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico de São Luís (FUMPH), Kátia Bogéa, ao Prêmio Internacional Hypatia em reconhecimento às suas ações em defesa do patrimônio histórico brasileiro.

Integrante da gestão do prefeito de São Luís, Eduardo Braide, Kátia nasceu em Sergipe, mas sua família se transferiu para o Maranhão quando ela era ainda menina.

A simples indicação ao prêmio Hypatia, concorrendo com outras 19 personalidades de diferentes países, que contribuíram no campo da pesquisa e promoveram o avanço do progresso e do conhecimento científico além da melhoria da vida da população, por si só já se configura como uma imensa vitória.

Além de Kátia Bogéa, somente uma outra brasileira, a professora paulista Niéde Guidon, que é arqueóloga e paleontóloga, responsável pelo maravilhoso trabalho realizado na Serra da Capivara, no Piauí, concorre ao prêmio, que concederá o mérito a apenas 10 dos 20 indicados durante a 5ª Bienal de Restauração Arquitetônica e Urbana, que acontecerá em outubro deste ano, na Itália.

Kátia, que tem uma trajetória de líder de um time profissional que busca a realização de estratégias mais eficazes de conservação das raízes de São Luís, foi também técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por 40 anos, além de ter sido superintendente do órgão no Maranhão e presidente nacional – uma das mais qualificadas do quadro que já presidiu a instituição. Referência na luta para manter viva a história, a regionalidade, os traços de nosso povo e a preservação da sua identidade artística e cultural, hoje um verdadeiro sacerdócio frente às transformações sociais pelas quais as capitais e grandes cidades atravessam em todo país e no mundo.

Esse ‘know how’ colocou Kátia no rol das 20 personalidades mais destacadas mundialmente neste setor. A participação dela na equipe do prefeito Eduardo Braide é um privilégio para a capital maranhense. Foi ela quem coordenou o Programa PAC das Cidades Históricas no Brasil e é responsável pelas candidaturas do Tambor de Crioula e do Complexo Cultural do Bumba-Meu-Boi do Maranhão, respectivamente, como Patrimônio Imaterial do Brasil e da Humanidade junto à Unesco.

O Prêmio internacional Hypatia é entregue dentro da programação da BRAU5, Bienal de Arquitetura e Restauração Urbana que acontece na Itália. O evento cultural internacional e interdisciplinar seria realizado originalmente de 15 a 30 de outubro de 2020, mas foi transferido para o período de 15 a 30 deste mês de abril e, agora, adiado para 16 de outubro em razão da pandemia.

O nome do prêmio homenageia a figura da filósofa e cientista Hypatia de Alexandria (a.c. 355-415), uma mulher que sabia como combinar e transmitir todos os campos de conhecimento de seu tempo e que, precisamente por essa razão, foi morta pelas forças da ignorância e do fanatismo.

sem comentário »

Quem não sabe é como quem não vê

1comentário

Faz alguns anos, entrei em um antiquário em São Paulo e depois de passar uma vista nos objetos em exposição, deparei-me com dois quadros colocados lado a lado, sobre um aparador. Eles estavam em molduras bem desgastadas e pareciam meras velharias, mas é disso que eu gosto nos antiquários, de coisas que fizeram parte das vidas das pessoas, que carregam consigo suas boas energias. Objetos que foram amados e que faziam bem para quem os possuía.

Um daqueles quadros, de certa maneira, falou comigo. Era como se ele dissesse baixinho, “Ei!… Me leva contigo”. É que algumas peças realmente falam comigo. Normalmente quando isso acontece, e eu po$$o, eu as levo.

Observei melhor o quadro e achei que ele me seguia com os olhos. Dei outro passeio pelo salão, voltei aos quadros e disse pra mim mesmo que aquela era a figura de São Pedro, pelo menos era assim que eu pensava que ele pudesse ter sido.

