Metas alcançadas, dever cumprido.

11comentários

Há muitos anos conheci um garoto que sofria de uma forma de dislexia – lia devagar, gaguejava muito, trocava as palavras e só escrevia com letras de forma – mas mesmo assim o danado lia tudo que estivesse ao alcance dos olhos.

Não podia ver uma placa, uma lista telefônica ou uma bula de remédio que pegava pra ler, mesmo que não entendesse lhufas, mas se divertia com os nomes das ruas, os sobrenomes das pessoas e com as palavras complicadas dos nomes das doenças e das substancias químicas.

Literariamente devorou os livros que havia em sua casa, inclusive os dicionários. A mãe que cedo lhe comprou “O Mundo da Criança” e “O Tesouro da Juventude”, mais tarde compraria as enciclopédias “Delta Larousse” e “Britânica”. Seu pai tinha uns livros esquisitos: “Relatório da comissão Warren”, sobre o assassinato do presidente Kennedy, “Como influenciar as pessoas e fazer amigos” precursor dos livros de auto-ajuda, “Manual de suinocultura”… E o pequeno lia tudo como se fossem gibis, fotonovelas ou romances, mas dava preferência aos que tinham ilustrações.

Um dia ele ganhou um livro que mudaria sua vida: “Contos de Grimm”. Foi como se um mundo novo se descortinasse. Mesmo com dificuldade pra ler, e o pai cobrava-lhe muito isso, nosso personagem viu que era aquilo que ele gostaria de fazer quando crescesse. Iria contar estórias. Escrever livros.

Dez anos depois aquele garoto ganharia dois prêmios literários. Um instituído pela prefeitura de sua cidade e o outro pela secretaria de cultura de seu estado, que mais tarde publicaria seu livro.

E nosso amiguinho não parava de ler. Um dia lendo a Barsa, verbete por verbete, na letra “C” deparou-se com uma palavra que o fez tremer. Constituinte. Ao ler o significado e o que faziam seus membros, ele respirou fundo e disse pra si mesmo que se havia uma coisa que gostaria de fazer na vida era uma lei que regesse todas as demais e regulasse, de maneira geral e harmônica, as relações entre as pessoas e as instituições. Para ele quem fizesse isto com correção e competência, estaria apenas alguns degraus abaixo dos heróis mitológicos que conhecera nos livros.

Quinze anos se passaram e nosso personagem era deputado constituinte. Não foi um deputado brilhante nem se destacou, até porque suas circunstancias políticas, sua pouca idade e sua inexperiência não permitiam. Mas o menino havia chegado onde se propunha chegar e estava acumulando aprendizado.

Um dia seu pai chegou a casa com uma imensa caixa de papelão. Era o primeiro televisor da família. O robusto móvel de madeira e vidro da marca Telefunken hipnotizava a todos, principalmente ao nosso amiguinho que então descobriu uma outra maneira de aprender e de se comunicar com o mundo.

Ainda no pré-primário, nosso garoto foi levado a encenar, ao vivo, uma pecinha teatral na única emissora de televisão comercial da cidade, onde seus tios trabalhavam. Encantado com aquele mundo de cabos, luzes e câmeras, perguntou ao pai a quem pertencia aquilo tudo e o pai, levo-o para conhecer os donos. Ao sair de lá, prometeu pra si mesmo que um dia seria dono de uma emissora de televisão.

Vinte anos depois daquilo ele conquistou seu intento.

Mas voltemos para meados dos anos 70. Nosso rapaz com treze pra quatorze anos, já havia descoberto a literatura e a televisão, agora estava sendo arrebatado por uma outra paixão. O cinema.

Lembrando de quando sua mãe lia estórinhas para fazê-lo dormir, sua avó soletrava-lhe a bíblia, o velho motorista de seu pai contava seus causos e dele que não desgrudava da frente da TV assistindo tudo que passava, intuitivamente, percebeu que através de sua incrível capacidade de ver e de ouvir, aprendia mais rápido e melhor. Os audiovisuais através da televisão e do cinema ocupavam agora quase todo seu tempo.

