Parabéns e Obrigado!

0comentário

Pela primeira vez, na história do Maranhão, encontra-se à disposição de nossa comunidade cinematográfica um edital promovido pela Agência Nacional de Cinema, em conjunto com a Secretaria de Estado da Cultura, visando a realização de filmes que usem temáticas maranhenses, e pessoal preferencialmente nascido ou radicado por aqui.

Não vou dizer que isso se deve exclusivamente ao fato de o presidente da Ancine ser do mesmo partido político do governador de nosso Estado, porque, caso os governos passados tivessem procurado, nesse sentido, a entidade que organizou e tem dado um bom rumo ao cinema brasileiro, tenho certeza que outros editais já teriam sido realizados, pois estes certames são comuns em outros Estados e Municípios que se interessam em promovê-los. Mas também não posso deixar de dizer que se o governador e o presidente da Ancine não fossem próximos, esse edital não teria saído tão depressa como foi o caso.

De qualquer forma, a primeira coisa a ser dita, é que esse edital é muito bem vindo e que seja apenas o primeiro de uma série que virão para desenvolver e dinamizar o audiovisual em nossa terra.

Depois de feitos os devidos esclarecimentos e o merecido elogio, aqui vão as críticas, todas no sentido de ajudar, dentro de nossa pequena possibilidade.

O edital de cinema Ancine/Secma, que prevê o investimento de R$ 3 milhões, sendo R$ 1 milhão da Secma e R$ 2 milhões da Ancine, poderia ter sido melhor elaborado e dividido, o que talvez ainda possa ser feito, uma vez que as pessoas que fazem cinema no Maranhão não foram ouvidas antes da publicação desse edital.

Ao invés de 10 curtas-metragens de R$ 78 mil, acreditamos que deveriam ter sido R$ 20 mil de R$ 50 mil, todos destinados a cineastas principiantes, oportunizando assim uma maior participação da base nascente de nosso cinema, quando os recursos financeiros não são os ingredientes mais importantes e quando as produções realmente requerem menos recursos financeiros e muito mais criatividade e inventividade.

A subdivisão em telefilmes e longas-metragens reduz a possibilidade de apresentação de projetos. Esse critério deveria ser uma prerrogativa do produtor cinematográfico que se responsabilizaria também por escolher se faria um filme mais longo ou mais curto, estabelecendo com isso qual sua destinação, se para exibição em cinemas ou em televisão. Fazendo isso o edital engessa a produção, que poderia ser mais flexível e democrática.

Assim sendo restaria aos responsáveis pelo edital, a Ancine e a Secma, estabelecerem que R$ 1 milhão seriam destinados a projetos de documentários e R$ 1 milhão para projetos de ficção, que não fossem curtas-metragens, deixando por conta do bom senso dos produtores proponentes a mensuração dos valores de seus orçamentos. Essa divisão facilitaria também a construção dos projetos e as prestações das respectivas contas.

Seriam os produtores proponentes que teriam a obrigação de apresentar à Ancine e à Secma, projetos de orçamento condizentes com seus filmes e capazes de bem promover com sabedoria e consciência o cinema maranhense.

Alguém que apresentasse um bom projeto mas com um alto orçamento deveria ser preterido em benefício de quem apresentasse um outro bom projeto de orçamento mais baixo, que possibilitasse a realização de outras propostas, pois o interesse maior do edital não deve ser a concentração de recursos em poucos projetos, mas sim oportunizar que mais produtores realizem os seus.

Dito isso é a vez de fazer outras reivindicações, agora diretamente destinadas para a Secma: Em primeiro lugar, com relação ao próprio edital. Os produtores proponentes precisavam de esclarecimentos quanto a algumas questões que nele mesmo manda recorrer à Secma, mas lá ninguém sabia informar nada. Precisávamos de esclarecimentos imediatos, pois o prazo para apresentação das propostas é 29 de julho. Somente na última quarta-feira soubemos que Claudio Pinheiro e Edna Matos poderiam prestar esclarecimentos, o que foi feito.

Outra coisa que a Secma precisa fazer é estabelecer um organismo interno, comandado por alguém que seja do setor audiovisual, que possa manter uma boa relação com a comunidade que realiza trabalhos cinematográficos e afins no Maranhão, tanto que a Ancine colocou no edital um tal “Instituto Estadual de Cinema”, que não existe, mas que precisava existir.

Por fim, aproveitando a oportunidade, gostaria de parabenizar e agradecer.

Parabéns: Frederico Machado, que além de um bom cineasta é pioneiro em nosso Estado como distribuidor cinematográfico, com sua nacional e internacionalmente conhecida Lume Filmes; Arturo Saboia, sensível roteirista e minucioso diretor; Francisco Colombo, que se encontra em Portugal fazendo mestrado em cinema; ao inquieto e efervescente diretor Breno Ferreira; à minha querida amiga Isa Albuquerque, uma das pioneiras maranhenses nesse ofício; Mavi Simão que realiza trabalhos importantíssimos nesse setor; a um jovem de futuro brilhante, Marcos Pontes; a Rafaelle Petrini, um italiano que escolheu São Luís para ser sua Cinecittà; ao jovem Lucas Sá, nosso, quem sabe, se Deus quiser, futuro Almodóvar; a Cícero Filho que respira cinema, que o faz como sendo uma coisa que faz parte de sua alma e de seu corpo; ao pessoal dos Coletivos, como Luizes e Mulek, que fizeram filmes tão bons e importantes para o nosso cinema; à minha amiga produtora Cássia Melo e outros tantos…

Por último e nem por isso menos importante, gostaria de parabenizar e nesse caso também agradecer, aos meus queridos amigos e companheiros de trabalho no Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, MAVAM, e que realizam comigo projetos maravilhosos através do Polo de Cinema Ficcional, Documental e de Animação do Maranhão: Joan Carlos, Beto Matuck, Francisco Colombo, Fernando Baima, João Ubaldo, Celso Borges, Renata Valdejão, André Lucap, Cinaldo Oliveira, Talvane Lucato, Elinaldo Terel, Jeferson Santos, Rosangela Guimarães, Beto e Nádia Nicácio, Iramir Araújo, Israel Silva…

Obrigado aos que começaram isso tudo, muito tempo atrás. Obrigado Murilo Santos, Euclides Moreira Neto, Nerine Lobão, Raimundo Medeiros, Ivan Sarney, Newton Lílio… Obrigado aos irmãos Bacelar, Mauro Bezerra, Lindberg Leite, dentre tantos outros!

Graças aos que começaram o cinema e o audiovisual no Maranhão e aos que continuam nessa lida, poderemos deixar um bom legado para as futuras gerações.

 

PS: Viajo hoje para Portugal onde receberei um prêmio pelo nosso filme “A Pedra e a Palavra”.

 

sem comentário »

Sem Medo de Morrer

0comentário

Não sei o que é medo desde que fui confrontado com o maior dos medos que eu poderia ter em toda minha vida. O medo de estar sozinho, de ter que enfrentar as batalhas da vida sem um guia, um líder, o medo de ter sido abandonado. Desde o dia em que meu pai morreu perdi todos os medos que sempre acalentei em minha existência, até então um tanto infantil.

Digo isso para justificar que não senti nenhum medo quando no último dia 8 de julho, fui até a Assembleia Legislativa do Maranhão para conversar com alguns amigos e passei mal, tive uma súbita elevação de pressão, senti náuseas, e tontura, mas fui logo medicado pela doutora Jane, médica responsável pelo atendimento do plenário do Legislativo maranhense, que prosaicamente neste caso, leva o nome de meu pai.

Apoiado no deputado Alexandre Almeida e acompanhado do deputado Antonio Pereira e pela doutora fui levado à emergência do Hospital UDI onde fui atendido no setor cardiológico.

Durante todo aquele tempo, medo por mim, por minha vida foi a coisa que menos eu senti. Durante todo aquele tempo eu só imaginava no que deveria ter pensado meu pai quando foi confrontado com a fatídica morte.

