A verdadeira imortalidade.

5comentários

Na última quarta-feira, durante a sessão ordinária da Assembléia Legislativa do Maranhão, usando o tempo do grande expediente, espaço destinado aos mais longos e mais importantes pronunciamentos, o deputado Edivaldo Holanda proferiu discurso com o qual além de fazer uma maravilhosa surpresa, também me deu um presente único, como jamais tive a honra de receber anteriormente.

Ele pediu a palavra e se pôs a fazer a narração de minha pequena e modesta biografia, tanto no campo político, quanto no setor cultural.

Fez isso motivado pelo fato de eu ter sido eleito no dia 2 de julho último para a Academia Maranhense de Letras, onde passei a ocupar desde o último dia 2 do corrente a cadeira de número 37, que tem como patrono Inácio Xavier de Carvalho, e na qual tiveram acento Ribamar Pereira, Luis Viana, Amaral Raposo e mais recentemente José do Nascimento Morais Filho.

Edivaldo ia falando e eu ia vendo passar em minha memória as coisas que ele dizia, como se fosse um filme.

Junte a emoção que eu já sentia, a aquela resultante do fato de eu e ele estarmos nos notabilizando por nossas pelejas nas tribunas da Casa de Manoel Beckman, ele como líder da oposição e eu como vice-líder do governo, ele defendendo suas idéias e eu, as minhas. Isso por si só, já era o bastante para fazer com que o filho de Alexandre Dumas que há em mim, alimentado pelo sentimento de nobreza e honradez que unem adversários leais, se sentisse motivado, se sentisse revigorado da constante cobrança, da excessiva pressão que a lide política nos impõe.

Edivaldo ia falando coisas que pareciam desfilar em minha frente. A sensação que me dava era que se eu esticasse o braço seria capaz de tocar com os dedos todo aquele passado que ele relatava.

Falou de meu pai e de minha mãe. Falou do Guarnicê, do meu primeiro mandato de deputado estadual, quando tinha apenas 22 anos, quando fomos colegas pela primeira vez. Falou de quando também juntos, fizemos parte da Assembléia Nacional Constituinte. Lembrou que fui o relator da emenda do deputado Amaral Neto que estabelecia a pena de morte em nosso país, para a qual eu dei parecer contrário, rejeitando tal medida. Falou dos livros que escrevi, dos filmes que realizei, dos prêmios que ganhei.

Edivaldo no entanto, não poderia imaginar o que viria acontecer com o seu discurso. Na proporção que ele falava, nossos colegas deputados iam se enfileirando nos pedidos de apartes. Sucederam-se Pavão Filho, João Batista, Graça Paz, Jura Filho, Carlos Braide, Eliziane Gama, Helena Heluy, Carlos Alberto Milhomem e por fim Rigo Teles.

Os colegas foram muito simpáticos e elegantes para comigo, muito gentis e carinhosos. Mas dentre todas as falas, uma me causou profunda emoção, fazendo com que eu chegasse mesmo às lágrimas. O que disse a deputada Eliziane Gama fez com que um profundo nó se instalasse em minha garganta. Ela enxergou não apenas o empresário, escritor, o cineasta, o político. Ela colocou seus olhos sobre um outro Joaquim, a pessoa. Aquele que é base e sub-base dessa estrada que trilho e palmilho em busca de minha coerência.

Eliziane foi se lembrar de um episódio distante, acontecido há três anos. Ela se desentendeu com um colega deputado, ficou muito abalada com aquilo e eu fui conversar com ela, tentar fazê-la entender o que havia acontecido, confortá-la. Ocorre que eu não me lembrava desse fato, e foi exatamente por isso que me emocionei, pois naquele instante tive certeza que havia aprendido uma velha lição ensinada por minha mãe: fazer o bem sem olhar a quem e se esquecer, para não ficar esperando reciprocidade. Simplesmente fazer o bem e pronto.

Ao ir buscar tão profundamente esse outro Joaquim, também citado levemente por Edivaldo, Eliziane fez com que a homenagem feita a mim se coroasse com êxito total.

Aconteceu também um outro fato relevante naquela mesma sessão. Alguém que não é parlamentar, aproximou-se de mim e disse que queria me dar um abraço. Era Alda, a minha primeira secretária, que hoje é funcionaria da presidência da Assembléia. Ela me abraçou e me disse que estava em sua sala e ao ouvir o que dizia Edivaldo e o que disse Eliziane, desceu para dizer-me que havia uma coisa que ela sentia, mas que não sabia como se expressar. Disse que só sabia como fazê-lo. Disse que agora entendia por que mesmo não mais trabalhando diretamente comigo, ainda assim se sentia muito próxima, muito ligada: “É porque o senhor, antes de ser deputado, ou empresário, ou escritor, o senhor é gente, e continua a ser o mesmo, igualzinho quando o conheci em 1983. Franco, direto, incansável, responsável, bem humorado…”

Quando as pessoas, ou pelo menos quando uma dentre elas, não importando quem seja, conhece você, reconhece você, guarda você na memória, tem você como parâmetro, isso é ser verdadeiramente imortal.

Deputado Estadual e membro das Academias Maranhense e Imperatrizense de Letras

5 comentários para "A verdadeira imortalidade."


  1. Almira

    Joaquim,
    Saint-Exupéry explica com maestria…
    – “O que significa isso – cativar?”
    – “É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam”, disse a raposa. “Significa estabelecer laços.” “Sim”, disse a raposa. “Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se você me cativar então nós precisaremos um do outro”.
    A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse:
    – “Por favor cativa-me.”
    – “O que eu devo fazer para cativar você?”, perguntou o Pequeno Príncipe.
    – “Você deve ser muito paciente”, disse a raposa. “Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia.”
    No dia seguinte o principezinho voltou.
    – “Teria sido melhor voltares à mesma hora”, disse a raposa. “Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens por exemplo a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração… É preciso ritos”.
    Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa e depois chegou a hora da partida dele.
    – “Oh!”, disse a raposa. “Eu vou chorar”.
    – “A culpa é sua”, disse o Pequeno Príncipe, “mas você mesma quis que eu a cativasse”.
    – “Adeus”, disse o Pequeno Príncipe.
    – “Adeus”, disse a raposa. “E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa.”
    Já o vi citar este “Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa” incontáveis vezes e sei que para você é exatamante assim que funciona… “O essencial é invisível aos olhos”!!!
    Beijo Carinhoso.

  2. Vania Vieira

    O homem consegue existir eternamente apenas se constroe algo capaz de ecoar após sua passagem. A missão na terra é construir algo que passe por gerações e gerações.Isto é a vida eterna.
    Estou feliz com seu sucesso e com sua “Imortalidade”!Parabéns, vc merece.

    Vania Vieira da Silva,Bsb-DF

  3. Carolina Costa Porto

    Querido Joaquim,
    Quantas homenagens…, você merece cada palavra escrita e dita, pois és um homem sensível sempre achei, um político brilhante, até chefe de cozinha, um sonhador e um apreciador da beleza, gosto de você de graça, mas sinceramente de tantas as qualidades a autenticidade grita em você.Parabéns !!!Parabéns de coração! Carol Costa Porto.

  4. Luiz Henrique

    Ah, que bonitinho. O Pequeno Príncipe!

  5. anita

    JOAQUIM NAO SEI COMO AGUENTA ESSE TIPO DE GENTE, GENTE COMO ESSE TAL DE LUIZ HENRIQUE, UM COMPLETO IDIOTA QUE NADA TEM A ACRESCENTAR… E TU AINDA ACITA O COMENTARIO DESSE MULEQUE!

deixe seu comentário