Descabeçados

3comentários

Muitos assuntos pipocam em minha mente insone. Nem posso dizer que tenho insônia, pois se me encostar eu durmo. Como minha ansiedade não me deixa encostar, não durmo e fico pensando nas coisas que gostaria de conversar e com quais pessoas cada um desses assuntos deveriam ser tratados.

Resolvo então que devo falar com você que me lê agora. Que devo comentar sobre tudo o que couber nessas mil palavras que delimitam meu espaço aqui.
Os assuntos seguem pipocando em minha mente. Tentam se impor sobre minha vontade. Desfilam como passistas de escola de samba em evolução frente aos jurados, sacodem ombros e ancas como as voluptuosas modelos em uma passarela, se insinuam timidamente como faziam em tempos idos as sedutoras e casadoiras mocinhas do interior para os caixeiros viajantes…

Comentar sobre política com correligionários e adversários… Ah! De novo não! Estou cansado desse assunto… Falar sobre a Sedel, sobre nossa performance nos Jogos Escolares da Juventude, onde nos saímos muito bem e no qual conquistamos a honra de termos a melhor atleta da competição… Poderia parecer auto promoção. Falar para possíveis patrocinadores sobre o trabalho que o Mavam, Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, ligado à Fundação Nagib Haickel vem fazendo em prol da preservação de acervos cinematográficos e fotográficos e na produção de conteúdos sobre pessoas e fatos relevantes de nossa historia passada e presente… Esse assunto é importante mas pode esperar!

No entanto há um assunto do qual não consigo fugir. Rodo, rodo, rodo e volto para ele. É um assunto que gostaria de tratar com toda e qualquer pessoa que tenha capacidade de influir de algum modo para sua solução, o que parece restringir meus interlocutores, mas não, de uma forma ou de outra todos podem influir, pois o assunto interessa a todos. Trata-se da Terceira Guerra mundial.

O papa do fim do mundo, Francisco, disse outro dia outro dia que estamos enfrentando a Terceira Guerra Mundial. Antes dele alguns analistas já haviam sugerido tal tese, mas só quando uma figura como esse fantástico e simples homem, que nada tem do estereótipo de argentino, arrogante e prepotente, fala é que eu caio em mim.

Essa é uma guerra sem frentes de combates definidas. Nela não teremos batalhas como as de Stalingrado ou do Bulge. Não veremos desembarque como o da Normandia ou retiradas como a de Dunquerque. Nós estamos em guerra em fronts mais próximos de nossas casas, onde não existem franco-atiradores alemães nem russos, onde os heróis não são paraquedistas poloneses, onde o grande comandante não se igualará em bravura a Paton, mas precisa se igualar a ele em coragem, pois terá que enfrentar inimigos piores.

A guerra da qual Francisco fala é a guerra do destino da humanidade, uma guerra social, onde a degeneração da sociedade é o inimigo. Uma guerra onde o tráfico de droga, a corrupção, a intolerância social e religiosa são armas e bombas piores que as V1 e V2 que destruíram boa parte de Londres, e quem sabe se igualem em destruição àquelas detonadas sobre Hiroshima e Nagasaki.

A guerra que enfrentamos é muito pior, pois o inimigo muitas vezes está bem perto de nós e nem sabemos. Eles não usam uniformes, não carregam bandeiras, sua hierarquia é corrompida… É a guerra do fim dos tempos… Ou talvez seja a guerra que nos levará a um novo tempo!?

Há no entanto uma guerra real, com soldados, metralhadoras, mortos e feridos. Uma ação covarde onde não se respeita as regras estabelecidas para que as guerras pudessem existir com um mínimo de dignidade. Uma guerra que me faz lembrar do velho livro de Nostradamus que meu tio Sténio me deu quando eu tinha apenas 13 anos de idade, onde está escrito que haverá um anticristo que varrerá o mundo com sua espada flamejante.

Esse Estado Islâmico com seus atos de terror e crueldade inconcebível faz com que eu, que busco ser tolerante, queira destruí-los usando a mesma forma cruel como a que eles usam.

Caio em mim por alguns instantes e vejo que se pensar assim, se sentir isso, se agir como eles vou estar dando a eles sua tão acalentada vitória.

Tive acesso a imagens horrendas de decapitações e fuzilamentos praticados por terroristas do Estado Islâmico na Síria e no Iraque e senti ódio do ser humano, capaz de não respeitar a dignidade de seu oponente. Mesmo na abominável guerra o sentido de honra e respeito deve se impor.

Por um instante lembro de meu amigo, médico e humanista, Luis Alfredo que foi assassinado dentro de sua casa, ao tentar defender seu filho, por marginais em busca de dinheiro para bancar seus vícios, motivos aparentemente menos nobres que o daqueles porcos que se escondem atrás de um profeta honrado e de um Deus misericordioso para cometer crimes horrendos.

A diferença entre o assassino de Luis Alfredo e o decapitador de Peter Kssig, voluntário pacifista americano na Síria, é que um está mais perto de nós que o outro, mas a guerra, mesmo que não pareça, é a mesma. Infelizmente.

Infelizmente somos todos descabeçados.

3 comentários para "Descabeçados"


  1. André Soares

    Acho que o que tá faltando pro mundo, e principalmente pra o Brasil é de fato uma guerra. Guerra mesmo… Pra vê se dizima pelo menos a metade da população… Mesmo que eu vá…

    Resposta: Amigo, vou postar essa sua bobagem, não sem dizer que é uma das maiores que li.

  2. Pedro Igor Brito

    Embora não concorde com muitos de seus textos e também com alguns atos de tua gestão da Secretária (principalmente com algumas omissões disfarçadas sempre pela desculpa de falta de orçamento), é inegável reconhecer o brilhantismo com que você tratou este tema. Continue assim, ansioso (porém com saúde), para que mais e mais cronicas com tão alto grau de excelência sejam ofertadas a teu público. Parabéns.

    • Joaquim Haickel

      Resposta: Falar é muito fácil Pedro! Dizer que alguns atos de nossa gestão frente a SEDEL são omissões disfarçadas pela desculpa da falta de orçamento seria verdade se a falta de orçamento fosse mentira. Como não é, a sua afirmação é totalmente falsa e fora de proposito neste momento e neste local, uma vez que você está comentando um texto que fala da guerra em que vivemos e não sobre a SEDEL.
      O fato de você discordar de alguns textos meus é tão natural quanto o fato de você concordar com esta. Obrigado pela participação.

deixe seu comentário