Imaginei que ele tivesse voltado seu pensamento para as pessoas que mais amava, em como iriam ficar sua mulher Clarice, seus filhos Joaquim, Nagib e sua netinha Laila, as pessoas que conviveram com ele durante toda a vida, Teté, Loló, Lucia, Jorge, Celso, Santana… Deve ter lembrado de seus irmãos, de como eles ficariam sem ele que era o timoneiro do barco Haickel. Deve ter pensado como ficariam seus empregados na ausência dele, em como eu e Nagib iríamos organizar os seus negócios, quase sempre tão intrincados e confusos. Como ficaria a política de nosso Estado com o falecimento do presidente do Legislativo, que servia de ponto de equilíbrio naquele momento. Por um instante pensei as mesmas coisas, só que tendo a minha vida como ponto de partida. E a sensação foi a coisa mais parecida com medo que eu já senti nos últimos 22 anos, desde que não sei mais o que é realmente sentir medo.

Em meio a todo aquele transtorno do mal-estar e da minha ida para o hospital, para completar o vaticínio de meus pensamentos, eis que surge em minha frente, quando adentrava as quatro linhas do hospital, o velho amigo de meu pai, pessoa a quem Nagibão tinha como uma espécie de filho, o ex-deputado Marcony Farias, que estava ali com seu filho adoentado. O mais curioso nisso tudo é que meu pai morrera nos braços de Marcony e ao me lembrar disso gritei pra ele: “Não sai daqui, porque de duas uma, ou tu vai encomendar outra alma Haickel ou vamos ficar aqui batendo papo até me liberarem”. Naquele momento sabia que nada de mais grave me aconteceria.

Liberei Toinzinho e Marcony porque meus braços e minhas pernas haviam chegado. Meu motorista Marcelo ligara para meu irmão Nagib que largou tudo e em minutos estava no hospital. Só então pedi que ele ligasse para minha mulher, Jacira, para avisá-la, mas que nada dissesse para minhas mães e para Laila. Minutos depois Jacira estava agarrada na minha mão.

Ainda não cheguei ao cerne de meu assunto de hoje, vou tentar iniciá-lo agora.

Fui levado a uma salinha que continha duas macas e colocado na mais à esquerda, pois estava chegando uma paciente bem mais grave, que ficaria na outra. Não vi a paciente até me levantar para ir fazer as tomografias requisitadas pelas médicas que me atenderam.

Quando vi a senhora que foi trazida para a outra maca, naquele momento tive medo. Na verdade tive pavor de ficar daquele jeito, inutilizado para uma vida digna. A filha dela, que a acompanhava e cuidava dela com um zelo e um carinho dignos de mãe para com filha e não de filha para com mãe, diminuiu o meu choque, mas não o suficiente para impedir que eu voltasse a pensar em meu pai e agora também em minha mãe.

Tenho certeza absoluta que meu velho pai, que morreu antes de completar 60 anos, preferiria ter morrido como morreu, mais cedo, que vivido inutilizado por pelo menos um mísero dia. Esse também é o destino egoísta que eu desejo para minha mãe. Prefiro que ela se vá calma e tranquila, que nós fiquemos com a lembrança de sua alma leve e generosa, que ela não sofra um bilionésimo do que aquela senhora, ali do meu lado, estava sofrendo.

Fechei os olhos e voltei aos meus pensamentos. Enquanto percorria os corredores do hospital em cadeira de rodas, no caminho da CT e mesmo dentro daquela máquina, comecei a relacionar tudo que preciso fazer nos próximos meses, e quem sabe até anos, para deixar arrumadinhas as coisas e as vidas das pessoas que continuarão depois de mim.

Na lista que chamei de GE, pois eram as letras que eu via toda vez que abria os olhos dentro daquela geringonça circular em que estava, constam itens como solucionar todas as pendências relacionadas às minhas empresas, às sociedades em que participo, de preferência sair das que não sejam somente com meu irmão, relacionar os nomes de todos os meus credores e aquelas pessoas a quem devo alguma coisa, para que meus sucessores possam quitar alguma dívida que eu não tenha conseguido honrar até o inexorável momento, ou possam receber se for o caso, depois de mim…

Não penso em morrer. Deus me livre e guarde! Mas, entre viver inutilizado, sem dignidade e ir à grande viagem, prefiro o turismo incidental, aquele que não se sabe o destino da jornada.

 

PS: Agradeço a todas as pessoas que me prestaram solidariedade naquele momento e outras que ligam a todo instante para saber como estou. Agradeço principalmente ao meu compadre Gafanhoto, que não saiu do hospital até o momento de minha liberação e ao meu querido amigo-irmão dr. Luiz Cesar, que é o médico-anjo-da-guarda de toda minha família.

 

sem comentário »

Duelo de Gigantes!

1comentário

No dia 8 de julho, depois de um dia difícil, minha mulher Jacira disse que tinha uma coisa linda para ler pra mim. Era o texto abaixo, escrito por minha filha Laila, tendo por base, uma conversa que tivemos em um almoço de família, num diálogo dela com meu irmão Nagib.

O mais curioso nessa história é que Nagib, que não é dado a escritas, respondeu a Laila com um texto tão bom quanto o dela (veja mais abaixo) e eu me vi obrigado a perder a modéstia e publicar aqui em meu blog as preciosidades desses amores de minha vida.

É bom que se ressalte que os dois textos foram lidos por Jacira no almoço de hoje, 9 de julho, na casa de minha mãe Clarice e os mesmos arrancaram lagrimas dos presentes, a dona da casa, Mãe Teté, Laila, Joama, Nagib, este locutor que vos fala e a leitora oficial de nossa família.

Se vocês quiserem visitar o Blog de Laila, onde os textos foram originalmente publicados acessem: https://raiosebombas.wordpress.com

 Espero que gostem dos textos!

 

Hoje, o amor é uma rebeldia

Uma coisa é certa: o amor virou rebeldia.

Uns meses atrás travei um embate com meu padrinho num daqueles momentos raros que ele levanta o dedo em riste e diz que vai falar algo muito importante, “escuta, é sério isso… escuta!”, e acaba que é sério mesmo. Ele disse: “amor é uma escolha”. Essas palavras imprimiram uma chicotada na minha cara e lembro que exprimi uma testa franzida de menosprezo debochado. As palavras de alguém que o tempo tornara cínico o suficiente pra preferir uma vida sem essa espécie de enxaqueca, ou talvez alguém que não sabia o que era amor de fato. Rebati logo: e não é algo que apenas se sente e não se pode controlar? “Não”, sem qualquer freio de reflexão.

E essa escolha, não acaba fazendo o sentimento falso? “Não”. Eu não entendi aquilo. “Tu só envelheceu e deixou a graça de amar ficar velha junto contigo”. Eu não entendi mesmo aquilo. Como que eu poderia simplesmente escolher ou não amar. Como que se pode meramente ignorar ou cortar uma sensação boa que vai crescendo motivada por uma pessoa, o encantamento. Como que se escolhe “ah, essa pessoa aí eu vou amar”. Como, basicamente, COMO DIABOS alguém não se permite porque vai acabar tendo que lidar com umas coisas meio chatas ou mesmo péssimas em algumas alturas do campeonato.

Mas a verdade, meu ou minha camarada, é que o amor é uma habilidade. E se você não a tem naturalmente desprendida, você pode, inclusive, escolher ter. Uma aptidão que você escolhe sim, colocar em prática ou não. E quando você tem o amor-dom, que é o cerne do amor materno, é aí que tu tá lascado mesmo e precisa dominar uma técnica forte para torná-lo praticável.

Vamos esquecer aqui todos os conceitos de carência, insegurança e acasalamento. Vamos esquecer aqui todas as versões piratas de amor. O amor deve começar em ti, antes de tudo, de ti pra ti, ser capaz de te motivar a dar o teu melhor pro mundo, porque tu é feliz contigo, com quem tu te tornou. Tu é capaz de te enxergar. (If you can’t love yourself, how the hell you gonna love somebody else?!) (Se você não consegue amar a si mesmo, como diabos você vai amar alguém mais?). Ser capaz de te preencher em coisas e gestos e sensações que não dizem respeito ao seu/sua próxima futura ex. O amor começa em conceitos tais quais, o de amizade, de empatia, de compaixão, de bondade, de compreensão, de humildade e de insignificância. Insignificância mesmo, você é zero, nada, porra nenhuma. Você não é especial, você é só mais um com algumas características agradáveis dentre um bando de outros com suas características agradáveis. Você é mais um… só que você tem coragem.

