Metralhadora giratória

21comentários

Joaquim Nagib Haickel
Deputado estadual e membro da Academia Imperatrizense de Letras.

Alguns amigos e leitores andam reclamando que há muito tempo não escrevo nem publicado nada de novo, principalmente nada sobre política. Acho que eles têm razão, então lá vai, depois não reclamem heim!
Minha abordagem de hoje terá quatro tópicos:
1 – Uma frase, na verdade uma sentença na real acepção da palavra ecoa em meus ouvidos há mais de um ano, quando um importante chefe político do meu partido me disse que apesar de eu ser um sujeito culto e inteligente, um deputado competente, um político coerente, responsável e respeitado, carregava comigo um grave defeito que segundo ele me inviabilizaria definitivamente o futuro promissor, que eu até poderia ter, se não fosse como sou.
Você deve estar se perguntado, qual tão grave defeito será que tem esse rapaz!? Segundo ele, o defeito que fará com que eu não assuma os mais altos postos da minha carreira se deve ao fato de eu não aceitar o sistema de liderança cega, surda e muda, como aqueles macaquinhos com as mãos tapando os olhos, os ouvidos e a boca.
Se for verdade que para alguém ter sucesso na política, tenha que se submeter cegamente, surdamente e mudamente a um líder, quem quer que seja ele, então estou realmente lascado. Isso não faço não. Não porque não queira, mas porque simplesmente não sei como agir assim. Não consigo não ver o que me mostram, não consigo não ouvir o que me dizem e principalmente, não consigo deixar de dizer o que penso, de dar minha opinião.
2 – Tenho me sentido muito incomodado com o comportamento de alguns amigos jornalistas que estão fazendo o que mais condenávamos nos jornalistas adversários tempos atrás. Esta dança das cadeiras propiciada pela mudança no comando dos destinos de nosso estado, bem demonstra a forma absurdamente errada que os nossos adversários agiam antes, mas infelizmente serve para comprovar que somos nós agora os errados na forma de praticar o jornalismo político.
Não é porque estamos fora do governo que vamos simplesmente passar a agir como agia a imprensa que antes achávamos tendenciosa e sectária. Dona de uma visão estreita, intolerante e intransigente. Agora somos nós a oposição e agir como agiam aqueles a quem tanto condenávamos é um absurdo sem falar que é uma grande burrice. Os caminhos e a formas mais fáceis e cômodas de defender algo, quase sempre são os mais passíveis de insucesso. Vide os nossos adversários.
3 – Estive em Imperatriz no dia 8 de março, dia internacional da mulher. Fui para a sessão da Academia Imperatrizense de Letras que comemorou aquela festiva data e depois fui ao Teatro Ferreira Gullar onde mais comemorações alusivas ao dia da mulher aconteciam.
Foi uma noite divertida e interessante. Entre uma atração e outra eram feitas homenagens a importantes personalidades femininas da cidade, do estado, do país e do mundo. Perguntas do tipo “quem foi a primeira mulher a se eleger deputada federal no Brasil” eram feitas e quem respondesse corretamente ganhava um presente. Muito interessante e educativo.
Encerrada a festa fomos eu, o confrade Domingos César e o presidente regional do PC do B, Gerson Pinheiro sentar na porta do teatro. Lá pelas tantas Domingos se vira e diz que aquele teatro foi o melhor presente que a Roseana poderia ter-lhes dado. Imediatamente retruquei, pois não sei agir de outra forma. Disse que acreditava, mas perguntei-lhe que se isso era verdade, porque será que sendo o dia internacional da mulher, e tendo em vista todas aquelas homenagens feitas para tantas mulheres tão importantes e merecedoras de nosso respeito e de nossa gratidão, porque não houve nem uma simples alusão ao nome da primeira governadora eleita e reeleita em um estado brasileiro, já que foram homenageadas a primeira deputada federal do Brasil, a primeira prefeita de um município brasileiro, a primeira vereadora do município de Imperatriz!? Ele sorriu como se concordasse.
Sectarismo! Visão parcial, estreita, intransigente e intolerante. As promotoras da festa pertenciam a uma corrente política contraria a ex-governadora Roseana, mas não poderiam jamais desconhecer que ela é mulher e como tal, aquele dia também era seu, e se estavam homenageando tantas e todas as mulheres porque não homenagear até mesmo uma que apesar de ser adversária, construiu e reformou o teatro que servia de palco para aquela comemoração?
4 – Dito isso, quero me dirigir àquele importante líder de meu partido que disse que jamais eu alcançaria posições de destaque na política porque não idolatrava um líder, não tinha um chefe. Olha, já cheguei onde jamais pensei que pudesse chegar. Estou na política desde 1982, 25 anos, bodas de prata. Só irei adiante inteiro, completo, vendo, ouvindo e falando. Se tiver que me mutilar para galgar um degrauzinho a mais, ficarei onde estou. Estou bem aqui.
Integro. Quero poder ser capaz de criticar leal e abertamente meus amigos para poder com todo o respeito e com toda a moral que tenho e que as pessoas têm por mim, defendê-los, quando eles realmente precisarem, não quando simplesmente, por algum capricho eles o quiserem.
Procuro ser um bom político. Jamais seria um capacho.