Imaginei que bem que aquele quadro poderia ter sido pintado por um grande artista, Michelangelo quem sabe, comprado por uma daquelas riquíssimas famílias paulistanas. Uma daquelas que na falência, seus herdeiros despreparados, venderam tudo que tinham e, por desconhecerem o valor de tal preciosidade, ela estava ali, desprezada, jogada bem em minha frente. O certo é que aquele pequeno quadro falara comigo, e aquela voz dentro de mim não poderia ser calada.

O outro quadro não me chamou tanta atenção. Enquanto o São Pedro era uma pintura a óleo, a outra era uma aguada, com finos traços de lápis delineando a figura de uma mulher nua, segurando um enorme cisne pelo pescoço. Achei este mais curioso que bonito, mas foi só.

Eu havia me separado e resolvido que jamais viveria junto permanentemente com outra mulher. Eu estava construindo uma casa que queria que fosse um lugar onde eu tivesse tudo que eu gostasse, que me fizesse feliz, e quadros, esculturas, objetos de arte ou do cotidiano são algumas das coisas que mais gosto. Era uma casa onde eu pudesse viver bem e sozinho, onde iria apenas pensar, planejar, escrever, cozinhar e de vez em quando convidar uma bela mulher para passar algumas horas, ou quem sabe até mesmo alguns dias agradáveis.

A casa deveria ser como a casa de Neruda, na Isla Negra. Um museu vivo, um local que por si só falasse de seu dono, de como ele era, do que e como pensava e sentia. Um verdadeiro santuário que guardasse tudo aquilo que eu gostasse e que me fizesse feliz.

Pois bem, aquele quadro de São Pedro que eu resolvi que fora pintado por Michelangelo, se bem que poderia ter sido por Rafael ou mesmo Leonardo, iria morar comigo em minha casa-museu.

Perguntei quanto custava para a simpática senhora de ascendência espanhola que me atendia e ela disse um valor salgado para uma peça aparentemente sem um valor artístico maior. Eu regateei, se bem que eu não sou bom nisso. Ela ficou intransigente e não sei de onde me veio a ideia de dizer que só pagaria aquela quantia “exorbitante” se aquele outro quadro viesse junto. A senhora olhou pra mim como quem diz “peguei um besta”, fez uma cara pensativa e concordou.

Ao chegar em São Luís, levei os dois quadros para meu amigo Régis limpar e colocar novas molduras.

Quando estava terminando a casa, coloquei o São Pedro numa parede estreita mas, central da sala e a mulher nua com o cisne, coloquei numa parede lateral, na entrada do meu banheiro.

O tempo se passou, eu encontrei uma mulher que mudou o rumo da vida que eu havia planejado pra mim e, apaixonado, resolvi desmontar a casa, pois ela não fazia mais nenhum sentido. Não desejava mais ser um eremita, nem morar em um museu, mas não deixei de amar meus objetos, meus quadros e minhas esculturas. Levei todos comigo para minha nova casa.

Um dia desses arrumando minhas coisas, tive a curiosidade de descobrir quem havia pintado aqueles quadros. Nunca havia me preocupado com isso antes. Vi que no São Pedro está escrito V. Caruso, que imagino seja Vicente Caruso, importante pintor paulista. Na Mulher nua com cisne, está escrito Ant Bourdelle, que imagino seja a assinatura de Antoine Bourdelle, um dos mais importantes artistas plásticos franceses, sucessor de Rodin como mestre em escultura da Escola de Belas Artes de Paris. Observando bem o papel e a tinta, desgastados pelo tempo, acalento a esperança de ser esta uma gravura da obra Leda, Zeus e o cisne de Bourdelle, não pelo valor venal da obra, que nem deve ser tão grande, mas pelo fato dela ter sido feita pelo professor de meu ídolo, Celso Antônio.

Ao saber disso lembrei de meu pai, que não apreciava muito, nem entendia de arte, mas que era sábio quando dizia: “Quem não sabe é como quem não vê”.

1 comentário »
https://www.blogsoestado.com/joaquimhaickel/wp-admin/
Twitter Facebook RSS