Então, agora, podemos falar de amor.

Por que coragem é tão importante se tu já deu o check em tudo aquilo lá em cima, né? Ora bolas, primeiro porque todo mundo já se fodeu. Todo mundo é traumatizado. Tem gente que é traumatizado até por ter sido um merda e nem sabe. Já que conseguiu continuar vivendo numa boa aceitando ser um merda, pra quê mudar esse status confortável de podridão de ser, não é mesmo? Essa comodidade com o trauma é uma peste. Isso não é ser sabichão, maduro, sei lá o quê, isso é ser – desculpa se essa carapuça é certinho o teu tamanho – burro. Ignobilmente covarde. Quero dar um chute carpado na tua cara. Mas voltando… Segundo, porque se tem medo de, apesar de se saber capaz de exercer amor, não ter lá muita certeza se o outro é. E terceiro, porque apesar de traumas vencidos, quando alguém se dá a uma intimidade no nível de amor, seu equilíbrio se torna mais vulnerável, não é mais só seu.

Ninguém é uma montanha inabalável. Nenhum zen é capaz de amar como os humanos-animais. E nós, que entendemos tanto a necessidade quanto a grandeza do zen, ainda não queremos sê-lo. Nós queremos tê-lo, acessível só, pois nós ainda queremos ficar sem ar. E nós ainda achamos que poder ajudar alguém a ser sua melhor versão em uma intimidade que cubra tantos pontos, e ter alguém que tire o melhor de nossas capacidades dessa mesma maneira, não tem com o que comparar. Nós nos despimos cotidianamente do medo. Nós sabemos que não precisamos, que é mais fácil ficar sem, que é uma escolha. Porém, nós ainda somos meio como Johnny com June.

Tradução da carta originalmente escrita em inglês:

Feliz Aniversário Princesa,

Nós envelhecemos e nos acostumamos um com o outro. Nós pensamos da mesma forma. Lemos a mente um do outro. Nós sabemos o que o outro quer sem precisar pedir. Às vezes nós irritamos um ao outro um pouquinho. Talvez algumas vezes até pegue o outro na culpa.

Mas de vez em quando, como hoje, eu medito sobre isso tudo e percebo o quanto sou sortudo de compartilhar a minha vida com a melhor mulher que eu já conheci. Você ainda me fascina e me inspira. Você me influencia para ser melhor. Você é o objeto do meu desejo, a razão nº 1 na terra para a minha existência. Eu te amo muito.

Feliz Aniversário Princesa

John.

E eu me vejo numa geração de grandes egos. Grandes certezas, rasas opiniões. Irredutíveis pretos e brancos. Fodalhões, lindos, beijinho no ombro. Iludidos em seus maravilhosos diferenciais. Certos de serem subversivos só por terem caído de paraquedas num ponto da linha do tempo Histórica de grandes mudanças, mas fácil massa de manobra. Relações plásticas, baseadas em memes sem fim. Relações que parecem abortos porque melhor assim. Ultra radicais porque dão tapa na cara da sociedade. Consumidores pelo ícone, camuflados em um milhão de bandas e filmes pois que massa o pôster. Secos e molhados só na calça. Feitos de trouxa mas só de engraçadinho dizer. Fanáticos, FANÁTICOS, F-A-N-Á-T-I-C-O-S. Muito orgulho beber beijar beber beijar beber beijar porque não sou obrigada a nada. A nada. A velha ladainha do timing errado, sendo que é coração no lugar errado mesmo. Tá tudo na mão, autoestima baixa se cura num botão. É tudo designer e publicitário nessa porra porque administração já perdeu o posto da indecisão. É bonitinho, mas será que não sabe quem é Julian Casablancas?????? Indireta daqui, indireta de lá, inimizades plus size, amizades de curtida. Bota o teu, papai. Caralhada de tatuagem, desfalcado de personalidade. E cacetada de lágrimas no travesseiro, porque na realzinha: tu não é feliz. E a culpa é tua. Mas beleza, dos males o menor, na fortaleza que tu mostra, tu impera. E ninguém vai te dizer o que fazer. E vacilou, perdeu. E parabéns a você.

Eu olho pra geração anterior, e o vazio é o mesmo, só é mais brega.

Eu olho pra geração antes da anterior, e o vazio é o mesmo, só que já tá velho e cansado.

Eu olho pra gente, vocês como eu, e sabe… Dentre tantas formas de lacrar, a nossa coragem em escolher amar é a coisa mais rebelde que a gente podia fazer.

Laila Haickel

 

 

Um pensamento sobre “Hoje, o amor é uma rebeldia”

 

Minha ‘AMADA’ sobrinha e afilhada Laila ‘Razzo’ (que de raso não tem nada).

Nunca antes na história da gente, senti você tão próxima, isso talvez seja o seu sentimento de amor, que está fazendo você amar!!!
Obrigado por estar mais perto. Mas você poderia estar ainda mais perto!
Não me orgulho de quase nada na vida.
Vaidade é uma coisa que possuo sim, mas é em dose homeopática. Se pudesse dizer que me orgulho de alguma coisa, seriam essas: Meu irmão e teu pai, ele tem muito mais capacidade de amar do que eu, e vocês, nossos filhos, 03 ao todo – lágrimas de emoção. Tenho outros poucos orgulhos na vida, todos relacionados ao sentimento “amor”, que para me fazer melhor entender a você e aos seus “ouvintes” está intrínseco no verbo “AMAR”.
Vamos lá!!!
Amar é uma opção, é uma atitude. Amor, que é o que está dentro do verbo, esse sim é um sentimento. É fácil de explicar e é mais fácil ainda, de entender.
Mas não vou explicar como um conceito, e sim com um exemplo, e usarei pra isso, você mesma:
O que eu sinto por ti, é um amor profundo, que eu não sei de onde vem e é tão indizível, que chego a brincar dizendo “que se você não fosse minha sobrinha”, pegaria você, o que é absolutamente verdadeiro e aí, já estamos falando de uma, dentre tantas outras facetas do sentimento amor. Mas além de tudo isso, eu escolhi te amar, que através de uma palavra simples, podemos entender melhor: cuidar de vc.
Assim fica claro o que eu sinto por você(amor) e quais minhas atitudes em relação a você(aquele que decidiu amar).
Temos um exemplo no ocidente de grande relevância Jesus, que decidiu amar as pessoas. Mas temos outros também, Gandhi, Madre Tereza de Calcutá, sua avó Clarice, dentre tantos milhões de outros anônimos.
Talvez estes sejam os verdadeiros rebeldes, pois resolveram amar, sem necessariamente sentir nada pelas pessoas amadas, quiçá alguma compaixão.
Algumas pessoas, irão com certeza dizer que eu estou falando o óbvio, e elas tem razão. Nós só precisamos é deixar claro para nós mesmos (e não para as outras pessoas), quanta capacidade nós temos de amar sem sentir amor. Isso, de maneira nenhuma, anula nossa capacidade de sentir amor e aquela “sensação boa que vai crescendo motivada por uma pessoa, o encantamento”.
Um bom exercício para se poder amar, sem sentir amor, é fazer o que um ditado clichê diz: ‘para amar alguém, precisamos antes amar a nós mesmos’. Acredite, dá resultado, pois você não nutre a seu próprio respeito, sentimentos avassaladores, a menos que você esteja um pouco doente mesmo, né? rsrsrsrsrs
Um icônico exemplo de amar por amar, é um dos melhores desenhos animados que já assisti na vida: CORAGEM, O CÃO COVARDE.

Para os que não conhecem, “Coragem” é um cão vira latas que tem um verdadeiro sentimento de amor por sua dona, Muriel, uma velhinha completamente fora da realidade que se mete em assombrosos apuros. Mesmo sendo extremamente medroso, Coragem, sempre toma atitude de salvar sua amada Muriel, apesar do total desprezo com que ele é tratado por Eustáquio, marido da desastrada Muriel. Ocorre que esse tipo de amor, via de regra, gera sentimentos conflitantes o que é natural e genuíno.

Olho para a geração anterior, e o vazio é o mesmo, essa só é mais antiga.
Eu olho para a geração antes da anterior, e o vazio é o mesmo, só que bem mais antiga.
Olho para vocês, e vejo que vocês tem um mundão de oportunidades de serem rebeldes e escolherem amar.