21 comentários para "Metralhadora giratória"


  1. Leonardo

    Ta vendo!? Não disse!? Só alguém como você escreveria um artigo assim, verdadeiro, corajoso. Parabéns e obrigado por nos presentear com este ótimo texto, só não acredito que ele será publicado no jornal O Estado de amanhã.

  2. Anônimo

    Seria bom se isso fosse verdade.

  3. Joaquim Nagib Haickel

    Amigo anônimo, o que é que seria bom se fosse verdade? Pode me dizer?

  4. Heron Rodrigues

    Deputado, a política também é a arte de ocupar espaços. Discordo completamente do líder de seu partido, pois todos que estão fazendo política têm capacidade e podem, sim, alcançar posições de destaque sem a necessidade de “adorar” lideranças. Aliás, na política, todo mundo é um líder, mesmo que de si mesmo ou de suas próprias idéias. Quanto às suas características, embora acompanhe à distância, tenho a impressão de ser uma pessoa bastante articulada, destemida, leal aos amigos e um verdadeiro homem de bastidores. Defeitos??? Talvez os diga pessoalmente. Como descartar tais características para almejar cargos maiores??? Não precisa, né? Abraços!!!

  5. Lara

    Muito bom texto…Adorei.

  6. Märio Dias

    Parabéns! Você provou que é corajoso ao publicar este artigo. Prove agora que não vai mudar de posição e se tornar mais um capacho dos Sarney.

  7. Milton Vale

    Deputado Joaquim, achei perfeito este seu artigo e também o seu comentário no artigo do deputado Gastão Vieira, no blog do jornalista Marcos Deça. Parabéns.

  8. Graça

    Excelente artigo deputado. Estava sentindo sua falta na pagina de opinião do Jornal O Estado. Um grande abraço para o senhor e que Deus lhe conserve, pois só assim teremos a certeza de termos um homem de boa índole, de bom coração e de bons propósitos falando por nós.

  9. Ana

    Você sabe que gosto muito de suas poesias e que não gosto nem entendo muito de política, mas do jeito que você escreve fica fácil de entender e de gostar.

  10. carlos augusto freire

    Queria que tivéssemos mais políticos como o senhor. Mesmo sendo simpatizante do PT não posso deixar de reconhecer que o senhor é coerente em suas colocações e em suas posições. É uma das poucas e raras figuras do seu grupo político a quem respeito e com quem sentaria numa mesa para conversar.

  11. Joaquim Nagib Haickel

    Graça, Ana e Carlos muito obrigado por suas palavras carinhosas. Elas são o combustível que me fazem tentar sempre dar o melhor de mim para alcançar meu maior objetivo que é o de defender a liberdade de cada um e de todos nós em busca a realização de nossos sonhos, em busca do nosso sucesso e da nossa felicidade, individual e coletiva.

  12. Anônimo

    o mundo precisa se preparar para pessoas como vc

    e vc , preparar o mundo.