Certa vez foi assistir “A Mulher Faz o Homem”, dirigido por Frank Capra. Nele um jovem e inexperiente senador, tem que defender uma reserva ambiental que alguns queriam destruir para construção de uma usina e para isso tem que enfrentar velhas raposas da política americana.

Durante 48 horas o personagem criado por Capra, discursa no plenário do senado americano, obstruindo a votação que selaria o destino do parque.

Meu amigo que entrara naquela sala de exibição com uns vinte anos, saiu de lá com uns duzentos, dizendo pra si mesmo que se um dia lhe fosse dada a possibilidade de fazer algo parecido com o que vira ali, poderia sentir a magnífica sensação que o personagem interpretado pelo ator James Stuart sentiu no final daquele filme.

Vinte e cinco se passaram e há duas semanas, já não tão inexperiente como antes, aquele menino agora homem feito, teve a rara oportunidade de colocar em pratica o que aprendera naquele filme de Capra. E o fez.

Metas alcançadas e a magnífica sensação de honra e de dever cumprido.

11 comentários para "Metas alcançadas, dever cumprido."


  1. Marcelo Formiga

    É Incrível essa sua capacidade de contar histórias. Não sou do Maranhão, mas tenho acompanhado toda semana as suas crônicas postadas neste blog e a cada domingo fico mais propenso a acreditar que você deveria escrever para algum jornal do sul ou alguma revista de circulação nacional. Pense nisso.

  2. Paulinha

    Fico pensando o que esse garoto andará desejando e se prometendo agora…

  3. Anônimo

    Do Livro do Desassossego:

    ” A vida é para nós o que concebemos nela. Para o rústico cujo campo próprio lhe é tudo, esse campo é um império. Para o César cujo império lhe ainda é pouco, esse império é um campo. O pobre possui um império; o grande possui um campo. Na verdade não possuimos mais que as nossas próprias sensações; nelas, pois, que não no que elas vêem, temos que fundamentar a realidade de nossa vida.
    Isto não vem a propósito de nada”.

  4. thiago marques

    precisa cr muito corajoso pra dzr td isso q vc ta dzndo ai!

  5. Aninha

    Linda como todas as suas histórias, viu pq sempre afirmo que vc não é somente abençoado, mas acima de tudo iluminado.
    Dentro de cada um de nós sempre tem um pouco desse menino, mas nem sempre conquistamos aquilo que nos determinamos qdo crianças, mas então chega o momento de abrir os olhos e agradecer por tudo o que conquistamos(ainda que não tenha sido tudo o que sonhamos) não se trata de ter tudo o que se quer, mas de querer tudo o que se tem, vc conhece o segredo.

    Parabéns e que Deus te ilumine sempre, assim sobra um pouquinho de luz p gente através das suas palavras
    Bjo

  6. Cristiana

    A sua avó, seu pai, sua mãe, o velho motorista dos causos, todos eles e mais um punhado de gente tem muito orgulho desse Homem, acima de qualquer coisa, coerente e íntegro. Parabéns pelo ser humano que é!
    Bjos.

  7. milton trindade

    Um bonito exemplo de vida e um bom texto. Parabéns.

  8. Heraldo Assunção – RJ

    Contado assim de maneira tão competente agente até acredita! Pior será se todos esses fatos forem verdadeiros, isso empobrecerá o seu texto. Vai fazer com que ele seja um mero relato. Torço pra que seja ficção.
    Heraldo Assunção – RJ

  9. Anônimo

    to nessa

  10. Carlos M. C. Soares

    Gostaria de conhecer outros de seus trabalhos literários. Onde posso encontra-los?

  11. Guilherme

    Parabéns Deputado, como disse-lhe pessoalmente, sou se fã. Continue neste caminho, precisamos de políticos como você.

deixe seu comentário