Então, façam.

NHF

Espero que tenham gostado!

 

 

 

 

 

1 comentário »

Pelos Olhos de L. L.

0comentário

O MAVAM, Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, braço produtivo e operacional da Fundação Nagib Haickel, que tem como objetivo a identificação, catalogação, recuperação, digitalização e disponibilização de acervos de imagens e sons que digam respeito, direta ou indiretamente ao Maranhão, seja na área cultural, esportiva, social, empresarial, política ou qualquer outra, teve acesso a um vasto material que lhe foi entregue, parte pelo já falecido radialista, deputado e acima de tudo meu amigo, Mauro Bezerra, parte pela viúva do repórter cinematográfico Lindberg Leite e parte pela direção da extinta Fundação José Sarney.

O aludido material que consistia em umas duas centenas de fitas VHS e mais de cem rolos de filme em bitola 16 mm, em sua maioria mofadas e inutilizadas devido ao mal condicionamento, continham imagens quase sempre sem áudio, captadas pelas lentes argutas de Lindberg Leite e seus contratados, em trabalhos cinematográficos realizados em São Luís e em outros municípios do Maranhão, entre meados dos anos de 1960 e final dos anos de 1970, cobrindo assim um período de aproximadamente 15 anos de registros imagéticos sobre o Maranhão.

Consciente da rara preciosidade que tinha nas mãos a direção da Fundação Nagib Haickel tratou de disponibilizar recursos humanos e materiais, primeiro para o salvamento possível do referido acervo, depois para sua preservação, através de telecinagem para posteriormente realizar uma minuciosa e delicada digitalização de todo o material, o que resultou em mais ou menos 120 horas de imagens, de qualidade que não pode se chamar de boa, devido ao avançado estado de deterioração dos suportes físicos em que se encontravam.

Agora, a direção do MAVAM da FNH, em conjunto com as empresas e as pessoas que compõem o Polo de Cinema Ficcional, Documental e de Animação do Maranhão, grupo dedicado a desenvolver atividades audiovisuais em terras maranhenses, resolveu levar adiante o projeto que idealizou assim que teve conhecimento deste tão valioso acervo sobre a memória de lugares, pessoas e tempos que de certa forma foram salvos e eternizados “Pelos Olhos de L. L.”.

Graças ao trabalho desenvolvido por Lindberg Leite e pelos pioneiros do cinema e da televisão do Maranhão, poderemos ver eventos, lugares e pessoas que fizeram a história de São Luís e do Maranhão há 50 anos.

Desse projeto resultará um longa-metragem de 80 minutos, onde serão apresentadas imagens de fatos que ocorreram no Maranhão e foram registrados por Lindberg. São festas de carnaval nos clubes de São Luís, que inclusive não existem mais; desfiles de escolas de samba; partidas de futebol e outras modalidades esportivas; solenidades, como inaugurações ou palestras; festas juninas; feiras e exposições; alguns dos primeiros clips musicais produzidos no Maranhão; discursos de autoridades; casamentos e batizados; desfiles estudantis de 7 de setembro; a vinda dos membros do jornal O Pasquim para São Luís, quando Haroldo Tavares era prefeito; eventos culturais…

Todas as imagens apresentadas neste filme serão comentadas pelos próprios personagens contidos nelas ou por pessoas que os possam identificá-los e falar sobre eles, sobre seu tempo e sobre os eventos ali retratados e até sobre outros eventos caso sejam relevantes.

Usaremos imagens onde aparecem pessoas como Benedito Buzar, deputado cassado em 64, jornalista e atual presidente da Academia Maranhense de Letras; Cleon Furtado, arquiteto, tenista e folião famoso da cidade; Américo Azevedo, sobrinho-neto de Aluísio e Artur Azevedo, membro da AML, teatrólogo, comandando o desfilhe da Turma do Quinto; Luís Raimundo Azevedo, economista e testemunha da vinda do Pasquim para São Luís; Manoel Martins, historiador do futebol maranhense; Papete, músico e percussionista, que começou com Nonato e seu Conjunto; Alcione Nazaré, cantora; Jesus Santos, artista plástico; Eliezer Moreira, personagem e testemunha; Murilo Santos, cineasta e coautor dessas imagens; Aldo Leite declamando poemas de Nauro Machado que aparece com Arlete e com o futuro cineasta Fred Machado, seu filho. Esses entre outros tantos, além de coletarmos declarações de historiadores, psicólogos, sociólogos e antropólogos sobre aquele tempo.

Nossa intenção, ao idealizarmos este, projeto é de forma mais ampla, dar conhecimento ao tempo atual, à juventude de hoje, de como se vivia naqueles maravilhosos e turbulentos anos em São Luís e no Maranhão, porém de forma mais restrita nosso objetivo é possibilitar que um senhor na casa dos 70 anos possa se sentar em frente ao aparelho de televisão, na sala de estar de sua casa, ao lado de seu filho e de seu neto e mostrar a eles imagens que fizeram a sua juventude em sua amada terra. Imagens que ele não sabia que existiam. E mais que isso, ao guardar aquele filme, aquelas imagens, ele poderá fazer com que, mesmo depois de sua morte, seu bisneto, ainda no ventre de sua neta possa vir a saber alguma coisa sobre seu bisavô.

É no sentido de preservarmos a história das pessoas, de seu tempo e de seu espaço que pretendemos desenvolver este que pode ser apenas o primeiro filme de uma série que venha apresentar todo o acervo em posse do Museu da Memória Audiovisual do Maranhão da Fundação Nagib Haickel e que será executado por todos os cineastas maranhenses que desejem usá-lo, pois nós somos apenas os guardadores de um bem que não nos pertence, que pertence a todos os maranhenses, de ontem, de hoje e de amanhã.

Essa responsabilidade e esse orgulho nós temos. Preservar a nossa memória audiovisual, para que não nos esqueçamos jamais das pessoas que passaram ou não por nossas vidas e dos lugares pelos quais nós passamos ou aqueles que não tivemos oportunidade de conhecer.

“Pelos Olhos de L. L.” significará tudo isso: reconhecermos o valor do trabalho e da herança que nos foi legada por este grande profissional, identificarmos nela pessoas e fatos que fizeram a nossa história e preservarmos isso para nosso deleite e para as gerações futuras.

sem comentário »

Existem pessoas que não morrem!

1comentário

Amanhã, 15 de junho de 2015, se vivo fosse, João Mohana faria 90 anos.

Tenho certeza que muitos de meus leitores sabem quem é João Mohana… Isso mesmo! Quem é, pois o fato dele ter morrido, fisicamente, não impede que sua existência, que suas realizações, que seu trabalho o faça imortal, não apenas pelo fato dele ter pertencido à Academia Maranhense de Letras, mas por sua obra ter efeitos e consequências tamanhas que o faz presente cada vez que alguém lê um de seus livros ou põe em prática algum de seus ensinamentos.

Se tenho certeza que as pessoas de minha geração e até algumas de gerações mais novas que a minha conhecem João Mohana, também tenho certeza de que as gerações mais recentes nunca ouviram falar dele e infelizmente não sabem o que estão perdendo. Infelizmente essa pena que sinto das gerações mais novas não se restringe a não terem conhecido João, mas a também não terem conhecido Erasmo Dias, Maia Ramos, Bernardo Almeida, e tantos outros que já se foram.

João era filho de Anice, uma prima de minha avó Maria. As duas vieram do Líbano… Mas isso foi há muitos anos e eu só entrei nessa história por volta de 1965, quando com 5 aninhos, era levado da rua da Saúde para a Afonso Pena, para passar as tardes na casa da angelical tia Anice.

Antigamente, toda família que se prezasse tinha que ter um médico, um engenheiro, um advogado, uma professora, um comerciante, um político e um padre. Acho que na Família Mohana não tinha número suficiente para chegar ao padre, mas o médico fez o gosto do pai se formando doutor de corpos. Depois do falecimento do severo genitor ele conversou com sua mãe e entrou para o seminário, ordenando-se padre.

João trouxe do nascimento a vocação sacerdotal. Sempre quis trilhar esse caminho, no entanto o destino o levou primeiro à medicina que seria de grande valia no entendimento da vida humana.