  13. Anônimo

    Quero ver deixar de obedecer o Sr Sarney! pra ver o que acontece,ai mesmo é que tu deixa de ser até deputado estadual.

  14. Joaquim Nagib Haickel

    Ao anônimo cidadão de pouca coragem ai de baixo: Só obedeço a minha consciência. Meus erros são meus, não os debito a ninguém. Se um dia vier a não me eleger, terá sido porque devo ter cometido alguns erros ou quem sabe por ter feito algo certo demais. Eu estou deputado, não o sou, não nasci deputado. Nasci livre, aprendi o valor da coerência e me tornei dentro do possível o mais independente que poderia ser.
    Quanto a você, é seu direito pensar o que quiser, fazer o que desejar, desde que não fira a lei nem ofenda as pessoas.
    Sabe qual é a melhor maneira de tratar pessoas como você? Publicando as bobagens que vocês escrevem e depois respondendo estas bobagens esperando que tanto vocês quanto as outras pessoas que por acaso leiam, vejam como tem pessoas tolas neste mundo. E você é uma delas.

  15. Graça

    Deputado Joaquim não ligue para estes imbecis. São uns recalcados e invejosos que nada tem a acrescentar.

  16. antonio carlos

    Concordo com a Graça. Não ligue para estes babacas e continue fazendo o seu trabalho que por causa dele o senhor é admirado e repeitado por muita gente.

  17. Roberto Shalck

    Uma regra básica da política é NÃO FALAR NADA DE SI MESMO. O juízo de valor quem deve fazer são os outros. Você parece que não segue muito essa regra.

  18. Joaquim Nagib Haickel

    Caro Roberto, não lhe parece um tanto incoerente que nós, os políticos, não devamos fazer nenhum juízo de valor sobre as coisas que fazemos. Isso não seria uma forma de irresponsabilidade, de descompromisso para com as pessoas? Você não acha que os políticos devam manter canais de comunicação com a população e tentar explicar suas opiniões e suas posições? Você não acha que dizer que “só obedeço a minha consciência. Meus erros são meus, não os debito a ninguém. Se um dia vier a não me eleger, terá sido porque devo ter cometido alguns erros ou quem sabe por ter feito algo certo demais. Eu estou deputado, não o sou, não nasci deputado. Nasci livre, aprendi o valor da coerência e me tornei dentro do possível o mais independente que poderia ser” é FALAR NADA DE SI MESMO. Eu acredito que dizer isso não é fazer juízo de valor, é estabelecer regras de conduta.
    Ah, sim…Regra básica da política é “tentar” ser coerente

  19. Matt Murdock

    Caro deputado Joaquim Nagib Haickel,meus sinceros parabéns pelo excelente artigo.É fato que para nós eleitores,vcs politicos só precisam seguir se não completamente,pelo menos em parte o que escrevem e falam algumas vezes.E não seja tão duro com algumas pessoas que não sabem dizer apenas “sim senhor e que lindo poema, deputado.”Afinal como diz um provérbio chinês :”Sem a oposição do vento a pipa não sobe”.

  20. Joaquim Nagib Haickel

    Matt, quando eu achar que tenha cometido um erro terei prazer em pedir desculpa, mas enquanto acreditar que esteja certo, defenderei minha posição.
    Procurarei ser mais tolerante com as pessoas que usam deste espaço para de alguma forma me atacar, afinal de contas fui eu quem quis manter este espaço e tenho que assumir as conseqüências disto.
    Gostaria que o amigo soubesse que para mim uma boa critica sincera e uma critica ruim igualmente sincera tem o mesmo peso e o mesmo efeito, me fazem pensar, refletir. Já as criticas meramente bajulatórias ou grosseiras me desagradam também igualmente.

  21. Anônimo

    Está ficando cada vez melhor ler seu blog,além de textos inteligentes nos deparamos com as polêmicas causadas,vc deve estar amando as reações dos leitores.
    Os cães ladram e a caravana passa
    E vamos ao Maranhão do Sul.Que maravilha!!

deixe seu comentário