E assim foi que nos idos de 15 de junho de 1925 a cidade de Bacabal viu nascer o primogênito do casal de imigrantes libaneses Miguel e Anice Mohana, “João”. Miguel como todos de sua ascendência era comerciante, comprava gêneros e vendia produtos.

Segundo o meu duas vezes confrade acadêmico, de Imperatriz e de São Luís, desembargador Lourival Serejo, os vianenses reivindicam parte da biografia de João Mohana, pois saindo de Bacabal, sua família morou por 15 anos em Viana, onde ele receberia as primeiras aulas de teatro da professora Anica Ramos.

O tempo se passou, João que já havia deixado Bacabal, deixara agora Viana e logo deixaria também São Luís, pois iria estudar para ser médico em Salvador.

Com a morte de seu pai em 1955, João estava livre para seguir outro caminho, que curiosamente vem a ser o título do livro com o qual ganhou em 1953 o prêmio que leva o nome de nosso conterrâneo, Prêmio Coelho Neto, distinção da Academia Brasileira de Letras.

João Mohana foi ordenado padre aos 35 anos, em 1960, pelo Seminário de Viamão, no Rio Grande do Sul. Em 1970, o padre Mohana foi eleito para ocupar a cadeira número 3 da Academia Maranhense de Letras e o motivo disto, hoje fica claríssimo, pois sua obra continua viva e dando frutos.

Além do trabalho sacerdotal, psicológico, humanista, literário, João Mohana é responsável pelo salvamento de grande parte da memória musical maranhense, através da maravilhosa pesquisa realizada por ele nesse setor.

Escreveu mais de 40 livros, divididos em diversos temas: literatura e teatro, religião, espiritualidade, psicologia e sexualidade.

Na literatura, o ponto de destaque são os dois romances: “O Outro Caminho” e “Maria da Tempestade”. Escreveu também “Sofrer e Amar”, “O Mundo e Eu”,Plenitude Humana”,Amor e Responsabilidade”, “Ajustamento Conjugal” e “A Vida Sexual dos Solteiros e Casados”. Alguns de seus livros foram traduzidos para o inglês, espanhol, alemão e italiano.

Ao registrar a passagem dos 90 anos do nascimento, não apenas de um primo libanês, mas de um homem que esperou pacientemente a oportunidade para realizar seu destino e construiu uma obra pioneira, não apenas para o Maranhão, como também para o Brasil e para o mundo, não posso me esquecer de dizer que foi João quem primeiro viu em mim o potencial de um dia eu vir a ser um escritor pelo menos razoável.

Temerosa pela minha dificuldade de leitura e pela minha dificuldade de concentração, minha mãe me levou até ao primo padre que me vez frequentar suas missas na Igreja da Sé, que me apresentou Khalil Gibran, que teve comigo muitas conversas sobre as coisas da vida e me disse que com dedicação e afinco conseguiria alcançar meus objetivos tanto na literatura como na política.

Lembro que uma vez João me disse uma coisa que só vim a entender totalmente depois que meu pai morreu. Disse que eu não tentasse superar meu pai naquilo que eu não soubesse fazer e que ele fazia como ninguém. Orientou-me no sentido de superá-lo em suas deficiências, que assim eu estaria dando a ele, de presente, uma coisa que ele jamais possuiria.

É uma pena que minha filha Laila e tantos outros jovens não tiveram a sorte de conhecer João Mohana, mas que pelo menos, saibam que ele existe. Eu disse e repito: Ele existe!

1 comentário »

Visita à Assembleia

3comentários

Estive na Assembleia Legislativa, na última terça-feira, 2 de junho. Fui ver como estava a tramitação de uma mensagem do governador de interesse da Academia Maranhense de Letras e aproveitei para conversar com alguns bons e velhos amigos.

Fiquei em plenário desde a abertura dos trabalhos até o início do grande expediente, onde um parlamentar pode se inscrever a cada 15 dias para tratar de um determinado assunto e usar da palavra, na tribuna, pelo prazo de 30 minutos, concedendo o direito aos seus colegas de aparteá-lo.

Durante o tempo em que permaneci em plenário, pude presenciar fatos que me fizeram ter vontade de voltar a ser deputado novamente, mas não na próxima legislatura, pois nem candidato serei. Quis ser deputado naquela hora, por ver coisas que com pequeninos consertos mecânicos fariam daquela manhã de trabalhos legislativos um verdadeiro concerto sinfônico.

Naquela manhã tive o prazer de cumprimentar outros dois ex-deputados que também estavam por lá. Luís Pedro, diretor adjunto de comunicação do Legislativo estadual e Zé Raimundo, cobrindo os trabalhos para seu programa de TV.

Ao me ver em plenário, como manda o protocolo e a boa educação, o presidente Humberto Coutinho, para registro nos anais da casa, destacou a minha presença.

Cumprimentei todos os parlamentares e conversei com alguns velhos amigos, para depois sentar-me ao lado do único parlamentar remanescente de meu primeiro mandato naquela magnífica legislatura de 1983 a 1987: Edivaldo Holanda Braga.

Aqueles quatro anos foram decisivos em minha formação como homem e como parlamentar.

Ainda frequentava a faculdade de Direito, vinha de uma rápida experiência como chefe de gabinete do governador Castelo, e aquele convívio com Bento Neves, Gervásio Santos, Celso Coutinho, Raimundo Leal e tantos outros, fez de mim parte do que sou hoje.

Não estarei errado em dizer que aquela foi uma de nossas melhores legislaturas, se não foi a melhor de todo o século XX.

O que eu vi na terça, 2, foi algo diferente do que aconteceu 32 anos atrás. Vi alguns bons jovens deputados, (não tão jovens como eu era naquela época, pois tinha 23 anos), mas não vi os mestres que poderiam fazer com que aqueles jovens saíssem desses quatro anos com um mestrado em política.

Se em 1983 tínhamos além de mim, outros jovens políticos iniciantes, como Chico Coelho, Luís Pedro, Alberico Filho, Haroldo Saboia, Ricardo Murad, Cesar Bandeira, que poderiam vir a ser políticos pelo menos razoáveis no futuro, tínhamos também grandes mestres para orientá-los. Mestres hoje não existem, em que pese tenhamos alguns bons parlamentares mais antigos, mas mestre é outra coisa.

Em matéria de política o mestre é escolhido pelo discípulo. É o neófito que escolhe qual dentre os mais evoluídos deve guiar seu passos. No meu caso escolhi dois mestres opositores, pois eu queria dominar proporcionalmente a arte do argumento e do contra-argumento, pois buscava aprender e controlar a arte do equilíbrio, da ponderação e da compreensão do momento político. Escolhi Bento Neves e Gervásio Santos para serem meus mestres. Penso que fiz uma ótima escolha.

Mas deixemos o passado um pouquinho de lado e vejamos o presente. Quando estive na ALM pude ver a boa performance de quatro jovens deputados. Três em seu segundo mandato e um no primeiro, mas tendo vivido toda sua vida envolto em política.

De um lado estavam Adriano Sarney e Edilázio Júnior e do outro Rogerio Cafeteira e Eduardo Braide. De pronto o que se vê é que pelo menos três deles são oriundos de famílias de políticos tradicionais e o quarto também o é, indiretamente.

Eu e “Dedé” (é como chamo Edivaldo Holanda) passamos boa parte do tempo analisando as performances desses e de outros parlamentares.

Observamos a grande dedicação de Eduardo, seu empenho pelo processo legislativo, sua obsessão pela legalidade, pelo regimento e pela Constituição. Um parlamentar indispensável em qualquer legislatura.

Do outro lado vimos um Adriano elegante, bem articulado, coerente, argumentando contra o governo e para isso usando o mesmo argumento usado por um de seus membros quando era oposição. Brilhante, mas menos eficiente do que poderia ser, tendo em vista que falta-lhe tempo, traquejo! Ele será um grande parlamentar.

Quanto a Rogerio, sou suspeito para analisar com total isenção a performance do líder do governo, pois confiei a ele boa parte de meus redutos eleitorais, mas posso dizer sem medo de errar que ele tem uma das mentes mais ágeis e um dos pensamentos mais práticos que eu conheço e é dono de uma grande inteligência. No entanto tem que aprender a se controlar mais, não ser tão explosivo, tem que, como Zeca Diabo, contar até 10.

O último dos quatro em tela é Edilázio, deputado que para mim foi a mais grata surpresa da legislatura passada. Confesso que não esperava tanto dele, pensei que seria um deputado episódico, mas demostrou que eu estava errado a seu respeito. Bem articulado, coerente, trabalhador, coloca-se de maneira clara no cenário, mas também precisa de lapidação.

A minha visita à ALM não foi para fazer análise sobre os trabalhos dos deputados, mas aconteceu!…

Vi coisas que com um pouco mais de tempo, de experiência e de traquejo não aconteceriam ou aconteceriam de maneira diferente, de forma mais eficiente, eficaz e efetiva.

Nosso Legislativo atual não é o mesmo dos tempos de Cabanos e Bem-te-vis, quando Sotero e Lisboa se digladiavam, ou do tempo em que Erasmo destilava sua virulenta verve em plenário, nem do tempo em que Santos e Neves debatiam. Nosso Legislativo hoje é desses jovens deputados que lutam para ser verdadeiros parlamentares. Vamos dar-lhes tempo para que possam mostrar a que vieram.

PS: No dia em que eu estive na ALM, não estavam lá três outros jovens, promissores e polêmicos deputados, Roberto Costa, Andreia Murad e Alexandre Almeida.

3 comentários »

Pedras e Vidraças

0comentário

Recebi na semana que passou uma mensagem por correio eletrônico onde um indivíduo que se identificou por José Maria de Jesus Silva, comentava sobre uma matéria que ele lera num blog sobre a minha pessoa.

Segundo ele, a referida matéria discorria sobre o fato de eu ser melhor como pedra do que como vidraça. Não me lembro de ter lido a tal matéria, mas isso não é nenhuma novidade, pois minha memória está cada dia pior, mas o fato relevante neste caso é exatamente o que eu acredito que deve ocorrer com todo mundo. Todos nós devemos nos sair melhor como pedra do que como vidraça e para provar minha teoria dou dois exemplos definitivos, com os quais não precisarei me estender em detalhadas explicações: Ricardo Murad e Flávio Dino.

Mas voltemos ao José Maria de Jesus Silva! Em primeiro lugar quase tive uma síncope quando recebi sua mensagem, pois esse nome é o mesmo do ex subchefe da Casa Civil do Estado, na gestão do governador João Castelo, tempo em que trabalhei como oficial de gabinete do Palácio. O professor Zé Maria era uma espécie de “come livros”, um rato de biblioteca que conhecia todas as formas de agir quanto a algumas situações legais. Mais tarde ele veio a ser conselheiro de contas dos municípios.

Assustei-me por um bom motivo! É que o professor Zé Maria, já faz algum tempo, deve estar comendo livros na biblioteca celestial! Como é que um homônimo de um de meus primeiros chefes hierárquicos vem me chamar à razão. Fiquei intrigado!

No texto, o tal Zé Maria diz que eu deveria aproveitar o preparo que eu adquiri em mais de três décadas de prática na política legislativa para arremessar alguns seixos nas reluzentes vidraças do poder da ocasião.

O caso é que o ZM esquece ou talvez nem saiba que eu não aprendi a jogar pedra. Isso é coisa que se aprende quando jovem ou então jamais se aprenderá. Desde cedo fiz política do lado de dentro das janelas. Somente por 4 anos, dois na administração de Zé Reinaldo e dois na de Jackson Lago, fiz parte da oposição e mesmo nesse tempo não estilhacei muitas vidraças, não mais do que o faria se estivesse do lado de dentro dos muros do Palácio, como fiz durante muito tempo em relação às vidraças de meu próprio grupo político.

Em meus anos como deputado, desenvolvi uma forma muito particular de agir em relação às coisas com as quais eu concordava e com as quais eu discordava. Quando concordava com algo eu citava, elogiava e cumprimentava o autor. Quando discordava, procurava o responsável, dizia o meu ponto de vista, argumentava sobre o possível equívoco e tentava demovê-lo de sua posição ou ser convencido de que o errado era eu. Quando não era meu o equívoco e o agente persistia no erro eu o criticava publicamente, mantendo minha coerência, buscando fazer com que as coisas mudassem.

Ocorre meu bom amigo ZM, que naquela época eu tinha embaixo de mim a tribuna da Assembleia Legislativa, na minha retaguarda as prerrogativas comuns a um deputado, sobre mim a mão pesada daqueles que me nomearam seu procurador e à minha frente a ideia que eu defendia. Hoje, nobre amigo, sou um cidadão comum, igual a você e ao caro leitor que me prestigia nesta leitura. Posso ter sob mim esta prestigiosa tribuna jornalística e literária, em minha retaguarda tenho somente as prerrogativas de cidadão, sobre mim a mão pesada de minha consciência e à minha frente, as mesmas ideias que defendia antes, defendo hoje e pretendo continuar defendendo enquanto vida tiver. Mas os efeitos de minhas palavras e de minhas ações, meu nobre amigo, não são os mesmos, não têm a mesma força nem causam as mesmas consequências, talvez até não causem efeito algum.

Outro dia minha mãe me ligou para dizer que havia passado a manhã inteira assistindo a TV Assembleia e que havia ficado entristecida por ver que os deputados estavam preocupados unicamente em atacar ou defender o governo, não dando a devida importância para outros assuntos que segundo ela, devem ser colocados acima de qualquer posicionamento politico, partidário ou ideológico.

Ora, se minha mãe, uma senhorinha de 85 anos de idade sabe que existem coisas que não podem estar impregnadas pelo vírus da politica, do partidarismo e da ideologia, e algumas pessoas que tem obrigação de saber isso, não dão a devida importância para o assunto, não serei eu, meu amigo Zé Maria, que vou sair jogando pedras nas vidraças alheias. O máximo que farei será defender as ideias que reputo como indispensáveis para que se tenha um clima republicano e democrático de debate, onde todos possam dizer o que pensam, com responsabilidade e correção.

Aprendi desde cedo que em matéria de política, a maioria das coisas referentes a ela, é definida por uma mera questão de opinião, e quem detém o poder tem claramente uma opinião mais forte… Isso quando quem detém o poder tem sabedoria suficiente para transforma-lo em capacidade de realização e de transformação da quase sempre difícil realidade.

Eu comecei a pensar, a filosofar e a escrever, bem antes que comecei a fazer politica, mas nem por isso posso dizer que penso, filosofo e escrevo melhor que exerço o ofício que Aristóteles dizia ser comum à humanidade, e é exatamente por isso que eu lhe digo amigo ZM, é melhor eu tratar de melhorar meus pensamentos, minha filosofia e minha literatura que ir jogar pedra em vidraças de quem quer que seja, pois como já disse anteriormente, não aprendi a jogar pedras. O máximo que consegui aprender foi o método socrático de me posicionar num debate.

 

PS: O método socrático consiste em uma técnica de diálogo onde se faz uso de perguntas simples, quase ingênuas, com o objetivo, em primeiro lugar, de revelar as contradições presentes na forma de pensar do oponente, normalmente baseadas em valores e preconceitos comuns nas pessoas e na sociedade, e assim fazer com que ele possa redefinir seus valores e quem sabe até, aprender a pensar da mesma forma.

sem comentário »

Nasceu pra ser feliz!

1comentário

Existem alguns fatos bastante curiosos em nossas vidas. Do momento em que nascemos até o momento em que constituímos família e geramos nossos filhos, tempo que varia de vinte e cinco a trinta anos, somos unicamente filhos de nossos pais. Dai pra frente, durante outros 25, 30 anos somos preferencialmente pais de nossos filhos. Ocorre que no período em que contamos com uma idade que vai de 50 a 55 anos, passamos a ser preferencialmente pais de nossos pais para em seguida, quando estivermos na faixa de 75 a 80 anos, se tivermos sorte, sermos filhos de nossos filhos.

Esse é o ciclo natural da vida. Mas há um motivo para eu estar aqui, hoje, comentando esse assunto com você, caro amigo(a). É que de um tempo para cá, desde que minha mãe completou 85 anos, me preocupo cada dia mais com ela, com sua saúde, com sua qualidade de vida e com o destino inexorável que espera por todos nós no final de nossas histórias, como protagonistas presentes e atuantes em nossos enredos.

Minha mãe já sobreviveu à ausência de meu pai por 22 anos e nesse tempo aprendemos mais com ela do que nos 33 anos antes desse fato.

Ela é uma mulher incrível, e não digo isso por ela ser minha mãe, digo isso pelo fato dela acabar sendo mãe postiça de uma infinidade de pessoas das mais diversas origens e procedências, pessoas que se afeiçoam a ela pelo seu jeito de ser e de agir, pelo seu coração de ouro e sua alma de cristal.

Outro dia recebi um telefonema de Teresa Nascimento, uma amiga minha de longas datas, pedindo para eu dizer à minha mãe que ela estava tentando falar com ela e não conseguia, seu celular chamava e ela não atendia. Teresa conhece minha mãe há muitos anos, mas as duas se tornaram muito ligadas graças às atividades da igreja.

O famoso padre Claudio, do Cantinho do Céu, trata minha mãe com deferência semelhante a que trata sua própria genitora, o mesmo ocorre com todas as pessoas de seu convívio naquela maravilhosa comunidade cristã, a qual, em que pese eu não ser frequentador, eu muito admiro. Em minha defesa poderia citar Margareth e Zé Reinaldo, este meu contemporâneo do Colégio Batista, hoje companheiro de minha velha nas obras da igreja.

Madrugada dessas acordei sobressaltado, com um peso no peito e um nó na garganta. Por um instante fiquei imaginando o que poderia eu estar sentindo, já que sempre me vi como um sensitivo bastante perspicaz. Poderia ter imaginado que algo teria acontecido com alguma de minhas filhas, principalmente com a mais nova que é roqueira… Nem cogitei! Poderia ter imaginado que fosse algo com meu irmão que toma umas cervejinhas nos fins de semana… Nada! Minha preocupação foi direto para minha mãe, que naquela hora estava dormindo tranquilamente em sua caminha.

Fiquei imaginando o que aconteceria comigo, com meu irmão, com todos que a amam se algo de ruim acontecesse com ela. Fiquei apavorado! Não consegui mais pregar o olho.

Dias se passaram e voltei a imaginar esse cenário catastrófico, mas dessa vez resolvi pensar com a cabeça de minha mãe, analisar isso tudo como se fosse ela e foi como se a ouvisse dizer: “Meu filho, eu nasci pra ser feliz e o serei enquanto Deus quiser”.

A única coisa que eu peço a esse Deus ao qual minha mãe dedica tanto trabalho e amor é que ele não permita jamais que ela sofra, pelo menos não mais do que ela possa dignamente suportar.

Gostaria que você soubesse, caro leitor(a), que quando comento isso com você não é na tentativa de me vangloriar pela mãe adorável que eu tenho. Cada um de nós tem a sua. Falo para que você saiba que as preocupações que você sente em relação aos seus entes queridos são comuns a outras pessoas e possa saber que o que você sente também é sentido por muita gente. Então, seja bem vindo ao seleto grupo dos que se preocupam com o bem estar de seus maravilhosos velhinhos.

 

PS: No que diz respeito ao quesito mãe eu e meu irmão somos felizardos. Tivemos três. Além de Clarice, que sentiu as dores dos partos, nós também tivemos duas mães de criação, que se dedicaram a nós com amor e devoção: Yolanda, que era uma espécie de enfermeira, e já se foi… E Estelita uma espécie de “disciplinadora”, que nos acompanha até hoje, com a qual temos as mesmas preocupações.

 

 

1 comentário »

A contabilidade da Vida

0comentário

Já falei desse assunto aqui, mas acredito que nunca seja demais comentar, principalmente usando uma abordagem nova, tendo como base uma matéria que realmente não controlo e que me deixa um tanto inseguro. Trata-se de contabilidade, mas não aplicada aos negócios ou às empresas. Falo da contabilidade necessária para aferirmos se somos felizes ou não, ou melhor dizendo, se somos mais ou menos felizes, nesse ou naquele tópico da vida.

Vou fazer a minha contabilidade para que você use-a como base para fazer a sua e possa ter uma noção do que se passa com sua vida.

Comecemos pela contabilidade da saúde: eu tenho um pouco mais de crédito do que débito nesse setor. Imagino que por enquanto o balanço aqui seja de 55 x 45. Fico pouco enfermo, uma ou outra dorzinha de cabeça, raramente fico resfriado, mas tenho um relevante sobrepeso, minha taxa de tolerância a insulina começa a se elevar, aos 55 anos fiquei hipertenso e preciso repor minha B12… O quadro parece difícil, mas tudo isso é controlável, desde que eu obedeça aos médicos, tome os remédios, faça dieta e exercícios físicos… O que me leva diretamente a uma segunda análise. Sou mais desobediente que obediente.

Outro quesito a ser analisado é o da família. A minha é uma família equilibrada, bem estruturada, nela as pessoas se amam e os problemas que enfrentamos são apenas os problemas inerentes ao dia a dia. Nesse campo poderia dizer que o jogo contábil seria de 85 x 15.

Amigos: nesse âmbito posso dizer que sou um artilheiro. Tenho infinitamente mais pessoas que posso chamar de amigos que aquelas que seriam o oposto disso, coisa que imagino não ter nenhum. Ter um Inimigo é como ter um câncer. Quem tivesse vários inimigos teria vários cânceres. Eu gosto de imaginar que tenha adversários em algumas questões. Gosto até de cultivá-los para que na lida com eles possa aparecer o melhor de mim. Preocupo-me muito em não permitir que nenhum adversário se torne um inimigo. Se aparecer algum terá sido por escolha dele, jamais minha.

É bem verdade que existem algumas pessoas que não gostam de gente. Alguns têm até certa razão para isso. Não os culpo, mas o problema é muito mais deles do que meu. Alguém magoado ou inconformado com algo que eu tenha feito, com uma posição minha… O certo é que nesse balanço contábil da amizade tenho um superávit de 90% contra apenas 10% de déficit, além do que, eu costumo dizer que pra gostar de mim só precisa esquecer os preconceitos e me conhecer melhor!

Nos negócios, o balanço, apesar de ser também superavitário, é mais complexo. Existem fatores extremamente delicados e voláteis a serem analisados. Nossos negócios nunca dependem só de nós. Uma série de fatores influenciam a análise desse tópico, mas vamos tentar.

Mesmo sofrendo as influências do mercado, das regulamentações do poder público que a maioria das vezes é caolho e tacanha, mesmo sendo atingidos por concorrentes nem sempre bem intencionados, temos sobrevivido satisfatoriamente. Não somos tão poderosos quanto algumas pessoas imaginam, mas também não somos tão fracos quanto outros supõem. Imagino que esse balanço esteja na casa do 60 para 40.

Exerci cargos públicos entre 1979 e 2014 e durante todo esse tempo, por onde passei, de oficial de gabinete do governador, a deputado estadual, sendo deputado federal constituinte e secretário de estado, acredito que realizei mais coisas boas que coisas não tão boas. Sempre busquei o acerto, sempre lutei pelo equilíbrio, sempre persegui a coerência, todas essas coisas muito difíceis de serem alcançadas no mundo da política.

Nesses 36 anos, posso não ter conseguido só vitórias, mas jamais perdi uma eleição e sempre mantive a postura inerente aos bons políticos.

O contabilista que há em mim diz que meu superávit nesse quesito é de 75 contra 25 de déficit natural da função. Caso alguém conteste esses números posso facilmente provar que eles estão corretos, para isso basta que chamemos para depor correligionários e adversários meus do município de São Domingos do Maranhão, por exemplo, e quem não acreditar em minha contabilidade descobrirá que sou amado por uns e respeitado pelos outros. Se isso não for suficiente apresentarei as leis de incentivo à cultura e ao esporte, de minha autoria, motores desses setores em nosso Estado. Se isso não bastar, que levante minha ficha na justiça veja quantos processos existem contra mim!

O balanço agora é o cultural. Neste eu começo em débito. Nasci em uma família de classe média, meus pais não tinham largos horizontes culturais e mesmo assim eu abri o meu caminho com uma incrível dificuldade de leitura e uma desenfreada inquietação. Hoje, essas duas coisas são tidas como doenças: Dislexia e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Começando daí tinha tudo para não ir a lugar algum. Minha mãe e minha professora Terezinha, intuitivamente, inventaram um método de me fazer aprender com mais clareza e agilidade: pelo ouvido e pelos olhos. O audiovisual salvou minha vida intelectual.

Depois disso subi degrau por degrau até chegar aqui onde estou, na base da pirâmide cultural de minha terra, e de onde acredito não vou sair. O topo não é para mim. Sempre preferi os coadjuvantes. Como digo em um poema, “Não se esqueça dos coadjuvantes eles são mais importantes e necessários que você imagina”.

Com um placar 65 x 35, penso ainda em melhorá-lo, mas tenho consciência de que se o fizer vai ser mais pelo trabalho que eu e meus formidáveis parceiros temos realizado no resgate e na preservação da memória audiovisual do Maranhão que em meu mérito pessoal.

Já contabilizei minha saúde, minha família, meus amigos, meus negócios, a política e a cultura, resta apenas dizer que no que diz respeito ao amor eu sou um felizardo. A maioria das vezes que amei, meus amores foram correspondidos em quantidade, qualidade e intensidade, quando não o foram eu os usei como combustível para meus poemas, contos e crônicas. Nesse ponto penso que o balanço é de 95 x 5, e o superávit aumenta a cada dia em que vivo com Jacira.

Somei todos os balanços, os prós e os contras, e cheguei ao resultado médio de 75 x 25. Com um placar assim meu amigo, você acha que alguém pode reclamar da vida.

Faça a sua contabilidade, os seus balanços. Espero que os resultados sejam positivos e que você os possa melhorar a cada dia.

 

sem comentário »

No Escurinho do Cinema

0comentário

Já faz algum tempo que eu tenho vontade de fazer uma pergunta pra você que me prestigia com sua leitura, aqui nesse privilegiado espaço. Será que você poderia me dizer o que é mesmo que as pessoas vão fazer nas salas de projeção de cinema?

Pergunto isso porque acredito que assistir a filmes é uma das coisas que algumas pessoas não vão fazer nesses lugares.

Eu vou, pelo menos uma vez por semana ao cinema, sendo que às vezes vou a este lugar de entretenimento duas vezes na mesma semana e chego a ir até três vezes, quando a oferta de filmes é generosa. Com essa frequência acabo sendo testemunha da existência de grande quantidade de uma espécie de hominídeos, similar ao grupo de criaturas bípedes do qual eu e você fazemos parte, que infelizmente, assim como nós, também frequentam esses lugares.

Vou tentar ajudar você nessa investigação sobre o que alguns dos descendentes de Caim, de um ramo diferente do nosso, vão fazer nas salas de projeção de cinema.

Em primeiro lugar, vamos estabelecer os tipos desses seres quase alienígenas que convivem conosco nas escuras salas onde a sétima e mais polivalente das artes humanas se consuma:

Existem os que vão para o cinema se alimentar. É como se aquele local e aquela atividade, lhes propiciasse um apetite desenfreado. Eu até entendo que o hábito de comer uma pipoquinha e tomar um refrigerante no cinema é uma coisa saudável e ajuda a entrarmos no clima, a ficarmos à vontade, como se em nossa própria casa estivéssemos. Ocorre que uma coisa é uma pipoca e outra coisa é um excessivamente aromático Mac Fish, capaz de infestar com o cheiro de peixe e de cebola toda a sala, fazendo com que até pessoas que não suportem sanduiches de peixe queiram dar uma mordida no maldito, fazendo com que o desconcentrado vizinho divida sua atenção entre a guloseima e a talentosa Juliane Moore que na tela interpreta a esquecida “Alice”.

Outra coisa importante. Anteriormente disse que a pipoca e o refri podem nos fazer sentir estar em casa, mas em que pese este sentimento ser importante, não devemos jamais esquecer que não estamos. Estamos no cinema, logo não devemos nem podemos colocar os pés na poltrona da frente, como se estivéssemos na sala de estar de nossa residência.

Voltando a falar de comida. Um dos pecados capitais nos cinemas de todo mundo são os pequenos ruídos causados pelos saquinhos de guloseimas que levamos para dentro das salas. Deste pecado nem eu, nem o papa Francisco estamos absolvido. Saquinhos de pipoca, embalagens de balas e bombons bem como qualquer ruído pode distrair o vizinho de uma cena imperdível de “O Enigma”. Pecado capital!

Ainda na categoria das comidas existem os porcalhões, que se não atrapalham o filme, acabam com a higiene e a civilidade do ambiente.

Outra categoria de atrapalhadores dos cinemas são os namorados, que hoje estão democraticamente divididos em três categorias distintas e em duas classificações de comportamento. Comecemos pelos comportamentos. Existem os discretos e os indiscretos, aqueles que parecem que vão ao cinema porque não encontraram outro lugar mais aconchegante para se pegarem. Estes fazem tantos e tão variados barulhos, que nem a mais discreta das criaturas, e eu não me incluo entre essas, deixaria de notar e observar.

Vejamos agora as categorias, e é bom que se diga que a existência delas está assegurada no artigo quinto da Constituição Federal. A categoria 1 é composta por uma pessoa do sexo masculino e outra do sexo feminino. Estes, com raras exceções, são os menos mal comportados. Depois, vem a categoria 2, composta por duas pessoas do sexo feminino, que se pode dizer que tem um comportamento aceitável na maioria das vezes, mas cometem um outro grave crime que será mais adiante abordado. Incontinência digital. Por fim, na categoria 3, formada por duas pessoas do sexo masculino, os campeões de pegação no cinema. Ou é isso ou é azar meu. Talvez o problema seja o lugar que eu sento no cinema. Escolho sempre a última fileira, na direção do corredor e alguns rapazes escolhem exatamente a última fileira, nas duas cadeiras, as mais próximas à parede. Um dia, ou melhor, uma noite, quase eu interrompo os amassos de um casal de rapazes, pois estava com medo que um deles matasse seu companheiro de tanto espremê-lo contra a parede, ou mesmo de asfixia. Isso sem falar nos frenéticos ruídos dos beijos.

Quero deixar claro que aqui não há nenhum ingrediente de preconceito quanto à opção sexual de cada um, o que há é a indignação de quem adora filmes e que vai ao cinema para assisti-los. Quando quero pegar minha mulher de jeito, o faço em casa ou em algum outro local reservado, onde só eu e ela contracenemos.

Existem ainda aquelas pessoas que vão para o cinema bater papo. São amigos falantes, casais que discutem as relações, pais que tentam explicar para os filhos o que está acontecendo no filme, ou traduzir para eles o que disse um ou outro personagem.

Falar baixo e discretamente dentro da sala de cinema não chega a ser uma violação gravíssima. Eu também falo no cinema, faço um ou outro comentário, mas fazer como o casal que certa vez sentou-se ao meu lado e passou o filme inteiro comentando os problemas da família de um parente… Eu estava a ponto de dar um grito, e olha que eu sou bem paciente!

Esse é o segundo pior tipo de vizinho de poltrona de cinema. Ele só é superado pelos mais imbecis de toda a galáxia: Os usuários compulsivos de telefones celulares e de todos os aplicativos de comunicação à disposição deles.

Outro dia quase avanço sobre um rapaz que tinha na mão um objeto luminoso que me fazia lembrar o vulcano “Spock”. Ele tilintava o instrumento e as luzinhas piscavam como em “Contatos Imediatos de Terceiro Grau”. Passou muito tempo até que minha mulher perdesse a paciência e pedisse para que ele desligasse o aparelho.

Desse tipo não existem poucos espécimes. Eles são muitos e acreditam que o que fazem é a coisa mais normal e correta que existe.

Por isso meu caro amigo leitor, é que te pergunto o que é mesmo que essas pessoas vão fazer no cinema? Assistir a filmes é que não é!

PS: Em que pese hoje ser Dia das Mães, eu não consegui preparar um texto sobre essas maravilhosas rainhas dos lares. Por mais que tentasse, a única coisa em que eu conseguia pensar era na minha sorte e na minha felicidade por ser filho da melhor mãe do mundo, e dizer isso em todo um texto soaria cabotino! Por isso deixei para fazê-lo só aqui, neste PS.

sem comentário »